domingo, 17 de novembro de 2013

O tempo não é de mesquinhez

 

François Hollande chegou a Telavive e disse que o Irão "representa uma ameaça para Israel, para a região e para o mundo" - Público

Escreve um leitor do Público:
Parece que a opinião pública está a acordar e a impor alguma lucidez aos líderes europeus - finalmente! A todos os inimigos do Mundo Livre, da liberdade e da democracia, que suspiram pela destruição de Israel, lembro que uma guerra generalizada no Médio Oriente dar-vos-ia talvez esse ansiado presente, mas alastraria inexoravelmente e acabaria por vos atingir. E quando os mísseis nos entram pela sala de jantar, até o ódio a Israel se esbate, em prol de preocupações mais imediatas.
E a nosso ver tem razão. Estamos possivelmente perante a ameaça mais séria à paz global desde a Guerra Fria. O tempo não é de mesquinhez. Nem mesmo para os mesquinhos.


 JohnKerryCapitolHillChairs

Kerry quer que Israel fique a falar sozinho. É capaz de vir a ser ele a ficar nessa posição.

Jonathan Tobin, na revista Commentary, diz-nos que o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, teve um dia difícil com senadores de ambos os partidos. O movimento pró-Israel tem forte apoio bipartidário em Capitol Hill e Kerry teve a difícil tarefa de ir convencê-los a acreditar nele e não o governo de Israel:


     "Desvalorizar o contributo de Israel desta maneira, num Congresso onde de uma ponta à outra de apoia o Estado Judaico, pode ter sido um erro de cálculo clamoroso. Kerry exortou o Senado a deixar Israel de fora de uma campanha diplomática que se afigura cada vez mais como irresponsável, e que parece motivada mais pelo desejo de alcançar um bom ambiente com os tiranos islâmicos de Teerão, e pelo desprezo por Israel, do que pela preocupação com os perigos de um Irão nuclear"

Um outro artigo que capta o ambiente do estado presente das negociações:

Nos bastidores da estratégia de Obama de sanções ao Irão
Por Eli Lake
Novembro, 14
 Artigo do The Daily Beast
Obama acredita estar perto de um acordo para parar o programa nuclear do Irão, e está disposto a oferecer até  10 biliões de dólares em alívio de sanções. Mas Israel e o Congresso acham que ele está a dar muito mais.

Os Estados Unidos estão preparados para permitir que o Irão recupere até 10 biliões de dólares em receitas perdidas devido a sanções, de acordo com uma estimativa do governo dos EUA para o alívio sanções proposto esta semana em Genebra.
Três fontes informadas pela administração Obama esta semana sobre as negociações entre o Irão, os Estados Unidos e outras cinco grandes potências, dizem que as estimativas americanas sobre o valor das isenções especiais para permitir ao Irão vender e enviar parte de seu petróleo e outras exportações resultaria em não mais de 10 biliões em alívio de sanções.
Colin Kahl, um ex- funcionário sénior do Pentágono no primeiro mandato de Obama, e especialista em política dos EUA para o Irão, disse em depoimento perante o Congresso quarta-feira que o pacote que está a ser proposto ao Irão vale mais 6 a 7 biliões em alívio de sanções.
Para o Irão, estas sanções são um alívio relativamente modesto, em comparação com as perdas que sofreu como resultado de seu isolamento do mundo económico. Um relatório recente da Fundação para a Defesa das Democracias e da Roubini Global Economics estima que o governo do Irão tem acesso a apenas 20 biliões em reservas estrangeiras no exterior que pode gastar sem restrições.
O congelamento das receitas iranianas é o resultado de um regime de sanções que mantém a economia do país na lista negra  do sector financeiro global. Como resultado , o Irão teve problemas para encontrar seguradoras, bancos e companhias de navegação dispostos a arriscar negociar petróleo iraniano.

 

A visão global das conversações com o Irão
De acordo com a proposta oferecida em Genebra, o Irão seria autorizado a vender 3.500 milhões dólares americanos do seu petróleo nos próximos seis meses, e alguns biliões mais nas vendas do seu ouro, petroquímica e sector industrial, de acordo com informações da administração Obama, descreveu o The Daily Beast .
Os israelitas disseram que o valor do alívio sanções é mais do que a administração Obama tem vindo a afirmar. Na quarta-feira, o ministro dos Assuntos Estratégicos de Israel, Yuval Steinitz, disse aos repórteres que o pacote de ajuda que está a ser oferecido ao Irão daria a Teerão 15 a 20 biliões em ajuda directa, e que a proposta de flexibilização faria o valor total do negócio perto de 40 biliões para os iranianos.
    O porta-voz do Departamento de Estado Jen Psaki, esta quarta-feira contestou essas cifras, dizendo: "Sem entrar em detalhes, esse número, eu posso assegurá-lo, é impreciso, exagerado, e não tem base na realidade".

    No entanto, os israelitas e outros críticos da proposta de alívio de sanções, dizem que há um risco de que qualquer afrouxar da pressão sobre o Irão antes de começar o desmantelamento de seu programa nuclear possa encorajar os países, bancos e outras instituições, a contornarem as sanções existentes.
        Vários senadores do Partido Republicano compararam a estratégia da administração Obama para o Irão com a estratégia da administração Clinton em relação à Coreia do Norte, em que Sherman também esteve envolvida.

    "As negociações com o Irão são impulsionadas pela ganância e pelo medo"
, disse Mark Dubowitz, director-executivo da Fundação para a Defesa das Democracias, um think tank que tem apoiado as sanções sobre o Irão. "Num ambiente de crescentes sanções dos EUA ao Irão, o medo substitui a ganância. Quando as sanções são retiradas como são hoje, a pedido da administração, a ganância substitui o medo".

    Muitos membros do Congresso também consideram que nenhuma pressão financeira sobre o Irão deve ser aliviada até que o Irão comece a desmantelar as centrifugadoras em Natanz e Qom, ou, pelo menos, até que pare de enriquecer urânio. Até então, os senadores de ambos os partidos disseram apoiar uma nova rodada de sanções destinadas a apertar a pressão sobre o Irão, mesmo durante as negociações.

    A administração Obama pretende o alívio limitado das sanções ao Irão em troca de inspecções mais rigorosas e mais transparência do país sobre o seu programa nuclear. Algumas fontes informadas sobre as negociações dizem que o Irão está preparado para limitar a quantidade total de combustível nuclear que irá armazenar a qualquer momento durante o período de negociação de seis meses.

    Na quarta-feira, um confronto entre o Congresso e o Governo teve lugar no Capitólio. Em sessão fechada, o secretário de Estado, John Kerry, a Subsecretária de Estado para os Assuntos Políticos, Wendy Sherman, e o subsecretário do Tesouro, David Cohen, falaram aos membros do Comité Bancário do Senado e à liderança do Senado.

    O senador Bob Corker, que é também o mais importante republicano no Comité de Relações Exteriores do Senado, veio do briefing espantado por os funcionários se recusaram a dar aos senadores quaisquer detalhes do acordo pendente. "Foi um apelo de tipo emocional e fiquei muito decepcionado com a apresentação. Faltou-lhe o conteúdo", disse Corker . "Se eu estivesse a tentar convencer alguém de alguma coisa, eu colocava mais detalhes. Estou surpreendido pela falta de especificidade".

    O senador Mark Kirk, que está a preparar a sua própria legislação para reforçar as sanções contra o Irão, entrou em várias discussões acaloradas com os funcionários durante o briefing, disse o próprio. Kirk disse que o governo de Israel o informou sobre o acordo proposto quarta-feira, e disse que as concessões iranianas só equivaleriam a um atraso de 24 dias no seu progresso rumo à capacidade nuclear, e, em troca, Teerão receberia biliões de dólares de alívio de sanções.

    "O briefing foi bastante anti-israelita. Disseram-nos para não acreditarmos no que os israelitas nos disseram. Eu acho que os israelitas têm um serviço de informações muito bom", disse Kirk. "A administração foi bastante decepcionante, e limitou-se a dizer-nos para ignorarmos Israel. Eu acho que eles estão errados nesta questão".

    Kirk disse que iria usar todas as vias legislativo disponíveis, incluindo o próximo debate sobre a Lei de Defesa Nacional (NDAA), para tentar garantir a votação de um novo pacote de sanções. Ele lembrou aos funcionários que o último pacote de sanções que patrocinou foi aprovada pelo Senado por um voto de 100-0 .

    Vários senadores do Partido Republicano compararam a estratégia da administração Obama para o Irão com a estratégia da administração Clinton em relação à Coreia do Norte, em que Wendy Sherman esteve também envolvida. Em 1994 o acordo-quadro com Pyongyang foi saudado, mas revelou-se um fiasco, devido à desonestidade norte-coreana. A Coreia do Norte posteriormente testou dispositivos nucleares em três ocasiões separadas.

    "Depois de Wendy ter liderado o esforço para dar à Coreia do Norte reactores nucleares e alimentos, o balanço da sua actuação na Coreia do Norte é um fracasso total e um embaraço para o seu serviço", disse Kirk.
"Hoje é o dia em que eu testemunhei um futuro de guerra nuclear no Médio Oriente  que vai ser parte da herança dos nossos filhos. Esta administração, como Neville Chamberlain, está a produzir um conflito grande e sangrento no Médio Oriente  com armas nucleares iranianas".

    O senador Lindsey Graham disse ainda que o exemplo da Coreia do Norte se agiganta e que os senadores não confiam no governo para negociar um bom acordo.
    "Há uma crença real entre os membros do Congresso de ambos os lados do corredor, de que o Governo quer muito este acordo", disse Graham. "Não devemos começar a colocar qualquer capital na economia iraniana até que comecem a desmontar as centrifugadoras".
    O porta-voz do Departamento de Estado Jen Psaki, revelou que Kerry disse aos senadores que mais sanções agora poderiam arruinar as negociações e começar o caminho para a guerra.

    "Nós impusemos sanções, não apenas para trazer o Irão para a mesa das negociações, mas para nos dar uma posição forte, com maior apoio internacional. E as sanções têm funcionado", disse Kerry. "Este é um voto a favor ou contra a diplomacia ... Eu acho que as consequências de não avançarmos com um caminho diplomático são potencialmente a agressão, conflito e guerra".

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.