quarta-feira, 25 de maio de 2022

Jornalistas revoltados: não morreram polícias no Brasil

No AMIGO DE ISRAEL 2.0:

 


Mónica Bergamo chorando a morte de assassinos.

 

A Polícia do Brasil fez uma operação contra um sindicato criminoso e assassino de narcotraficantes. Os bandidos resistiram, e o superior treino da Polícia levou a melhor, graças a Deus!

Porque professam a religião do Mal, da inversão de valores e do ódio, os jornaleiros amestrados ficaram indignados, porque morrerem 22 bandidos e não morreu nenhum polícia. 

O canal oiluiz TV (permanentemente CENSURADO no miserável Youtube) comenta

 

 

 

Para a jornaleirada amestrada, que ama criminosos, terroristas e todo o tipo de BANDIDAGEM, a conclusão é só uma: 
- se morreram 22 criminosos (para grande tristeza dos jornaleiros) e se não morreu nenhum polícia (para grande tristeza dos jornaleiros), então tratou-se de uma enorme "injustiça"!

 

O Miguel Macedo (que já está no RUMBLE, sem CENSURA, mas continua a ter de suportar a ABJECTA rede social extrema-esquerdista, antissemita e pró-islâmica Facebook), resume a reacção da miserável Imprensa nacional: 

Os brasileiros votam massivamente Bolsonaro e já não ligam nenhuma à jornaleirada amestrada. 
Mas em Portugal - país mais iletrado da Europa - é de estranhar que os ignorantes fregueses deste tipo de propaganda corram a votar no partido que a paga, com os nossos impostos

 


 

(É precisamente este argumento que os jornaleiros amestrados e a esquerdalha em geral apresentam, quando os terroristas de Gaza ou do Líbano atacam Israel: visto que Israel, na resposta, mata geralmente mais terroristas do que estes abatem civis e soldados israelitas, então Israel é culpado de "crimes de guerra". 

O que começa com os judeus, nunca se fica apenas pelos judeus. Os judeus são o canário na mina da Humanidade.)


- Este post fica na nossa pequena secção JORNALISTAS.  

2.567+1 jornalistas de guerra mortos em serviço


DUPLO PADRÃO? 2.568 JORNALISTAS MORTOS EM ZONAS DE GUERRA 

Segundo a Federação Internacional de Jornalistas, entre 1990 e 2020, 2.658 jornalistas foram mortos enquanto reportavam em zona de guerra, incluindo 12 da Al Jazeera, diz a atriz Noa Tishby.




 

2.568 jornalistas de guerra foram mortos neste período, nos mais diversos países. 
APENAS UM provocou comoção mundial: o da jornalista da Al Jazeera morta em Israel, abatida por engano pelo grupo terrorista Jihad Islâmica Palestina. 
Porque a morte desta jornalista serve para culpar (injustamente) Israel.


Posts anteriores sobre este assunto:

12 repórteres de guerra da Al-Jazeera mortos, mas...

Morte da jornalista da Al-Qaeda expõe o antissemitismo dos media

 

Culpe Israel primeiro, faça perguntas... nunca!

Jihad Islâmica Palestina mata jornalista da Al-Jazeera e culpa Israel (VÍDEOS)

Nuno Markl indignado: Polícia israelita não se deixa linchar!

 


2568 PESSOAS É MUITA GENTE. 
2567 DESSAS PESSOAS NÃO INTERESSAM A NINGUÉM. 
E A QUE RESTA, SÓ INTERESSA COMO PRETEXTO PARA O ÓDIO MAIS ANTIGO DO MUNDO.



- Publicado no AMIGO DE ISRAEL 2.0

segunda-feira, 23 de maio de 2022

“Seremos todos gays em 2054”



“Todos seremos gays em 2054”, disse o comentarista de esquerda Bill Maher, enquanto critica a mais recente agenda LGBT

O apresentador do programa “Real Time” expressou indignação acerca do fenómeno de crianças sujeitas a bloqueadores de puberdade, citando a falta de estudos de longo prazo e dizendo que “estamos literalmente a fazer experiências em crianças”. “Talvez seja por isso que a Suécia e a Finlândia pararam de dar bloqueadores de puberdade às crianças, porque simplesmente não sabemos muito sobre os efeitos a longo prazo”, disse Maher. 


 

“Embora o senso-comum diga que, quando se inverte o curso das hormonas em fúria, haverá problemas”, acrescentou Maher. Alguns problemas apontados por Maher foram o desenvolvimento da densidade óssea infantil, a fertilidade e “a capacidade de ter um orgasmo”, disse o comediante.

Maher também apontou para estatísticas que mostram um aumento exponencial de pessoas que se identificam como LGBT geração após geração.

“De acordo com uma pesquisa recente da Gallup, menos de 1% dos americanos nascidos antes de 1946 – essa é a geração de Joe Biden – identificam-se como gays. 

2,6% dos boomers, 4,2% da geração X, 10,5% dos millennials e 20,8% da geração Z identifica,-se como gays - o que significa que se seguirmos essa trajetória, todos seremos gays em 2054.”

“Não foi há muito tempo que, quando os adultos perguntavam a uma criança ‘o que queres ser quando fores grande’, eles queriam dizer ‘qual a profissão’”, não o "género". Depois de elogiar a evolução dos direitos dos homossexuais nos EUA, Maher disse aos activistas que “alguém precisa dizer isto: o mundo não gira à vossa volta”.


 Tradução livre de:



COMENTÁRIO 

 

"Se este fenómeno das crianças transsexuais é biológico, porque é que é regional", twittou Bill Maher, acrescentando: "Ou o Ohio está a reprimir as crianças, ou a Califórnia está a encorajá-las.

O argumento da Esquerda (a promotora da agenda LGBT, etc./Marxismo Cultural) é que se agora há mais homossexuais e transsexuais, é porque as pessoas agora estão mais à vontade para "sair do armário".

Os factos, contudo, apontam da direcção oposta: a ideologia de género está a ser activamente promovida nas escolas (como vimos demonstrando desde há uma década aqui mesmo neste blogue). As crianças, numa idade impressionável, são convencidas por adultos woke (nomeadamente por médicos) de que "nasceram com o sexo errado" ou de que são gays.

Mesmo aqui em Portugal, temos visto diversos exemplos de como esta agenda é instilada nas crianças logo no infantário e pelo percurso escolar fora, por exemplo na doutrinação a que chamaram Cidadania e Desenvolvimento

Infelizmente, a esmagadora maioria dos pais do país mais pobre e iletrado da Europa, não faz ideia do que sejam estas coisas. Nem se interessa. Ou então vê os noticiários, acha-se culto, e... aprova!



Apenas 1 Encarregado de Educação em todo o país se opôs a esta miséria.

As pessoas não conseguem estabelecer a relação de causa-efeito entre a política oficial socialista de doutrinação neo-Marxista nas escolas e as suas tristes manifestações, de que este é um mero exemplo: 


Neste famoso inquérito a que sujeitaram crianças de 9 anos, perguntava-se se aos alunos de 8, 9 e 190 anos se namoravam, se já tinham namorado, se gostavam de HOMENS, MULHERES ou AMBOS, e havia a opção de sexo "OUTRO" (porque para esta gente existe um número infinito de sexos (ou géneros, como eles dizem).


- Este post fica na nossa secção MARXISMO CULTURAL. A Esquerda de hoje já não tem "operários e camponeses" para fazer a "Revolução". 
Por isso, inventa um novo "proletariado": gays, transsexuais, alarmistas climáticos, "migrantes",  neo-feministas, a nova Esquerda a todos acolhe. A troco de votos e militância encarneirada. É isso o Marxismo Cultural.

Mas não é só: a Esquerda tem um ódio de estimação aos valores judaico-cristãos. Por isso ataca desalmadamente os fundamentos da nossa civilização (passe a redundância). Temos uma secção dedicada à aliança entre a Esquerda, o Islamismo, o Ocultismo, o Nazismo e outras versões do Mal.

 

A Esquerda moribunda reinventa-se.

 

domingo, 22 de maio de 2022

RACISMO! Mulher atacada com saco de fezes na cara (VÍDEO)

No AMIGO DE ISRAEL 2.0

 

Pedimos desculpa pelo título equivocado do post. Se o atacante é Negro e a vítima é Branca, NUNCA pode ser racismo!!! Talvez seja. mmmm... justiça social, ou assim...


Homem espalha fezes humanas no rosto de uma mulher em estação de metro de Nova Iorque (VÍDEO)

“Um indivíduo desconhecido atingiu uma mulher de 43 anos com fezes humanas” 

Diz a notícia do New York Post

Um homem espalhou fezes humanas no rosto de uma mulher num ataque não provocado na hora de ponta dentro numa estação de metro do Bronx.

 

 

A vítima de 43 anos estava sentada num banco na plataforma sul da estação Wakefield-241st Street por volta das 17h15 de 21 de Fevereiro, quando um homem começou a caminhar em direção a ela, segurando um saco plástico preto, de acordo com os polícias e o vídeo.

Então, sem dizer uma palavra, ele esmagou o conteúdo repugnante do saco no rosto dela, e depois na parte de trás da sua cabeça, como mostra a filmagem.

Veja uma foto em close do agressor:


 
Traduzido e condensado de:


A notícia já não é desde mês, mas não somos uma agência noticiosa. Chamou-nos a atenção este caso, porque não é o primeiro deste tipo, e, curiosamente, as vítimas são sempre caucasianas e os atacantes são sempre afro-descendentes.

(VÍDEO) Estupro à luz do dia no metro de Nova Iorque - Partido Democrata destruíu a cidade

Segundo a narrativa vigente, as pessoas Negras são sempre vítimas, e as pessoas Brancas são sempre opressoras. Mesmo quando levam com sacos de fezes na cara. Repetimos: este é apenas um de muitos casos.

É como os assassinatos em massa: a narrativa é que apenas pessoas Brancas os cometem, quando na realidade: 

Assassinos em massa de 2019, nos EUA, um ano ao acaso.

 

Como frequentemente frisamos, abominamos todo o tipo de racismo, todo o tipo de discriminação, positiva ou negativa, mas convenhamos que a Esquerda não pensa da mesma forma. Alguns exemplos:

 


Massacre de Waukesha: e se o terrorista fosse BRANCO?

Mamadou Ba diz que se deve MATAR O HOMEM BRANCO 

Líder muçulmana dos Black Lives Matter declara que brancos não são humanos e apela ao seu extermínio

"Brancos agredidos brutalmente por negros: imagens terríveis..."

EURÁFRICA - Vêm aí 150 a 200 milhões de africanos

VÍDEO - “Estamos a invadir-vos. Não gostamos do vosso país. Estamos cá para vos explorar.”

Supremo Tribunal de Israel abre a porta a milhões de ilegais africanos

"MATEM OS BRANCOS!" 

A Intifada da Margem Sul

O Caso Giovani e a Guerra Racial dos Mamadous

Quem matou Giovani e a guerra racial em curso

Caso Jamaica: Bloco de Esquerda quer Portugal a arder

Polícia mordido, motorista espancado e... "racismo"!

Candidata democrata Negra falsifica o seu espancamento e sequestro em directo no Facebook

"Manifestantes" matam David Horn, polícia e Negro, e ninguém liga

VÍDEO: Polícia brutalmente espancado. Espectadores riem e transmitem no Facebook.

Menino de 5 anos executado a tiro por afro-americano: Silêncio dos media causa indignação

Aeroporto de Gaulle ocupado: “A França não pertence aos franceses!”

"Os brancos devem sair de África e deixar os africanos invadir a Europa"

“A França é um país racista. Somos mais espertos que os brancos. É um país de analfabetos ”

LIVRE: Nova afronta à bandeira nacional e a PORTUGAL

"O homem branco não pode ter razão contra uma negra e uma árabe" - Maboula Soumahoro
George Floyd (criminoso, gangster, drogado, actor pornográfico) morreu de OVERDOSE de fentanil (esta onda começou toda com o aproveitamento da morte deste gajo).

 

quinta-feira, 19 de maio de 2022

Jovem cristã apedrejada e queimada viva por estudantes muçulmanos

  

  

Nigéria: Jovem cristã, apedrejada e queimada viva por estudantes muçulmanos por comentários considerados ofensivos ao Islão. Manifestações aos gritos de “Allahu Akbar” contra a prisão dos assassinos.

Chamava-se Deborah Samuel. Morreu assim:


Vídeo permanentemente CENSURADO pela canalha extrema-esquerdista islamizadora, mas pode ver, este e muitos mais, AQUI:





Razão pela qual a estudante cristã foi lapidada e queimada viva: opôs-se a que fosse postada informação religiosa num grupo escolar do WhatsApp:



A notícia no LE MONDE

Estudantes muçulmanos no noroeste da Nigéria apedrejaram uma estudante cristã e queimaram o seu corpo depois de a terem acusado de blasfémia contra o profeta Maomé, disse a Polícia na quinta-feira (12 de Maio). O caso ocorreu no Estado de Sokoto, onde a Sharia é aplicada juntamente com a lei comum, como em outros estados do norte da Nigéria.

Dezenas de estudantes da escola Shehu-Shagari ficaram furiosos depois de terem lido um comentário postado nas redes sociais pela colega cristã Deborah Samuel, que eles consideraram ofensivo do profeta Maomé, disse Sanusi Abubakar, porta-voz da polícia de Sokoto, em comunicado. "Os estudantes a tiraram-na à força da sala onde ela havia sido levada em segurança pelos funcionários da escola, mataram-na e incendiaram o edifício", acrescentou o porta-voz. Dois suspeitos foram presos, segundo ele.

Um estudante, que deu Babangida como seu único nome, acusou a estudante de postar "o comentário ofensivo num grupo de mensagens do WhatsApp que todo mundo viu". “Os alunos muçulmanos da escola, que ficaram furiosos com o insulto dela, se reuniram e a espancaram até a morte”, acrescentou.

[…]

 

Justificação da autoridade religiosa local:


“Todos devem saber que nós, muçulmanos, temos limites que não devem ser cruzados. A dignidade do Profeta está na vanguarda dessas linhas vermelhas. Se as nossas queixas não forem tratadas adequadamente, não devemos ser criticados por tratá-las nós mesmos”.


Muito mais informações e vídeos no:  



 

Chamava-se Deborah Samuel. 
Foi apenas mais uma vítima da Religião da Paz, que só neste Ramadão matou 1086 inocentes.


Viu alguma coisa na televisão ou nos jornais, da Deborah ou dos outros milhares de inocentes assassinados a cada mês pela Religião da Paz? 

Viu alguma condenação internacional, como no recente caso da jornalista abatida por terroristas islâmicos em Israel? 
Claro que não! A Religião da Paz está sempre acima de qualquer suspeita. Está sempre desculpada. Os JORNALISTAS ISLAMIZADORES ocultam tudo quanto podem sobre a verdadeira natureza da Religião da Paz.

Agora imagine que este caso tinha ocorrido em Israel e que os assassinos tinham sido judeus. Consegue imaginar o estado em que o planeta Terra e o Nuno Markl estariam a esta hora

 


 

12 repórteres de guerra da Al-Jazeera mortos, mas...

No AMIGO DE ISRAEL 2.0


Os 12 jornalistas da Al Jazeera mortos na linha de frente

Desde o lançamento em 1996, 12 jornalistas da Al Jazeera foram mortos no cumprimento do dever.


Fonte: Al Jazeera

Ouviu falar de alguma destas mortes? 
Dois destes jornalistas morreram no Iraque, um no Iémen, outro na Líbia, sete na Síria e uma em Israel. Mas o clamor internacional e a catadupa de notícias falsas só se fez sentir com a última, que foi abatida por terroristas da Jihad Islâmica Palestina:

 


Culpe Israel primeiro, faça perguntas... nunca!

Jihad Islâmica Palestina mata jornalista da Al-Jazeera e culpa Israel (VÍDEOS)

Os 11 jornalistas tragicamente falecidos em serviço têm um número modestíssimo de entradas no Google. A jornalista abatida por engano pelos terroristas em Israel tem 10 milhões e 200 mil entradas:

Morte da jornalista da Al-Qaeda expõe o antissemitismo dos media


A "Autoridade Palestina" recusou a proposta israelita de uma investigação conjunta, recusou fornecer a bala que vitimou a jornalista, sepultou-a em menos de duas horas e apressou-se a pôr em marcha a operação mediática global de demonização de Israel. 

quarta-feira, 18 de maio de 2022

Morte da jornalista da Al-Jazeera expõe o antissemitismo dos media

 No AMIGO DE ISRAEL 2.0:


Jornalista morta na Ucrânia:  

28 mil notícias

Jornalista morta (por terroristas islâmicos) em Israel: 

10 MILHÕES E 200 MIL "notícias" a culpar Israel.

 

20 JORNALISTAS MORTOS NA GUERRA RÚSSIA/UCRÂNIA


À medida que os bombardeamentos da Rússia à Ucrânia se intensificam, mais jornalistas são mortos. Até agora, um total de 20 jornalistas foram mortos e 13 ficaram feridos desde a invasão de 24 de Fevereiro, de acordo com o Ministério da Cultura e Política de Informação da Ucrânia.

Três jornalistas desapareceram e oito jornalistas, incluindo quatro mulheres, foram sequestrados. Dois repórteres da Fox News foram mortos num ataque perto de Kiev, e outro ficou ferido. (...)

 



Os jornalistas noticiam a morte em serviço de camaradas de profissão. Tanto eles como os leitores, entendem que repórter de guerra é uma profissão de altíssimo risco, e que a morte espreita a cada momento. lamentam, noticiam, e é tudo.

Mas quando existe a possibilidade de culpar Israel, a morte de um jornalista suscita uma onda de ódio e difamação, prontamente correspondida por um público permeável ao ódio mais antigo do Mundo.

 


Oleksandra "Sasha" Kuvshinova é uma das jornalistas morta na Ucrânia, este ano. Se for ao Google, encontrará cerca de 28 mil resultados sobre esta lamentável perda.

Os números são idênticos para cada um dos outros 19 jornalistas.

Mas se procurar pela jornalista Shireen Abu-Akleh, abatida pelos terroristas da Jihad Islâmica Palestina, encontrará 18 milhões e 200 mil "notícias"... culpando Israel por esta não menos trágica morte:

 

Veja também:

Culpe Israel primeiro, faça perguntas... nunca!

Nuno Markl indignado: Polícia israelita não se deixa linchar!


Jornal antissemita "Público" usa Abramovich para atacar a comunidade judaica - TOTALNEWS

 

Ataque à comunidade judaica em Portugal: jornal antissemita "Público" calunia e inventa teorias conspiratórias contra o Museu do Holocausto

 

Por João Lemos Esteves (Agência Total News
O antissemitismo começa a registar proporções épicas em Portugal, e no jornal PÚBLICO; os seus jornalistas tornaram-se activistas do Twitter, lançando desinformação nas redes sociais, usando vários bots e trolls - a sua ala armada militante. 
Agora parece que as autoridades portuguesas abriram uma investigação contra o empresário Roman Abramovich (dono do Chelsea FC). 
Portugal abriu uma investigação judicial contra o empresário russo-israelita-português. 
Porquê? 
Porque Roman Abramovich cometeu um erro económico e financeiro relevante? 
Porque Roman Abramovich lidera alguma operação ilegal da Máfia em Portugal? 
Porque Roman Abramovich ajudou Vladimir Putin na questão da Ucrânia ou algo semelhante? 
Nada disso: Roman Abramovich está a ser tratado como um criminoso em Portugal simplesmente porque... apoia a comunidade judaica portuguesa! 
Imagine-se a ousadia! – supostamente (facto que já foi negado) ele ajudou a construir um Museu do Holocausto na cidade do Porto, em Portugal! 
Que escândalo! Construir um Museu do Holocausto para manter viva a memória do inferno que era o regime nazi, para que as novas gerações nunca esqueçam a barbárie dos campos de concentração, para celebrar a vida de todos aqueles que sofreram, resistiram e venceram! (...)
Este é o grande "crime" de Roman Abramovich: apoiar a comunidade judaica e defender o Estado de Israel em Portugal. 
O pseudo-diário PÚBLICO alega que há uma relação causal entre o apoio que Roman Abramovich deu à comunidade judaica em Portugal e, em particular, no Porto – e a concessão da nacionalidade portuguesa, sob uma lei que consagra o chamado "direito de retorno" aos descendentes de judeus sefarditas, expulsos de Portugal durante o "reinado" da Inquisição em território ibérico. 
A notícia do PÚBLICO é uma notória fake news, uma verdadeira teoria da conspiração, com contornos e caráter antissemita: o seu objetivo final não é Roman Abramovich, não é a Rússia de Putin; é, sim, o Estado de Israel e o povo judeu. 
É uma clara falácia conhecida como post hoc ergo propter hoc. O objectivo é chegar ao Estado de Israel, alimentando a ideia de que a nação do povo judeu é, por definição, "corrupta" e propensa a "actos criminosos" (e que precisa ser "purificada" – olhem para o cinema nazi, está lá tudo; estes "novos antissemitas" não inventaram a roda...). 
Sugerem que a Rússia está por trás do Estado de Israel (por enquanto, não é conveniente atacar os EUA – após a onda americanismo durante a administração do presidente Trump, estes antissemitas não querem permanecer no radar dos EUA, porque não lhes convém pessoalmente). 
Sugerem também que a expansão da comunidade judaica portuguesa é prejudicial aos "interesses nacionais de Portugal". 
É imperativo colocar em perspectiva esta perseguição antissemita contra Roman Abramovich: 
Na verdade, este é apenas mais um episódio da novela criada pelo Partido Socialista, através da deputada Constança Urbano de Sousa (ex-ministra do Interior de Portugal, cujo grande mérito foi deixar Portugal arder, causando centenas de mortes) para revogar a lei que permite aos descendentes de judeus sefarditas obter a nacionalidade portuguesa.
O principal objetivo dos socialistas portugueses (e seus financiadores) é negar a nacionalidade portuguesa aos judeus de ascendência portuguesa, a fim de impedir o crescimento da comunidade judaica em Portugal.

 

 Constança Urbano de Sousa


O jornal PÚBLICO fez aos socialistas um novo favor na sua perseguição a todos aqueles que defendem Israel e o povo judeu: assim, o PÚBLICO lança uma ofensiva contra o "direito de retorno" dos descendentes dos judeus sefarditas expulsos de Portugal para legitimar uma investigação contra a Comunidade Judaica do Porto e Roman Abramovich – e para encobrir a sua iniciativa política (que retomará) para forçar uma nova emenda à Lei da Nacionalidade portuguesa, para prejudicar a comunidade judaica portuguesa. 
Se isto não é antissemitismo e discurso de ódio racial, então apague-se já o crime de ódio do sistema jurídico português. Ele não está lá a fazer absolutamente nada.  
O mais grave é que um relato do jornal preconceituoso e antissemita PÚBLICO, por natureza e vocação, gera, por si só, uma investigação criminal. 
Isto acontece apenas em Portugal, o que revela um preconceito intolerável contra o povo judeu. Se Roman Abramovich tivesse apoiado uma entidade de outra denominação religiosa, um clube de futebol ou qualquer político, nunca teria sido aberta uma investigação . 
Quantos casos são relatados sobre o uso do chamado "visto dourado" para fins ilícitos por empresários chineses e outros estrangeiros? Quantas investigações eles geraram? 
O jornal PÚBLICO não apresenta uma única prova de causalidade entre o suposto apoio à Comunidade Israelita do Porto e a atribuição de nacionalidade a Roman Abramovich. É só história, conversa, narrativa. 
Agora, em Portugal, uma narrativa é suficiente para justificar uma investigação criminal? É que, nos últimos tempos, existem muitas "narrativas" bem fundamentadas sobre várias personalidades políticas e, até onde se sabe, nenhuma investigação foi aberta... 
Teorias conspiratórias são consideradas más, a menos que sejam contra judeus e defensores de Israel; aí, as conspirações tornam-se credíveis. 
E não é difícil adivinhar a fonte do PÚBLICO: deve ser a política socialista, Ana Gomes – a mesma que abriu as portas do Parlamento Europeu a Omar Barghoutti, fundador do grupo terrorista Movimento BDS e considerou que o povo judeu é, citamos, um "lobby perverso".

 

Ana Gomes, à esquerda (claro!)


Ana Gomes tem relações privilegiadas com os jornalistas do PÚBLICO, o que torna plausível que tenha usado Roman Abramovich para esta perseguição antissemita e, sobretudo, à Comunidade Judaica do Porto (que tem feito um trabalho realmente notável, um dos melhores da Península Ibérica). 
Mais: Roman Abramovich é conhecido por ter se tornado, pelo menos desde 2019, um alvo para o Movimento BDS. Isso porque o Chelsea FC (de propriedade de Roman Abramovich) chegou a um acordo com a Liga Anti-Difamação (ADL), com sede em Nova Iorque, para combater o antissemitismo no desporto e na sociedade em geral, após o ataque terrorista a uma sinagoga em Pittsburgh, Pensilvânia, Estados Unidos. 
O Chelsea FC realizou, por ocasião do acordo de cooperação, uma partida em Massachusetts, contra o New England Revolution (propriedade do visionário e brilhante empresário americano, Robert Kraft). A Harper Collins, uma editora americana, pediu desculpas a Roman Abramovich por associar o empresário israelita-russo-português com o financiamento de Putin. 
Na verdade, Roman Abramovich já tem um caminho autónomo (sendo um apoiante de Putin, não pede permissão para discordar dele), tem a sua própria estrutura (superior a muitos Estados) e tem muita informação sobre Portugal e sobre os políticos portugueses.  
Nos últimos dias ficou conhecido que Roman Abramovich acredita que esta investigação criminal está relacionada com uma guerra entre o lobby de Lisboa e escritórios de advocacia, envolvendo uma velha história de Manuel Dias Loureiro, Luís Gouveia Fernandes e um Lencastre que é sócio de Dias Loureiro e presidente de uma Universidade, com conexões com o Partido Socialista.  
Abramovich tem muitas informações sobre todos eles, especialmente sobre os seus negócios no Médio Oriente, Rússia e Angola. Tudo isto será uma simples vingança da SONAE (empresa portuguesa dona do jornal antissemita PÚBLICO) por causa de um negócio que deu errado em Angola, com a família Dos Santos (onde Roman Abramovich estaria indirectamente presente). 
Roman Abramovich disse a um grupo de judeus espanhóis que alguns portugueses (todos fora da comunidade judaica e politicamente expostos, com conexões com escritórios de advocacia conhecidos) queriam que ele pagasse comissões para acelerar o processo de concessão de nacionalidade
Dito isto, vamos ficar com o essencial: independentemente das diferenças políticas (...) que temos, devemos salientar e agradecer o (muito meritório) trabalho de Roman Abramovich na luta contra o antissemitismo e pela defesa e valorização do Judaísmo em todo o mundo.

 



Não há muito a acrescentar. O Al-Público desce sempre mais baixo do que se julgaria possível. Mas não é apenas o Al-Público. Existe uma multidão de antissemitas que consome avidamente ,sem questionar, tudo quanto seja... antissemita. 
Abramovich é tão malandro que até foi recentemente envenenado e esteve às portas da morte, na Ucrânia. Porque aí se deslocou, arriscando a vida, para tentar fazer a paz. O pulha!
Enfim, o que é importante é que Abramovich jamais obtenha a nacionalidade portuguesa, porque os jornais antissemitas deste mundo dizem que ele é um malandrão, que doa dinheiro a causas judaicas, vejam só o calibre do criminoso!!! 
(E nem o João Tilly, do CHEGA, resistiu a regurgitar as atoardas do pasquim extrema-esquerdista Al-Público, e a acrescentar-lhe as suas suposições pessoais, dando como adquirido que acusações antissemitas de extrema-esquerdistas valem para condenar, sem julgamento, um homem e um povo. O fumo das fogueiras da Inquisição ainda paira).