segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Congressita que chamou filho da p*** a Trump pode apanhar 5 anos

Congressista racista muçulmana Rashida Tlaib pode apanhar 5 anos por corrupção
No seu primeiro acto público após ter sido eleita, Rachida Tlaib chamou "FILHO DA PUTA" ao Presidente Trump:



RachidaTalib é uma muçulmana eleita para o Congresso dos Estados Unidos pelo Partido Democrata. Apoiante assumida da jihad e da lei islâmica sharia, esta agente da islamização do Mundo Livre tem debitado propaganda antissemita em cada oportunidade. Declarou publicamente que o Holocausto lhe dá "uma sensação calmante".
O caudal de atrocidades desta integrante do grupo de extrema-esquerda islamista do Partido Democrata conhecido como "O Esquadrão"/"The Squad" e do grupo islamo-nazi BDS é  de tal monta, que não faríamos mais nada se o fôssemos reportar.
Logo na inauguração do seu lugar, e logo depois de pendurar no seu gabinete um mapa do Médio Oriente sem Israel, o seu primeiro acto público foi chamar "filho da puta" ao Presidente Trump.

Dignidade na tomada de posse. Até parece uma deputada do CDS.

Se um deputado republicano chamasse "filho da puta" ao Obama, seria destituído e processado. Mas a estas Joacines Katar das Américas, tudo é permitido. E é essa precisamente a ideia: se alguém levantar um dedo contra elas, é "racismo".
É isso que a vai safar de apanhar os 5 anos de cadeia que merece.


Congressista anti-Israel Rashida Tlaib sob investigação por crime federal
"Não roubarás". 
Êxodo 20:13 



A congressista estreante Rashida Tlaib (Partido Democrata, Michigan) está a ser investigada pelo Gabinete de Ética do Congresso (OCE) depois de supostamente usar fundos de campanha para uso pessoal de maneira ilegal. As violações do financiamento de campanhas são um crime federal punível com até 5 anos de prisão

O OCE iniciou a investigação contra Tlaib “porque há uma razão substancial para acreditar que a congressista Tlaib usou fundos de campanha para o Congresso para uso pessoal e que o comité de campanha de Tlaib gastou fundos destinados apenas a campanhas ou propósitos políticos de boa-fé”. 
Na sua denúncia contra Tlaib, o relatório do OCE observa que os regulamentos federais realmente permitem que um candidato receba salários dos fundos da campanha, desde que cumpram um conjunto específico de condições. Tlaib afirma que cumpriu essas condições, "no entanto, vários documentos fornecidos ao representante do OCE pela congressista Tlaib sugerem o contrário", afirma o relatório do OCE
Tlaib, o seu tesoureiro, o seu gerente de campanha e os funcionários da campanha, recusaram cooperar com a investigação do OCE
Desde que assumiu o cargo, Tlaib tem sido uma oponente aberta de Israel. Após o seu discurso de inaguração, onde ela disse que vai exonerar Trump, a quem chamou "filho da p**a", a família de Tlaib foi registada por diversas vezes louvando terroristas. Ela provocou controvérsia quando disse numa entrevista de rádio que o Holocausto lhe dava uma "sensação calmante"

A família de Rashida Tlaib elogiando terroristas e vendendo mentiras antissemitas. Mais uma exposição do canal Israel Advocacy Movement:

 


Tlaib também planeou uma viagem a Israel como uma plataforma para dar credibilidade à sua agenda anti-Israel, em Agosto. Ela foi posteriormente banida de Israel devido ao seu envolvimento nas actividades do grupo BDS. E embora ela e Jerusalém finalmente tenham concordado com um conjunto de termos e condições para a sua visita, Tlaib acabou por desistir. Ela então realizou uma conferência de imprensa conjunta com Ilhan Omar, membro d' "O Esquadrão", onde as duas atacaram Israel por causa da sua guerra contra a jihad no Médio Oriente.


https://www.breakingisraelnews.com/140210/israel-hater-rashida-tlaib-under-investigation-federal-crime/?goal=0_bb2894f273-0380e761ff-46348057&mc_cid=0380e761ff&mc_eid=7b7cd7fc90

sábado, 7 de dezembro de 2019

Conguitos, Dois Brancos & Um Preto

A nossa postagem mais recente no AMIGO DE ISRAEL 2.0, o nosso blogue-reserva, que o ataque em matilha da extrema-esquerda nos obrigou a criar, enquanto este esteve CENSURADO:

Benjamin Mendy e Bernardo Silva

Consultámos várias fontes, pois nem queríamos acreditar que chegámos a um tal estado de insanidade institucional. Esta história aconteceu mesmo!
Benjamin Mendy (senegalês) e Bernardo Silva (português) jogam no  Manchester City. E pelos vistos divertem-se a valer. Se procurar no Youtube por Bernardo Silva Benjamin Mendy Funny Moments vai sorrir, como nós sorrimos.
Aqui tem uma pequena compilação:

A amizade entre o português e o franco-senegalês é evidente e bem publicitada nas redes sociais. Aqui, ambos dão conselhos de moda:



E tudo estava bem, até que Bernardo Silva encontrou uma parecença entre o Mendy e a mascote dos famosos Conguitos, e publicou-a no Twitter:

O senegalês achou graça (três emojis de riso e um de palmas) e prometeu dar o troco a Bernardo Silva.
A Federação de Futebol de Inglaterra aplicou uma multa de 58,3 mil euros, 1 jogo de suspensão a Bernardo Silva. Porque a imagem foi considerada "racista"! O jogador luso vai também ser obrigado a frequentar um curso para deixar de ser "racista"!

Ocorreu-nos logo o Conguito, o seu canal Youtube  niggaconguito, e o grupo a que ele pertenceu - DOIS BRANCOS & UM PRETO:


Não nos consta que o Conguito tenha sido obrigado a fazer parte deste grupo ou a escolher esse nome artístico. Nos vídeos não encontrámos comentários racistas e o próprio artista até se declarou comovido com o bom acolhimento do público:
Esperamos que ele e os seus companheiros de música não venham a ter problemas com a brigada do politicamente correcto.
Voltemos ao caso Bernardo Silva: Imaginemos que alguém fazia uma brincadeira análoga, por exemplo com o Ronald Koeman, que cá para nós é parecido com a mascote das batatas fritas Pála-Pála:


Seria considerado "racismo"?
Claro que não! Mas comparar uma pessoa africana com uma mascote que reproduz uma criança africana, é "racismo"
RACISTA (sem aspas) é quem acha que ser Negro é "mau". Tão "mau" que qualquer referência, verbal ou visual, a esse facto, é considerado um insulto.
Se eu estivesse no lugar do Benjamin Mendy, estaria, como ele deve estar, envergonhado.  É que a Federação de Futebol da Inglaterra considera que é um infortúnio ser-se Negro.



O ESTADO A QUE ISTO CHEGOU


Um psicopata comunista inglês do grupo terrorista 'Antifa', explica que toda a gente é fascista, racista, homofóbica, etc., menos ele e a sua seita, que venera as ditaduras e os genocídios comunistas e islamistas.


E é este o estado a que isto chegou: ser-se africano, árabe, muçulmano, indiano, cigano, chinês, homossexual, transsexual, é sempre "bom". Ser-se branco e judeo-cristão (o arquétipo do "Mal", na religião do Marxismo Cultural) é sempre "mau".
Segundo a ideologia dominante, todas as pessoas do Mundo são vítimas do tal "Homem Branco", judeu-cristão, heterossexual, pacato, trabalhador, conservador.
No fundo, esta ideologia atribui tacitamente superioridade às pessoas brancas. E inferioridade às não-brancas.
O Marxismo Cultural assume-se como protector dos "fracos e oprimidos". Para esta ideologia todos os não-brancos são como crianças grandes, incapazes de se conduzirem sem a asa protectora do Comunismo. Mesmo que o Comunismo se apresente hoje em versão século 21, enrolado em "identidades de género", "justiça ambiental" e outras patranhas.

Cá está o psicopata em todo o seu sombrio esplendor:






POST-SCRIPTUM
E já que o futebol deu o mote, aqui fica um documentário de 1973 (o tempo do "fascismo")  intitulado "Eusébio, a Pantera Negra", que hoje teria de se chamar "Eusébio, a Pantera Afro-Descendente", ou coisa assim:


Neste documentário, entre outras coisas, poderá ver uma Lisboa em delírio, com milhares e milhares de brancos em delírio, saudando em especial dois pretos: Eusébio e Coluna. Quem já nasceu depois do 25/4 pensa que o regime anterior era uma espécie de Alemanha nazi.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

EUA: Todos os ataques antissemitas de 2019 captados em vídeo


Uma onda de ataques antissemitas varreu os Estados Unidos em 2019. Eis os que foram captados em vídeo:




Via:

https://www.breakingisraelnews.com/141044/all-antisemitic-incidents-in-us-caught-on-video-in-2019/


Quem se alegra com isto deve lembrar-se que o que começa com os judeus nunca se fica apenas pelos judeus. Somando uma série de originalidades (irritantes para alguns), os judeus são o barómetro habitual do mal-estar nas sociedades. Quando os judeus começam a ser procurados como bode expiatório, a coisa tende a atingir outros grupos humanos logo a seguir.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Kit Greta Thunberg

O nosso mais recente no AMIGO DE ISRAEL 2.0:

Via:  Renaissance Horizon

"VOCÊS ROUBARAM OS MEUS SONHOS E A MINHA INFÂNCIA" - KIT DE INICIAÇÃO
Cadeira Vitra: 8.690 euros (+ 1790 na versão em madeira de jacarandá)
Cadeira Egg da Pamoni: 9.450 euros (+ 340 euros de despesas de envio)
Guitarras Ovation (aproximadamente 1000 euros)



....................................................................................

É esta menina que se queixa de ter tido a infância destruída pelo Capitalismo.
Só numa foto da humilde casinha dos comunistas suecos Thunberg, podemos ver como o ambiente é tipicamente proletário. São estas pessoas que exigem que as  pessoas vivam na mais abjecta pobreza, em nome de uma MENTIRA.
Greta Thunberg (caso ainda não a conheça) é uma jovem sueca, quase a fazer 18 anos, que se veste como uma criança e deixou de ir à escola para passar a andar pelo Mundo Livre a promover a agenda extrema-esquerdista dos seus pais, comunistas do grupo Antifa:
Segundo Greta, os países do Mundo Livre devem parar imediatamente de usar meios de transporte que usem combustíveis, devem abandonar a industrialização, devem devem basicamente regressar à Idade Média.
E porquê? Porque, segundo Greta, a jovem que deixou de ir à escola já há alguns anos, o planeta Terra está a aquecer. A China, a Índia, os países comunistas e islâmicos, não aquecem o planeta. Só os do Mundo Livre.
Greta, segundo os seus pais, consegue ver o dióxido de carbono a olho nu.  A jovem é autista, sofre de depressão crónica e de psicose maníaco-depressiva.
Greta declara nos seus discursos "que quer que as pessoas entrem em pânico". E está a consegui-lo:

Epidemia global de 'eco-ansiedade' atinge crianças


O Efeito Greta:


As crianças andam a faltar às aulas às sextas-feiras para irem para isto.


As alegações de Greta Thunberg e de toda a Esquerda, que a apoia fervorosamente, não têm qualquer base científica, como demonstrámos exaustivamente (por exemplo) em:

Greta Thunberg e a lavagem cerebral eco-fascista às crianças

31.000 cientistas REJEITAM tese "oficial" do aquecimento global

Completamente injectada de ódio, o discurso de Greta na ONU, escutado reverentemente pelo Secretário-Geral Frei Guterres das Fronteiras Abertas, deixou meio mundo de cara à banda:


Usar crianças e jovens (Greta será adulta dentro de alguns meses) para promover agendas maléficas, não é novo. Genocidas torcionários como Stalin, Mao e Hitler, já o fizeram:

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Banco estatal russo: "Mate judeus"

Banco estatal russo envia código aos clientes: "Mate judeus" 
E te farei voltar, e far-te-ei subir do extremo norte, e te trarei aos montes de Israel.

Ezequiel 39:2


Agência Sberbank em Subotica, Sérvia. O Sberbank é uma empresa estatal de serviços bancários e financeiros da Rússia, com sede em Moscovo. 

Na semana passada, um ex-consultor de Moscovo divulgou um código com a mensagem 'Mate judeus' enviado aos clientes pelo banco russo Sberbank - ver Jewish.ru. 
Artem Chapaev twittou uma captura de ecrã da senha que recebeu como mensagem de texto para telefone, vinda do Sberbank. 




O código estava no idioma russo, mas as letras do alfabeto inglês eram compostas por: "CRYVKILLJEWS"
Enquanto o seu tweet circulava nas redes sociais, o Sberbank, que pertence ao Banco Central da Rússia, alegou que a imagem havia sido adulterada. 
Mas, de acordo com o Jewish.ru, o Sberbank rapidamente voltou atrás, admitindo que a imagem no tweet era realmente autêntica. 
O serviço de imprensa do Sberbank alegou que o código enviado ao cliente via SMS é um conjunto gerado de caracteres aleatórios. “O mecanismo para gerar um número tão grande de combinações únicas de caracteres é executado automaticamente pelo sistema e não envolve a participação dos funcionários. Pedimos desculpas e em breve revisaremos o processo de geração de um código de participante”, pode ler-se numa declaração de uma instituição de crédito.

Traduzido e condensado de:



Exactamente, Sberbank! Os pogroms e o Holocausto, ambos executados com zelo em terras do Leste da Europa, também foram aleatórios. Olhem para esta aleatoriedade:













terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Terrorista de London Bridge era um muçulmano simpático

Na sequência de:

A Grã-Bretanha está acabada


Numa entrevista de TV em 2008, o muçulmano paquistanês Usman Khan disse à BBC: "Não sou terrorista".
Isto foi quatro anos antes de sua condenação por planear explodir a Bolsa de Valores de Londres e 11 anos antes da sua fúria violenta na ponte de Londres, onde ele matou duas pessoas.
BARE NAKED ISLAM




Se dúvidas houvesse, aqui fica a prova de que ele era um excelente rapaz, como todos os muçulmanos que as pessoas conhecem e que são todos "muito simpáticos", até começarem a matar as pessoas, mas isso de certeza que é do aquecimento global.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Terrorista de London Bridge pertencia a grupo islâmico e nazi

Na sequência de:

A Grã-Bretanha está acabada



Reino Unido: O assassino jihadista de London Bridge pertencia a grupo muçulmano que admirava Hitler
30 de Novembro de 2019, Robert Spencer  

https://www.jihadwatch.org/2019/11/uk-london-bridge-jihad-murderer-belonged-to-muslim-group-that-admired-hitler

Nenhuma surpresa aqui. O Alcorão descreve os judeus como inveteradamente maus e empenhados em destruir o bem-estar dos muçulmanos. Eles são os mais fortes de todas as pessoas inimigas dos muçulmanos (5:82); eles fabricam coisas e atribuem-nas falsamente a Allah (2:79; 3:75, 3: 181); eles afirmam que o poder de Allah é limitado (5:64); eles gostam de ouvir mentiras (5:41); eles desobedecem a Allah e nunca observam os seus mandamentos (5:13). Eles estão sempre em disputas e brigas (2: 247); escondem a verdade e enganam as pessoas (3:78); encenam rebelião contra os profetas e rejeitam a sua orientação (2:55); são hipócritas (2:14, 2:44); dando preferência aos seus próprios interesses sobre os ensinamentos de Muhammad (2:87); desejam o mal das pessoas e tentam enganá-las (2: 109); sentem dor quando os outros estão felizes (3: 120); são arrogantes por serem as pessoas amadas de Allah (5:18); devoram a riqueza das pessoas por meio de subterfúgios (4: 161); caluniam a verdadeira religião e são amaldiçoados por Allah (4:46); matam os profetas (2:61); são impiedosos e sem coração (2:74); nunca cumprem as suas promessas ou as suas palavras (2: 100); são desenfreados em cometer pecados (5:79); são covardes (59: 13-14); são avarentos (4:53); foram transformados em macacos e porcos para quebrarem o Sábado (2: 63-65; 5: 59-60; 7: 166); e mais. Eles estão sob a maldição de Allah (9:30), e os muçulmanos devem fazer guerra contra eles e subjugá-los sob a hegemonia islâmica (9:29).
Nota do tradutor: o problema de Muhammad com os judeus e com os cristãos foi que eles não o  aceitaram como Profeta e Messias. A partir daí desatou a matá-los ele mesmo e ordenou que os seus seguidores o fizessem. E fazem, ininterruptamente, há quase 1500 anos.

Muita gente ainda não sabe (nem quer saber) que o Nazismo foi aliado do Islão e se inspirou nessa ideologia (O Holocausto foi uma sugestão do Grande Mufti de Jerusalém), nem que os muçulmanos continuam a admirar Hitler e o Nazismo:




“O esfaqueador da London Bridge pertencia ao grupo jihadista que admirava Hitler”
Laura Italiano, New York Post, 30 de Novembro de 2019:

    O terrorista esfaqueador, que foi subjugado por civis, e morto a tiro pela Polícia na ponte de Londres na sexta-feira, era um conspirador bombista que estava a iniciar um campo de treino jihadista na Caxemira - e cujos colegas islâmicos admiravam Hitler e subestimavam o Holocausto.


   Antes do ataque de sexta-feira, o nativo do Paquistão Usman Khan, 28 anos, estava em liberdade, um ano depois de cumprir apenas metade de uma sentença de 16 anos por conspirar com outros oito em 2010 para bombardear locais em Londres como a Bolsa de Valores, a Embaixada americana e Abadia de Westminster.

    Ele ainda usava uma pulseira electrónica, quando entrou em fúria e usou duas facas compridas para atacar pessoas, depois de falar sobre a sua própria "reabilitação" durante uma conferência de justiça criminal patrocinada pela Universidade de Cambridge em Londres, matando duas pessoas e ferindo três.


    Em 2010, ele e seus companheiros jihadistas inspirados pela Al-Quaeda [sic] angariaram fundos e recrutaram terroristas para um campo de terror. Khan, aos 19 anos, o mais jovem do grupo, esperava construir bases terroristas nas terras da sua família na Caxemira, informou a CNN.


    O campo seria disfarçado de escola muçulmana legítima, mas os seus graduados retornariam ao Reino Unido como terroristas altamente treinados que cometeriam ataques mortais, de acordo com processos judiciais citados pelo The Guardian.

    Os investigadores montaram escutas na sede do grupo extremista e ouviram os membros falando favoravelmente sobre Hitler, que eles chamavam de aliado do Islão porque ele entendia que "os judeus eram perigosos", relatou o Guardian.
------------------------------------------

As Escrituras islâmicas mandam invadir, escravizar, torturar, estuprar e matar os infiéis. Os líderes islâmicos continuam a pregá-lo. Mas os líderes do Mundo Livre continuam a dormir.

f


A Grã-Bretanha está acabada

Na sequência de:
Esta sexta-feira, mais um massacre islamista no Reino Unido. Os colonos maometanos insistem que eles é que são atacados. O primeiro-ministro, após um breve acordar, volta a pedir-lhes desculpa.
Visite a nossa secção Reino Unido e constate o terror da colonização islâmica.

Boris Johnson, primeiro-ministro e líder do Partido Conservador do Reino Unido, força política também conhecida como Tory. 

Reino Unido: Boris Johnson pede desculpas por "toda a mágoa e ofensa que foi causada" pela "islamofobia"

“Johnson foi amplamente criticado pelos tories seniores após as suas observações no jornal Telegraph, com pedidos de desculpas por parte do então presidente do partido, Brandon Lewis. O grupo de monitorização Tell Mama disse que as declarações de Boris provocaram um aumento de 375% nos ataques anti-muçulmanos e incidentes gerais de abuso. No entanto, Johnson tinha sempre recusado pedir desculpas.”

"O grupo de monitorização Tell Mama disse que as declarações de Boris provocaram um aumento de 375% nos ataques anti-muçulmanos e nos incidentes de abuso". Como é que eles sabem disso? Este é um caso de post hoc ergo propter hoc - depois de B, portanto causado por B.
Os supostos ataques anti-muçulmanos ocorreram após as supostas observações “islamofóbicas” de Johnson, mas, a menos que os autores tenham citado Johnson para explicar os seus actos, a conexão é imaginária.

O Tell MAMA é "um grupo 'anti-islamofobia' sobejamente desacreditado que perdeu o financiamento do governo em 2013 após exagerar as estatísticas para promover sua causa".

A Grã-Bretanha está, é claro, acabada.

https://www.jihadwatch.org/2019/11/uk-boris-johnson-apologizes-for-all-the-hurt-and-offense-that-has-been-caused-by-islamophobia
De facto, a continuarmos assim, com os nossos líderes a submeterem-se ao Islão, não há outra saída senão a guerra civil.


O supremacista islâmico Fiyaz Mughal, do grupo Tell Mama, de quem já falámos neste blogue.

"Boris Johnson pede desculpas pela 'mágoa' causada pela islamofobia Tory"
por Haroon Siddique, Guardian, 27 de novembro de 2019:

    Boris Johnson pediu desculpas pela islamofobia dentro do partido Conservador, depois de um candidato conservador ter acusado o primeiro-ministro de acender as chamas do preconceito anti-muçulmano.

    O primeiro-ministro enfrentou fortes críticas por causa de uma coluna no ano passado, na qual ele usou os termos "ladrão de bancos" e "caixa de correio" para descrever mulheres muçulmanas que usam burca e por não realizar uma investigação independente sobre a islamofobia no partido.

    Na quarta-feira, numa visita à Cornualha, questionado sobre se pediria desculpas pela islamofobia que ocorreu no partido Conservador, ele respondeu: “É claro, e por toda a mágoa e ofensa que foi causada - é claro que sim. E tudo isso é intolerável e é tão importante como país que não permitamos esse tipo de coisa e é por isso que teremos uma investigação independente".

    O pedido de desculpas foi o primeiro que Johnson fez em relação à islamofobia e veio um dia depois de Jeremy Corbyn ter recusado repetidamente durante uma entrevista na TV pedir desculpas pelo antissemitismo dentro do Partido Trabalhista.

    Johnson, que concordou com uma investigação independente sobre a islamofobia durante um debate televisionado sobre a liderança dos conservadores, em Junho, disse que a investigação seria sobre "todo tipo de preconceito e discriminação". Os críticos, que dizem que o preconceito anti-muçulmano é predominante dentro do partido e exigem um exame específico, insistem que tal medida não chega.


    O pedido de desculpas de Johnson veio depois de Parvez Akhtar, candidato conservador de Luton South, ter pedido ao primeiro-ministro que se desculpe de forma inequívoca pelos comentários que fez sobre as mulheres muçulmanas no Telegraph no ano passado e faça uma investigação independente sobre a islamofobia dentro do partido.

    "Qualquer que seja a intenção da coluna, o efeito tem sido reforçar a visão amplamente aceite de que o partido conservador tem um ponto cego quando se trata de muçulmanos", disse Akhtar. "Essa visão é ainda mais exacerbada pelo facto de o primeiro-ministro se recusar a pedir desculpas por esses comentários e realizar uma investigação independente sobre a islamofobia, apesar de se comprometer com isso na televisão ao vivo".

    Akhtar disse que duas vezes experimentou pessoalmente o ódio anti-muçulmano voltado para ele dentro do partido desde que ingressou em 2005, mas não foi embora porque sentiu que a única maneira de efectuar mudanças era a partir de dentro….

    Akhtar disse: "Não posso mais ficar calado, pois seria cúmplice da flagrante discriminação que existe não apenas dentro do partido em relação aos indivíduos, mas também quando se trata da agenda política".


    Johnson foi amplamente criticado pelos tories seniores após as suas observações no Telegraph, com pedidos de desculpas, inclusive do então presidente do partido, Brandon Lewis. O grupo de monitorização Tell Mama disse que as declarações de Boris levaram a um aumento de 375% nos ataques anti-muçulmanos e nos incidentes de abuso. No entanto, Johnson sempre se recusou a pedir desculpas.

    A ex-presidente dos conservadores, Sayeeda Warsi, que faz campanha contra a islamofobia há anos, aplaudiu a posição de Akhtar e disse que o pedido de desculpas de Johnson era "um bom começo".











sábado, 30 de novembro de 2019

London Bridge: Terrorista libertado contra ordem do Tribunal

Publicado agora mesmo no nosso AMIGO DE ISRAEL 2.0:


Um extintor e um dente de narval empunhado por um polaco, impediram que o maometano tivesse assassinao mais gente.

Depois do ataque islamista de 2017, que matou 8 pessoas na Ponte de Londres, o local voltou a ser palco de uma matança. Um maometano que foi inexplicavelmente libertado da prisão, quando estava ontem a participar numa conferência sobre "como deixar de ser jihadista", entrou em fúria e desatou a esfaquear infiéis.



ATAQUE TERRORISTA EM LONDON BRIDGE - TERRORISTA COM FALSO COLETE DE BOMBAS MORTO A TIRO POR POLÍCIAS DEPOIS DE TER ESFAQUEADO 12 PESSOAS.
(NDT: duas pessoas já morreram)

Por: Brittany Vonow e Matthew Coyle, The Sun, 29 de Novembro de 2019:

A Polícia matou um terrorista usando um colete falso, depois de pelo menos 12 pessoas ficaram feridas num ataque chocante na ponte de Londres hoje.

Imagens aterrorizantes da cena mostram agentes armados disparando duas vezes contra o homem armado com uma faca, depois de transeuntes heróis o terem atirado ao chão. (...)
O vídeo:



O TERRORISTA MUÇULMANO autor do ataque mortal de ontem na Ponte de Londres foi posto em liberdade para matar inocentes à sua vontade, apesar da decisão do juiz de que NUNCA deveria ser libertado.

O terrorista paquistanês-muçulmano de London Bridge, autor do ataque de ontem, foi posto em liberdade para matar um homem e uma mulher inocentes, apesar da opinião do juiz que o prendeu e decidiu que ele NUNCA deveria ser libertado da prisão.

O maometano Usman Khan.



USMAN KHAN, 28 anos, de Staffordshire, foi libertado da prisão em Dezembro do ano passado após ter sido condenado por crimes de terrorismo, antes de esfaquear duas pessoas até à morte ontem, enquanto usava um falso colete de bombista suicida. 
O terrorista esfaqueador foi preso por oito anos em 2012, depois de a Polícia ter descoberto um complot da sua célula terrorista de nove jihadistas, que pretendiam bombardear a Bolsa de Londres e construir um campo de treino de terroristas. Ao condená-lo, o juiz Justice Wilkie disse que Usman estava a trabalhar numa agenda jihadista "ambiciosa e séria".  
Ele disse ao Tribunal: "Na minha opinião, estes infractores continuam a ser, mesmo após um longo período de prisão, um risco significativo do qual o público não poderia ser adequadamente protegido".



Surgiram agora perguntas sobre como é que o terrorista - que usava uma pulseira electrónica durante o ataque de ontem - foi libertado automaticamente sob licença há 11 meses.
Então, porque é que ele foi libertado? Quando a Polícia descobriu a trama em 2012, encontrou uma lista de alvos estabelecidos pela célula que incluía as casas de Boris Johnson, bem como a embaixada dos EUA e de dois rabinos. A lista foi encontrada num pedaço de papel A4 dobrado numa mesa de computador no apartamento do líder da célula terrorista, Mohammed Chowdhury, na Ilha dos Cães.


Em resposta a estas revelações, Boris Johnson disse que foi um "erro" deixar Khan sair mais cedo. Johnson, que prometeu reprimir crimes violentos, disse: "É importante abandonar este hábito e aplicar as sentenças apropriadas para criminosos perigosos, especialmente para terroristas".
Ontem, o assassino Khan foi convidado numa conferência da Universidade de Cambridge sobre reabilitação de prisioneiros quando lançou o ataque no histórico Fishmongers 'Hall, no centro de Londres. As pessoas que compareceram no evento disseram que ele entrou no salão principal do edifício e entrou num tumulto, atacando qualquer um que cruzasse o seu caminho, pouco antes das 14 horas.
Ele então seguiu para London Bridge - a cena do ataque terrorista de 2017 que matou oito pessoas - mas acabou por ser detido por heróis que o atacaram com um extintor de incêndio e um dente de narval.


..........................................................................................


COMENTÁRIO 


Ontem mesmo, Boris Jonhson, o palhaço que governa actualmente o Reino Unido, pediu desculpas aos colonos maometanos do Reino Unido, pela "dor e sofrimento causados pela islamofobia".
Este maometano estava a participar numa conferência sobre "desradicalização de jihadistas" quando desatou a atacar infiéis. 
Porque o EURISLAM tem de avançar, a sociedade continua na estúpida ilusão de que é possível qualquer tipo de convívio pacífico com os maometanos e com o Islão.
E é proibido dizer a verdade sobre o Islão. Em Espanha já dá 3 anos e meio de cadeia.




sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Espanha adopta Sharia: 3 anos e meio de prisão por criticar o Islão

O nosso mais recente no AMIGO DE ISRAEL 2.0:
Enquanto rabiscamos estas linhas, pescadas de um oceano diário de islamização e atrocidades islamistas (que ultrapassam até as atrocidades nazis e comunistas) os jornaleiros islamizadores desunham-se pelas Televisões a provar por A + B que o muçulmano que agora mesmo desatou a esfaquear "infiéis" em Londres (a capital mundial dos ataques à facada) não era um terrorista, mas sim uma pobre vitima do capitalismo ocidental e da tradição judaico-cristã.
Nem vamos gastar energias a comentar o que é o pão nosso de cada dia na Europa e onde quer que haja maometanos.
Este caso só está a ser falado porque se deu em plena Londres, à vista de milhares de testemunhas. Senão, seria "mentira", "fake-news".

Para aprender um pouco sobre Islão:





Espanha adopta a Sharia : Estado recomenda 3 anos e meio de prisão para homem que criticou o Islão no Facebook
https://www.jihadwatch.org/2019/11/sharia-spain-prosecutor-recommends-3-1-2-years-prison-for-man-who-criticized-islam-on-facebook


O acusado, identificando-se pelo nome, postou na sua conta do Facebook mensagens ‘nas quais promoveu animosidade, rejeição, exclusão, agressão e confronto contra o povo muçulmano, bem como contra pessoas de origem estrangeira, etnia negra e cigana'”.
A notícia não dá exemplos, para que não possamos avaliar o que foi realmente dito. Já que muitas vezes a análise honesta da ideologia motivadora por trás do terror da jihad é falsamente caracterizada como promovendo "animosidade, rejeição, exclusão, agressão e confronto contra o povo muçulmano", isto pode ser essencialmente uma imposição da Sharia na Espanha.
Se um grupo está acima das críticas, esse grupo é uma classe protegida na sociedade, com mão livre para fazer o que deseja, por mais injusto que seja. Esse tipo de decisão está a levar os muçulmanos a tornarem-se uma classe protegida na Espanha.


“Homem enfrenta 3 anos e meio de prisão por postar mensagens contra o Islão no Facebook” 
À Punt, 28 de Novembro de 2019 

    O promotor solicitou três anos e meio de prisão por crime de ódio para um homem que postou mensagens sobre o Islão e o povo muçulmano no Facebook.

    O Código Penal prevê uma sentença de prisão de um a quatro anos para aqueles que promovam publicamente a discriminação ou violência contra um grupo de pessoas por razões ideológicas ou religiosas.

    É exactamente isso que o promotor considera que o acusado fez ...

    O acusado, identificando-se pelo nome, postou na sua conta do Facebook mensagens "nas quais promoveu animosidade, rejeição, exclusão, agressão e confronto contra o povo muçulmano, bem como contra pessoas de origem estrangeira, etnia negra e cigana".
 
    As mensagens, publicadas entre 2 de Setembro de 2015 e 4 de Dezembro de 2017, devem ser retiradas, acrescenta o promotor nas suas conclusões provisórias.

 ------------------------------------------------------------


 COMENTÁRIO

Há muitos anos que este blogue alerta para o apertar do cerco à liberdade de expressão por parte das autoridades europeias. A União Europeia assumiu o compromisso de islamizar a Europa em tempo recorde:



A ONU, que é hoje uma propriedade da Arábia Saudita e do Irão, não hesita em fazer o seu lacaio António Guterres forçar a abertura das fronteiras do Mundo Livre às hordas islâmicas:

 

“Fronteiras abertas são a fonte da força da Europa”, diz o Secretário-Geral da ONU


O Papa legítimo, Benedicto XVI, foi exilado à força, e o seu substituto, o usurpador comunista Francisco I, intima os europeus a aceitarem a substituição populacional, cometendo mesmo a heresia de comparar os terroristas do ISIS aos Apóstolos da Igreja que ele diz servir:



A classe política em peso está ao serviço desta agenda. Os capitais islâmicos compram os nossos políticos, como temos demonstrado sem cessar.  O colaboracionista e assassino nazi George Soros, com a sua vasta fortuna, dá uma ajuda e dispõe dos seus próprios deputados no Parlamento Europeu:

Ana Gomes e todos os deputados portugueses de George Soros


Nas cadeias da França, Suécia, Reino Unido, Alemanha e tantos outros países europeus, muitos cidadãos já foram encarcerados e tacitamente condemados à morte (os muçulmanos geralmente matam.nos na prisão) por dizerem uma VERDADE cristalina: O Islão é uma ideologia do MAL!
Como pode o Povo resistir à mão de ferro da islamização global, se até figuras publicas da Política enfrentam cadeia por dizerem a VERDADE sobre o Islão - uma ideologia mortífera, genocida, assassina, torcionária, pior que o Comunismo e o Nazismo juntos?


A lavagem cerebral  das massas evita que estas queiram tomar conhecimento dos FACTOS mais elementares sobre o Islão:

MIL MILHÕES DE MUÇULMANOS QUEREM A LEI ISLÂMICA SHARIA



Desgraçadamente, a partir daqui, a guerra civil é inevitável.




E isto tudo já está em Portugal, pois os nossos políticos mandam embora os portugueses a importam "migrantes":