quinta-feira, 14 de novembro de 2013

A Arte de Desinformar

Netanyahu recua nos colonatos a pensar no Irão - anuncia a publicação anti-Israel e filo-muçulmana Público.

É o que faz a generalidade da Imprensa mainstream, que se alheia da ética e opta descaradamente pela propaganda antissemita.



palestine_never_existed 

Imprensa e entidades oficiais: Usem as palavras correctas; a "Cisjordânia" não existia há 46 anos, e a "Palestina" é uma pura invenção

"Mal nomear as coisas é adicionar desgraça ao mundo" - Albert Camus
- Os historiadores do futuro vão ter vergonha de ver como desde a última guerra mundial, o mal está envolvido na decadência dos espíritos por desinformação e intriga . Nenhuma mentira ou engano bate a da "causa palestina", pura invencionice, como a História tem provado uma e outra vez. E você, escolhe o lado do povo honesto ou dos gangsters?

Revelação: Criação de um povo palestino - documentos roubados no Kremlin ou como os russos decidiram com os árabes destruir Israel

A resolução 181  da ONU, aprovada em 1947, ensina-nos que a Judeia e Samaria se chama Judeia e Samaria. No entanto, alguns israelitas e ocidentais teimosamente nomeiam essa região como "West Bank" ou Cisjordânia, quando não Territórios Ocupados.  

Aqui estão as fronteiras do país árabe, como descrito pela Resolução 181 (leia a resolução completa 181 da UN II) :
Fronteiras A. O Estado árabe. A área do Estado árabe dentro da Galileia ocidental é limitado ( ...) A fronteira sudoeste da parte do Estado árabe dentro da Galileia ( ... ) A fronteira da região montanhosa da Samaria e Judeia parte do Jordão, na confluência do aquífero de Malih a sudeste de Beissan e toma a direcção oeste para chegar à estrada de Bessaain para Jericó ( ... ). O limite norte da sceção árabe da planície costeira, começa num ponto localizado entre (...)"

Após a rejeição árabe da partição da Palestina ocidental, a região árabe da Galileia tornou-se Israel, a região árabe da planície costeira tornou-se a Faixa de Gaza, e a  Judeia e Samaria, provavelmente, será dividida num lado "palestino" e numa parte  israelita, um dia em que a paz seja assinada.
A Cisjordânia e Transjordânia não existem desde 1967, o mandato da Palestina não existe há 66 anos. Estamos 46 anos mais tarde... Os jornalistas e os cidadãos chamavam ao Canadá "Nova França", em 1803 (43 anos após a conquista britânica )? Acho que não.
Os inimigos de Israel usam deliberadamente a linguagem mais deslegitimizadora para nomear as coisas em Israel :

- Congelamento da colonização em vez de congelamento da construção.

- Colonato em vez de localidade.

- Colono em vez de habitante.

- Esplanada das Mesquitas em vez do Monte do Templo.

- Cisjordânia em vez da Judeia e Samaria.

- Muro (quando não é o muro da vergonha ou muro do apartheid!) Em vez de barreira ou cerca de segurança.

- Abordagem em vez de operação de segurança, quando a marinha israelita sobe a bordo de um navio pseudo-humanitária, na maioria das vezes sem qualquer ajuda real.

Eles estão numa missão. Compreeende-se. Infelizmente, como os críticos radicais de Israel ocupam tantos fóruns mediáticos jornalísticos desde há 40 anos, a linguagem deslegitimizadora  tornou-se tão arraigada nas mentes, que mesmo os "amigos de Israel" por vezes a utilizam por automatismo. Esta linguagem orientada deve cessar, em favor de uma linguagem mais neutra e inclusiva. Com mais objetividade ...
 source –  aschkel.info
Europe-Israel

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.