domingo, 10 de novembro de 2013

'Boa disposição na reunião'

"Bons progressos" mas ainda sem certezas de um acordo com o Irão em Genebra - Público


O Público escreve que houve boa disposição na reunião

Via Jihadwatch:
Obama chama Netanyahu, e ressalta "o seu forte compromisso para evitar que o Irão obtenha uma arma nuclear"
A conversa deve ter sido mais ou menos assim :
Obama: Escuta, eu sei lidar com eles.
Netanyahu: Não, não sabes.
Obama: Olha, eu tenho os steus interesses em consideração.
Netanyahu: Não, não tens.
"Parece que Obama decidiu entrar no bazar nuclear persa e regatear com os mestres da negociação e entregar-se nos seus braços" - Obama tem estado a levantar as sanções ao Irão antes das negociações! A administração Obama está cheia de membros da Irmandade Muçulmana, e os EUA são cada vez mais um país islâmico.

 U.S. President Barack Obama shakes hands with Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu in the Oval Office of the White House in Washington

"Obama chama Netanyahu, depois de críticas deste último ao
plano nuclear  do Irão"
por Mark Felsenthal e Matt Spetalnick para a Reuters, 8 de Novembro:

    
NEW ORLEANS / WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos EUA, Barack Obama, chamou o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu na sexta-feira depois que o líder israelita ter feito uma dura repreensão a Washington sobre o acordo que toma forma nas negociações entre o Irão e as potências mundiais que buscam refrear o programa nuclear de Teerão.

  
Uma aparente tentativa de Obama para conter a crescente inquietação sobre o Irão e o acordo emergente entre os aliados do Oriente Médio dos Estados Unidos, incluindo a Arábia Saudita, bem como a crescente oposição ao plano em Capitol Hill.

   
O Secretário de Estado John Kerry, viajou a Genebra para participar nas negociações, após o que foi descrito como uma tensa reunião com Netanyahu em Jerusalém. Os EUA tentam colmatar "lacunas importantes" com o Irão sobre os termos de um acordo.

    
"O presidente
ressaltou o seu forte compromisso para evitar que o Irão obtenha uma arma nuclear, que é o objectivo das negociações em curso", disse a Casa Branca, acrescentando que "eles concordaram em continuar em contacto acerca desta questão".

    
Um funcionário do governo Obama disse que ao encontro entre os dois líderes - que tem um histórico de relações tensas sobre a política iraniana - foi "muito longo", mas recusou-se a caracterizar o tom ou fornecer mais detalhes.

    
Netanyahu advertiu Kerry e os seus homólogos europeus de que o Irãose apresta a fazer "o negócio do século", se se realizarem as propostas de concessão de Teerão: o alívio temporário das sanções em troca de uma suspensão parcial de seu programa nuclear e a promessa de não o expandir.
    "Israel rejeita totalmente esse negócio, e as minhas opiniões são compartilhadas por muitos na região, quer o expressem publicamente ou não", Netanyahu disse aos repórteres em Jerusalém ....

    
J Street, um grupo de lobby, tomou um rumo diferente, pedindo aos simpatizantes no seu site para "dizerem aos seus senadores: Não prejudiquem as negociações com o Irão com novas sanções" ...
A J Street é anti-Israel, embora faça crer publicamente o contrário. Isi Liebler, ex-presidente do Conselho Directivo do Congresso Judaico Mundial, tem exposto a "duplicidade na tentativa de mascarar-se como uma organização tradicional judaica "pró- Israel", enquanto consistentemente faz campanha contra o Estado Judaico". "
Philip Klein, correspondente do The American Spectator em Washington, tem feito notar que "enquanto o grupo se apresenta como o "pró Israel" e alternativa "pró paz " para perante o Comité Americano de Assuntos Públicos de Israel, na realidade, é uma organização que faz campanha activamente contra o direito de Israel de se defender".
De acordo com Liebler, a partir de Outubro 2009 "elementos árabes e pró-iranianos estão a fornecer aproximadamente 10% do
financiamento da J Street , uma situação um pouco estranha para uma organização  'pró- Israel'". Registos da Comissão Federal de Eleições mostram que dezenas de milhares de dólares fluíram para J Street de árabes e muçulmanos, incluindo algumas doações de grupos envolvidos na  jihad pela "Palestina".

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.