quinta-feira, 28 de novembro de 2013

O Modernaço Rohani

  Rohani inspira-se em Obama... mas apenas no You Tube

Pois...

A ofensiva de charme do Irão acabou cedo, quando o líder supremo do país, o Ayatollah Ali Khameni (na foto, à esquerda de Rohani) chamou a Israel, "o regime sionista, ilegítimo e bastardo"

Rohani continua a apostar na cosmética, para fazer passar a sua imagem de "moderado", que o Ocidente consome às colheradas cheias. Para consumo interno, a conversa é outra. Obama também aposta tudo na imagem, enquanto a sua praxis desmente toda a moderação e públicas boas intenções.

Este é um excerto do discurso do P.M. de Israel, Benjamin Netanyahu, na Assembleia Geral da ONU, (ver O Irão e o futuro de Israel). Caso lhe encontre alguma incorrecção factual, aponte-a, sff:

"(...) em 1979 um regime radical de Teerão tentou acabar com essa amizade (entre judeus e iranianos). E esmagou a esperança do povo iraniano na democracia, acompanhado de cânticos selvagens de "Morte aos Judeus".
    Desde aí, os presidentes do Irão vêm e vão. Alguns presidentes foram considerados moderados, outros de linha-dura. Mas todos eles serviram o mesmo credo implacável, aquele mesmo regime implacável, aquele credo que é defendido e aplicado pelo poder real no Irão, o ditador conhecido como o líder supremo, o aiatolá Khomeini primeiro e agora o aiatolá Khamenei.
    O Presidente Rohani, como os presidentes que vieram antes dele, é um servo fiel do regime. Ele foi um dos seis candidatos ao regime que obtiveram permissão para concorrer a um cargo. Veja-se, cerca de 700 outros candidatos foram rejeitados.
Rohani dirigiu o Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irão de 1989 a 2003. Durante esse tempo, agentes do Irão balearam líderes da oposição num restaurante de Berlim. Mataram 85 pessoas no centro comunitário judaico em Buenos Aires. Mataram 19 soldados norte-americanos e fizeram explodir as Torres Khobar na Arábia Saudita.
    Devemos acreditar que Rohani, o conselheiro de segurança nacional do Irão na época, não sabia nada sobre esses ataques ?
    Claro que sabia, assim como há 30 anos, chefes de segurança do Irão sabiam sobre os bombardeios em Beirute , que mataram 241 fuzileiros navais norte-americanos e 58 pára-quedistas franceses.
    Rohani também foi o principal negociador nuclear do Irão entre 2003 e 2005. Ele planeou a  estratégia que permitiu ao Irão avançar com o seu programa de armas nucleares por trás de uma cortina de fumo de envolvimento diplomático e rectórica reconfortante.
   Rohani não fala como Ahmadinejad. Mas quando se trata do programa de armas nucleares do Irão, a única diferença entre eles é a seguinte: Ahmadinejad era um lobo em pele de lobo. Rohani é um lobo em pele de cordeiro, um lobo que acha que pode atirar areia para os olhos da comunidade internacional.
 Como todo o Mundo, eu desejo acreditar nas palavras de Rohani, mas temos de nos concentrar nas acções iranianas. E o contraste é flagrante. A extraordinária contradição entre as palavras de Rohani e acções do Irão é surpreendente. Rohani esteve nesta mesma tribuna na semana passada e elogiou a democracia iraniana - democracia iraniana! Mas o regime que ele representa executa dissidentes políticos às centenas e faz prisões aos milhares.
    Rohani falou sobre a "tragédia humana na Síria". No entanto, o Irão participa directamente no assassinato e massacre de dezenas de milhares de homens inocentes, mulheres e crianças, na Síria de Assad. E apoia um regime sírio que usou armas químicas contra o seu próprio povo.
    Rohani condenou o, cito, "flagelo violento do terrorismo". No entanto , nos últimos três anos, o Irão tem ordenado, planeado e perpetrado ataques terroristas em 25 cidades nos cinco continentes.
    Rohani diz que o Irão está a "tentar mudar o equilíbrio regional através do diálogo". No entanto, o Irão está activamente a desestabilizar o Líbano, Iémen, Bahrein e outros países do Médio Oriente.
    Rohani promete, cito, um "esforço construtivo com os outros países". No entanto, há dois anos, agentes iranianos tentaram assassinar o embaixador da Arábia Saudita em Washingto , DC. E há apenas três semanas, um agente iraniano foi preso tentando recolher informações para possíveis ataques contra a embaixada americana em Tel Aviv. Eis alguns dos esforços construtivos.
Eu gostaria de acreditar no convite de Rohani para participar na sua 'onda' de "um mundo contra a violência e o extremismo". No entanto , as únicas 'ondas' que o Irão gerou nos últimos 30 anos são as ondas de violência e terrorismo que desencadeou na região e em todo o mundo.
    Senhoras e senhores, eu gostaria de poder acreditar em Rohani, mas eu não acredito, porque os factos são coisas teimosas, e os factos são que o registo selvagem do Irão contradiz a rectórica calmante de Rohani.
    Na última sexta-feira, Rohani assegurou que  no seu programa nuclear, o Irão - esta é uma citação - o Irão nunca foi escolheu o engano e o sigilo. Bem, em 2002 o Irão foi apanhado em flagrante na construção secreta de uma unidade de centrifugação subterrânea em Natanz. E, em seguida, em 2009, o Irão foi novamente apanhado em flagrante, na construção secreta de uma enorme instalação nuclear subterrânea de enriquecimento de urânio numa montanha perto de Qom.
    Rohani diz-nos para não nos preocuparmos. Ele garante-nos que o seu programa nuclear não é destinado a armas nucleares. Algum de vós acredita nisso? Se acredita, aqui vão algumas perguntas que pode querer fazer:
 - Porque é que um país que afirma querer apenas energia nuclear para fins pacíficos, tem instalações de enriquecimento subterrâneas e ocultas?
- Porque é que um país com vastas reservas de energia natural investe biliões no desenvolvimento de energia nuclear? 
- Porque é que a intenção do país em programas nucleares meramente civis continua a desafiar várias resoluções do Conselho de Segurança e incorrer no custo tremendo de sanções paralisantes sobre a sua economia ?
- E por que um país com um programa nuclear pacífico desenvolve mísseis balísticos intercontinentais, cujo único propósito é transportar ogivas nucleares? Ninguém constrói ICBMs para transportar TNT a milhares de quilómetros de distância, quem os constrói é para um propósito, para transportar ogivas nucleares. E o Irão está a construir agora ICBMs que os Estados Unidos dizem que podem chegar a esta cidade, dentro de três ou quatro anos.
 Porque é que o Irão o faz? A resposta é simples. O Irão não está a construir um programa nuclear pacífico, o Irão está a desenvolver armas nucleares. Só no ano passado, o Irão enriqueceu três toneladas de urânio, duplicou stock de urânio enriquecido e construiu novas centrífugadoras, incluindo centrifugadoras avançadas. Também continuou a trabalhar no reactor de água pesada no Iraque, que é uma outra rota para a bomba, um caminho para o plutónio. E desde a eleição de Rohani - e sublinho isto - este vasto e febril esforço continuou inabalável.(...)"

O Público, por exemplo, noticiou, aquando da tomada de posse do nosso "moderado":



"A dois dias de tomar posse, o Presidente eleito do Irão classificou o Estado de Israel como “uma ferida” no Médio Oriente. Uma primeira versão das suas declarações – em que era referida a necessidade de “remover” essa ferida – levou o Governo israelita a dizer que Hassan Rohani demorou menos tempo do que o esperado a revelar “a sua verdadeira face”.

Público 


A BBC, grande entusiasta da "moderação" de Rohani, "trabalhou" assim os factos:




A BBC, por exemplo, conta que Rouhani, do Irão refere-se a Israel como uma "velha ferida" no mundo islâmico. O presidente eleito Hassan Rouhani denunciou a "ocupação israelita de territórios palestinianos" como uma "velha ferida no corpo do mundo islâmico" - diz a prestigiada cadeia... fazendo parecer que Rouhani fala apenas sobre os territórios conquistados em 1967 - em resposta à agressão Árabe, e que são seus à luz do Direito Internacional. 

Chama-lhes "áreas palestinianas". Esta é a terminologia habitual da BBC para se referir aos territórios. A BBC engana os seus leitores, levando-os a acreditar que Rouhani só falou da odiada "ocupação", mas que não tem nenhum problema com a existência de Israel. O Irão considera que todo o Israel é território "ocupado". Por isso esta terminologia no título e subtítulo é enganadora - e, aparentemente, propositadamente.

Rouhani deixa claro que ele se referiu a todo o Israel na parte citada a seguir:

     "Há uma velha ferida no corpo do mundo islâmico, sob a sombra da ocupação das terras sagradas da Palestina e Quds [Jerusalém]."


O Washington Post e outros relataram correctamente o significado das declarações de Rouhani:

     "O novo presidente do Irão na sexta-feira chamou a Israel uma "velha ferida", que deve ser removida."

No entanto, a BBC escolheu deliberadamente manipular a informação para minimizar os comentários de Rouhani, aparentemente a fim de fazer passar a ideia de que Rouhani é um "moderado".

A BBC está orgulha-se de ser capaz de detectar qualquer nuance que faria o novo presidente iraniano parece ser menos "conciliador".


Fonte: Elder of Ziyon 
---------------------

Mas sejamos francos: a imitação de Obama transcende largamente o youtube. A administração Onama está cheia de membros da organização terrorista Irmandade Muçulmana, as declarações de lealdade do presidente dos EUA ao Islão sucedem-se, e o apoio dos EUA, pela sua mão, a regimes como o de Morsi, no Egipto, deixaram os entusiastas da «Primavera Árabe» sem ilusões...


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.