terça-feira, 28 de maio de 2013

Poligamia

A pergunta tem que ser feita assim, de forma directa. Se V. é um homem, é natural que a fantasia do harém lhe seja apelativa, mas votaria SIM num referendo à poligamia? Se V. é mulher, agradar-lhe-ia viver como co-esposa? No mundo islâmico há muitos países onde as mulheres não têm escolha.




"A vida de uma co-esposa é vivida sob constante comparação, uma vida passada a questionar: Qual de nós é a mais feliz? Qual de nós ele realmente ama? Qual de nós ele deseja mais?" ― Brady Udall

Imagine que você é uma mulher. Imagine que se apaixona por um homem, ou pelo menos gosta dele, ou simplesmente considera-o um marido em potencial. Imagine que ele pede para casar consigo, e você (ou seus pais, dependendo do contexto), dizem que sim. Você vai viver com ele, vai gerar duas ou três ou cinco crianças, vai lavar meias sujas e cozinhar para ele e servi-lo e tentar ser a melhor esposa que existe. Porque é isso que uma "boa" esposa faz.Agora imagine que, depois de alguns anos a fazer isso, o seu marido amado, que é financeiramente desafogado, decide meter em casa uma nova mulher. Assim como alguém que resolve comprar um carro novo. Ele não se vai divorciar de si. Não. É muito pior do que isso. Ele quer manter tudo como está. E agora você tem que dividi-lo com outra mulher. Você odeia a outra mulher, e ela odeia-a também. Mas vocês são forçados a viver juntos. Se você tiver sorte, ele vai construir um novo piso para ela sobre aquele em que você reside. E você não precisa vê-la constantemente, de rosto exultante. Mas todas as noites, quando ele volta do trabalho, você vai ouvir os seus passos na escada, passando pela sua porta, para ir passar a noite com ela, comer a comida dela, dormir na cama dela - da esposa mais nova, mais fresca, mais bonita - e você deseja que o seu coração pare de bater, porque você não pode suportar mais a dor. E o seu único momento de glória ou vingança acontece quando a esposa número três chega, para habitar o terceiro andar, em cima dos dois anteriores. É quando a pessoa que você substituiu finalmente aprende o que significa ser posto de lado como um esfregão inútil, um esfregão sujo cheio de buracos que é esquecido em algum canto do armário sob a pia da cozinha ...Este não é um cenário imaginário. É a realidade de muitas mulheres no Líbano e noutros países árabes. O triste caso da mulher libanesa que cometeu recentemente suicídio porque o marido decidiu tomar uma segunda esposa é apenas um exemplo das muitas histórias que não chegam aos media. ...Entenda: o Profeta permitiu que os homens muçulmanos tivessem quatro mulheres, na condição de que eles são capazes de fazer-lhes justiça: 

"Casa-te com mulheres que parecem boas para ti, duas, três ou quatro, e se tens medo de não lhes poder fazer justiça (por serem muitas),  fica-te por uma (apenas...) ou (as cativas) que tua mão direita possui ". (Alcorão 04:03).  

O conceito de "justiça" aqui, tal como interpretada em vários Hadith (como de Bukhari), significa, concretamente, ser capaz de fornecer para as quatro esposas financeiramente. Não há como levar em conta as necessidades emocionais ou físicas das mulheres, ou o seu direito humano de serem tratados de forma justa. São propriedades. Contanto que você possa garantir a "manutenção" de suas propriedades, você está convidado a "adquirir" mais.Um pretexto para justificar a poligamia é a forte libido de alguns homens, para quem uma mulher não é suficiente. Então eles se casam mais de uma mulher, a fim de evitar "cometer adultério": o que é uma maneira genial de se fazer adultério Halal * ....Nesse meio tempo, muitos maridos árabes vão continuar comprando novas esposas, desde que Allah seja o fornecedor... e ele é como um excelente vendedor.

* - Halal significa "permitido pelas leis religiosas Corânicas".

via NOW

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.