terça-feira, 21 de maio de 2013

Cabo Verde, Rei de Marrocos e Património Judaico

A notícia é de Gerard Fredj, no Israel-Infos. Tradução livre nossa:
 
«O cemitério judeu da Ilha de Cabo Verde tem vindo a ser restaurado graças... ao Rei de Marrocos.

Centenas de pessoas assistiram à cerimónia de reabertura. 'O apoio de Mohamed VI a este projecto é representativo do empenho do Rei a todos os seus patrimónios, sejam eles berberes, árabes ou judeus', explica André Azoulay, um dos conselheiros do Rei, durante a cerimónia, na presença de  Abdellah Boutadghart, diplomata marroquino.

Centenas de judeus de origem marroquina estabeleceram-se em Cabo Verde no século XIX, quando a ilha era ainda uma colónia portuguesa. A comunidade judaica em Cabo Verde declinou e praticamente desapareceu, mas o governo marroquino tem sido activo na preservação da história desta comunidade. O pequeno talhão judeu situa-se numa parcela do cemitério da ilha, sendo a sepultura mais antiga datada de 1864.

Até ao presente, 100 000 foram investidos, sendo o custo do projecto calculado no triplo dessa importância, que inclui o restauro de outros lugares judaicos na ilha.»


Como diz D. Duarte, pretendente ao trono de Portugal, as monarquias funcionam melhor que as repúblicas, mesmo no mundo islâmico. Quando de Marrocos chegam notícias de retrocessos civilizacionais preocupantes, exigidos por facções islamistas radicais, é agradável ter boas notícias como esta. Marrocos teve em tempos uma florescente comunidade judaica, não esqueçamos. 



1 comentário:

  1. sim, ainda tem.
    E vêem-se muitos turistas de Israel (judeus e árabes-israelitas misturados!)a visitar Marrocos.
    Têm também vários acordos... por exemplo, Marrocos fez do Deserto uma grande área cultivável de frutas e legumes, algo parecido nalgum lado...

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.