segunda-feira, 13 de maio de 2013

Como Fazer Inimigos e Irritar Pessoas

Visualizações de páginas de hoje
 126
Visualizações de página de ontem
 65
Visualizações de páginas no último mês
 2 280
Histórico total de visualizações de páginas
 6 368


Gráfico dos países mais populares entre os visitantes do blogue 



Durante anos tive vários blogues e enviei aos meus amigos as respectivas actualizações. Durante anos enviei aos meus amigos informações e pedidos de assinatura em petições pelos Direitos Humanos no Tibete, no Darfur, em Burma e onde foi necessário. Durante anos partilhei com os meus amigos o meu gosto por diversos países.

Quando resolvi fazer o Amigo de Israel, salvo mui honrosas excepções deparei com uma muralha de silêncio, condenação e hostilidade aberta. As pessoas passam anos a ver fotos de confrontos entre soldados e polícias armados e outros, coitados, só com pedras, e têm calcado no subconsciente essa imagem do David-Árabe contra o Golias-Judeu. É assim, independentemente da cultura e craveira intelectual, como se viu recentemente com o crânio do Stephen Hawking.

Curiosamente, o blog é novo, e o meu vagar é diminuto, dedico a isto no máximo uns 20 minutos por dia, e no entanto tenho aí uma enxurrada de visitas. Que nunca foi o meu objectivo. Como referi no 1º post, o blog destinava-se a ser uma newsletter anti-antissemita para a generalidade dos meus amigos, que do dia para a noite parecia que tinham combinado e começaram a fazer-me comentários desse jaez - do tipo "Esses malditos usurários que controlam Hollywood e o Mundo!!!", e outros diamantes do mesmo quilate. 

Levei um "Chega p'ra lá!" de todo o tamanho, lamento que tenha sido assim, pois detesto fazer inimigos ou irritar pessoas, mas graças a isso passei de amigo a militante pela paz e pelo esclarecimento em relação a Israel, que não é o mau da fita nem o Golias. É o pequeno David!

Sempre pela via pacífica, sem concessões a sentimentos inferiores e indignos como o ódio, sempre pela via legal, porque acredito na Democracia e no Direito, a incompreensão de uns e a aceitação de outros que nem conhecia (e de alguns que conhecia), deu-me alento para continuar, na medida da minha escassa disponibilidade e fraco talento.

Este post tem a etiqueta "Conversas com os meus amigos", e espero ter arte para vos contar algumas.

6 comentários:

  1. Lamento isso tudo, mas não percebo o motivo de tanta irritação. Comigo não aconteceu nada disso. Ninguém deixou de me falar ou me hostilizou por ter um blogue pró-Israel. Também era só o que me faltava, todas as pessoas que me conhecem sabem que é umas minhas características. Se alguém deixar de me falar é porque não é meu amigo...

    ResponderEliminar
  2. Bom, não tem sido propriamente dramático, mas não esperava certas asperezas. Vivendo e aprendendo... :)

    IB

    ResponderEliminar
  3. Vi a hiperligação, Jim :) Obrigado.

    Há países e povos que me fascinam mais que outros, sem que tal implique qualquer ideia de supremacia. São gostos, tendências, como em tudo. Mas quem capta a minha simpatia desde logo são os injustiçados e os difamados. Por razões acrescidas simpatizo então com Israel.

    Que a paz reine neste mundo cada vez mais.

    Abraço,

    I.B.

    ResponderEliminar
  4. Existe uma malta muito "peace & love", muito esquerdo-floribólica, muito ambientalista que, por ironia do destino, alimenta um ódio visceral e doentio ao EUA e a Israel.
    Também há malta muito tolerante e respeitador das diferenças, quando as diferenças não os incomodam.
    Enfim, acabaste de tropeçar na realidade, na triste realidade.

    ResponderEliminar
  5. É a chamada «white guilt». Uns porque acham que «nós» os Ocidentais somos a «infecção» que corrompeu um planeta de outro modo puríssimo, outros porque são de esquerda, outros porque são de direita, outros porque «não gostam destas coisas de guerras», todos mais ou menos antissemitas, ainda que sem consciência disso. E tem sido um tropeção e pêras :-)

    São floribélicos que às vezes ficam flori... bélicos! ;-)

    Abraço,

    IB

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.