domingo, 12 de maio de 2013

Holocaustos há muitos, é certo...

Ainda recentemente fomos diplomaticamente repreendidos por nos termos atrevido a lembrar o Holocausto, o massacre de cerca de 6 milhões de judeus nos campos de concentração do Nazismo. De judeus e de outras pessoas cujo crime foi terem nascido em certos grupos humanos que desagradavam ao regime Hitleriano, ou professarem religiões ou serem adeptos de certas ideias políticas igualmente mal vistas. Ou de terem certas orientações sexuais. Ou terem certas insuficiências orgânicas.

O argumento usado para a repreensão que recebemos  foi de que "Holocaustos há muitos". E de facto há! O primeiro genocídio do século XX foi o dos Arménios às mãos dos Turcos. No Canadá, o dia foi assinalado com festa rija por parte de turcos, que celebraram assim a morte de 1 milhão e meio de arménios:


Mais pormenores no site da Juventude Arménia do Canadá.

O Império Otomano, islâmico, levou a cabo a limpeza étnica da minoria cristã Arménia, e é isso que estas pessoas celebram (!). Acções destas não são iniciativa isolada de meia dúzia de loucos. Correspondem a uma ideologia tão perigosa como o Nazismo - que continua a existir e nos alarma, com muita razão! Só que enquanto o neonazismo é unanimente condenado pelas pessoas de bem, o supremacismo islamofascista é diplomaticamente ignorado pelas massas politicamente correctas que têm medo de ser apelidadas de etnocentristas ou coisa parecida. É que o Nazismo é "nosso", e só por isso temos o direito de o rechaçar. Se fosse "deles" seriamos obrigados a ignorar, quando não a "respeitar". E no entanto, se o neonazismo mata que se farta, o islamofascismo mata muito mais, todos os dias e por todo o mundo! Se duvida, confirme neste site a lista diária, semanal, mensal e anual dos ataques da jihad, a "guerra santa" islâmica que alguns seguidores mal informados dessa religião levam a cabo. Pode clicar aqui para ver a lista de ataques da jihad na primeira metade de 2013.

Para saber mais acerca do genocídio dos cristãos arménios clique na imagem:



2 comentários:

  1. Caro IB.
    A "jihad" não é levada a cabo por seguidores do Islão mal informados. Essa asserção, enquadra-se na nossa (ocidental) tradicional mundivisão, na qual pretendemos encaixar as práticas islâmicas (para usar um provérbio britânico, "to fix a round peg in a square hole"). Ao contrário, a "jihad", se bem que não por todos, é praticada por seguidores do Islão muitíssimo bem informados dos seus ensinamentos e seus praticantes zelosos.

    ResponderEliminar
  2. Tem toda a razão, caro João, e não adianta a gente dourar a pílula. Usei essa expressão a la Robert Spencer, que sempre que há ataques jihadistas refere que foi obra de militantes «mal informados». :/

    Abraço,

    IB

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.