domingo, 5 de janeiro de 2014

República Terrorista do Irão


 Ali Akbar Velayati and the 1994 AMIA Jewish center bombing

A arreganhar os dentes, à esquerda: Ali Akbar Velayati, o planeador do ataque terrorista contra o Centro Judaico na Argentina, em 1994. À direita: a sua linda obra, efectuada com a "moderação" que se lhe reconhece...

"Mas atão os 'ianques' podem ter a bomba atómica e o Irão na pode?!..." - perguntam indignados os anti-semitas e anti-Ocidentais da nossa praça, enquanto salivam abundantemente perante a sonhada visão de Israel e dos Estados Unidos atapetados a bombas dos aiatolas.
E "argumentam" que estes de agora até são moderados. Também, não admira; os nossos media, particularmente as nossas jornaleiras islamófilas, também salivam, perante a perspectiva de poderem finalmente usar burqa e niqab, de ficarem em casa com as outras co-Esposas, a cozinhar e a levar porrada de criar bicho. Arrojam-se aos pés do Irão com carinho e devoção - e contaminam as mentes menos esclarecidas.
 A moderação dos novos dirigentes iranianos é esta:
"Novo Ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão aprovou o ataque terrorista de 1994"
Adam Kredo para o Washington Free Beacon, 3 de Janeiro:
Um político iraniano conhecido pelo seu papel no planeamento e aprovação do mortal atentado terrorista contra um centro judaico na Argentina em 1994, foi oficialmente nomeado para dirigir a política externa do Irão, um posto anteriormente ocupado pelo actual presidente Hassan Rouhani.
Ali Akbar Velayati, um insider do regime desde longa data, que serve como um conselheiro sénior na política externa iraniana para o líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, foi recentemente escolhido para dirigir Centro para a Pesquisa Estratégica
do Irão (CSR), um think tank poderoso que responde directamente perante Khamenei.
As autoridades argentinas têm apontado Velayati como mandante do ataque à bomba contra o Centro Judaico, em 1994, um ataque orquestrado pelo Irão, que matou 85 pessoas e continua a ser o mais mortífero ataque terrorista da história da Argentina.
A ascensão de Velayati ao escalão superior da máquina da política externa do Irão, levou alguns observadores a criticar Rouhani por este promover elementos radicais, apesar das promessas de agir como um reformador moderado.
Os laços de Velayati ao bombardeio da associação judaica AMIA foram delineados em  investigação de 2006 pelo
Procurador-Geral Alberto Nisman, que foi proibido pelo seu Governo de discutir as suas descobertas com o Congresso dos EUA.

Velayati foi membro do comité secreto iraniano que se reuniu em 1993 para projectar o ataque ao centro judaico AMIA em Buenos Aires, de acordo com a acusação de Nisman, que contou com o depoimento de um ex-oficial dos serviços secretos iranianos.

"No que diz respeito ao papel do comité na decisão de realizar o ataque à AMIA, o oficial afirmou que essa decisão foi tomada sob a direcção de Ali Khamenei, e que os outros membros do comité foram o então presidente iraniano Ali Akbar Hashemi Rafsanjani, Mir Hejazi, Rouhani, Velayati e Fallahijan", disse a acusação.
Um juiz argentino emitiu um mandado de captura internacional contra Velayati em 2006 pelo seu papel no planeamento do ataque terrorista ....

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.