sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

E o terrorista da Casa Branca?


A organização terrorista Irmandade Muçulmana continua a retaliar contra a democracia, que desrespeitou quando estava no Poder, em eleição de resultados alegadamente manipulados.



Uma amostra do terrorismo promovido pela Irmandade Muçulmana quando esteve no Poder no Egipto:

Será que a América se revoltará contra o terrorista da Casa Branca?
 http://www.emannabih.com/
Eman Nabih
 
A 25 de Dezembro de 2013, o Egipto declarou que a Irmandade Muçulmana organização terrorista. A Irmandade Muçulmana foi considerada jurídica e politicamente uma organização terrorista com base no memorando emitido pelo ministro da Solidariedade Social, que continha exemplos de actos terroristas e violência, bem como associações de fraternidade com grupos jihadistas terroristas armados.
Antes da eleição de Barack Hussein Obama, os EUA colocaram os nomes de indivíduos e grupos associados à Irmandade Muçulmana na lista de sanções do governo dos EUA, mas não impuseram sanções sobre o movimento em si!
Os Estados Unidos declararam as organizações Al-Islamiyya, Al Qaeda e o Hamas grupos terroristas. O Hamas foi fundada 1987 como o braço militar doa Irmandade Muçulmana.
Após a Irmandade Muçulmana ter chegado ao poder, o Hamas começou a lançar ataques terroristas contra o Egipto! A Al-Gma'a Al-Islamiyya é outro ramo militar da Irmandade Muçulmana no Egipto.
Muitos dos conspiradores do 11 de Setembro vieram da Irmandade Muçulmana, incluindo Osama bin Laden, Ayman Zawahiri e Khalid Sheikh Mohammed, "o principal arquitecto dos ataques de 11/9". Desde o 11 de Setembro, 156 membros foram indiciados por actividades relacionadas com o terrorismo. 127 deles tinham vivido nos EUA por dez anos ou mais no momento da sua detenção. Um terço desses terroristas converteu-se ao islamismo na adolescência ou até aos vinte anos, na maioria das vezes por meio dos esforços da Irmandade Muçulmana.
É isto que Israel tem que tolerar dentro do seu território: manifestação dos terroristas da Irmandade Muçulmana na Mesquita de Al-Aqsa apelando à detruição dos Estados Unidos, de França, do reino Unido, e à conquista de Roma:


Terroristas formados nos EUA constituem 81% dos réus que supostamente estão envolvido no top 50 dos atentados terroristas planeados ou executados ​​nos Estados Unidos desde o 11 de Setembro, mais de metade dos quais também nasceram nos EUA.
Uma doutrinação constante da Irmandade Muçulmana, a auto-vitimização, o discurso de ódio, as atitudes de supremacia e a perseguição imaginária, infundem um fervor revolucionário que cria extremistas caseiros.
Em 19/8/2013, ex-chanceler do Tribunal do Egipto, Tahani Al-Jebali, afirmou que a razão para os Estados Unidos não poderem lutar contra a organização internacional da Irmandade Muçulmana é o irmão do presidente dos EUA, Barack Obama ser o arquitecto dos investimentos da organização internacional da Irmandade Muçulmana - Publicado e traduzido por Walid Shoebat, Ex-membro e terrorista da Irmandade Muçulmana, agora activista da paz.
Jebali afirmou que gostaria de informar o povo americano de que o irmão do seu presidente Obama é um dos arquitectos dos grandes investimentos da organização internacional da Irmandade Muçulmana.
"Vamos aplicar a lei e os americanos não vão deter-nos. Precisamos de abrir os arquivos e iniciar as sessões do Tribunal. O governo Obama não pode parar-nos, pois eles sabem que apoiavam o terrorismo. Vamos abrir os arquivos para mostrar como eles colaboraram com eles [ os terroristas ] . É por esta razão que o governo norte-americano está contra nós ."

Jebali também apareceu na televisão egípcia para explicar o quão importante esta notícia é para os americanos que estão preocupados com as acções do seu presidente, dizendo que "é um presente para o povo americano" , o que implica que há muito mais para vir:


Jebali fez notar que o custo de ter tido a Irmandade Muçulmana no Poder tem sido grande, e que o seu país não vai permitir qualquer conspiração contra o seu povo, o Estado Egípcio ou qualquer um dos membros do Conselho de Segurança. Tal é inaceitável e mergulharia o seu país num estado terrível semelhante, ao que existe no Iraque e Líbia.
 - Nota nossa: obras de Obama, também.
O julgamento dos casos de espionagem teve o início em 2014/01/2, Mohamed Morsi e os líderes da Irmandade Muçulmana enfrentam sérias acusações de traição e espionagem com elementos estrangeiros. Não é uma teoria da conspiração, é uma realidade.

Uma amostra do estado geral de caos e horror instalado pela Irmandade Muçulmana no Egipto, e que oportunamente divulgámos aqui, sob a etiqueta "Egipto":

Manifestantespro-Morsi/Irmandade Muçulmana ameaçam os egípcios pró-democracia e laicismo, bem como o Exército, com bombistas suicidas e queima de cristãos e dos seus templos:



O menino egípcio que veio para a rua exigir democracia e foi agredido por um ministro de Morsi:

 

Em Março de 2013, um clérigo egípcio declarou que a bandeira do Islão em breve flutuaria sobre a Casa Branca. E ninguém em Washington disse uma palavra. 
 
Quando a Irmandade Muçulmana estavam no poder: Clérigo egípcio Abu Islam disse que a bandeira do Islão em breve flutuaria sobre a Casa Branca, que todas as instituições egípcias, incluindo as forças armadas seriam substituídos pelos jihadistas Gamaa Islamia e todas as instituições seriam substituídas pela Irmandade Muçulmana e pelos salafistas!
 

Não nos temos cansado de lembrar que a Irmandade Muçulmana é uma organização terrorista de raiz nazi, que colaborou com Hitler, e que a administração Obama está infestada de membros seus.

"A perseguição muçulmana aos cristãos é o teste decisivo de quão radical a sociedade islâmica se tornou. Em todos os países muçulmanos que os EUA interferiram - Afeganistão, Iraque, Líbia, Egipto (até que os egípcios se revoltaram, castigando a intervenção dos EUA), e agora a Síria - o aumento da intolerância religiosa é um reflexo do fortalecimento das forças hostis à civilização ocidental.
 Enquanto isso, o líder do Mundo Livre e o seu ajudante de campo, pedalam e surfam:



Quando é que os americanos acordarão para o facto de que têm um apoiante do terrorismo na Casa Branca?

2 comentários:

  1. Visite o meu blog... Creio que voce vai gostar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou ver com atenção e vou listar o seu blog. É significativo que, sem sabermos uns dos outros, estejamos todos, independentemente de raças e religiões, a tomar consciência da ameaça islâmica. O seu blog até começa como este, com um post a explicar a razão de ser do blog - que
      é a mesma. É excelente que no Mundo Livre haja essa consciência, mas terão que ser os muçulmanos laicos a mudar as coisas, como está a acontecer no Egipto. O Islão deve tornar-se apenas uma religião como as outras, e não um culto de morte, totalitário e expansionista.

      Abraço,

      Israel Bloom

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.