quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

"Porque não havemos de lhes deixar os filhos órfãos?"



 DESCUBRA AS DIFERENÇAS:
Após os três ataques terroristas de Volgogrado, Putin promete lutar contra o terrorismo global! Obama ofereceu os seus préstimos para ajudar a Rússia a contrariar "gente que quer causar problemas"...
Os jihadistas islâmicos são pessoas que compreendem mal o Islão. O "verdadeiro" Islão ensina a paz - dizem-nos.  Infelizmente, o que vemos são os jihadistas islâmicos a invocarem o Alcorão para justificar os seus assassinatos. A dissonância cognitiva é absoluta, pelo menos para os líderes mundiais que têm sido confrontados com o terrorismo islâmico nos seus países. Vamos ver se Putin mostra estofo de líder e cumpre o que prometeu...
Entretanto, e enquanto se esgrimem subtilezas semânticas sobre o conceito enciclopédico de "verdadeiro Islão", pobres pais - os dos terroristas e os das vítimas:

"Os pais do bombista da Estação Ferroviária de Volgogrado imploraram ao filho para que voltasse  (Vídeo)"


de Anna Dolgov para o Moscow Times , 30 de Dezembro    
A bomba na estação de comboios Volgogrado  matou pelo menos 17 pessoas no domingo. Foi detonada por um homem russo convertido ao Islão que se juntou a militantes do Daguestão, disseram as autoridades.

    
O suspeito, identificado como Pavel Pechyonkin, trabalhou como paramédico num serviço de ambulâncias, mas saiu de casa em 2011 e juntou-se a militantes jihadistas do Daguestão, mudando o seu nome para Ansar Ar- rusi.

    
Em resposta ao vídeo dos seus pais pedindo para ele voltar para casa (vídeo acima), Pavel respondeu em vídeo (vídeo em baixo) que estava a seguir a vontade de Allah e não queria voltar.


    
"Eu vim para aqui apenas para Allah ficar satisfeito comigo, para ganhar o céu", disse ele no vídeo.

   
No apelo gravado em Março, o seu pai, Nikolai, advertiu-o para "largar essas armas", antes que se tornasse um "terrorista".

    
"Porque é que todos os muçulmanos têm que andar por aí com armas?" - disse o pai no vídeo. "És uma pessoa tão teimosa! Que mal te fizeram as pessoas? [ ...] Tu vais matar crianças!"

    
Sua mãe, Fanaziya, também muçulmana, pediu-lhe para se abster de recorrer à violência.

    
"Que tipo de Alcorão ... ", disse ela, que pareceu demasiado aflita para terminar a frase, antes de encontrar a força para continuar: "Eu não acredito que Allah tenha dito que é preciso matar as pessoas."

    
"Pasha, eu estou a implorar-te - por favor, volta", disse ela.
"Imagina como eu estou .... Eu não estou a viver, eu estou no inferno."

    
"Imagina que alguém vinha matar os teus pais, como te sentirias? Porque queres transformar as crianças em órfãos?"
Na sua resposta, Pechyonkin disse aos seus pais que "as lágrimas o tinham entristecido" mas que não mudaria os seus propósitos.
    "Eu não queria ver o vosso apelo, porque me iria enfraquecer, tornar-me mais mole", disse, acrescentando que "não tinha intenção de voltar".

    
"Por que devemos seguir esses mandamentos cristãos, quando Allah, que Ele seja glorificado, nos exorta a lutar contra os kafirs [ infiéis ]", disse ele. "Porque não havemos de lhes deixar os filhos órfãos?"

    
E rebateu as palavras da mãe, esclarecendo que o Corão manda os crentes matar.

    
"Eu não estou a inventar nada do Alcorão, eu estou a ler", disse ele.

    
"A mãe diz que nenhum homem tem o direito de matar", disse. "Esses
kafirs ocuparam a rádio e a televisão, e estão a dar aos muçulmanos a versão da nossa religião que lhes convém a eles. Eles estão é a tentar convencê-la de que um homem não pode fazer isso." ...

- Têm a palavra os líderes religiosos muçulmanos. Está na mão deles esclarecerem os jihadistas de que não devem matar em nome da respectiva divindade. Porque não o fazem?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.