quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Não seja modesto, senhor Presidente!

 

O Presidente da "audácia da esperança” reduziu a ambição - escreve o Público. Não concordamos!   

A presidência de Obama está ser um rotundo sucesso para a islamização do Mundo, a começar pelos Estados Unidos, que têm uma população prevista de 100 milhões de muçulmanos no final do presente mandato, a sonharem com "a bandeira do Islão a tremular sobre a casa Branca", como escreveu um leitor:

Este agente da Irmandade Muçulmana, que tem o seu gabinete cheio de companheiros de ideal, continua a enganar meio mundo. O estalinista vai dando lugar ao "poster boy" da "Esperança", enquanto avança a islamização dos EUA e do Mundo, e o país que elegeu este queniano se afunda, de dia para dia, no colapso económico, militar, político e moral. No final do mandato haverá 100 milhões de muçulmanos na América, todos sonhando com "a bandeira do Islão tremulando sobre asa Branca", desígnio confesso da Irmandade. A guerra demográfica, o terrorismo interno, a destruição da democracia. Acordem, Americanos!

Sob Obama, os Estados Unidos passaram a liderar a perseguição mundial aos cristãos!


Enquanto o deus-Obama continua ser incensado, o mano continua o seu trabalho, apenas mais abertamente. Tem esse mérito.

No SITE de Malik Obama - o mano de Barack Obama - foto  de Malik envergando o lenço do Hamas (keffiyeh), com o conhecido slogan "Jerusalém é nossa – ESTAMOS A CHEGAR!". Inclui um mapa da "Palestina", com os dizeres "Do Rio ao Mar". Por outras palavras, Malik diz que não existe Israel.

 

SHOEBAT  -  O keffiyeh (ou cachecol) diz "Al Aqsa é nossa e não é o vosso templo". Também diz que 'Innana Qadimun' - "Estamos a marchar em frente". Este grito de comando para a batalha é uma referência à profecia de que um dia o mundo muçulmano vai marchar sobre Jerusalém e, em seguida, as árvores e as pedras clamarão, 'Aqui! Está um judeu escondido atrás de mim ... Ó muçulmano, vem matá-lo'. 

 

 O líder do Hamas Khalid Mash'al (direita) usando o mesmo tipo de keffiyeh

Os media mainstream não divulgam que Malik recebeu um estatuto especial para sua  Fundação Barack Hussein Obama em menos de 30 dias e que a teve ilegalmente registada em 38 meses por Lois Lerner. A fundação de Malik está vinculado a um Estado patrocinador do terrorismo: o Sudão. Lois Lerner deve ser obrigada a testemunhar sobre porque concedeu isenção de impostos a um homem que está ligada ao terrorismo e é nada menos que o irmão do presidente dos Estados Unidos.

(Os socialistas e as suas fundações. Já parece o nosso Bochechas...).





O documento comprovativo das irregularidades da fundação que apoia o terrorismo. Ai se fosse uma fundação George Walker Bush a fazer 1 milésimo disto...

Malik lê e fala fluentemente o Árabe como muitos na sua família, por exemplo o primo Ismail Musa Obama e o tio Sayyid, que estiveram em pelo menos uma proeminente universidade wahhabista na Arábia Saudita. Obama recitou as linhas da chamada árabe para a oração de abertura com um "sotaque de primeira linha" de acordo com Nicholas Kristof, do New York Times.

(O New York Times é uma publicação entusiasticamente filo-muçulmana, que persegue e calunia constantemente Israel. Já parece o Público).

 

Musa Obama e Sayyid Obama na Universidade de Umm al-Qura

"Toda a gente se refere a nós como meio irmãos, um quarto irmãos ... coisas assim", diz Malik, descontente. "Eu acho que isso é como os pesos e as medidas. Isso nem sequer nos ocorreu, até que ele se tornou presidente, até que ele ganhou destaque. E agora nós somos mais ou menos como celebridades. Mas é um traço de ignorância", acrescenta. "Aqui em África nós não pensamos uns nos outros como 'metade' isto ou aquilo. Numa família, alguém é nosso  irmão mesmo que ele seja apenas do nosso clã. Então, eu ... sou Obama."



Malik e Barack na Casa Branca...



Aqui em cima está Malik em 2010, com al-Dahab, em Cartum, no Sudão, durante a conferência da Organização Da'wa Islâmica (IDO), que defende um novo califado islâmico em todo o mundo, presidida pelo líder terrorista do Sudão, Omar al-Bashir, que pertence à Irmandade Muçulmana e é procurado por crimes contra a Humanidade.


A Irmandade Muçulmana é uma organização terrorista global, que defende a instalação de um Califado Mundial. Obama e os seus mais chegados (Hillary, Kerry, McCainn) defendem-na, apoiam-na, e a administração está infiltrada de membros dessa rede terrorista.


Menina cristã síria, raptada, violada, torturada e morta pelos terroristas a que a adminsitração Obama apoia e a quem chama "combatentes da liberdade". O apoio de Obama ao terrorismo islâmico não é uma abstracção. É uma torrente de sangue e de dor!

A campanha Impeach Obama está em movimento, e deve ser apoiada, antes que seja tarde demais (já é):





Enquanto os terroristas islâmicos são apoiados por Obama, nos Estados Unidos, o mesmo Obama leva a cargo uma purga Estalinista das altas chefias militares.  O país começou o mandato como superpotência e vai acabá-lo sem Defesa. Em acentuada recessão já está.


A visão romântica e fantasiosa, os delírios, de John Kerry, e a dura realidade do Médio Oriente:



Obama tem sido comparado a Chamberlain, o P.M. Britânico que queria "apaziguar" o Hitler. Pouco a pouco, descobrimos que a comparação não é exacta...



"A única religião que respeito é o Islão. O único profeta que admiro é Maomé" - Adolf Hitler.

- Por agora e sobre Obama y sus muchacos, ficamos por aqui.

1 comentário:

  1. Que candidato nos EUA os americanos estão apoiando?

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.