domingo, 1 de dezembro de 2013

Lembrando Dietrich Bonhoeffer



 "O silêncio em face do mal é o próprio mal. Não falar é falar. Não agir é agir".

Dietrich Bonhoeffer, pastor Luterano alemão, opositor e mártir do Nazismo


O Público prenuncia o fim dos cristãos no Médio Oriente.
 

Há muitos meses que há manchetes dedicadas à instabilidade no Médio Oriente, especialmente no Egipto e na Síria. O que tem faltado, no entanto, é qualquer cobertura mediática significativa das perseguições anti-cristãs em curso nesses dois países. Nós temos feito o possível, sendo amadores com pouco vagar. Veja mais no site RESCUECHRISTIANS.ORG

 RescueChristians.org

Excertos de artigo do site Catholic Online:
Os media parecem indiferentes ou com medo de criticar as actividades criminosas e terroristas de extremistas muçulmanos - ou os jornalistas contam histórias completamente erradas. Caso gritante: uma reportagem recente da BBC, cobrindo o ataque rebelde na antiga vila cristã síria de Maaloula, afirmou que "a luta em Maaloula é o primeiro ataque a uma comunidade cristã notável desde o início da revolta. Aldeias cristãs ao redor Homs e Hama foram fugindo da violência, juntamente com membros de outras comunidades, mas não tinham até agora sido atacadas".

No entanto, as jovens cristãs estão a ser estupradas e assassinadas, enquanto as igrejas cristãs, mosteiros, casas e locais de trabalho, estão a ser destruídas sistematicamente.
Bispos católicos sírios advertiram que o seu país está a tornar-se um "segundo Iraque" devido a padrões semelhantes de ataques à Igreja e expulsão e sequestro dos cristãos.
Durante o reinado de terror de Saddam Hussein, a população cristã do Iraque caiu de 1,4 milhões para menos de 300.000. Muitos desses refugiados cristãos estabeleceram-se na Síria, que foi considerada, na época, um país mais tolerante.
De acordo com fontes da Igreja, a grande cidade industrial de Homs, que abriga a maior população cristã da Síria, tem suportado o peso da violência. Ataques a igrejas cristãs, escolas, conventos, assim como casas e empresas, têm causado um êxodo em massa. Estima-se que 50 mil cristãos, cerca de 90 % da população cristã de Homs, fugiram para as montanhas ou buscaram refúgio no Líbano.
Aqueles deixados para trás não conseguem encontrar trabalho e ganhar dinheiro para sustentar as famílias. Os alimentos têm sido escassos e inacessíveis. Antes do início dos combates na Síria, a comunidade cristã era cerca de 10% da população síria, de 22 milhões.

Organizações de caridade, como a Ajuda à Igreja que Sofre, o católico Near East Welfare Association, e outros, têm vindo a fornecer alimento e abrigo às vítimas cristãs de guerra civil na Síria, tanto dentro da Síria como em campos de refugiados no Líbano.


100 quilómetros ao sul de Homs, em Damasco, os cristãos sofrem um destino semelhante. O arcebispo católico grego lá relatou que 40 mil cristãos da capital síria fugiram ou foram deslocadas. A frequência da  Igreja tem diminuído em 60 % desde 2011 e houve apenas 30 baptismos em 2012. Mais de 40 igrejas foram destruídas, sacerdotes e diáconos foram assassinados.

A Irmã Joseph-Marie Chanaa, das Irmãs da Caridade, que tem ajudado as famílias fugidas da guerra, disse recentemente aos representantes da Ajuda à Igreja que Sofre que: "o que está a acontecer aqui é desumano. Os jovens são sequestrados. Os cadáveres são picados, os braços e as pernas são cortados e, em seguida, picados em pedaços.
 -  Se não é facilmente impressionável veja por exemplo uma imagem da calamidade a que a Irmã se refere: aqui.

"Em Abril de 2013, dois arcebispos ortodoxos foram sequestrados perto da cidade de Aleppo. Os prelados estavam de volta da fronteira turca, depois de terem negociado a libertação de dois sacerdotes que haviam sido levados como reféns. O carro foi emboscado e o motorista, um diácono, foi assassinado. O destino dos dois arcebispos sírios permanece desconhecido até hoje. Não há dúvida de que a ilegalidade causada pela guerra civil na Síria deu aos radicais a oportunidade de desalojarem e aterrorizarem os cristãos".

Os cristãos no Egipto estão a sofrer um destino semelhante. Aproveitando o caos desde que o presidente Mohamed Morsi foi forçado a sair do cargo e colocado sob prisão, a Irmandade Muçulmana saqueou e destruiu mais de 80 igrejas, um grande número de instalações religiosas, e um número incontável de lojas cristãs.

Muitos cristãos têm sido sequestrados por extremistas para lhes extorquirem dinheiro do resgate. Reclamações por cristãos à polícia sobre os ataques e abusos islâmicos foram ignoradas. Para dar aos alguma protecção aos fiéis, o Patriarca copta quer construir muros ao redor da catedral, em Alexandria, e em todas as instalações eclesiásticas. 

O Bispo Copta-católico Kyrillos William Samaan, de Assiut, explicou que "a Irmandade Muçulmana pensa que os cristãos são a causa de Morsi ter sido deposto. Mas os cristãos não estiveram sozinhos: Houve 35 milhões de pessoas ​​que tomaram as ruas em protesto contra Morsi. Mas os cristãos estão a ser punidos. Somos o bode expiatório".  Os cristãos egípcios compõem 10 % da população total de 85 milhões.

O Bispo Samaan, que expressou a esperança de que uma nova Constituição garanta "a igualdade de todos os egípcios-cristãos, assim como dos muçulmanos, perante a lei", disse que é triste a indiferença dos governos ocidentais: "Eles falam sobre direitos humanos, mas não vêem a realidade do que está a acontecer aqui. Um grupo de terroristas usa armas contra nós. Os governos ocidentais não deveriam apoiar isso".

Muitos jovens cristãos têm-se mobilizado para defender as suas igrejas. Em turnos de 12 horas, eles estão do lado de fora das suas igrejas para evitar ataques. Uma missionária espanhola Comboniana, a Irmã Expedita Perez, que ajudou a organizar alguns desses grupos de vigilância, disse que "os cristãos querem manter-se firmes e defender-se dos terroristas. Jovens cristãos coptas protegem as igrejas ao lado dos seus irmãos na fé, tanto ortodoxa como protestante. Estamos todos unidos".

Infelizmente, os  seus irmãos e irmãs do Ocidente, os seus Governos e grandes meios de comunicação, são em grande parte inconscientes de que essas comunidades cristãs antigas estão a ser destruídas.


Há um novo desenvolvimento. O Senado dos EUA deve votar um projecto de lei que criaria no Departamento de Estado um novo enviado especial, cujo mandato é de falar em nome das minorias religiosas vulneráveis ​​no sul da Ásia Central e Médio Oriente. O projecto de lei, apresentado pelo deputado Frank Wolf, foi aprovada pela Câmara dos Representantes dos EUA, em 19 de Setembro.

Mas o Departamento de Estado já comentou que tal movimento seria "desnecessário,  e provavelmente contraproducente"Há dois anos, o mesmo projecto foi bloqueado de alguma vez vir a votação. Os riscos são enormes, como o congressista Wolf deixou claro, quando, ao fazer passar finalmente o projecto de lei, citou o pastor luterano alemão Dietrich Bonhoeffer, que morreu por causa da sua oposição ao regime nazi: "O silêncio em face do mal é o próprio mal. Não falar é falar. Não agir é agir".

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.