segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Feliz Natal, senhor Abu!


Clérigo muçulmano «explica» que desejar «Feliz Natal» é «pior que fornicação, álcool ou matar alguém». Feliz Natal, senhor Abu Musaab Wadji Akkari!

Já falámos aqui brevemente da Sharia e do Natal, em breves traços, escolhendo uma ou outra estória significativa. Assinalamos com satisfação a reacção do público britânico. Muita gente ainda tem medo, mas outras pessoas já dizem e escrevem abertamente o que pensam da imposição da Sharia (a lei religiosa islâmica) na sua terra. A Marks & Spencer teve que recuar. Foi atingida na carteira, que é onde lhes dói mais! E às vezes são estas pequenas coisas que acordam a população e obrigam os Governos a acordar também.

"Marks & Spencer enfrenta resposta indignada dos clientes por causa da sua política islâmica"
 Nicola Fifield para o Telegraph, 22 de Dezembro
A Marks and Spencers customer chooses a bottle of wine


A Marks & Spencer foi hoje alvo de um boicote por centenas de clientes furiosos com a decisão da loja de permitir que o pessoal muçulmano recuse servir os clientes que compram álcool ou produtos suínos.

    
A política foi revelada depois de clientes terem tentado comprar carne de porco e álcool a uma assistente de loja muçulmana no centro de Londres e terem sido informados de que teriam que recorrer a outro funcionário, por causa da religião.

    
A página oficial do
Facebook da M&S  foi inundado hoje com mensagens mordazes de clientes previamente leais.

    
Enquanto isso, um grupo de campanha no Facebook convocando as pessoas a boicotar a loja atraiu centenas de 'likes' em apenas um par de horas após ter sido criada esta tarde.

    
Escrevendo na página do Facebook do grupo, apelando ao boicote da Marks & Spencer, o cliente Matt Syson acusou a M&S de criação de "divisão e ódio dentro de nossas comunidades".

    
"Se vocês tiverem trabalhadores cristãos que desejem recusar a venda de roupas de senhora a homossexuais masculinos ou calças masculinas a lésbicas, espero que vocês também respeitem as crenças religiosas ou pessoais desses trabalhadores ...

    
"Ou talvez se um trabalhador ateu reparar num cliente que compra folares durante a Páscoa e pretenda recusar a venda a esse cliente com base em que as crenças do cliente entram em conflito com as suas, espero que vocês não venham a  punir esses trabalhadores por recusarem a venda ...

    
"Se não, então eu gostaria que vocês soubessem que eu e a minha família deixaremos de comprar qualquer produto da vossa empresa devido à implementação de um sistema que cria mais divisão e ódio dentro das nossas comunidades.

    
"São os clientes que pagam os salários e geram os lucros, são os clientes que exercem o poder e ditam o sucesso ou fracasso de uma empresa. Algo que vocês vão perceber quando a notícia se espalhar."

   
Outra cliente, Angela Phillips, postou: "Se a M&S for em frente com isso, eles vão perder tantos clientes fiéis ... se eles não querem servir às pessoas carne de porco ou álcool, não devem trabalhar na secção de alimentos ... simples!"

 
Heather Playdon postou na página oficial do Facebook da empresa: "Eu não farei mais compras na Marks & Spencer. Uma cadeia tipicamente tipicamente britânica curva-se às crenças muçulmanas. E por sua vez, afasta a maioria dos cristãos e os clientes não-religiosos. Escandaloso!".
    Outro cliente, usando o nome de Mike Hubby Coneman Pearce, postou: "O 'politicamente correcto' enlouqueceu!! O QUÊ?! Eu não entendo; uma pessoa entra numa loja, pede um pouco de bacon a um empregado que é vegetariano, e o empregado recusa vender? NÃO!"

   
Tony Geada postou: "Espero que os imbecis por trás dessa ideia insultuosa tenham vergonha. Eu nunca mais vou fazer compras nessas lojas, e tenho esperança de que vocês percam o máximo de clientes."
(...)
 - O artigo continua, com o representante da Marks & Spencer a dizer que a empresa satisfaz outros pedidos relacionados com as religiões dos empregados, caso existam esses pedidos, blablabla, a tentativa habitual e desesperada de agradar aos muçulmanos, que devem ver todo o estrebuchar islamófilo Ocidental com o divertido desdém do costume - para usar a expressão de Robert Spencer.

A questão não é essa. Se um cristão pedir para não trabalhar ao sábado ou ao domingo, troca de serviço com um colega, mas isso não afecta os clientes nem a face da empresa! Esta decisão, afecta!



Entretanto, e como começou a ser  atingida onde lhe dói mais, a M&S não tardou a arrepiar caminho:
 
"Marks & Spencer pede desculpas depois de dizer que o pessoal muçulmano pode recusar-se a servir aos clientes carne de porco e bebidas alcoólicas" 
Adam Withnall e Alex Delmar-Morgan no Independent, 22 de Dezembro

    A Marks & Spencer parece ter recuado ontem à noite, através da emissão de um pedido de desculpas, depois de um membro muçulmano da equipa se ter recusado a vender champanhe a um cliente.


    Anteriormente, o supermercado disse que o pessoal muçulmano podia recusar-se a servir os clientes que estejam a comprar carne de porco ou álcool.

    Mas um porta-voz da M & S na noite passada, disse: "Ontem tivemos um empregado cujas crenças religiosas restringem os alimentos ou bebidas em que pode tocar, e estamos a trabalhar em estreita colaboração com o nosso membro da equipa para colocá-lo em papel adequado, como o nosso departamento de roupa ou padaria em alimentos."

- Uau! Quanta diplomacia!

    "Como empresa secular que somos, temos uma política inclusiva que acolhe todas as crenças religiosas, seja através dos nossos clientes ou dos funcionários ... Pedimos desculpas por esta política não ter sido seguida no caso relatado."

    A questão surgiu depois de um cliente não identificado ter dito ao Telegraph que ficou "surpreendido" porque "tinha uma garrafa de champanhe para pagar, e a senhora, que usava um lenço na cabeça, ter dito que que não o poderia servir". 
(...)

2 comentários:

  1. Vão colocar os islâmicos na secção de roupas e padaria. Agora os mesmos blasfemam por se sentirem discriminados apesar de discriminarem os clientes consoante aquilo que compram.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dito e feito; já estão a reclamar - http://www.jihadwatch.org/2013/12/hamas-linked-cair-cries-islamophobia-over-marks-spencer-sharia-checkout-lanes-policy.html

      Aqui d'el Califa que é «islamofobia»!

      Abraço,

      Israel Bloom

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.