quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Singularidades de um rapaz americano


Público

Enquanto isso, Obama assume-se oficialmente ao lado da Al-Qaeda:

"Obama renuncia à proibição de armar terroristas para permitir ajuda à oposição síria "

de Joel Gehrke para o Washington Examiner , 16 de Setembro 

    O Presidente Obama renunciou à disposição da lei federal para impedir o fornecimento de armas a grupos terroristas e vai fornecer assistência militar a grupos de oposição anteriormente "vetados", que lutam contra o ditador sírio Bashar al-Assad.

    Alguns elementos da oposição síria estão associados a grupos terroristas islâmicos radicais, incluindo a al-Qaeda, responsável pelos ataques de 11 de Setembro em Nova Yorque, Washington DC, e Shanksville, na Pensilvânia, em 2001. O regime de Assad é apoiado pelo Irão e pelo Hezbollah.

    O presidente anunciou hoje que iria "dispensar as proibições das secções 40 e 40A da AECA relacionadas com a uma operação deste tipo."

    Essas duas seções proíbem o envio de armas para os países descritos na seção 40: "As proibições contidas nesta secção aplicam-se em relação a um país, se o Secretário de Estado determinar que o governo daquele país tem proporcionado repetidamente apoio para actos de terrorismo internacional". (...)

    "Para os fins desta subseção, tais actos devem incluir todas as atividades que o Secretário determinar que ajudem a proliferação internacional de dispositivos nucleares explosivos a indivíduos ou grupos, ou voluntariamente ajudem a instigar um indivíduo ou grupos a adquirir material nuclear especial", a lei continua.

    A lei permite ao presidente renunciar a essas proibições se este  "considerar que a transacção é essencial para os interesses de segurança nacional dos Estados Unidos." 
PERGUNTA: Como é que armar a al-Qaeda na Síria é "essencial para os interesses de segurança nacional dos Estados Unidos"?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.