terça-feira, 24 de setembro de 2013

Jihadistas do Minnesota no ataque do Quénia


Forças do Quénia ainda combatem últimos atacantes do centro comercial

O que faltava agora era trabalhar para prevenir futuros ataques. Os amigos do radicalismo islâmico já especulam que "não há provas" de que os ataques tenham sido feitos por islamistas (!). E, como em ocasiões anteriores, os "bufos" são severamente ameaçados. É preciso esconder as ligações. Cá em Portugal como nos Estados Unidos, trabalha-se para tapar o sol com a peneira:
"CAIR Impede o FBI de investigar envolvimento de grupo terrorista da Somália  no ataque no Quénia"
Judicial Watch
    A filial Al-Qaeda que lançou o terror num centro comercial queniano, que resultou em dezenas de pessoas inocentes assassinadas, tem um defensor poderoso e influente nos Estados Unidos, o grupo muçulmano de "direitos civis", conhecido como o Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR) .

    
É improvável que os media mainstream venham a falar desta conexão, mas ela é profunda e envolve e envolve a radicalização dos jovens somalis nos EUA, como os que executaram o ataque no Westgate Shopping no norte Nairobi. O CAIR também tem exercido o seu poder para silenciar os críticos da Al-Qaeda do ramo Shabaab na Somália, que invadiram o centro comercial, mataram pelo menos 68 pessoas e fizeram dezenas de reféns.

    
Vários dos jihadistas envolvidos no ataque são somalis de Minnesota, de acordo com  notícias que têm vindo a público. Eles incluem Ahmed Mohamed Isse, de 22 anos, de St. Paul, e Abdifatah Osman Keenadiid, de 24 anos, de Minneapolis. Nos últimos anos, o FBI e o Congresso investigaram a radicalização da comunidade americana da Somália no Minnesota. A Al Shabaab recruta jovens nas mesquitas e envia-os para fora do país,  treinar e combater na Somália.

   
O CAIR, grupo testa de ferro do terrorismo islâmico que supostamente arrecada dinheiro para o Hamas, tem interferido com a investigação do governo dos EUA. Há alguns anos o CAIR prejudicou uma investigação do FBI sobre o desaparecimento de dezenas de homens somalis. Muitos membros da comunidade somali local, denunciaram as acções do CAIR, dizendo que o grupo estava a intimidá-los caso cooperassem com o FBI.

    
Durante depoimento no Congresso, o tio de um dos
homens desaparecidos,  disse que estes foram recrutados e radicalizados pelo CAIR para se juntarem aos jihadistas da Al Shabaab. O CAIR instruiu a comunidade americana da Somália para não cooperar com a aplicação da lei e apoiou cegamente a mesquita que radicalizou os desaparecidos. "O CAIR realizou reuniões com alguns membros da comunidade e disse-lhes para não falarem com o FBI, o que foi um murro na cara das mães dos somalis muçulmanos, que andavam a bater às portas dia e de noite, com fotos dos filhos desaparecidos, pedindo à comunidade para cooperar com a lei e dizer o que sabia sobre o desaparecimento dos jovens", disse Abdirizak Bihi ao Comité de Segurança Interna .

    O
CAIR também tentou silenciar os críticos da Al Shabaab em partes do Minnesota que foram atacadas pela filial Al Qaeda. Há alguns anos, o CAIR fez explodir dois activistas muçulmanos de Minneapolis por participarem num seminário ("Al Shabaab: Uma organização de terrorismo extremista islâmico") sobre o grupo terrorista islâmico na Somália. Entre outras coisas, o CAIR disse que o seminário não conseguiu distinguir entre o Islão e o terrorismo, e que oferecia informações imprecisas e tendenciosas sobre os muçulmanos e somalis ....


Este conhecido cartaz do CAIR incita os muçulmanos norte-americanos a não prestarem declarações à Polícia, em nome da "resistência"

Ver também:
"Muçulmanos do Illinois, Maine, Arizona, entre os terroristas do centro comercial no Quénia"
Creeping Sharia

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.