quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Aceitar "o Outro"

Ah... o Outro!!!... Conceito tão a la marxismo cultural, tão suporífero, tão cheio de vácuo, tão imbecil, tão ao gosto do bem-pensantismo acéfalo, que prescreve que devemos tanto mais aceitar o tal Outro, quando mais o venerado e inquestionável Outro seja um fora-da-lei, nos odeie, nos aterrorize e nos destrua.



Alunos do ensino médio no Tennessee visitam mesquita, recebem Alcorão - não visitam a igreja ou sinagoga
As escolas públicas do Tennessee orientam as suas escolhas de visitas de estudo segundo uma agenda pautada pela chamada "aceitação do outro". Porque esse é todo o problema da jihad e do terrorismo: se os americanos aceitassem os muçulmanos e o Islão, a jihad e o terror seriam uma coisa do passado.  
E há tantas iniciativas como esta - como aquela de uma escola do Arkansas, que planeava apresentar um orador muçulmano no aniversário do 11 de Setembro - que é difícil escapar à conclusão de que eles realmente acreditam neste raciocínio absurdo.
" Alunos fazem visita de estudo a mesquita e recebem Corão "
Todd Starnes para a Fox News, 17 de Setembro:
Uma escola do Tennessee decidiu rever a sua política de visitas de estudo, depois de um grupo de calouros ter sido levado a uma mesquita islâmica, onde receberam exemplares do Alcorão. 
Um aluno que optou por não fazer a vista de estudo recebeu uma ficha de trabalho em que se alegava que muçulmanos trataram as pessoas doas nações que conquistaram melhor do que os Estados Unidos tratadam as minorias.
" Não seriam mais de dez mil judeus em Fez, os quais foram obrigados a viver em Melha , o bairro dos judeus -  na realidade o gueto de  Fez. Eles são particularmente odiosos aos olhos dos mouros, que lhes dedicam ainda maior desprezo que aos cristãos, e o interesse das sociedades estrangeiras por eles aumenta a aversão muçulmana. Há poucos dias, uma delegação de israelitas, com um reverendo rabino à cabeça, esperou a Sua Excelência o Sultão para lhe agradecer a protecção e implorar por mais. Entre outras coisas, a delegação fez um pedido: o de obter a permissão do sultão para os judeus usarem sapatos na cidade. "Nós somos velhos, Bashador, e os nossos membros são fracos; as nossas mulheres também são frágeis, e esta lei pesa fortemente sobre nós." Embora simpatize com o pobre hebreu que não aprecia ter que andar descalço, fiquei feliz com a recusa do pedido. A concessão poderia indignar a populaça, e levar a consequências por demais terríveis sequer de se imaginar. " - Carta do Dr. A. Miguerez da Aliança Israelita Universal, 1880, em O Dhimmi, de Bat Ye'or, pp 320-321
(..)
    Alguns pais opuseram-se à visita de estudo e perguntaram porque é que a escola iria visitar uma mesquita, mas não uma igreja cristã ou uma sinagoga judaica.
    "Não podemos ir a vários templos? Porquê escolher este?", Perguntou o pai Mike Conner. "Enviámos um e-mail à directora e expressámos as nossas preocupações. Ela enviou uma resposta e disse-nos que a escola não podia dar-se ao luxo de ir a outros templos."
    O Roll Call Daily informou que os alunos foram levados para o Centro Islâmico de Nashville, um centro de radicalismo islâmico.
As crianças receberam bebidas e biscoitos na mesquita, onde ouviram leituras do Corão, disse Conner. Também receberam cópias do livro sagrado islâmico - que  alguns alunos aceitaram e outros declinaram.
(...) 

1 comentário:

  1. Hmm, se falares com voz docinha para um animal selvagem, este deixa de ser selvagem?

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.