sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Firoozeh, a racista

 via jihadwatch
 A racista
É oficial: a verdade agora é "racismo". Firoozeh Bazrafkan é uma iraniana que fala da sua própria experiência. Ela argumenta que "não estava a acusar todos os homens muçulmanos de usarem códigos islâmicos para justificar actos terríveis contra as mulheres, mas sim que a violência contra as mulheres e as crianças muitas vezes é desculpada com o Islão".
O que é manifestamente verdade. O Alcorão, em 4:34, diz: "Os homens são os gestores dos assuntos das mulheres porque Allah preferiu dar recompensa a uns em detrimento das outras, e por isso elas são sua propriedade. As mulheres justas são, portanto, obedientes, guardando o recato, porque Allah assim o determina, e aquelas que forem rebeldes deverão ser admoestadas, banidas dos seus leitos, e submetidas. Se elas então obedecerem, não se deve fazer mais nada contra elas. Allah é o supremo, o grande".
Os homens muçulmanos desculpam-se com o Islão para espancar as mulheres? Bem, os Estados islâmicos recentemente rejeitaram como anti-islâmica a resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU condenando a violência contra as mulheres: ver aqui. E um programa de TV sobre Como Bater na Sua Esposa recentemente foi repetido num canal de TV muçulmano em Londres.

 COMO ESPANCAR A SUA ESPOSA:


Enquanto isso, alguns dos membros de gangues de violadores muçulmanos na Grã-Bretanha afirmam que suas acções são justificadas, porque as vítimas vestem de forma inadequada, e não aderiram a códigos de vestimenta islâmica.
Mas agora dizer a verdade é "racismo", na Dinamarca. Que raça são os muçulmanos que batem nas suas esposas e justificam isso, referindo-se ao Alcorão?
"Artista dinamarquesa-iraniana acusada de racismo"
por Peter Stanners para o Copenhagen Post, 18 de Setembro:
    Uma artista dinamarquesa-iraniana foi considerada culpada de racismo pelo Supremo Tribunal na segunda-feira, por declarações que fez sobre os homens muçulmanos.

    
Firoozeh Bazrafkan foi acusada de racismo depois de escrever no seu blog, publicado no jornal Jyllands-Posten, em Dezembro de 2011, que ela estava "muito convencida de que há homens muçulmanos ao redor do mundo que violam, abusam e matam as filhas".

    
Ela acrescentou "Este é, de acordo com o meu entendimento e como dinamarquesa -iraniana, o resultado de uma cultura deficiente e desumana - se é que podemos chamá-la uma cultura de todo. Mas podemos dizer, acho eu, que é uma religião desumana, cujo livro, o Corão, é mais imoral, deplorável e louco, do que os manuais das duas outras religiões mundiais combinados."

   
O Tribunal decidiu não condenar Bazrafkan sob a legislação anti-racismo, secção 266b do código penal, em Dezembro passado.

    
O Ministério Público recorreu da decisão para o Supremo, que na segunda-feira a considerou culpada, condenando-a ao pagamento de uma multa de 5.000 coroas, ou cinco dias na prisão.

    
"O tribunal argumentou que o que eu escrevi sobre os homens muçulmanos foi condescendente e uma generalização", disse Bazrafkan ao The Copenhagen Post.
"Mas isso é injusto, porque há muitos códigos islâmicos que são usados ​​por homens islâmicos para justificar as suas acções contra mulheres e crianças."

   
Sentenças por "racismo"
A sentença de racismo para Bazrafkan é a quarta de uma série, de que resultaram em acusações sob a lei anti- racismo.

    
O primeiro foi Lars Hedegaard, o líder da Sociedade para a Imprensa Livre -  Trykkefrihedsselskabet, que foi condenado por racismo em 2011, por declarações que fez em particular sobre os homens muçulmanos.

    
Ele foi libertado em 2012, quando o Supremo decidiu que as declarações não foram feitas com a intenção com que foram divulgadas.

    
Jesper Langballe, um ex-deputado,
foi acusado e condenado por racismo por causa de declarações que fez ao defender Hedegaard, num artigo de opinião no jornal Berlingske.

    
Kragh Lars Andersen, um activista da liberdade de expressão, foi o terceiro a ser acusado de racismo depois de escrever um artigo em que disse "estar convencido de que os homens muçulmanos em todo o mundo, abusam e matam as suas filhas".

    
Foi essa passagem que Bazrafkan repetiu e que resultou na acusação de racismo.

    
Uma artista polémica
    Bazrafkan - uma artista controversa conhecida por integrar a sua origem muçulmana no seu trabalho - diz que sua adaptação e utilização do texto de Andersen foi um "acontecimento político", pensatado deliberadamente para expor o problema com a lei do racismo.

    
Ela argumenta que não estava a acusar todos os homens muçulmanos de usarem códigos islâmicos para justificarem actos terríveis contra as mulheres,  só que a violência contra as mulheres e as crianças muitas vezes é praticada usando-se o Islão como desculpa.

    
"Não é a mesma coisa. Por exemplo, muçulmanos de todo o mundo protestaram contra as caricaturas de Maomé, como médicos ao redor de todo o mundo fazem diagnósticos errados aos pacientes, mas nem todos os muçulmanos protestaram contra as caricaturas, e nem todos os médicos fazem diagnósticos errados".

    
Ela acrescentou : "É idiota sugerir que eu acho que todos os homens muçulmanos são estupradores ".

    
Supremo Tribunal não convencido
O veredicto foi decidido por um painel de três juízes e três jurados. Cinco dos seis decidiram que a secção 266b do código penal deveria ser aplicada, e que a mensagem no blog pretendia dizer que todos os homens muçulmanos cometem crimes graves.

    
"Ao publicar a declaração no blog, o réu apresentou declarações em que um grupo de pessoas são ridicularizados e degradadas por causa da sua crença", declarou o Supremo Tribunal no seu veredicto. "Nós, portanto, consideramos o réu culpado."

    
Bazrafkan disse que preferia passar o tempo na prisão do que pagar a multa, e que ela estava disposta a levar o caso ao Supremo Tribunal Federal.

- Breves notas: 

1 - As declarações de  Firoozeh Bazrafkan não primarão pela exactidão; quando se fazem acusações com tal gravidade, deve haver provas. Firoozeh tinha muito o que mostrar, de objectivo, sem se meter numa acusação que não pode sustentar. No entanto, declarações da mesma e de maior gravidade, são feitas contra outras religiões. E passam incólumes.

2 - Muçulmanos não são uma raça.

3 - Os abusos conhecidos (espancamentos, escravatura, mutilação genital feminina, pedofilia, violações), não merecem dos Tribunais Ocidentais o mesmo rigor.

2 comentários:

  1. o marxismo cultural deu cabo da dinamarca

    ResponderEliminar
  2. a propósito: http://www.publico.pt/mundo/noticia/mae-condenada-por-vestir-filho-com-tshirt-com-as-palavras-jihad-e-bomba-1606537

    Nos comentários já está um imbecil a defender...

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.