segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Os Esquecidos da Síria

Enquanto prossegue o debate surrealista sobre quem lançou o gás sarin (com evidências sólidas de que foram os chamados "rebeldes"), a perseguição religiosa e o projecto de Califado avançam na Síria:

Patriarca Gregório III , da Igreja Greco-Melquita Católica e outros clérigos, no funeral de três cristãos assassinados por muçulmanos em Maaloula
Os comandantes das brigadas islâmicas, que declararam mais de uma vez que o seu projecto é estabelecer um califado, têm indicado repetidamente que ninguém vai perseguir os cristãos ou expulsá-los de suas casas, porque eles são "pessoas do livro" e dhimmis (cidadãos não-muçulmanos do estado islâmico ),  e que não haverá problema com eles, ao contrário do resto das comunidades, como os xiitas, alauítas e drusos."
Aparentemente, eles querem subjugar os cristãos, de acordo com a pedra angular do sistema dhimmi (Alcorão 9:29), que determina que os muçulmanos lutam contra os "Povos do Livro", até que "paguem a jizya com submissão voluntária e se sintam subjugados" (9:29). Os xiitas, alauítas e drusos, evidentemente, apenas serão massacrados.

" Oposição síria falha em tranquilizar os cristãos", por Tareq al-Abed, traduzido por As-Safir (Líbano); Al-Monitor; 11 de Setembro:

   
Os cristãos na Síria estão a ser submetidos a muita pressão, tanto pelo regime como pela oposição, que não conseguiu dar-lhes qualquer garantia ou apoio.

    
Alguns grupos armados acusaram a Igreja de apoiar o regime. E muitas das afirmações da oposição e videoclipes não tranquilizam as minorias quanto a virem a ter lugar na nova Síria.

    
A oposição política: o fracasso sem fronteiras

    
No primeiro mês da revolução, os cristãos uniram-se aos protestos em várias cidades e aldeias. Um dia de protestos foi até chamado "Sexta-feira Santa". Em várias áreas, as igrejas abriram as portas para os deslocados e as pessoas afectadas pela guerra, como em Daraa, Aleppo e Hama. Mas quando a revolução foi militarizada e o Exército Sírio Livre (FSA) foi formado, os cristãos começaram a temer pelo seu futuro, à luz da crescente tendência islâmica dos vários batalhões armados da oposição.

 
Tudo piorou depois de alguns oposicionistas acusarem o regime de apoio aos cristãos, citando celebrações em al-Kassa'a, Bab Touma e Damasco. Os temores dos cristãos foram reforçadas após atentados, bombardeios e confrontos que eclodiram em igrejas em Damasco e outros locais, como Irbeen, na zona rural de Damasco, Homs e Deir ez- Zor .

    
Além de tudo isto, a oposição política falhou miseravelmente em tranquilizar os cristãos e negligenciou a resolução de muitos eventos preocupantes. O padre Fadi Haddad foi morto em Katana, na zona rural de Damasco. Os Bispos Boulos al-Yazigi e Youhanna Ibrahim foram sequestrados em Aleppo. O Padre Paolo Dall'Oglio desapareceu em Raqqa. Os confrontos chegaram recentemente a Maaloula, no Qalamun . E houve notícias de ataques a igrejas e mosteiros em Ras al-Ain.

    
Quando os dois bispos foram sequestrados, a Coligação Nacional da Síria e o Conselho Nacional Sírio (CNS) acusaram grupos extremistas armados de sequestro e assassínio. Em seguida, ambos os grupos recuaram e disseram que o regime estava por trás do crime, para assustar os cristãos e levá-los a apoiá-lo. A oposição promoveu um discurso enfatizando a lealdade à pátria e à religião.
Não tomaram medidas concretas para evitar a repetição do que aconteceu com as igrejas no Iraque e as ondas posteriores de migração cristã.

    
A Coligação Nacional e a oposição no exterior pensavam que a colocação de uma figura cristã numa posição de liderança seria tranquilizar as minorias, de modo que George Sabra foi eleito para dirigir o SNC. Também promoveram Michel Kilo, que fez grandes esforços para mostrar o papel dos activistas cristãos na revolução. Kilo afirmou que a rua cristã não concorda com a posição da Igreja. O activista Ghassan Saltana fez a mesma reivindicação.

    
Mas no terreno, nada mudou. A oposição simplesmente não pára de repetir que a única garantia para as minorias é participarem na revolução. (...) Nem os sequestradores dos bispos nem o Estado Islâmico do Iraque e da Síria (ISIS) responderam aos apelos da oposição.

    
Os comandantes das brigadas islâmicas, que declararam mais de uma vez que o seu projecto era estabelecer um califado, têm indicado repetidamente que ninguém vai perseguir os cristãos ou expulsá-los de suas casas, porque eles são "pessoas do Livro" e dhimmis (cidadãos não-muçulmanos do estado islâmico), pelo que não haverá problemas com eles, ao contrário do resto das comunidades como xiitas, alauítas e drusos.

   O
ISIS tem outra posição. Notícias não confirmadas de Raqqa indicam que o Padre Paolo foi morto, de acordo com uma decisão do "emir", alegando que "os cristãos traíram a aliança", e devem portanto ser mortos. Mas esta notícia não foi confirmada, e o ISIS não disse nada sobre o desaparecimento de Paolo até agora.

   
Com a entrada do FSA e das Jabhat al-Nusra em Maaloula, perto de Damasco, há muita coisa em jogo. Enquanto os activistas da oposição na região negam veementemente (postando dezenas de videoclipes ) qualquer ataque sobre os mosteiros e igrejas na cidade, os apelos do FSA e dos bandos armados não conseguiram tranquilizar as pessoas.

   
Um vídeo do YouTube mostrou um atirador do FSA a fazer explodir uma igreja em Aarbin, na zona rural de Damasco, e a queimá-la completamente. O clipe mostra a igreja destruída e alguns dos ícones de queimados.
A Brigada Osama bin Laden, do Free Syrian Army (Exército Livre da Síria), apoiado pelo Ocidente: 


O destino das minorias: camionistas falham teste sobre quantas vezes um bom muçulmano deve orar. O resultado é a execução sumária dos três:

 

E ainda:


Os "moderados" da Síria incendiam igrejas e destroem-nas:

"Síria: Quase metade dos combatentes rebeldes são jihadistas da linha dura, ou fundamentalistas islâmicos, segundo relatório" por Ben Farmer e Ruth Sherlock no Telegraph, 15 de Setembro.

 As forças rebeldes sírias fragmentaram-se em mais de mil bandos armados!
 "Síria: jihadistas afirmam que mataram dezenas de alauítas em Homs", da AFP, 15 de Setembro

     O movimento jihadista Frente Al-Nusra  disse em comunicado na Internet no domingo que os seus combatentes atacaram três aldeias na província de Homs, na Síria, e mataram dezenas de alauítas cinco dias antes. (...) O comunicado afirmava que o massacre foi ordenado por um jurista islâmico que os mandou matar os Nusairis, "inimigos de Alá", um termo pejorativo para os alauítas.

Forças do Governo patrulham o distrito de Homs. Note-se o nível de destruição que já se registava a 31 de Julho, quando esta imagem foi tomada.

2 comentários:

  1. porra, ainda dizem na SIC que eles querem a democracia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A SIC alinha muito por aí, já reparei, apesar do pouquíssimo vagar que tenho para ver TV. A TVI 24, a meu ver, é o melhor canal de notícias, e não tem tanto cagaço como as outras.

      I.B.

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.