domingo, 16 de junho de 2013

Todos culpados, menos Erdogan



Temos assistido nas últimas semanas a uma grande contestação à islamização crescente da Turquia, por parte de uma população esclarecida, a maior parte dela de religião muçulmana, mas que quer um país laico. E temos assistido à repressão brutal ordenada pelo Governo. Após um ministro ter vindo o aconselhar "os jovens ecologistas a regressarem às suas caminhas quentinhas", hoje a polícia varreu os protestos dos "ecologistas"  com força total.





Posto perante o facto de os manifestantes (que deram profusamente entrevistas à Imprensa Mundial) estarem contra a islamização forçada, o presidente Erdogan veio a público apontar mais "culpados" dos protestos. São todos, menos ele.

 "Erdogan afirma que estão investidores judeus por trás protestos," por Dror Zeevi para Ynet News, 14 de Junho:
    «Depois de duas semanas de protestos, cada lado no tumulto turco está a começar a produzir sua própria narrativa, a explicar a origem do protesto e planear o próximo passo.

    Do ponto de vista dos manifestantes, o protesto há muito tempo deixou as origens humildes da luta contra a remodelação do Parque Gezi, no centro de Istambul, e agora está agora dirigido para metas muito mais gerais.

    O objecto da ira dos manifestantes não é o Parque Gezi, o partido do Poverno AK ou mesmo o Governo, mas um homem - o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan.

    Descrito como um autocrata, os manifestantes protestam contra as suas tentativas de forçar valores, normas e códigos de conduta num público bastante diversificado e, especialmente, contra o movimento para reforçar os poderes de Erdogan

    A conduta de Erdogan para com os manifestantes - a sua recusa de se reunir com os líderes e as medidas duras que visam suprimir as manifestações - é para eles a prova cabal da justeza das suas reivindicações.

    Os manifestantes têm pouca consideração pelos meios de comunicação turcos, que agem como coelhos assustados, dando pouca cobertura às manifestações, e tendem a apoiar a posição do governo.
Por outro lado, ao longo dos últimos dias e, especialmente, desde que voltou de uma visita ao norte da África, o PM turco construiu a sua própria teoria dos acontecimentos em curso. No começo, ele incluía uma longa lista de supostos suspeitos por trás dos protestos - apoiantes da oposição, hooligans, Governos estrangeiros - mas, recentemente, a narrativa do Governo está a tomar forma mais estável, e as acusações são principalmente dirigidas a homens de negócios e investidores de grande escala, que Erdogan denominou "lobby de interesses".
    Segundo ele, estes querem prejudicar a economia da Turquia para os lucros de curto prazo. Embora os culpados específicos não tenham sido explicitamente nomeados, Erdogan insinua que se trata de pessoas como o magnata judeu-americano George Soros e outros empresários judeus e ocidentais.»

Nota 1: os jornalistas turcos alinham pelas posições pró-islâmicas de "jornalistas" como Niraj Warikoo, Christiane Amanpour, Spencer Ackerman, Lisa Wangsness, Manya Brachear, Bob Smietana, Huus Kari, Dave Weigel, Michael Kruse, Eli Clifton, Alex Kane, Alex Seitz -Wald, Adam Serwer, Max Blumenthal, e outros (alguns portugueses, diga-se de passagem...).
Nota 2: Soros tem sido grande impulsionador da islamização, um pouco por todo a parte. Porque raio seria contra a mesma na Turquia?

*** Mais um post que o jornal amigo do Islamismo não hiperliga. ***

Para o regime turco, os manifestantes são «terroristas manipulados por Israel»:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.