domingo, 1 de abril de 2018

15 mortos na fronteira de Gaza identificados como terroristas

ACTUALIZADO EM 5 DE ABRIL DE 2018:

Mais terroristas identificados - confirme AQUI.
     7 agentes das Brigadas Izz al-Din al-Qassam do Hamas
     1 agente da ala militar da Jihad Islâmica, Saraya al-Quds
     2 activistas de Katayef al-Maqawama al-Wataniya al-Filastina - a ala militar da Frente Democrática para a Libertação da Palestina
     1 agente das Brigadas dos Mártires de al-Aqsa, a ala militar da facção Shahid Nakhl al-'Amudi da Fatah
      1 forças de segurança do Hamas em operação (armado)
      1 activista militar do movimento Fatah
     1 afiliada da Shada al-Aqsa - a unidade Shahid de Nabil Mas'ud - uma facção iraniana
     1 agente afiliado do Hamas com orientação às Brigadas Izz al-Din al-Qassam
     1 activista da Fatah - não foi provado que ele é um activista militar
     3 sem afiliação organizacional significativa

Aqui estão então os senhores que os islamistas, a extrema-esquerda, os neo-nazis e o Papa Francisco dizem que são "inocentes desarmados":








Estes homens são terroristas como os do ISIS, do Boko-Haram, da Al-Shabab, da Al-Qaeda, etc.. Mas como matam sobretudo judeus, o Mundo chora a sua morte, quando atacavam Israel!
O que mudou desde Hitler?
 .............................................




O IDF usou balas de borracha e gás lacrimogéneo para deter as tentativas de invasão do território israelita e em casos em que os terroristas usaram explosivos, o IDF usou fogo real com precisão cirúrgica.


Não perca o post anterior sobre o recente ataque terrorista do Hamas contra Israel - usando escudos humanos, como sempre:

Hamas envia menina de 7 anos para enfrentar as tropas israelitas


100 milhões de dólares pelo espectáculo para as câmaras de TV do Mundo. O grupo terrorista Hamas a mandar os seus seguidores para o Paraíso islâmico. O costume...
 Visite a nossa secção HAMAS.  


IDF: Pelo menos 10 dos 16 mortos na fronteira de Gaza eram membros de grupos terroristas

Fatalidades da violência de 30 de Março na fronteira entre Israel e Gaza identificados pelo IDF como membros de grupos terroristas. (Forças de Defesa de Israel)

- Traduzido de The Times of Israel.

O Exército publicou a lista de nomes e postos dos homens mortos a tiro durante a violência na cerca de segurança. O Hamas reconhece que cinco deles eram homens armados da sua ala militar.
Os militares israelitas identificaram 10 das 16 pessoas que foram mortas durante protestos violentos ao longo da cerca de segurança de Gaza, como membros de grupos terroristas "palestinos", e publicaram uma lista dos seus nomes e posições nas respectivas organizações.

Na sexta-feira, cerca de 30 mil "palestinos" participaram em manifestações ao longo da fronteira de Gaza, durante as quais atiraram pedras e bombas contra soldados israelitas do outro lado da cerca, queimaram pneus e pedaços de madeira, tentaram quebrar e danificar a cerca de segurança e num caso abriram fogo contra os soldados israelitas.

O Exército disse que os seus atiradores especiais visam apenas aqueles que tomam medidas violentas explícitas contra as tropas israelitas ou tentam romper ou danificar a cerca de segurança. Imagens de vídeo mostraram que, num caso, um desordeiro, que o Exército tem na sua lista de membros do Hamas, parece ter sido baleado enquanto fugia da cerca de fronteira. O Exército em resposta acusou o Hamas de editar e / ou fabricar  os seus vídeos.

NDT - Ver Pallywood , a indústria de propaganda anti-Israel.

De acordo com as Forças de Defesa de Israel (link em árabe), oito dos homens mortos eram membros do Hamas, que governa a Faixa de Gaza. Um serviu nas Brigadas dos Mártires de al-Aqsa, e outro era filiado na "Jihad Global", um dos grupos salafistas que operam em Gaza.
Neste sábado, o Hamas reconheceu publicamente que cinco membros da sua ala militar, as Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, estavam entre as vítimas fatais.

"Palestinos" levam o corpo de Hamdan Abu Amsha, alegadamente abatido um dia antes pelo fogo israelita durante um protesto em massa ao longo da cerca de segurança, em Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, em 31 de Março de 2018. (AFP / MAHMUD HAMS)

O Exército disse que pelo menos um dos membros do Hamas, Sari Abu Odeh, fazia parte da força de elite do grupo Nukhba e que outro, Muhammad Abu Amro, serviu nas operações do túnel. (O porta-voz do IDF em Árabe forneceu mais detalhes via Twitter.)
O IDF identificou um dos dois membros do Hamas que dispararam contra soldados israelitas na noite de sexta-feira e tentaram invadir a cerca de segurança, antes de serem mortos a tiros, como Mussa'b al-Saloul, de 23 anos.


Os governantes terroristas do Hamas, em Gaza, divulgaram estas imagens de membros de sua ala militar que reconhecem estar entre os 16 habitantes de Gaza que foram mortos por disparos israelitas durante confrontos na cerca de segurança na sexta-feira, 30 de Março de 2018.


A Imprensa "palestina" informou que os corpos dos dois terroristas foram capturados por soldados israelitas. O IDF não comentou oficialmente essa alegação.

O terrorista mais velho identificado foi Jihad Farina, de 35 anos, comandante de companhia na ala militar do Hamas; o mais jovem foi Ahmad Odeh, de 19 anos, que serviu no Batalhão Shati do grupo terrorista, disse o Exército.
O Hamas afirmou que os mortos estavam a participar "em eventos populares lado a lado com o seu povo".


"Palestinos" lançam pedras contra soldados israelitas durante um protesto perto da fronteira da Faixa de Gaza com Israel, no leste da cidade de Gaza, sábado, 31 de Março de 2018. (AP / Khalil Hamra)

O Exército não forneceu evidências para as suas identificações. Alguns puderam ser verificados independentemente com provas fotográficas dos terroristas trajando uniformes ou recebendo um funeral de estilo militar do grupo terrorista em questão. Outros não puderam ser imediatamente comprovados.
Milhares de pessoas compareceram aos funerais em Gaza no sábado para 14 dos mortos - dois foram enterrados na sexta-feira -, com pessoas de luto segurando bandeiras "palestinas" e alguns gritando “vingança” e atirando tiros para o ar.
“Onde estão vocês, árabes? Onde estão vocês, muçulmanos?”, gritaram os participantes num funeral, pedindo ao mundo árabe e muçulmano que interviesse. Uma greve geral foi realizada tanto na Faixa de Gaza como na Judeia e Samaria (vulgo Cisjordânia).
O porta-voz do IDF Brig. general Ronen Manelis disse no sábado que todos os mortos estavam envolvidos em violência, acrescentando que as autoridades de saúde de Gaza exageraram o número de feridos e que muitas dúzias foram feridas por fogo vivo enquanto o restante ficou apenas abalado por gás lacrimogéneo e meios de dispersão de distúrbios.
Manelis disse na noite de sexta-feira que o Exército enfrentou "uma manifestação terrorista violenta em seis pontos" ao longo da cerca. Ele disse que as Forças de Defesa de Israel usaram "fogo pontual" onde quer que houvesse tentativas de violar ou danificar a cerca de segurança.
“Todas as fatalidades tinham entre 18 e 30 anos, várias das mortes foram de terroristas nossos conhecidos, e pelo menos duas delas foram membros das forças de comando do Hamas”, disse ele.
A marcha dos "palestinos" para a fronteira de Gaza com Israel na sexta-feira foi a maior dessas manifestações na memória recente, exigindo que os "palestinos" possam retornar às terras de onde seus ancestrais fugiram na Guerra da Independência de 1948. Foi apelidada de "Marcha de Retorno".

NDT - leia sff:

MITO 6 - «Israel é a Causa do problema dos refugiados»


 
Uma foto tirada em 30 de Março de 2018 mostra "palestinos" participando numa manifestação em comemoração ao Dia da Terra, perto da fronteira com Israel, a leste da Cidade de Gaza. (AFP / Mahmud Hams)


O número de mortos do protesto de sexta-feira foi fornecido pelo Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, que também acrescentou que cerca de 1.400 "palestinos" ficaram feridos durante os protestos, mais da metade por munições reais. As autoridades israelitas não têm como confirmar de forma independente esses relatos sobre vítimas.
Manelis advertiu no sábado que se a violência se arrastar pela fronteira de Gaza, Israel expandirá a sua reacção para atacar os terroristas por trás dela. Até agora, os militares restringiram a sua resposta àqueles que tentam violar as suas fronteiras, mas se os ataques continuarem, eles irão atrás de terroristas "em outros lugares também", disse ele.
Manelis reiterou que Israel "não permitirá uma violação maciça da cerca em território israelita". Ele disse que o Hamas e outros grupos terroristas de Gaza estavam a usar os protestos como cobertura para realizar ataques. Se a violência continuar, “não poderemos continuar a limitar a nossa actividade à área da cerca e agiremos contra essas organizações terroristas também em outros lugares”, disse ele.
O Hamas é um grupo terrorista islâmico que busca destruir Israel. Tomou o controle de Gaza da Fatah de Mahmoud Abbas num violento golpe em 2007.


O líder do Hamas, Yahya Sinwar (C), grita slogans e mostra o gesto de vitória enquanto participa num protesto na cidade perto da fronteira com Gaza em 30 de Março de 2018 para comemorar o Dia da Terra. (AFP PHOTO / Mohammed ABED)


O Exército permaneceu em alerta máximo, mesmo com a violência pareceu abrandar na noite de sexta-feira, no meio de temores de ataques persistentes, incluindo tentativas de infiltração e mísseis.
Os organizadores do protesto disseram que as marchas de massa continuariam até ao dia 15 de Maio, o 70º aniversário do estabelecimento do Estado de Israel. Os "palestinos" marcam essa data como sua “nakba”, ou catástrofe, quando centenas de milhares foram embora ou foram forçados a sair durante a Guerra da Independência de 1948. A grande maioria dos dois milhões de pessoas de Gaza são seus descendentes.
Em conversações de paz anteriores, os "palestinos" sempre exigiram, junto com a soberania na Judeia e Samaria (vulgo Cisjordânia), Gaza, Jerusalém Oriental e a Cidade Velha, um "direito de retorno" a Israel para os refugiados "palestinos" que saíram ou foram expulsos de Israel quando o país foi estabelecido (NDT - Ao mesmo tempo que foi estabelecida a Jordânia, que apanhou 88% do território de Israel).
Os "palestinos" exigem esse direito não apenas para aqueles das centenas de milhares de refugiados que ainda estão vivos - um número estimado nas baixas dezenas de milhares - mas também para os seus descendentes, que chegam a milhões.
Nenhum governo israelita jamais aceitaria essa exigência, uma vez que significaria o fim de Israel como um Estado de maioria judaica. A posição de Israel é que os refugiados "palestinos" e seus descendentes se devem tornar cidadãos de um Estado "palestino" na culminação do processo de paz, assim como os judeus que fugiram ou foram expulsos dos países do Médio Oriente por governos hostis se tornaram cidadãos de Israel.

......................

Os Árabes, invasores de Israel em 1920, ficaram com 88% da nação dada por Deus ao Povo de Israel - assim está lavrado na Bíblia e no Alcorão, que cristãos e judeus, respectivamente, aceitam como Verdade Suprema, e assim confirmam a História e o Direito Internacional. Esse país inventado à pressa é a Jordânia.
NUNCA existiu uma Palestina Árabe:

A Mentira Soviético-Palestina


Porque não existe um Estado "palestino" além da Jordânia e de Gaza, e porque é que existem refugiados árabes:

Temos duas secções que as pessoas de boa vontade podem consultar e depois confrontar com outras fontes:

Prefere os MITOS ou os FACTOS sobre Israel? A escolha é sua...

Os Britânicos, como os Romanos, foram os dois ocupantes da Terra de Israel que lhe chamaram Palestina (a bandeira do protectorado Britânico era esta). Até aos anos 70, Palestina era sinónimo da Terra dos Judeus, tal como Eretz Israel, Terra Santa, Sião, Terra de Israel.


 Um questionário breve sobre a tal "Palestina" Árabe

1. Quando é que o país foi fundado e por quem?  
2. Quais eram as suas fronteiras?  
3. Qual era a sua capital?  
4. Quais eram as suas cidades mais importantes?  
5. Quais eram as bases da sua economia?  
6. Qual era a sua forma de governo?  
7. Pode citar pelo menos um líder palestino antes de Arafat?  
8. A Palestina alguma vez foi reconhecida como um país cuja existência, então ou agora, não deixasse margem a interpretação?  
9. Qual era a língua da Palestina?

10. Qual era a religião predominante da Palestina?


11. Qual era o nome da sua moeda? Escolha uma data qualquer na História e diga qual era a taxa de câmbio da moeda palestiniana em relação ao dólar dos EUA, ao marco alemão, à libra esterlina, ao iene japonês ou ao yuan chinês na referida data.


12. E, finalmente, dado que este país não existe actualmente, que é que causou o seu desaparecimento e quando é que ocorreu? Você que lamenta o "afundamento" de uma orgulhosa e nobre nação", diga s.f.f., quando exactamente é que essa "nação" era orgulhosa e nobre?

1 Chegando, pois, o sétimo mês, e estando os filhos de Israel já nas cidades, ajuntou-se o povo, como um só homem, em Jerusalém.

Esdras 3



3 comentários:

  1. Recomendo o Gospel prime para ficar por dentro das notícias:
    https://www.facebook.com/pg/gospelprime/posts/?ref=notif
    https://noticias.gospelprime.com.br
    https://noticias.gospelprime.com.br/conflitos-de-gaza-com-israel-devem-piorar-nos-proximos-dias-preve-onu/?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=GospelPrime
    https://noticias.gospelprime.com.br/ira-e-turquia-ficam-ao-lado-dos-palestinos-e-se-manifestam-contra-israel/?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=GospelPrime
    https://l.facebook.com/l.php?u=https%3A%2F%2Fnoticias.gospelprime.com.br%2Fjihadistas-estado-islamico-exercito-turquia%2F%3Futm_source%3DFacebook%26utm_medium%3DSocial%26utm_campaign%3DGospelPrime&h=ATPy5p49cOw_KVF2XCfuM-UvivyHG3WCsAlxA6HIW3UFl09lyQ9Zwjk1282L_WUwylGq08yDwkl3FuPS07Xa_xWU0GDHDYkCrvTercB2MAX_so7__tOyRJ09nQ
    Só nos resta aguardar agora no que isso vai dar, as profecias só se cumprem, e a censura ao evangelho e conservadorismo só aumenta.
    https://l.facebook.com/l.php?u=https%3A%2F%2Fexame.abril.com.br%2Frevista-exame%2Fchegou-a-hora-de-regular-as-redes-sociais%2F&h=ATOo67INav0hHsOZ8FwppelnjNgzZh933A3rvvY72RU_Xb6L-397IhiJhw17BTw9HHrKgGMrmev7hDBowR78Zcn_bkKh2EnwUzydQPgpxwVzOYez9Cyb4TQMhA

    Achei interessante como a Turquia passou pro lado do governo sírio embora ainda seja aliada dos rebeldes que a ajudam a massacrar os cristãos curdos em Afrin.
    Trump já alertou que sairá em breve da Síria e seu encontro com o ditador norte coreano Kim Jong Un que é aliado do governo sírio se aproxima.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Rogério

      Parece que estão reunidas as condições para Confronto Final.

      Que Deus nos ajude.

      Afonso

      Eliminar
    2. Já incluímos o Notícias Gospel na nossa lista.

      OdF

      Eliminar

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.