sexta-feira, 2 de março de 2018

A festividade de Purim e os Julgamentos de Nuremberga

Celebrações de Purim em Tel-Aviv, 1932 e 1933 e 9 décadas de festejos (em baixo):



Se não sabe o que é a festividade judaica de Purim, pode encontrar a narrativa Bíblica no Livro de Ester. Ou assistir a este vídeo explicativo:

Paralelos extraordinários entre a história de Purim e os julgamentos dos nazis

Há paralelos estranhos entre a morte por enforcamento dos 10 filhos de Haman na história de Purim e a morte por enforcamento de 10 nazis após os julgamentos de Nuremberga por crimes contra a Humanidade. 


A conexão assombrosa entre essas duas eras na História judaica começa com uma história do Talmude, na qual se explica que, na história de Purim, a filha de Haman cometeu suicídio e, portanto, não foi enforcada. Do mesmo modo, nos julgamentos de Nuremberga, Hermann Göring, um conhecido torcionário nazi, também cometeu suicídio e, portanto, não foi enforcado. Na verdade, o nazi Julius Streicher, editor do jornal anti-semítico Der Stürmer, proclamou mesmo antes de ser enforcado, "Esta é a Festa de Purim 1946"
Dados esses factos, parece que há razão para a afirmação de que existe uma conexão entre a História de Purim e os Julgamentos de Nuremberga. 

 Julius Streicher

A Bíblia especifica que Haman, o malvado Primeiro Ministro persa que procurou aniquilar o povo judeu, era um Agagita. Agag era o rei dos amalequitas, implicando que todos os dez filhos de Haman também faziam parte da nação de Amalek. Curiosamente, o grande sábio da Torá, o Gaon de Vilna, explicou que os alemães também são descendentes da nação de Amelek
Simon Dubnow, Arthur Szyk e Raul Hilberg também identificaram os nazis, que procuraram eliminar o povo judeu, como sendo Amalequitas. Há também passagens talmúdicas que mencionam uma nação chamada Germania durante a Diáspora romana, que parece profética em retrospectiva. 
O número de pessoas executadas em ambos os casos e o facto de os nazis e a família de Haman serem supostamente Amalequitas não são as únicas semelhanças entre a história de Purim e os Julgamentos de Nuremberga. 
Segundo o Dr. Moshe Katz da Universidade Hebraica, "Se os dez filhos de Haman já haviam sido mortos, porquê então a preocupação em enforcá-los? Nos escritos dos Sábios e dos comentadores, encontramos várias ideias que poderão esclarecê-lo: na palavra 'amanhã', no pedido de Esther, os Sábios comentam: "Há um futuro que é agora e um futuro que será mais tarde. Em outras palavras, Esther pediu que o enforcamento dos dez filhos de Haman não permanecesse um episódio isolado na História, mas também deveria ocorrer no futuro".

Os nomes dos 10 filhos de Haman que foram enforcados:



Fascinantemente, encontra-se no Livro de Ester que quatro das letras hebraicas dos nomes dos filhos de Haman utilizam caracteres pequenos em vez de grandes. Os sábios judeus ensinaram durante as gerações que, sempre que há uma variação no tamanho de uma letra ou ortografia de uma palavra, ela tem um significado específico. Assim, se estas quatro pequenas letras hebraicas forem usadas para representar uma data no calendário judaico, elas indicam o ano 5707. 5707 foi o ano no calendário judaico em que os 10 criminosos de guerra nazistas foram enforcados por cometerem genocídio contra o povo judeu.
Como o Dr. Moshe Katz explicou: "Uma vez que o julgamento foi conduzido por um tribunal militar, a sentença proferida deveria ter sido morte por esquadrão de tiro ou por cadeira eléctrica, como praticado nos EUA. No entanto, o tribunal especificamente prescreveu enforcamento, exactamente como o pedido original de Esther: '... deixai os dez filhos de Haman serem enforcados'. Embora as dúvidas possam persistir na conexão entre o Livro de Ester e os criminosos de guerra nazis, o condenado Julius Streicher certamente não teve nenhuma. Através de alguma visão, Streicher parece ter apreendido a ligação dos Julgamentos de Nuremberga com Purim, como revelado pelo seu grito final, com a corda sobre o seu pescoço, apenas alguns segundos antes de ser enforcado".

Por: Rachel Avraham, UNITED WITH ISRAEL


https://unitedwithisrael.org/es/


A festividade de Purim em Israel é muito divertida. Adultos e crianças passeiam pelas ruas mascarados. Nos hospitais, no entanto, os jovens podem perder toda a diversão. No Rambam Medical Center, em Haifa, a equipa garante não sejam esquecidos. O mesmo se passa em outras instalações médicas no país:



Festas de Purim em Tel_Aviv, hoje mesmo:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.