terça-feira, 20 de março de 2018

Membros da Embaixada de França fornecem armas aos terroristas

6 comentários:

  1. https://l.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2Fwww.jornalargumento.com.br%2F2018%2F03%2Fex-presidente-nicolas-sarkozy-e-detido.html&h=ATOeozL5PRFYjnAe_oaaD45Y3yJy7o1RFFUVIG4E8S68Q3iijenuiW5JwozHq19aqDJ8ZnhkVkvBtIH4-GUMGXMWOOY1mbcfXlmcSojHCKbX4_EPZW2AAw
    Gadaffi financiou a própria queda.Gadaffi também financiou Lula:https://veja.abril.com.br/politica/exclusivo-a-bomba-de-palocci-contra-lula-e-o-pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os políticos vendem-se baratinho. Ora veja:

      http://amigodeisrael.blogspot.pt/2016/10/politicos-franceses-comprados-pelo.html

      Eliminar
    2. Pois é né, corrupção é uma coisa muito comum, ainda mais aqui no Brasil onde moro, embora haja lugares piores.
      Achei irônico e até um pouco engraçado como o gadaffi financiou sua própria destruição. Se bem que ele também já financiou cada merda:
      http://internacional.estadao.com.br/blogs/radar-global/kadafi-teria-financiado-lula-e-comprado-apoio-de-lideres-africanos/
      Gaddafi tinha um relacionamento próximo com Idi Amin, que ele patrocinou e forneceu suas principais ideias, como as expulsões dos indianos-ugandenses.[49] Quando o governo de Idi Amin começou a ruir, Gaddafi enviou tropas para lutar contra a Tanzânia, em nome de Amin, 600 soldados líbios perderam a vida.[50] Gaddafi também financiou a junta militar de Mengistu Haile Mariam na Etiópia, que mais tarde foi condenado por um dos mais mortais genocídios da história moderna.[51]
      Gaddafi tinha uma escola perto de Bengazi chamada Centro do Mundo Revolucionário. Um número notável de seus graduados tomaram o poder em países africanos.[52] Blaise Compaoré do Burkina Faso e Idriss Déby do Chade foram diplomados desta escola, e chegaram ao poder em seus respectivos países.[53] Gaddafi treinou e apoiou o ditador Charles Taylor da Libéria, que foi indiciado pelo Tribunal Especial para Serra Leoa por crimes de guerra e crimes contra a humanidade cometidos durante a Guerra Civil de Serra Leoa.[54] Foday Sankoh, o fundador da Frente Revolucionária Unida de Serra Leoa, também recebeu apoio do líder líbio. De acordo com Douglas Farah: "a amputação de braços e pernas de homens, mulheres e crianças como parte de uma campanha de terra arrasada foi concebido para assumir os campos ricos de diamante da região e foi apoiado por Gaddafi, que regularmente reviu seu progresso e forneceu armas".[53] Jean-Bédel Bokassa, o imperador do Império Centro-Africano, também recebeu apoio;[50][51] Gaddafi foi um forte defensor do presidente do Zimbábue, Robert Mugabe.[55]
      Gaddafi interveio militarmente na República Centro Africana em 2001 para proteger seu aliado, Ange-Félix Patassé. Patassé assinou um acordo dando a Líbia um arrendamento de 99 anos para explorar todos os recursos naturais daquele país, incluindo cobre, urânio, diamantes e petróleo.[52]
      Na Europa, Gaddafi tinha laços estreitos com a Sérvia e, mais tarde com o presidente iugoslavo Slobodan Milošević, e com o polêmico político austríaco Jörg Haider. De acordo com o Daily Mail, Jörg Haider recebeu dezenas de milhões de dólares tanto de Gaddafi como de Saddam Hussein.[56] Gaddafi também se alinhou com os sérvios ortodoxos contra os muçulmanos na Bósnia e Kosovo, apoiando Milošević, mesmo quando ele foi acusado de limpeza étnica em larga escala contra os albaneses no Kosovo.[57][58][59]

      Eliminar
    3. Continuando a resposta que ficou grande:
      Em 1971, Gaddafi advertiu que se a França se opuser à ocupação militar líbia do Chade, ele usará todas as armas na guerra contra a França, incluindo a "arma revolucionária". [60] Em 11 de junho de 1972, Gaddafi anunciou que qualquer árabe que deseje se oferecer como voluntário para grupos terroristas palestinos "pode registrar seu nome em qualquer embaixada líbia e será dado treinamento adequado para o combate". Ele também prometeu apoio financeiro aos ataques. [61] Em 7 de outubro de 1972, Gaddafi elogiou o massacre no aeroporto de Lod, executado pelo Exército Vermelho Japonês, e exigiu que os grupos terroristas palestinos realizassem ataques similares.[61]
      Alegadamente, Gaddafi foi um grande financiador do "Movimento Setembro Negro", que perpetrou o massacre de Munique nos Jogos Olímpicos de Verão de 1972.[62] Em 1973, o Serviço Naval Irlandês interceptou o navio Claudia em águas territoriais irlandesas, que carregavam armas soviéticas da Líbia para o IRA Provisório. [63][64] Em 1976, depois de uma série de atividades terroristas do IRA Provisório, Gaddafi anunciou que "as bombas que convulsionam a Grã-Bretanha e quebram o seu espírito são as bombas do povo líbio, enviamo-as aos revolucionários irlandeses para que os britânicos paguem o preço por suas ações passadas". [61]
      Nas Filipinas, a Líbia apoiou a Frente Moro de Libertação Islâmica, que continua a realizar atos de violência em um esforço para estabelecer um Estado islâmico separatista no sul das Filipinas. [65] A Líbia também apoiou o Novo Exército Popular [66] e agentes líbios foram vistos reunidos com o Partido Comunista das Filipinas. [67] O grupo terrorista islâmico Abu Sayyaf também foi suspeito de receber financiamento da Líbia.[68]
      Gaddafi também se tornou um forte defensor da Organização de Libertação da Palestina, cujo apoio em última análise prejudicou as relações da Líbia com o Egito, quando em 1979 o Egito buscava um acordo de paz com Israel. À medida que as relações da Líbia com o Egito se agravaram, Gaddafi procurou relações mais estreitas com a União Soviética. A Líbia se tornou o primeiro país fora do bloco soviético a receber os caças de combate supersônicos MiG-25, porém as relações soviético-líbias permaneceram relativamente distantes. Gaddafi também procurou aumentar a influência da Líbia, especialmente em países com uma população islâmica, ao pedir a criação de um Estado islâmico saaraui e apoiar forças anti-governo na África subsaariana.
      O regime Gaddafi teria gastado centenas de milhões do dinheiro do governo para treinar e armar os sandinistas na Nicarágua. [69]
      Em abril de 1984, refugiados líbios em Londres protestaram contra a execução de dois dissidentes. As comunicações interceptadas pelo MI5 mostram que Trípoli ordenou que seus diplomatas dirigissem a violência contra os manifestantes. Diplomatas líbios dispararam contra 11 pessoas e mataram a policial britânica Yvonne Fletcher. O incidente levou à ruptura das relações diplomáticas entre o Reino Unido e a Líbia por mais de uma década.[70]
      Depois de dezembro de 1985, os ataques aos aeroportos de Roma e Viena, que mataram 19 e feriram cerca de 140, Gaddafi indicou que continuaria a apoiar a Fração do Exército Vermelho, as Brigadas Vermelhas e o Exército Republicano Irlandês enquanto os países europeus apoiarem os líbios anti-Gadafi. [71] O ministro das Relações Exteriores da Líbia também chamou os massacres de "atos heroicos". [72]

      Eliminar
    4. Em 1986, a televisão estatal líbia anunciou que a Líbia estava treinando esquadrões suicidas para atacar interesses estadunidenses e europeus.[73]
      Em 5 de abril de 1986, agentes líbios foram acusados de atacar a boate "La Belle" em Berlim Ocidental, matando três pessoas e ferindo 229 pessoas que passavam a noite ali. O plano de Gaddafi foi interceptado pela inteligência ocidental. Informações mais detalhadas foram recuperadas anos mais tarde, quando os arquivos da Stasi foram investigados pela Alemanha reunificada. Os agentes líbios que tinham realizado a operação da embaixada líbia na Alemanha Oriental foram processados pela Alemanha reunificada nos anos 1990. [74]
      Em maio de 1987, a Austrália interrompeu as relações com a Líbia por causa de seu papel em alimentar a violência na Oceania. [66][75]
      Sob Gaddafi, a Líbia teria um longo histórico de apoio ao Exército Republicano Irlandês. No final de 1987, as autoridades francesas suspenderam um navio mercante, o MV Eksund, que entregava uma remessa de armas de 150 toneladas ao IRA.[76]
      Na Indonésia, o Movimento Aceh Livre era um grupo militante apoiado pela Líbia. [77]
      Gaddafi desenvolveu um relacionamento contínuo com o grupo guerrilheiro revolucionário colombiano marxista-leninista, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), se familiarizando com seus líderes em reuniões de grupos revolucionários que foram regularmente hospedadas na Líbia.[52][53]

      Gadaffi foi um dos que conseguiu a façanha de misturar socialismo com islamismo, claro que sua hipocrisia atraiu em plena primavera árabe a fúria de radicais islâmicos e isso junto com uma intervenção mal executada e planejada do Ocidente trouxe seu cruel fim.

      Eliminar
    5. E porque não falar agora do que chamava Gadaffi de irmão ?:
      http://blogdojefferson.com/lula-e-os-milhoes-de-seus-amigos-ditadores/
      http://otambosi.blogspot.com.br/2018/01/lula-e-os-ditadores-africanos-queridos.html
      https://channel3.co/info/lula-e-os-ditadores
      https://veja.abril.com.br/galeria-fotos/lula-e-os-ditadores/
      http://brasillivreedemocrata.blogspot.com.br/2011/02/o-amor-de-lula-por-ditadores-e.html
      https://sarannoticias.blogspot.com.br/2017/12/lula-se-compara-sadam-hussein.html
      https://www.colmeia.blog.br/lula-esta-muito-triste-pela-morte-de-kadafi-e-saddam-hu.html
      http://claudiomafra.com.br/lula-e-arafat/
      https://jornalivre.com/2017/03/16/em-entrevista-lula-mostra-sua-preferencia-por-ditadores-e-elogia-hitler/
      https://extra.globo.com/noticias/mundo/lula-nao-quer-ver-ira-se-tornar-iraque-105383.html
      http://www.dgabc.com.br/(X(1)S(mjbaboxpcefa13g01nxyg2fc))/Noticia/274672/lula-e-a-favor-do-desarmamento-do-iraque-diz-amorim
      Não podemos esquecer os amiguinhos:
      http://alingua-news.blogspot.com/2017/02/dilma-isis-aumentou-em-235-vezes-o.html
      https://www.youtube.com/watch?v=hIqeWADLlpM
      http://ireport.cnn.com/docs/DOC-1268669

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.