segunda-feira, 21 de maio de 2018

Para os islamistas, a existência de Israel é um insulto e uma ofensa



Para os islamistas, a existência de Israel como Estado judeu é um insulto adicional à ofensa. Não é uma coincidência que quando um país de maioria muçulmana muda de um governo secular para um governo islâmico, o ódio a Israel aumenta consideravelmente. 
Isso aconteceu no Irão quando o regime secular do xá foi substituído pela ditadura teocrática dos aiatolas. O mesmo está a acontecer na Turquia desde que o Partido da Justiça e Desenvolvimento Islâmico governa o país.


Islamitas árabes que chamam a si mesmos 'palestinos', queimam uma bandeira israelita. (Foto: Ashraf Amra / Imagens APA)


A ofensa de Israel 
A ofensa de Israel ao Islão é que Israel existe como Estado não-islâmico numa região que no passado era parte integrante do mundo islâmico.
Para o Islão, o mundo é dividido em duas partes, Dar al-Islam ("a Casa do Islão") e Dar al-harb ("a Casa da Guerra").
Dar al-Islam são todas as terras governadas por muçulmanos e governadas pela Sharia, a lei sagrada islâmica. Os não-muçulmanos só podem viver lá se os muçulmanos permitirem e tolerarem.
Um território que fez parte do Dar al-Islam deve fazer parte dele para sempre, e se os muçulmanos perderam o controle, (como aconteceu no que hoje é Israel e a Andaluzia, na Espanha), a situação é puramente temporária e deve ser corrigida mais cedo ou mais tarde, usando qualquer meio.
Dar al-harb é o mundo exterior, ainda não conquistado pelo Islão, com o qual existe um estado perpétuo de jihad, ou guerra santa, que pode ser interrompida por tréguas quando isso é considerado conveniente e prudente.
Israel, o território governado hoje por uma maioria judaica, foi durante séculos uma parte do Dar al-Islam, e, portanto, o facto de que hoje há lá um governo não-islâmico é uma ofensa intolerável.

Árabes 'palestinos' queimam uma bandeira israelita durante os ataques islâmicos contra as forças de segurança israelitas na fronteira de Gaza com Israel, a leste de Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, em 6 de Abril de 2018. (AFP PHOTO / SAID KHATIB)

O insulto de Israel
O insulto de Israel ao Islão é o facto de que os judeus, historicamente considerados dhimmis, governam os muçulmanos.
Dhimmi é o nome que o mundo islâmico deu aos judeus e cristãos que viviam nos seus países. A sua presença era tolerada, de acordo com a lei da Sharia, em troca do pagamento de impostos especiais, limitação de direitos e aceitação da discriminação social. 
Um muçulmano não poderia ser condenado pelo assassinato de um dhimmi, mas um dhimmi era executado se ele simplesmente levantasse a mão contra um muçulmano, mesmo em legítima defesa. 
Os dhimmis não podiam testemunhar nos tribunais para se defenderem. Se um dhimmi fizesse sexo com uma mulher muçulmana, ele era condenado à morte. Os dhimmis tinham que usar roupas especiais para serem facilmente reconhecidos e eram proibidos de ter empregados muçulmanos. Em resumo, os dhimmis eram considerados inferiores aos muçulmanos.

Um islamita palestino lança o fogo a bandeiras israelitas, em 10 de Abril de 2018, a escassos metros da fronteira entre Israel e Gaza, a leste de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza. (AFP PHOTO / Mohammed ABED)

Formalmente, já não existe a categoria de dhimmi nos países islâmicos de hoje, mas na prática a intolerância legal e social continua. As minorias religiosas são discriminadas, (a Arábia Saudita proíbe os cristãos de construir igrejas e templos) e os "infiéis"  são perseguidos (Bahai no Irão, cristãos em Gaza, etc.).

NOTÍCIAS DE ISRAEL

 .................................................................................


COMENTÁRIO

A MÁFIA do Youtube/Google, Facebook, etc., que controla a Internet e os media, está permanentemente a retirar os vídeos que mostram os clérigos maometanos, os terroristas, os políticos islâmicos e os muçulmanos comuns a declararem que Portugal e Espanha são deles.
As nossas secções  Portugal  / Portugal e Espanha são uma dor de alma de vídeos retirados. Retirando as provas, os canalhas podem dizer que "é tudo mentira". O Islão e o Comunismo sempre foram assim.
Pode ver este vídeo, ainda online, das manifestações no Egipto pela reconquista da nossa Península:


A presente invasão maometana insere-se nessa estratégia de Islamização da Europa e Guerra Demográfica. Estamos no mesmo barco que Israel. Mas não sabemos.
Os "guerrilheiros da justiça social", que pregam a política de portas abertas à invasão islâmica e o ódio aos Estados Unidos e a Israel, serão os primeiros a ser eliminados.
É que os muçulmanos percebem que os traidores que traíram o seu próprio povo, nem para dhimmis servem.
É nesse contesto que se inserem as regulares decapitações rituais de jornaleiros ocidentais com uma vida inteira de bons serviços à causa da islamização global, e de outros traidores abjectos.


Os terroristas entram na Europa disfarçados de "refugiados".

É a única coisa em que concordamos com os muçulmanos: os traidores merecem a morte. Promover a islamização do Mundo Livre é colaborar com o inimigo em plena guerra.

 .................................................................................




Israel fez parte do Império Otomano. Após a dissolução desse império, os países que dele faziam parte (re)conquistaram a independência. E ninguém se opõe. Mas o pequenino Israel, apesar de ter abdicado de 88% do seu território (que é hoje a Jordânia) em favor dos colonos árabes, é alvo de contestação. Pelo motivo que este artigo explica.

Onde fica Israel?

 

Os palestinianistas não percebem que Portugal e Espanha estão no mesmo barco que Israel. A seguir a Israel, são os territórios a conquistar, porque outrora os maometanos também colonizaram a nossa Península.

A TV da "Autoridade Palestina" ensina as crianças e o povo que não há alternativa que não a obliteração de Israel:


E os anti-semitas de todo o Mundo batem palmas, ignorando que o que começa com os judeus nunca fica pelos judeus. Já podemos vê-lo diariamente na Europa, onde os muçulmanos, acabados de chegar, já reivindicam os nossos países.

 SAIBA O QUE É O ISLÃO:

LEI ISLÂMICA EM AÇÃO

6 comentários:

  1. https://fiel-inimigo.blogspot.pt/2018/05/dershowitz-sobre-o-ataque-selvatico-de.html

    ResponderEliminar
  2. Discordo do começo, a síria e o iraque sempre foram hostis a Israel mesmo não sendo totalmente seculares também não eram teocracias. No Líbano os cristãos maronitas tem boas relações com Israel ao contrário do cada vez mais influente Hezbollah.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos o Azerbeijão, que é muçulmano e mantém óptimas relações com Israel. Mas é excepção. Mesmo a recente aproximação dos muçulmanos sunitas da Arábia Saudita a Israel, é por causa do Irão xiita, que ameaça destruir ambos os países.

      OdF

      Eliminar
    2. Sim, mas tanto o Azerbaijão quanto os estados do golfo são Hostis a minorias religiosas como os cristãos por exemplo. Um dos motivos das monarquias do Golfo serem aliadas de Israel certamente além do que você já citou é pra não perderem ajuda militar dos USA, basta voltarmos um pouquinho no tempo pra vermos como as coisas eram diferentes.

      Eliminar
    3. Infelizmente, é como diz; o Islão é irreformável. É como esperar que os nazis aceitem a democracia e abandonem a superioridade racial. Não adianta acreditarmos em contos de fadas. :(

      Eliminar

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.