terça-feira, 29 de maio de 2018

O comportamento otário de Israel na fronteira de Gaza

Um manifestante arremessa uma bomba de gás lacrimogéneo disparada por tropas israelitas durante confrontos num protesto na fronteira de Gaza, em 27 de Abril de 2018. (Crédito da foto: REUTERS / IBRAHEEM ABU MUSTAFA).

- Por Caroline Glick, 22 de Maio de 2018, em The Jerusalem Post, via Breaking Israel News.

Há uma familiaridade deprimente da operação de protesto suicida do Hamas ao longo da fronteira de Gaza com Israel esta semana, e a resposta de Israel.
O regime jihadista do Hamas em Gaza não tem muitas cartas para jogar na sua guerra contínua contra o Estado judeu. Mas, como temos visto desde que o Hamas lançou a sua campanha contra a fronteira há seis semanas, eles têm apenas uma carta, e não importa quantas vezes eles a joguem, Israel não consegue descobrir como vencê-los.
A carta do Hamas é hostilidade ocidental a Israel. 
A Imprensa ocidental, juntamente com a União Europeia e a maioria dos governos europeus, odeia Israel. Governos de esquerda em outros países ocidentais – o Canadá sob Justin Trudeau, os EUA sob Barack Obama – também odeiam Israel.
Agindo com base no conhecimento seguro de que a Imprensa ocidental, a União Europeia e a esquerda internacional estarão sempre do lado dos inimigos de Israel, a estratégia do Hamas é a capacidade de promover ataques contra Israel que forneçam aos inimigos de Israel no Ocidente a oportunidade de condenarem o Estado judeu.
Por mais de uma década, o Hamas colocou os inimigos ocidentais de Israel ao lado de civis “palestinos”, como os manifestantes suicidas usados  ​​para as operações anti-Israel. Em 2003, Rachel Corrie, activista do Estado de Washington que odiava Israel, avançou para a frente de um gigantesco tractor de demolição das Forças de Defesa de Israel, que construía o muro fronteiriço que separa Gaza do Sinai (Egipto). O motorista não pôde vê-la, atropelou-a, e o Hamas e seus parceiros ocidentais criaram o libelo de sangue do martírio de Corrie.
Em 2010, com assistência e patrocínio da Turquia, o Hamas lançou a chamada “flotilha humanitária” para violar o bloqueio legítimo de Israel, e de facto legalmente imposto, na costa de Gaza.

Esta manhã os terroristas de Gaza dispararam 27 mísseis contra áreas civis em Israel, atingindo por exemplo um jardim infantil. Enquanto rezam a São Marx para que muitos judeus sejam mortos, os jornaleiros já se preparam para noticiar a resposta de Israel como acção arbitrária:


O Hamas e a Turquia implantaram uma mistura de civis e terroristas em navios e barcos civis para lançar um protesto suicida contra Israel no mar. A flotilha de 2010 foi liderada pelo enorme navio de cruzeiro turco Mavi Marmara. A bordo dos navios estavam 630 ocidentais que odeiam Israel e 40 terroristas do grupo IHH, aliado da Al-Qaeda, apoiado pelo regime da Turquia.
Ao invés de entender o que o Hamas estava a fazer - reencenando o protesto suicida de Corrie numa escala maior - e agindo para impedir que a flotilha partisse, Israel escolheu lidar com a flotilha nos seus próprios termos. Ignorando o perigo para as suas forças, as Forças de Defesa de Israel enviaram comandos navais para interditar os navios e defender o bloqueio de Gaza, armados com armas de paintball.

Enquanto os activistas ocidentais se escondiam nas suas cabines, os terroristas do IHH esperavam os comandos no convés do Mavi Marmara. Quando foram descidos no convés a partir de helicópteros, os comandos navais foram atacados pelos terroristas do IHH, que os apunhalaram com machados e facas e os espancaram com pés-de-cabra.

Nove soldados foram feridos, três ficaram em estado grave. Na longa batalha que se seguiu, nove terroristas do IHH foram mortos.


Tão previsivelmente quanto o sol nascer no leste, a Imprensa ocidental ignorou os factos e atacou Israel. Os europeus condenaram Israel.
 O governo Obama condenou Israel. Obama forçou o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a pedir desculpas ao ditador turco Recep Erdogan, que patrocinou o ataque. E o Hamas recebeu legitimidade e concessões materiais que lhe permitiram preparar as suas forças para a guerra de 2014 contra Israel.
O chefe de operações do Hamas na flotilha Mavi Marmara foi Zahar al-Birawi. Como relatou em Março Yoni Ben Menachem, do Centro de Relações Públicas de Jerusalém, Birawi, um agente do Hamas e da Irmandade Muçulmana, detém o título de “ligação para o Comité Internacional de Rompimento do Embargo na Faixa de Gaza”.

Como era de esperar, após o seu grande sucesso com o “protesto” suicida do Mavi Marmara, Birawi recebeu o comando da actual operação de protesto suicida na fronteira. O seu conceito básico de intercalar civis com terroristas do Hamas e usar os primeiros como cobertura para os últimos e como balas de canhão, é o fio condutor de ambas as operações.

Se Israel tivesse aprendido as lições apropriadas do Mavi Marmara, as coisas poderiam ter sido diferentes na segunda-feira. Mas pelos vistos, aprendeu todas as lições erradas.

Uma vez que Birawi e seus companheiros implantaram com sucesso 50.000 gazanos na fronteira, havia poucas chances de evitar um número significativo de mortes. Ou seja, o Hamas alcançou os seus objectivos no minuto em que trouxe o seu povo para a fronteira.

Mais de 60 moradores de Gaza foram mortos na segunda-feira. Mas o resultado para Israel teria sido o mesmo, não importa quão alta ou baixa fosse a contagem de baixas. A Imprensa tomou partido pelos argumentos do Hamas. Órgãos de Imprensa como a BBC e o Washington Post acusaram Israel de massacrar arbitrariamente e deliberadamente crianças.

Funcionários do governo culpam justamente a Imprensa e os europeus pelas mortes de civis que foram intercalados com terroristas ao longo da fronteira de Gaza com Israel nesta semana. Mas o facto de a Imprensa ser cúmplice diz-nos apenas uma coisa: o Hamas está certo em usar a Imprensa.
Por outras palavras: perceber a hostilidade dos media - e seus camaradas políticos na União Europeia, no Canadá e no Partido Democrata dos EUA - não vai levar Israel mais longe no desenvolvimento dos meios para impedir que o Hamas jogue a sua carta mais alta, devidamente testada e sempre com sucesso: a cartada do suicídio. Reclamar sobre a hostilidade da Imprensa e a negligência profissional não é uma estratégia. Não é nem uma táctica. É um reflexo.

Para entender uma estratégia - ou mesmo uma táctica - é importante notar duas coisas: Primeiro, a estratégia do Hamas não é isenta de riscos. Em segundo lugar, Israel tem as suas próprias cartas para jogar.

Existem três fraquezas inerentes e significativas na estratégia de protesto suicida do Hamas. Para entender a primeira, considere que na terça-feira, um médico do Hospital Shifa da Cidade de Gaza refutou os relatos de que um bebé havia sido morto devido a inalação de gás lacrimogéneo na fronteira. Na quarta-feira, o porta-voz do Hamas, Salah Barawil, disse que 50 das 62 pessoas mortas na fronteira na segunda-feira eram terroristas do Hamas.

Porque é que o Hamas minimiza as baixas civis? Isso não prejudica a sua meta de deslegitimar Israel?

A liderança do Hamas sente que pode minimizar as baixas civis porque confia na Imprensa ocidental para ignorar as suas declarações. E eles estão certos em confiar na Imprensa. A cobertura da Imprensa ocidental sobre a campanha de fronteira do Hamas manteve o apoio ao Hamas e o ódio a Israel, mesmo depois de o médico e Bardawil reconhecerem que Israel não matou crianças ou civis na segunda-feira.

Terroristas tentam infiltrar-se em Gaza nos recentes "protestos": 


Os líderes do Hamas foram obrigados a minimizar os relatos de vítimas civis porque os relatórios fariam com que o público os atacasse.

Então, a primeira fraqueza na estratégia de protesto suicida do Hamas é que os moradores de Gaza não gostam dos protestos.
A segunda fraqueza do Hamas é o Egipto.
O Egipto - como Israel - reconhece que o Hamas é seu inimigo. O Hamas colabora abertamente com a Irmandade Muçulmana e com as forças do Estado Islâmico/ISIS no Sinai, travando uma insurgência contra o regime e ameaçando a sua própria existência.
Segundo o Israel Hayom, a inteligência militar egípcia obrigou o Hamas a encerrar a sua operação na fronteira na noite de segunda-feira dizendo ao líder do Hamas, Ismail Haniyeh, que se ele não terminasse a operação, o Egipto apoiaria os esforços israelitas para atacar os líderes do Hamas.
Enquanto o presidente turco, Erdogan, liderou a acusação contra Israel no mundo islâmico sobre a campanha de suicídio do Hamas ao longo da fronteira, os egípcios e os sauditas apoiaram os esforços de Israel para acabar com a operação.
A terceira fraqueza do Hamas é a administração Trump.
Enquanto o governo Obama apoiou o Hamas (e a Turquia) contra Israel durante a operação Mavi Marmara, o governo Trump tem apoiado incansavelmente Israel e colocado toda a culpa pelas mortes ao longo da fronteira no Hamas. 
A confluência do apoio egípcio e americano é nova e proporciona a Israel novas oportunidades.  
Assim, dadas as fraquezas do Hamas, o que pode Israel fazer para reduzir a estratégia dos terroristas de protestos suicidas?
Como o Hamas vence o minuto em que desloca com sucesso os seus manifestantes suicidas, o primeiro foco dos esforços de Israel deve ser o desenvolvimento dos meios para impedir que os protestos ocorram.
Em 2010, em vez de enviar comandos armados de armas de paintball para o Mavi Marmara, Israel deveria tê-los enviado para a Turquia e Chipre, para impedir que os navios partissem. Israel tomou tais acções no passado. Mas parece que a actual safra de generais não tem a audácia dos seus predecessores. Isso deve mudar.
Da mesma forma, na contagem regressiva do Hamas para o início da sua campanha de protestos suicidas na fronteira, o IDF ameaçou sancionar as empresas de autocarros de Gaza que transportam os manifestantes para a fronteira.
Não surpreendentemente, os operadores de autocarros preferem arriscar com Israel do que arriscar as suas vidas com o HamasUm plano melhor seria desabilitar os autocarros. 
E quantos habitantes de Gaza se teriam aproximado da fronteira se a área estivesse coberta de fezes de animais e humanos na manhã de segunda-feira? Essas acções são minimamente invasivas, não letais e altamente eficazes.
Como o Hamas ganha no minuto em que o manifestante suicida morre, Israel precisa de os impedir de se reunirem.
Durante a Operação Proteção-Limite, a guerra do Hamas em 2014 contra Israel, os egípcios, os sauditas e os Emiratos Árabes Unidos apoiaram Israel, assim como o Egipto fez esta semana e pela mesma razão. Eles vêem o Hamas como uma ameaça existencial aos seus regimes. Mas o apoio deles só chegou a Israel agora, porque o governo Obama, que apoiava o Hamas, tentou substituí-los como mediadores, pelos patrocinadores do Hamas, Turquia e Qatar.
Hoje, com o governo Trump apoiando firmemente Israel e o Egipto, o governo e o IDF têm a oportunidade de considerar outras opções para enfraquecer o poder do Hamas.
Depressivamente, ao invés de pesar as suas opções reais, o IDF renovou a ajuda humanitária para Gaza, aparentemente pensando que isso diminuiria a crítica da Imprensa.
Mas a razão pela qual há uma crise humanitária em Gaza é porque o regime do Hamas a criou, aumentou e perpetuou. Enquanto o Hamas controlar Gaza, Gaza ficará mergulhada numa crise humanitária. Os esforços de Israel para mitigá-la, como os seus esforços para convencer o The New York Times a relatar a verdade, são um inútil desperdício de tempo, recursos e energia.
Isso leva-nos aos antagonistas ocidentais de Israel. O ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, e os seus camaradas, estão certos em lamentar a condição humanitária de Gaza.
Mas Israel não pode fazer nada sobre isso. Quando o IDF oferece ajuda humanitária a Gaza, está a desempenhar o papel de otário que o Hamas lhe atribuiu. Quando Israel oferece ajuda humanitária, está a apresentar-se como capaz de melhorar uma situação que não causou, para a qual não contribuiu e que não pode consertar. 
É hora de os líderes de Israel, incluindo o IDF, deixarem de ser otários.
Em vez de enviar mais camiões de cimento e comida, usados ​​para construir túneis de ataque e alimentar terroristas, Israel deveria dizer que compartilha as preocupações de Johnson e acha que seria fantástico se a Grã-Bretanha, a França, a Alemanha e o Canadá acolhessem os sofridos habitantes de Gaza. Israel poderia facilitar o seu trânsito.
Israel não precisa continuar de deixar o Hamas vencer. O Hamas tem pontos fracos. Nós temos opções. É hora de começarmos a usá-las.

------------------------------------------------

Para ver os mais recentes capítulos (e os vídeos) das acções dos terroristas de Gaza, visite a nossa secção .
A nossa opinião sobre esta questão é muito mais simples do que a de Caroline  Glick. Israel deveria usar os mesmos meios dos outros países da região. O IDF deveria deixar de lado as suas preocupações humanitárias, que fazem dele o exército mais ético da História - ou o mais otário. O Hamas deveria ser exterminado.


Apesar das ameaças à sua vida, Sara Zoabi - uma corajosa muçulmana israelita - decide defender a verdade e critica a ONU. Compartilhem com todos e levem o conhecimento:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.