quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Sírios: custa 10 vezes mais ajudá-los na Europa do que nos países vizinhos

Um orçamento de 3.000 dólares por refugiado na Jordânia proporcionaria comida, água, educação e oportunidades de trabalho. Na Alemanha, custa 30.000 dólares.

Deslocados sírios caminham no campo de Atme, ao longo da fronteira turca na província síria do noroeste de Idlib.

Desde 2012 (NDT: este artigo é de Março de 2016) os governos doadores e as organizações de ajuda gastaram cerca de 15 biliões de dólares a cuidar de um número cada vez maior de refugiados sírios.

Cuidar das necessidades básicas de um refugiado na Europa custa pelo menos dez vezes mais do que nos países vizinhos da Síria, considerando que um orçamento de 3.000 dólares por refugiado na Jordânia proporcionaria não apenas alimentos básicos e água, mas também educação e oportunidades de trabalho, o que custará mais de 30.000 dólares por refugiado na Alemanha ou na Áustria.
Em acampamentos e abrigos, um número crescente de meninas está a ser forçado a casamentos antecipados - algumas com menos de 12 anos de idade. As taxas de violência sexual são vergonhosamente elevadas, com meninas e meninos sendo traficados para o comércio sexual. Mais de metade dos filhos de refugiados da Síria não estão a receber nenhuma forma de educação.

Centenas de milhar de sírios são forçados a ficarem ociosos, improdutivos e desiludidos, enquanto os campos servem de terreno fértil de recrutamento para milícias.

 Via The Independent

 ---------------------------------

COMENTÁRIO
A serem verdadeiros estes números, dão muito que pensar. Há de facto guerra na Síria e há refugiados vindos da Síria. Temos mostrado várias vezes esse drama, e a ajuda que a Europa, Israel e o Mundo dão, recebendo refugiados e tratando as vítimas da guerra:

Os verdadeiros refugiados sírios

A situação na Síria e a ajuda de Israel



Mas fará sentido que os países muçulmanos vizinhos da Síria não recebam refugiados?
Fará sentido os sírios procurarem refúgio a milhares de quilómetros, enquanto os países muçulmanos que fazem fronteira com a Síria não os recebem?


As 5 nações mais ricas do Golfo recusam-se a receber 1 refugiado que seja.
Mas chamam-nos racistas por nos mostrarmos preocupados com esta invasão e com tudo o que lhe está associado (terrorismo, crime, estupro em massa, o afundamento das nossas economias, etc.). Em compensação, essas mesmas nações financiam as mesquitas e os pregadores islamistas que enxameiam a Europa, a Austrália e as Américas.



À boleia dos refugiados sírios, os maometanos de todo o mundo estão a colonizar a Europa e o Mundo Livre em geral, sob os calorosos aplausos da Esquerda e com o alto patrocínio da senhora Angela Merkel da Alemanha, do dhimmi Justin Trudeau do Canadá ou das feministas comunistas da Suécia.


O dhimmi Justin Trudeau.

Receber maometanos pode ser um grande negócio para alguns, mas quem paga a factura somos nós todos, os "infiéis":

A Irmandade Muçulmana e a islamização global - tudo o que lhe escondem:

2 comentários:

  1. Até melhoravam a economia daqueles antros maometanos corruptos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E acolher os pseudo-refugiados que não vêm da Síria custa "apenas" 135 vezes mais do que ajudá-los nos países deles:

      http://amigodeisrael.blogspot.pt/2017/12/ajudar-os-refugiados-custa-135-vezes.html

      Eliminar

Os comentários estão desactivados. As nossas desculpas.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.