sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Leis de armas à israelita podem impedir tiroteios em massa nos EUA?

Continua a nauseante campanha anti-Trump usando o massacre cometido num liceu na Florida. Só a FOX News dá voz aos que denunciam a campanha e são a favor do direito ao uso responsável de armas. Pais de alunos foram contactados pela CNN e outras estações de esquerda para servirem de cartaz a mais esta investida propagandística. Os media vão perdendo o resto de credibilidade que mantinham. Não têm intenção de ajudar a evitar futuros massacres, apenas de fazer política e desarmar os cidadãos.


Devem os cidadãos ter armas?




Após o mais recente tiroteio nos EUA em Parkland, Flórida, alguns querem que os EUA considerem o "modelo israelita" para o controle de armas.

Por: Steve Leibowitz, World Israel News

O recente massacre cometido por um homem de 19 anos numa escola secundária em Parkland na Florida ecoou bastante em Israel. A Marjory Stoneman Douglas High School tem uma grande população judaica e cinco das 17 mortes foram de judeus. O polémico chefe de polícia de Parkland, Scott Israel, é o primeiro xerife judeu que foi eleito para servir na Florida. Além disso, na sequência do massacre, vozes foram ouvidas nos EUA, sugerindo que os Estados Unidos adoptem as políticas israelitas de segurança contra armas.

O ex-candidato presidencial Mike Huckabee estava em Israel no momento do ataque de Parkland. Ele twittou: "Estou a acordar em Israel com as notícias do lamentável tiroteio na Florida ... Recordo que Israel eliminou muito desse problema, colocando estrategicamente pessoas altamente treinadas para detectarem a verdadeira ameaça - não a arma, mas a pessoa com intenção de matar. #PrayForParkland".




Huckabee é um visitante regular e uma personalidade muito popular em Israel, mas vários comentaristas locais  discordaram da sua análise, dizendo que não é uma segurança apertada que protege Israel de tiroteios em massa, mas leis que controlam cuidadosamente quem pode possuir e ser portador de uma arma. O ex-conselheiro de Israel, Alon Pinkas, respondeu a Huckabee com um tweet dizendo: "Não, governador, Israel nunca teve esse problema. Nós não adoramos armas, não vendemos espingardas de assalto às pessoas, não temos uma criação genial como a NRA, nós não consideramos cada grupo de pessoas uma 'milícia bem regulamentada' e há muito que terminou a nossa luta contra os Britânicos".

Muitas vezes, ouvimos comentários de visitantes dos EUA que ficam surpresos ao verem soldados das Forças de Defesa de Israel transportando espingardas automáticos M16 nas ruas de Israel. Essas armas estão nas mãos das forças de segurança encarregadas de proteger a nação. A Polícia leva consigo armas, e também os guardas de segurança. Para aqueles que não estão "em serviço", a lei israelita limita a posse de armas de fogo e requer uma verificação rigorosa e uma renovação regular da licença. Houve ocasiões em que civis que transportavam pistolas foram úteis na prevenção de ataques terroristas, mas a grande maioria desses ataques são frustrados pelas forças de segurança.

Menos armas significam menos problemas?

Existem armas ilegais nas mãos de cidadãos judeus que roubaram armas ao Exército, o submundo tem armas ilegais, e também as têm muitos árabes israelitas. No entanto, proporcionalmente, as armas de fogo nas mãos de civis israelitas são um número impressionante de 13 vezes menos que nos Estados Unidos. De acordo com o US Congressional Research Service, existem mais armas de propriedade privada do que pessoas nos EUA. Em 2013, havia 317 milhões de pessoas e 357 milhões de armas. Os Estados Unidos lideram o mundo com 112 armas por 100 habitantes. Com todos os seus problemas de segurança, Israel é 79º na lista mundial com apenas 7 armas por cada 100 residentes. Não existe um "direito" fundamental para ter armas mais do que há um "direito" para conduzir um carro.

Houve 1.500 tiroteios em massa (4 ou mais mortos) nos EUA desde Sandy Hook em 2012, quando um homem armado matou 20 crianças e seis adultos em Newtown, Connecticut. Durante esse período, 1.715 pessoas foram mortas e 6.089 feridos por armas de fogo.



As coisas não são susceptíveis de melhorar nos EUA em breve. A poderosa Associação Nacional de Armas (NRA) resiste a quase todos os esforços para fortalecer as leis relativas à propriedade de armas. A NRA baseia a sua oposição às limitações de armas na Segunda Emenda à Constituição dos EUA. Essa alteração, escrita em 1789, diz: "Uma milícia bem regulamentada, necessária para a segurança de um Estado livre, e o direito de as pessoas usarem armas, não devem ser violados". Os Tribunais apoiaram amplamente o "direito" ao porte de armas.

Os donos de armas americanos de hoje não são milicianos, e as suas armas nunca foram usadas, nem mesmo consideradas para uso, na defesa dos Estados Unidos. Esse dever pertence às Forças Armadas dos EUA, à Guarda Nacional e à Polícia. No entanto, apesar da recente atrocidade em Parkland, nem os Tribunais nem o Congresso devem tomar qualquer acção significativa em breve para mudar a  realidade da propriedade irrestrita de armas "legais".

Um desses proprietários de armas legais, o perpetrador do massacre de Parkland, Nikolas Jacob Cruz, de 19 anos, um simpatizante neo-nazi, foi acusado de 17 crimes de assassinatos premeditado. Cruz estava armada com uma espingarda semi-automática estilo AR-15 e vários carregadores. Apesar de uma história de doença mental, ele comprou a espingarda legalmente numa loja de armas perto de Coral Springs.

Muitos nos EUA gostam de usar Israel como um exemplo de uma nação que é um modelo para proteger os seus cidadãos, construindo uma cerca de segurança. O Estado judeu também é eficiente a proteger os espectadores de concertos ao ar livre, os frequentadores de cinemas e centros comerciais, criando camadas de segurança armada, para garantir um local seguro com saídas adequadas em caso de emergência. Israel pode ser referido com precisão como um exemplo de uma nação sob ameaça real de segurança, com uma abordagem razoável para as armas nas mãos dos seus cidadãos.

Se existe um modelo de controlo de armas israelita para os EUA imitarem, é este: em Israel, o departamento de segurança pública considera a propriedade de armas como um privilégio e não como um direito. Com poucas excepções, os proprietários de armas em Israel estão limitados a possuir uma pistola. Potenciais proprietários de armas passam por extensos testes mentais e físicos antes de poderem receber uma arma. Aqueles que não serviram no Exército devem esperar até aos 27 anos para se inscreverem para uma licença de armas de fogo, e os proprietários de armas estão limitados a 50 cartuchos de munições por ano.

..............................


Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.