sábado, 10 de agosto de 2013

"Tás aqui Tás apanhado", versão egípcia

Presumo que todos estejam familiarizados com o conceito de "Apanhados", ou seja, programas de televisão onde câmaras escondidas filmam cidadãos comuns a serem confrontados com situações fora do comum. Como aqui, onde Marisa Cruz pede a um cidadão comum para usar o telemóvel e se recusa a pagar a chamada por ser figura pública:




Também existe a variante onde uma figura pública é "apanhada" numa situação fora do comum:



O equivalente egípcio ao "rapto" do Miguel Veloso consiste em convidar celebridades locais pedindo-lhes que se deixem entrevistar para um canal de televisão alemão, sendo que a meio da entrevista alguém telefona e diz qualquer coisa do tipo "ah, e tal, até te tinha em boa conta mas isso foi antes de estares a dar uma entrevista a um canal israelita":



As ações e reações são impressionantes, desde uma senhora que diz que os israelitas "estão sempre a choramingar por causa do Holocausto, ou lá como é que se chama" até à agressão da entrevistadora e outros membros do staff que afirmam ser israelitas. O último "apanhado" diz "Se não fosses uma rapariga, quando me disseste que eras judia...", ao que a apresentadora responde "Não, não, odeio os judeus de morte". Termina com a entrevistadora (que entretanto apanhou uns valentes pares de estalos) a exaltar o "patriotismo" que "existe em cada egípcio que respira o ar deste país".

Não se pense que é caso único. Atente-se, por exemplo, em Ramadan Darwish que nos Jogos Olímpicos de 2012 se recusou a apertar a mão ao atleta israelita Ariel Ze'evi:


 


Os media egípcios não sabiam se o deveriam descrever como herói (por não apertar a mão) ou como  vilão (por ter aceitado lutar com um atleta israelita)...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.