quarta-feira, 28 de agosto de 2013

O que é o bife halal?




Temos optado por não apresentar imagens paradas que possam chocar os menos avisados ou mais impressionáveis. Temos preferido apresentar vídeos, e, quando são violentos, avisamos acerca do respectivo conteúdo. 

Já explicámos que nada nos daria mais satisfação do que falar de morangos. Desgraçadamente, a triste realidade da islamização e respectivo terrorismo global obriga-nos a alertar as pessoas para a Idade das Trevas que paulatinamente cai sobre o Mundo Livre.

Chamamos a atenção para que a última coisa que desejamos é que as pessoas que nos lêem façam generalizações, alimentem ódios ou recorram a meios ilegais ou violentos para expressarem a sua natural indignação.

Defendemos que apenas meios legais e pacíficos devem ser usados pelos que, como nós, deploram a islamização do Ocidente e as atrocidades dos islamistas. E não estamos a brincar, de ânimo leve ou de má-fé quando o afirmamos.

Feita esta introdução, passemos ao penoso assunto deste post:

Na Europa e na América, com a chegada de milhões de muçulmanos, têm-se multiplicado casos de ameaças e agressões a pessoas que vendem ou consomem bens proibidos pelo Islão.

A carne de porco é uma dessas coisas, e tem valido insultos, ameaças e agressões a muitos ocidentais, que ainda não sabiam que uma sandes de fiambre é ofensiva para os muçulmanos, nossos futuros (?) amos.

Recentemente falámos do caso da empregada de uma cantina escolar no Reino Unido, que foi despedida por ter servido inadvertidamente presunto a uma rapariga muçulmana. A criança não chegou a comê-la, porque a empregada foi a tempo de evitar a «catástrofe», mas o director, que gosta de ter a cabeça sobre os ombros, despediu-a mesmo assim... Just to be on the safe side.

Foi aqui que falámos deste caso: A Perna de Porco da Questão.

Agora: já deve ter ouvido falar de comida halal. Halal é a lista do permitido pela religião islâmica. Na alimentação, abrange não apenas as espécies permitidas mas também o modo de abate.

Os muçulmanos consomem carne estritamente abatida por certos métodos que asseguram grande sofrimento aos animais, para lhes melhorar o sabor e agradar a Alá.

Por todo o mundo, nos países que hospedam muçulmanos, não se tem olhado a meios para satisfazer as suas especificidades dietéticas, porque, já se sabe, "temos que os respeitar muito...". As cantinas escolares são um bom exemplo... pago por todos nós.





Mas a loucura e o suicídio cultural do Ocidente são de tal calibre, que a carninha halal já é servida em muitas escolas, a TODAS as crianças. As mesmas escolas que despedem uma funcionária por esta ter permitido que um prato com carne de porco tivesse pousado na mesa de uma aluna muçulmana!

No Reino Unido já há pais a protestar contra esta aberração:

Os pais perguntam porque é que os filhos são obrigados a comer halal se os muçulmanos recusam a comida não halal.

No Mundo Livre e Democrático existe uma acentuada tendência na opinião pública para que os animais sejam poupados a todo e qualquer sofrimento desnecessário. Vemos isso como sinal de evolução civilizacional.

Os consumidores cada vez mais preferem produtos animais cuja criação observou princípios éticos; cada vez mais gente abdica de comer carne de animais sencientes; cada vez mais gente é vegetariana ou mesmo vegan. Vemos manifestações de repúdio pelo abuso dos animais e florescem as associações que pugnam pelos direitos dos animais. E muito bem. O sofrimento que se puder evitar, evita-se.

Agora, o que gostávamos mesmo de ver, era as pessoas que, digamos, protestam contra a tourada, manifestarem-se contra o tratamento halal dos animais - que se pratica na Europa, na América e em todo o mundo onde há muçulmanos, pois de outra maneira eles não comem...

Com todo o respeito que nos merecem os muçulmanos ditos moderados, que não impõem a sua religião aos outros nem praticam o terrorismo em nome do Islão, isto é ultrajante!

O VÍDEO É UM DE MUITOS QUE RETRATAM ESTA BARBÁRIE, MAS NÃO É MENOS CHOCANTE POR CAUSA DISSO. VEJA POR SUA CONTA E RISCO, SE QUISER. NÓS AVISÁMOS:




Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.