domingo, 17 de setembro de 2017

"A pior situação desde a Segunda Guerra Mundial"- governo dinamarquês sobre a invasão muçulmana


O Estado de Direito está a implodir na Dinamarca enquanto a "jihad de baixa tecnologia" e os gangues de "migrantes" se apoderam das ruas. O governo dinamarquês não deveria estar surpreendido. Mas está...

Milhares de casos de muçulmanos que desparafusam as rodas dos carros, grandes pedregulhos lançados a partir de passagens aéreas das estradas, fios de aço finos esticados em caminhos para bicicletas destinados a decapitar ciclistas desavisados, estão a espalhar uma crescente sensação de horror entre os dinamarqueses.
Em quase todos os casos, os perpetradores são dos países do Médio Oriente, África do Norte e Paquistão. (Os tais que a propaganda oficial da União Europeia diz que são "refugiados da guerra na Síria").

No último desenvolvimento do que foi caracterizado como "jihad maciça de baixa tecnologia", gangues de "migrantes" e "refugiados" de ascendência árabe ou norte-africana estão a alvejar
aleatoriamente pessoas inocentes na capital, Copenhaga, colocando em perigo a vida dos residentes visitantes desta popular cidade turística.
Três pessoas já foram filmadas no que parece ser uma forma selvagem de tiro ao alvo. Uma vez que todos os feridos eram homens jovens - e na tentativa de minimizar o número de futuras vítimas - a Polícia dinamarquesa avisou todos os homens entre 17 e 25 anos de idade para evitarem espaços públicos em Copenhaga.

Preben Bang Henriksen, porta-voz do partido do governo maioritário da Dinamarca, o Liberal Venstre, está horrorizado com o declínio tão rápido na segurança dos espaços públicos do Reino, anteriormente seguro e calmo:
"Não tivemos avisos da Polícia desde a Segunda Guerra Mundial. É totalmente inaceitável", disse Preben Bang Henriksen.
Uma porta-voz dos social-democratas da oposição, Trine Bramsen, concorda com o governo liberal, classificando a actual situação de segurança como "uma catástrofe".
Durante décadas, os críticos do islamismo e da imigração muçulmana alertaram sobre as políticas liberais irresponsáveis ​​que incentivam a aceitação de migrantes ou refugiados de países islâmicos. Por isso, os políticos dinamarqueses não deveriam surpreender-se com o surgimento desta violência desprezível. Mas aparentemente estão surpreendidos.
Na tentativa de reduzir essa rápida deterioração do Estado de Direito - e da segurança pública em geral - o Parlamento da Dinamarca concordou em implantar o Exército nas ruas do país.


Desde há décadas que jornalistas como este conhecido islamista e adepto do grupo terrorista jihadista e nazi Hezzbollah vão a Israel fotografar o Exército nas ruas, para apresentarem a "conclusão" de que "Israel é um Estado policial". Não quererão ir agora à Dinamarca, a França, ao Reino Unido, à Europa toda, fotografar a tropa nas ruas? É que o motivo é o mesmo: Israel deixou os muçulmanos voltarem a invadir o país em 1920, e nos, europeus, estamos a fazer o mesmo agora.

Essa medida irá reduzir ainda mais a capacidade da Dinamarca para cumprir as suas obrigações na NATO. Apesar de o governo ter prometido ao presidente dos EUA, Donald J. Trump, que aumentaria os recursos do país destinados a apoiar a aliança militar. 
Actualmente, a Dinamarca está a gastar apenas 1,17% de seu PIB em Defesa, ficando longe dos acordados 2% que a adesão à NATO exige, pelo acordo de 2006.

Jihad Watch
---------------------

A lista de vídeos sobre a invasão e o caos islâmico na Dinamarca e na Europa foi retirada pelos islamofascistas do YouTube/Google, capachos do Islão. Vamos ver se este vídeo se aguenta mais tempo:

7 comentários:

  1. Foi muito importante sua tradução, eu mesmo só tinha o link em inglês e tinha que divulgá-lo com uma breve descrição e com sua postagem pude divulgá-lo a todos que não entendem o idioma internacional por excelência! Muito obrigado!

    ResponderEliminar
  2. Estava, seriamente, a pensar mudar-me para a Dinamarca. Sempre pensei ser um país seguro. O governo tem de agir, rapidamente.

    ResponderEliminar
  3. Penso que a Europa já não se endireitará sem uma guerra, desgraçadamente. Quando os muçulmanos entram nos números em que já entraram, não saem sem banho de sangue.Da última vez que estiveram cá, demorámos 500 anos a expulsá-los.

    ResponderEliminar
  4. Creio que a Europa será toda Islâmica em breve, eis que os nascimentos de islamitas são muito maiores que dos europeus. Meus sentimentos a vocês do velho continente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muita gente merece, amigo. Repugna-me dizê-lo, mas quem aqui na Europa chama a atenção para que estamos a ser vítimas de uma jihad pelas armas, de uma jihad sexual e de uma jihad demográfica é acusado de tudo.

      Ainda na semana que findou, em Itália, as primeiras palavras da família de uma pessoa degolada pelos colonos islamistas foi para condenar a "islamofobia".

      Os pais de uma criança assassinada em Barcelona num massacre da jihad automóvel, quiseram antes de tudo "abraçar um muçulmano".

      Enlouquecemos. Portugal vai sobrevivendo porque eles fogem daqui em busca de mais dinheiro - sim os países europeus PAGAM para serem invadidos!

      OdF

      Eliminar

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.