segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Carta aberta à senhora Björk

ESTE POST É UM APELO À SUA PARTICIPAÇÃO PARA QUE MANTENHA A PRESSÃO SOBRE A ISLÂNDIA. ISRAEL NÃO TEM FEITO OUTRA COISA SENÃO NEGOCIAR E CEDER. NÃO PODE É AUTO DESTRUIR-SE!

Este vídeo vale por todo este blogue:



CARTA ABERTA AOS AMIGOS DE ISRAEL

Lembram-se deste post?

Temos boas notícias; mas continuamos a precisar da vossa colaboração.


Celebremos, mas não paremos de lutar!
Depois do enorme clamor contra a decisão da Islândia de boicotar todos os produtos israelitas, a presidente do município de Reykjavík, Dagur B. Eggertsson, anunciou que o Conselho Municipal de Reykjavík irá cancelar o boicote previamente anunciado, explicando que a cidade apenas quer boicotar bens produzidos nos "territórios ocupados".
Mas a Islândia deve rejeitar todos os boicotes contra Israel! Desde logo porque ISRAEL NÃO ESTÁ A "OCUPAR" QUAISQUER TERRITÓRIOS ALHEIOS. COMO A ISLÂNDIA NÃO ESTÁ.
A senhora Björk Vilhelmsdóttir (à esquerda, em cima de um camelo), quer reeditar o boicote nazi
O boicote original, incluído numa moção apresentada pela social-democrata Björk Vilhelmsdóttir no início da semana passada, foi aprovada pela maioria dos vereadores.
Graças à pressão vinda de todo o mundo, Eggertsson recuou no boicote original. Infelizmente, ele não parece ter entendido a mensagem.
Eggertsson admitiu que o movimento não tinha sido suficientemente bem preparado e diz que vai agora ser alterado e clarificado.

Paisagem tipicamente islandesa
Eggertsson acrescentou que geralmente prepara as grandes decisões com cuidado: "Devo admitir que estou com raiva de mim mesma por não ter feito isto da maneira que queria", disse ela, e acrescentou que ficou deveras surpreendida com a reacção à decisão da cidade. "Eu esperava uma reacção, mas não nesta escala. Parece ser uma reacção mais forte do que quando a Islândia declarou apoio para uma Palestina independente em 2011".
PORTANTO: Eggertsson não lamenta a decisão de boicotar os produtos israelitas. Ela simplesmente lamenta que o boicote não tenha discriminado os produtos israelitas da Judeia e Samaria! Eggertsson deve entender que as suas acções são prejudiciais aos israelitas, aos "palestinos", e mesmo à Islândia.
POR ISSO, APELAMOS A QUE OS NOSSOS AMIGOS MANTENHAM A PRESSÃO. DEPENDE DE TODOS E DE CADA UM DE VÓS!
Clique aqui para contactar Björk Vilhelmsdóttir no Facebook e protestar a sua decisão anti-semita.
Clique aqui para escrever no Facebook da presidente da câmara de Reykjavik, Dagur B. Eggertsson.
Envie email às assistentes da presidente do município:
elly.katrin.gudmundsdottir@reykjavik.is
helga.bjorg.ragnarsdottir@reykjavik.is
Texto sugerido:

Israel is a symbol of democracy, freedom and justice. It is the only democracy in the entire Middle East. Israelis experience terror attacks are on a daily basis. The world should be standing with Israel in its fight for freedom and against terror.
By calling to boycott Israel, Reykjavik is choosing to stand with ant-Semites and terrorists. Reykjavik officials are singling out the Jewish State while ignoring gross human rights violations in other countries, many of which you do business with.
We urge you to reverse the outrageous decision to boycott products from Israel.
Israel é um símbolo de democracia, liberdade e justiça. É a única democracia em todo o Médio Oriente. Os israelitas sofrem diariamente  ataques terroristas. O mundo deveria unir-se a Israel na sua luta pela liberdade e contra o terrorismo.
Ao boicotar Israel, Reykjavik escolhe ficar com os anti-semitas e os terroristas. Os responsáveis de Reykjavik marginalizam o Estado judeu e ignoram as violações de direitos humanos em outros países, muitos dos quais fazem negócios convosco.
Nós pedimos que revertem a decisão ultrajante do boicote de produtos de Israel.


CARTA ABERTA À SENHORA BJORK
 
D. Björk,
Viu o vídeo acima?
Não sabemos o que faz correr pessoas como a senhora. Sabemos que há políticos pagos por regimes islamistas e sabemos que há políticos antissemitas/neo-nazis. Não temos nenhum motivo para supor que a senhora Björk seja dessas pessoas. Admitamos que é simplesmente desinformada.
Como tantas pessoas desinformadas, vítimas da campanha antissemita dos media, a senhora Björk supõe que, se Israel se retirar da Judeia e Samaria, a guerra acaba.
Mesmo um olhar superficial sobre a história recente do Médio Oriente revela que essa suposição é totalmente falsa. A luta entre judeus e árabes é anterior à Guerra dos Seis Dias, em 1967,  quando os territórios da Judeia e Samaria foram reconquistados por Israel.

Israel e o Mundo Árabe

Até o maior ignorante do Mundo percebe que o conflito NÃO É SOBRE TERRITÓRIO!
Nos últimos 15 anos, Israel tem oferecido repetidamente a independência aos "palestinos"  (NUNCA existiu nenhum Estado Árabe "palestino"; essa designação só começou a usar-se a partir de 1967, como parte da estratégia islâmica-soviética para extinguir Israel).
Nos últimos 15 anos, Israel tem oferecido repetidamente  a independência de quase toda a Judeia e Samaria, uma parte de Jerusalém e Gaza.
O que sucedeu em Gaza é significativo: Israel ofereceu esse território aos Árabes, em 2006. Em menos de 24 horas os árabes arrasaram tudo o que Israel lá deixou e que os tornaria uma Malásia do Médio Oriente, um Estado próspero e sempre com a companhia de Israel, uma potência global em cérebros.
Em vez disso, os habitantes de Gaza elegeram os terroristas do Hamas e dedicam-se desde então a bombardear Israel e a assassinar os seus cidadãos, ao mesmo tempo que vivem da "caridade" do Mundo - os líderes na opulência e o povo na miséria.

Quando a sua independência foi restaurada, em 1948, Israel abriu mão de 88% do seu território. A "Palestina" (ou como quiserem chamar-lhe) já existe: É A JORDÂNIA!

O actual governo liderado por Benjamin Netanyahu foi para as negociações de paz com a Autoridade Palestina em 2013 comprometendo-se previamente a fazer cedências territoriais e a uma solução de dois Estados. No entanto, mais uma vez os "palestinos" recusaram todas as ofertas (como fez o mega-terrorista Yasser Arafat em 2000 e 2001), levantaram-se e saíram da sala em vez de darem uma resposta (como fez o actual líder da Autoridade "Palestina", o também mega-terrorista Mahmoud Abbas, em 2008), e simplesmente cancelaram as conversações sem nunca terem negociado seriamente (como fez Abbas em 2014).
A resposta "palestina" às ofertas de paz de Israel:


NÃO, NÃO, NÃO, NÃO, NÃO, NÃO e NÃO! 

Vale a pena também olhar para este mapa, que mostra até onde Israel é capaz de ir em busca da Paz. Entre 1967 e 2011 Israel ofereceu mais de 2/3 do seu território em troca de Paz:

Se a senhora Björk conhecer outro país que tenha feito tanto, diga-nos, se fizer favor...
Os "palestinos" não estão interessados ​​numa solução de dois Estados. Há anos que afirmam repetidamente que só a extinção de Israel e a erradicação dos judeus da face da Terra os satisfará.
O supostamente moderado mega-terrorista Mahmoud Abbas (que ainda esta semana incitou a mais violência, dizendo que os israelitas estão a poluir os lugares sagrados de Jerusalém com os seus "pés sujos judeus") não irá jamais ceder, nem mesmo à pressão americana para reconhecer Israel como Estado judeu, não importa onde as suas fronteiras sejam traçadas.

Mais algum esclarecimento básico para a senhora Björk:

1920 - The year the Arabs discovered Palestine:
 https://www.youtube.com/watch?v=MM9tV4-Hg_A

Inventing the "Palestinian people"
https://www.youtube.com/watch?v=aYMviMHH0nc

A PALESTINIAN MYTH - The so said NAKBA
https://www.youtube.com/watch?v=cn4r7ZjG9Nc

Phantom Nation: Inventing the "Palestinians" as the Obstacle to Peace
https://www.youtube.com/watch?v=SH0w7dUBfnE
 https://palestineisraelconflict.wordpress.com/

https://www.facebook.com/ToBeOrNotToBeStupid
https://www.facebook.com/La.Palestine.Existe.C.est.La.Jordanie

1933 All Over Again?


http://amigodeisrael.blogspot.pt/2015/02/inventando-palestina-e-os-palestinos-1.html


http://amigodeisrael.blogspot.pt/2015/02/inventando-palestina-e-os-palestinos-2.html


http://amigodeisrael.blogspot.pt/2015/02/inventando-palestina-e-os-palestinos-3.html

http://www.mythsandfacts.org/index.as

Hamas minister: we are alien in Israel:
https://youtu.be/r1l5mRP_fzw

Azmi Bishara: There's no Arab «Palestine»: https://youtu.be/lzyx3Zt72QU

Hamas Interior Minister: We are Egyptians and Saudis, Allahu Akbar
https://www.youtube.com/watch?v=Bd3tA_dAl-A&spfreload=10

Egyptian TV Host Osama Mounir to Hamas Leaders: Dream on! You Belong in a Mental Asylum -
https://www.youtube.com/watch?v=5xuYcjubV7I

The Roots of Nazism in Radical Islam - PLO , Fatah , Hamas , Hezbollah & The Muslim Brotherhood - http://www.youtube.com/watch?v=B0SXaVKXPMA


THE NAZIS AND THE PALESTINIAN MOVEMENT - http://www.youtube.com/watch?v=VjARZPAcATM


Hitler and the Grand Mufti of Jerusalem - https://www.youtube.com/watch?v=7mkbBudJu1w



Nazism and Islam, an incovenient truth - https://www.youtube.com/watch?v=g9KqrRajY9Y

6 comentários:

  1. Esta sua legenda "Quando a sua independência foi restaurada, em 1948, Israel abriu mão de 88% do seu território. A "Palestina" (ou como quiserem chamar-lhe) já existe: É A JORDÂNIA!" com certeza que haveria de provocar uma belíssima reacção no rei Abdullah II da Jordânia, e muito maior ainda no pai dele que andou precisamente à pancada com os ditos palestinianos. Lembre-se do que significa a expressão Setembro Negro por aqueles lados. Aliás segundo creio os Estados de Israel e da Jordânia gozam de muito boas relações de mútuo respeito, e também por partilharem um "amigo comum".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, caro MM. Eu não sou um especialista em Israel ou em Médio Oriente. Hoje faço um blogue sobre Israel, amanhã poderei fazer outro sobre sopas regionais do Alto Alentejo, ou sobre a criação de girinos em casa. Mas até eu sei que o Rei Abdullah II chamou o Arafat, quando este andava por lá com a sua OLP a semear o caos, e disse-lhe isso mesmo: "A Palestina é a Jordânia". Mas isso não impediu que ainda ontem o actual soberano tenha forçado a ONU a condenar que Israel esteja a conter a acção intensa dos terroristas em Jerusalém nos últimos dias. É uma esquizofrenia, a relação do Mundo com Israel. É tão absurdo que acaba por despertar paixões. Foi o meu caso.

      Abraço!

      Eliminar
  2. Caríssimo OdF, por favor repense a os seus planos de carreira alternativa, pois difícilmente encontrará uma mais que duas ou três sopas alentejanas que sejam kosher ;) Os girinos também ficam fora do contexto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há problema. Nem eu nem os meus parceiros de blogue somos praticantes do Judaísmo. E uma boa açorda, ainda que sendo kosher (acho eu), valeria bem a repreensão divina :-)

      Eliminar
  3. Já agora não tinha conhecimento dessa recente acção do Rei da Jordânia. A situação política de Jerusalém é muitissimo complicada, e por vezes o bom-senso e a justiça têm que ficar no banco de trás, não para não para ofender ninguém mas para não dar pretextos aos ofendfdos do costume. Uma grande peça de teatro em que cada actor tem o seu público interno e externo, e tem que representar para os dois. Mas vou tentar perceber o qu se passou com o RdJord.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. http://shalom-israel-shalom.blogspot.pt/2015/09/rei-jordano-zangado-com-netanyahu.html

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.