sábado, 21 de outubro de 2017

ISIS celebra (mas não assume) incêndios da Califórnia, Espanha e Portugal


Estado Islâmico comemora, mas não reivindica responsabilidade pelos incêndios florestais da Califórnia
Contrariamente às reivindicações generalizadas da autoria do massacre jihadista de Las Vegas, o Estado Islâmico não reivindica a responsabilidade por ataques que não cometeu. Também continua a insistir que o Massacre de Las Vegas foi um ataque de jihad do Estado Islâmico, embora não tenha apresentado qualquer evidência nesse sentido.
Robert Spencer/Jihad Watch


"ISIS CELEBRA AS MORTES NOS FOGOS NA CALIFÓRNIA, ENQUANTO OS SEUS APOIANTES SUGEREM MANEIRAS DE FAZER MAS E PIOR"


por Tom O'Connor, Newsweek, 20 de Outubro de 2017:

    
O grupo militante do Estado Islâmico (ISIS) descreveu a morte e a destruição associadas aos recentes incêndios florestais da Califórnia no seu último boletim informativo, dias após os seus adeptos terem sugerido colocar frascos cheios de gasolina na floresta para causar mais danos.

  
O ISIS não se responsabilizou pelos incêndios que mataram pelo menos 41 pessoas e feriram mais 100 na Califórnia, mas os jihadistas parecem ansiosos para compartilhar a notícia do que eles chamaram de "o pior desastre de fogo na história dos Estados Unidos". Na secção "Eventos desta semana" da revista semanal Al-Naba do ISIS, o grupo militante disse aos leitores na quinta-feira que as condições recentes impediram a luta contra incêndios e os esforços de busca e resgate.

    
"Os incêndios que eclodiram domingo (Muharram/18) varreram o Estado, deslocaram milhares de pessoas e destruíram mais de 200 mil hectares de terra. Ventos fortes dificultaram os esforços de quase 8 mil bombeiros lutando contra 20 incêndios", disse a publicação
on-line do ISIS.

    
"As previsões meteorológicas não indicam melhores condições climáticas", acrescentou ...

    
No aplicativo de mensagens criptografado Telegram, onde a Al-Naba também foi amplamente distribuída entre os canais pró-ISIS, um usuário publicou
na segunda-feira uma imagem de um incêndio florestal por cima de uma segunda imagem de duas garrafas de plástico cheias de líquido.
Sob as imagens, que foram apresentadas num grupo intitulado Batalhão al-Mughira al-Qahtani Abu al-Qahtani, que tomou o nome do extinto comandante do ISIS na Líbia, morto por um ataque aéreo americano em Novembro de 2015, o usuário escreveu "com apenas 4 €" em Árabe, seguido por uma série de emojis indicando gasolina, árvores, chamas, hospitais e casas.

    
O post provavelmente era uma referência a outros incêndios florestais que surgiram na semana passada em Portugal e Espanha. Eclodiram mais de 100 incêndios, matando 44 pessoas, principalmente em Portugal, o que  resultou na renúncia da ministra portuguesa do Interior, Constança Urbano de Sousa, segundo a Reuters.

    
O ISIS no passado incentivou os seus seguidores a usarem o fogo como uma arma contra o Ocidente. Apresentando uma capa flamejante, a quinta edição da revista digital inglesa Al-Rumiyah, lançada em Janeiro, incluiu instruções para "Ataques Incendiários" na secção "Just Terror Tactics" ("Só Tácticas de Terrorismo") ....

    
"E, oh ​​americanos, não se regozijem com o facto de que esses furacões não vos destruíram e desalojaram, pois é o caminho de Alá que envia aos maus sinais de que talvez eles possam arrepender-se e retornar à orientação", acrescentou o indivíduo. 

---------------------------------------

Traduzimos o comentário de Robert Spencer e o artigo da Newsweek.
A Newsweek nem sonha que só no Sábado eclodiram 520 incêndios em Portugal. Segundo o Governo, todos "provenientes de queimadas".


O Primeiro-Ministro António Costa declarou:




 Leia sff:

Porque arde Portugal?


"Governantes podem ser acusados criminalmente":
Não acreditamos!

Polícias do Reino Unido desfilam em saltos altos e unhas pintadas enquanto os jihadistas avançam

Como os jihadistas se devem rir. Concluir a conquista da Grã-Bretanha será ridiculamente fácil. Imagine a próxima notícia: "Terrorista atira o carro contra pedestres, depois sai e esfaqueia-os. O suspeito, um homem asiático conhecido por estar mentalmente doente, fugiu a pé. O agente Clive Dunning-Houndshead, que se encontrava no local, recusou-se a persegui-lo, explicando: "Parti uma unha".
Robert Spencer/JihadWatch


"Agentes da Polícia desfilarem em trajes de urso, pintaram as unhas 'para combater a escravidão' e usaram saltos altos 'para chamar a atenção para a violência doméstica'"- enquanto as estatísticas da criminalidade DISPARAM"
Por Chris Greenwood e John Stevens, Daily Mail, 20 de Outubro de 2017:


    Os chefes da Polícia foram instados na noite passada a abandonar as suas "acrobacias tolas" e conduzirem os seus agentes de volta ao trabalho.

    A população considera que o comportamento da Polícia é cada vez mais estranho e prejudica o trabalho de enfrentar o crime.


    Os agentes foram criticados por pintarem as unhas, posarem para fotos em carrinhos de feira e por terem cães expressamente para fazerem festinhas, "para aliviar o stress".

    A população considera que as excentricidades da Polícia estão cada vez mais estranhas, como posarem em máscaras de urso, e estão a comprometer o trabalho de enfrentar o crime.


Outros agentes mascararam-se de ursos e uma das esquadras foi perguntar aos produtores de cannabis se eles se sentiam vítimas da escravidão.

    Entretanto, os números chocantes desta semana mostraram que quase todos os tipos de crimes aumentaram, com os ataques à facada a aumentarem em 25%. Nove em dez assaltos a casas não são resolvidos.

    "Eles esqueceram a sua missão", disse Mick Neville, um detective aposentado da Scotland Yard.

    "Muitos chefes da Polícia modernos têm mais cursos do que as prisões no seu curriculum. As pessoas responsáveis ​​simplesmente não estão a fazer o seu trabalho".

    "A razão pela qual eles não investigam o crime é que eles nunca o fizeram. Eles procuram brilhar de outra forma".

    O deputado conservador Peter Bone acusou a Polícia de "andar a brincar". E acrescentou: "A maioria das pessoas pensa que a Polícia deveria estar a capturar criminosos e a dissuadir o crime, e não a fazer acrobacias tolas".

    "Com recursos limitados, estou certo de que os agentes prefeririam apanhar criminosos a participar num golpe publicitário".


A campanha  'Let's Nail It'


    Em Avon e Somerset, a Polícia saiu para a patrulha usando um verniz de néon para aumentar a consciencialização sobre a escravidão moderna.

    A Polícia publicou imagens dos agentes que com a frase publicitária 'Let's Nail It'.

    Quando a campanha provocou uma reacção irritada, a Polícia encorajou as pessoas que foram criticadas a denunciarem os comentários como um "crime de ódio".

    O evento aconteceu dias após 21 funcionários da polícia de Humberside terem sido filmados em missão andando nos carrinhos de feira em Hull. ...

 -------------------------------------------------

COMENTÁRIO


Sabujo: Jerry Graham despediu um agente que pode ter ofendido os terroristas.

Do pouquíssimo que vos podemos aqui relatar da avalancha de loucuras que está a acompanhar a islamização global, trouxemos aqui noutro dia este caso:
Ficamos no Reino Unido por agora, mas em países como a Alemanha ou na França há gente presa por dizer a VERDADE sobre o Islão - como temos abundantemente mostrado. A Polícia do Reino Unido é mandada perseguir quem se opõe à jihad e à islamização, enquanto deixa os cidadãos à mercê dos terroristas.
Os  muçulmanos que estupram, espancam, matam, destroem, recebem penas simbólicas ou saem em liberdade, por conta de "ser a cultura deles" ou de "perturbações mentais passageiras" - veja o post que indicamos acima, onde demos alguns exemplos recentes. Veja também os vídeos, que vale a pena.
O que merece mão pesada aqui na Europa é "ofender" o Islão:

"MORTE A ALÁ" em guardanapo dá cadeia, "CAGAR EM DEUS" é cultura!

As chefias da Polícia, como todas as chefias hoje em dia,  não são seleccionadas pela sua competência, mas pela sua proficiência no politicamente correcto. Veja-se o caso do director escolar que, como este chefe da Polícia, despediu uma funcionária que quase deixava que uma aluna muçulmana tivesse comido presunto QUE ELA MESMA HAVIA PEDIDO:

A Perna de Porco da Questão

 O Porco da Questão

No Reino Unido as escolas estão dominadas pelo Islão, aliás:

Inglaterra: perseguição aos professores "infiéis"

 Reino Unido: O Medo nas Escolas

Islamistas confiscam ovos de Páscoa


Os agentes da Polícia, como os professores, como todas as pessoas comuns e normais aqui na Europa, têm que dobrar-se à ditadura de chefes sabujos, que têm como objectivo agradar à ideologia vigente: o branqueamento do Islão.

Veja-se como as chefias policiais que ordenaram estas triste figuras dos seus agentes lhes ordenaram que reportassem os comentários negativos como "crimes de ódio".
As mesmas chefias policiais que deixaram que 1 MILHÃO  DE CRIANÇAS TIVESSEM SIDO ESTUPRADAS PELOS ISLAMISTAS, em nome das ideologias politicamente correctas:

A Epidemia dos Gangues de Estupro Islâmicos - para os incrédulos


 As belas carinhas dos estupradores pedófilos islâmicos no Reino Unido

Voltando ao princípio, e mesmo abstraindo-nos de que o Islão dá aos muçulmanos o direito de vida e morte sobre os infiéis (e que eles o põem em prática alegremente):
- Em que é que polícias de salto alto e unhas pintadas poderão contribuir para modificar estas mentalidades?

"As mulheres brancas só são boas para uma coisa: para homens como eu f *** e usarem como lixo"

Lembramos que:

80% dos muçulmanos em Londres apoiam o ISIS


O ISIS não é um grupo excursionista. O ISIS pede meças aos nazis e até ao Diabo. Se é que não são uma e a mesma coisa...
Em vez de andar a escoltar os adeptos do ISIS, para proteger a sua "liberdade de expressão", a Polícia devia andar a prendê-los e a deportá-los.
Os agentes bem o desejariam. O sistema não deixa. Os chefes são TRAIDORES.


“E quando encontrares os infiéis, corta-lhes a garganta"  (Alcorão 47:4)



A Polícia em missão nos carrinhos da Feira de Hull:



 A Polícia em missão no Carnaval de Nothing Hill:

  


Enquanto os agentes da Polícia são obrigados a fazer estas tristes figuras, o Islão vai destruindo o país:


sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Piloto israelita ganha NASCAR


Foto NASCAR

Alon Day fez história ao tornar-se o primeiro israelita a ganhar o circuito europeu NASCAR  

O piloto israelita, Alon Day tornou o primeiro competidor israelita a ganhar  o o circuito europeu NASCAR. 

"É uma sensação maravilhosa! Trabalhámos arduamente nos últimos três anos para ganhar este título, ganhámos muitas corridas, mas nunca o campeonato", afirmou Day após vencer o campeonato Whelen Euro na Bélgica, informou a Motorsport.com



"Finalizar a temporada assim é a melhor coisa que me poderia acontecer", disse ele. "Nós finalmente conseguimos. Nem tenho palavras agora". 
Day, 26 anos, de Ashdod, triunfou no Whelen Euro depois de terminar em quarto lugar na corrida de domingo. O piloto israelita terminou segundo e terceiro, respectivamente, nas duas corridas anteriores do circuito europeu.   

Alon Day já tinha ganho o Asian Formula Renault Series e o FIA GT Championship.

 

Em Janeiro, o Ministério de Cultura e Desporto de Israel nomeou Day como seu Atleta do Ano para 2016. 

"Não só estou a fazer isto só por mim, estou a fazer história para o meu país e para tantas pessoas na comunidade judaica", disse o piloto antes da última prova do NASCAR.

Por: JNS.org e World Israel News 



 Foto NASCAR


"Fizemos o nosso melhor e estamos a melhorar":

"É uma grande acontecimento em Israel porque lá quase não há desportos motorizados", disse Day"Há alguns dias, a minha mãe abriu um jornal em Israel e a minha foto e história estavam na primeira página. Não faço isto só por mim, estou a fazer história para o meu país e para tantas pessoas na comunidade judaica. Todos estão a acompanhar-me e é bom sabê-lo".


Uma volta à pista com Day:

92% dos activistas de esquerda ainda vivem com os papás

O relatório é da Alemanha, mas os resultados seriam os mesmos se tivesse sido feito em qualquer país do Mundo Livre. 

Revolucionários do Pápi


Os filhos mais privilegiados da sociedade do bem-estar são doutrinados para odiar o bem que lhes fazem e para imaginar que no mundo comunista e islâmico a vida é uma permanente Festa do "Avante!".
As Universidades são os principais centros de difusão da loucura colectiva que se apossou destes jovens: 

“OH! VEJAM! UMA GALINHA!” - o curso universitário







 ----------------------------------------

92% DOS ACTIVISTAS DE ESQUERDA AINDA VIVEM COM OS PAIS, REVELA ESTUDO EM BERLIM



Os números foram compilados pelo Escritório Federal para a Protecção da Constituição 
Dos que foram presos por crimes politicamente motivados, 84 % eram homens 
A maioria, 72 %, tinha entre 18 e 29 anos 
Das ofensas contra uma pessoa, quatro em cada cinco vítimas foram polícias

A grande maioria dos manifestantes de esquerda presos sob suspeita de delitos de violência política em Berlim são homens jovens que vivem com os pais, revela um novo relatório. 
Os números, que foram publicados no jornal diário Bild, revelaram que 873 suspeitos foram investigados pelas autoridades entre 2003 e 2013. 
Destes, 84% eram homens e 72% tinham entre 18 e 29 anos 
Mais de metade das prisões foram feitas nos distritos berlinenses de Friedrichshain, Kreuzberg e Mitte, principalmente durante manifestações. 
Um terço deles estava desempregado e 92% ainda viviam com os pais. 
Os números publicados no jornal berlinense disseram sobre as ofensas cometidas contra uma pessoa, em quatro dos cinco casos, as vítimas eram policiais. 
Em 15% desses casos, as vítimas foram activistas da direita. 
Os novos números foram divulgados pelo Escritório Federal para a Proteção da Constituição (BfV). 
Entre 2009 e 2013, segundo o relatório da Bild, assassinos de esquerda tentaram cometer 11 assassinatos.

- Daily Mail 
---------------------------------------


O ódio a Israel é um "must" entre estes meninos-bem, que apoiam activamente a jihad islâmica. O Islão é o seu aliado preferencial para a destruição do Mundo Livre.



ódio a Israel (por ser a matriz cultural e moral do Mundo Livre) e aos Estados Unidos (por serem o maior obstáculo ao avanço da aliança comunista-islamista) une terroristas islâmicos e terroristas comunistas.
Bomba: Antifa estão a receber treino militar na Síria



quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Bomba: Antifa estão a receber treino militar na Síria



O bando Antifa finalmente atravessou a linha que separa terroristas de terroristas absolutos - e agora, como um novo relatório revela, membros do conhecido grupo de protesto estão a entrar na Síria para receber treino dos terroristas do ISIS.

Os laços que os unem?

Ambos os grupos usam a violência como um meio para os seus fins. E ambos os grupos compartilham opiniões políticas tirânicas semelhantes que estão alinhadas com princípios comunistas e controladores.



O John Brown Gun Club é um dos grupos envolvidos.

Os membros americanos e europeus dos Antifa estão a ser atraídos para as Unidades de Protecção do Povo Curdo (YPG) apoiadas pelos Estados Unidos, devido à sua política anarco-comunista, que por sua vez persuadem os extremistas dos Antifa a lutarem ao lado deles na "Revolução Rojova".

Relatório de Prisonplanet.com: "As agências de segurança estão preocupadas com o facto de que esses membros da Antifa continuem a "revolução em casa" quando retornarem. Já as fontes do FBI revelaram literatura Antifa e fotos tiradas no Médio Oriente que foram encontradas no quarto do hotel do suspeito do Massacre de Las Vegas, Stephen Paddock.

Numa política que começou sob a administração Obama, o exército dos EUA está a fornecer armas e treino aos membros do YPG, muitos dos quais estão directamente ligados à organização terrorista PKK.

Esta política foi adoptada sob o pretexto de lutar contra o ISIS. No entanto, apoiar terroristas para combater terroristas nunca funcionou.

Ocorreu um tumulto quando as forças especiais dos EUA na Síria anexaram as insígnias do YPG às suas armas, e o Exército dos EUA foi acusado de apoiar o terrorismo. O Pentágono admitiu a falta e disse que o uso da insígnia não era autorizado.

Como resultado, o exército dos EUA foi forçado a renomear o YPG como "Forças Democráticas da Síria" (SDF) para fornecer uma negação plausível.

As armas e o treino militar que os militares dos EUA lhes forneceram são, por sua vez, fornecidos aos membros ocidentais dos Antifa.

Esses membros dos Antifa, juntamente com os curdos, são constantemente glorificados na Imprensa convencional.

A revista Rolling Stone entrevistou vários "esquerdistas ocidentais" que estão a combater no YPG.

E o facto de que essas milícias anarco-comunistas têm "mulheres que estão a lutar contra o ISIS" é muitas vezes repetido.

Grupos Antifa na Europa e na América do Norte publicaram fotos dos seus combatentes erguendo a bandeira do YPG curdo juntamente com a bandeira Antifa, na Síria.

Agora, este grupo de militantes chama-se Forças de Guerrilha do Povo Revolucionário Internacional [IRPGF] e a "vanguarda da revolução" em Rojava, que prometeu combater o capitalismo em todo o mundo.

Já o pudemos ver por exemplo quando os membros da Antifa fizeram parte de uma manifestação armada em Phoenix, no Arizona.

Um dos grupos envolvidos é o John Brown Gun Club, que glorifica o YPG curdo.

É plausível que as fotos tiradas no Médio Oriente que foram encontradas na sala do atirador de Las Vegas (juntamente com literatura Antifa) sejam fotos dos Antifa lutando ao lado de curdos na Síria, e também é possível que o atirador tenha conseguido entrar na Síria para receber treino militar.

Os combatentes estrangeiros podem voar legalmente para a Turquia e depois atravessar ilegalmente a fronteira da Síria sem serem detectados.

A Alemanha já está a braços com uma grande população de Antifa, e 1,2 milhões de imigrantes curdos e grupos militantes curdos, todos trabalhando em conjunto.

Além disso, milhares de alemães cruzaram ilegalmente a fronteira Síria para lutarem ao lado dos Curdos, por isso não é surpresa quando os gangues alemães dos Antifa se apresentam em manifestações de direita com centenas contra-manifestantes e cometem ataques violentos.

A Imprensa, no entanto, continua a glorificar os combatentes curdos como "as únicas pessoas a lutar contra o ISIS", ignorando os esforços dos governos sírio e russo.

Isto acontece principalmente porque o complexo militar-industrial tinha planos de balcanizar a Síria e o Iraque, no "projecto para um novo Médio Oriente" e não se importam se o fazem usando terroristas islâmicos ou comunistas curdos.

As milícias curdas não são muito melhores que o ISIS, nem liberais e democráticas como a Imprensa as retrata.

Na verdade, os próprios curdos não são um grupo homogéneo, com a maioria dos curdos sendo muçulmanos sunitas e alguns deles juntaram-se ao ISIS.

No Curdistão iraquiano, a percentagem de mutilação genital feminina é de cerca de 70%, enquanto em todas as outras partes do país é zero.

De facto, o Curdistão iraquiano, juntamente com o Iémen e o Egipto, são as únicas áreas do Médio Oriente onde a mutilação genital feminina é rotineiramente realizada.

O YPG comunista tem procedido à limpeza étnica de cristãos, árabes e outras minorias nas áreas que eles consideram o Estado "curdo". Muitas vezes, em áreas que eles mesmos afirmam não têm nenhuma população curda.

Uma vez que a população curda não é maioria nas áreas que as milícias curdas estão a tentar anexar, estão a fazer a limpeza étnica das minorias não curdas na tentativa de alcançar uma mudança demográfica.

O YPG desarmou as milícias cristãs assírias depois de assassinar o seu líder, David Jindo.

No Iraque, a milícia curda dos Peshmerga, apoiada pelos Estados Unidos, forçou as milícias cristãs e Yazidi a desarmarem, antes de as abandonar ao genocídio, quando o ISIS atacou.

E o governo regional curdo do Iraque ainda não permitiu que esses grupos minoritários retornem às suas aldeias, embora o ISIS tenha sido expulso há dois anos.

A ideia de que os curdos merecem o seu próprio Estado é perpetuamente promovida por grupos de pensamento e simpatizantes esquerdistas pró-guerra. No entanto, presta-se pouca atenção à origem e à história do povo curdo.

Por um lado, a palavra Curdo era um designador para os nómadas iranianos.

Como muitos outros grupos nómadas, como os beduínos e os ciganos, eles atravessam as fronteiras que tendem a ser guardadores de gado.

Eles normalmente atravessam o Iraque e a Turquia, seguindo o rio Eufrates, e vivem principalmente nas montanhas.

Em 1915, o governo turco prometeu aos curdos as casas e as cidades dos cristãos arménios, caso os curdos concordassem em participar no genocídio dos cristãos arménios e assírios.

No entanto, após o cumprimento do acordo pelos curdos, a Turquia recusou-se a dar-lhes autonomia.

A população de curdos no norte da Síria resultou de múltiplas ondas de imigração curda ilegal a partir da Turquia, e depois de não ter conseguido sucesso nas insurreições contra o governo turco.

Muitos desses curdos receberam estatuto de refugiados por parte do governo sírio na época, mas agora esses mesmos refugiados exigem o seu próprio Estado, reivindicam a propriedade de grande parte dos campos petrolíferos da Síria e impedem o exército sírio de combater a leste do Eufrates.


Esta política externa de balcanizar os países do Médio Oriente para criar um Curdistão pode ter implicações explosivas não apenas para o Médio Oriente, mas também para o Ocidente, pois produz uma nova forma de "resistência Antifa" e terrorismo da mesma forma que o ISIS foi criado graças da política externa dos Estados Unidos.

Via  Vlad Tepes  graças a Pamela Geller 



------------------------------



- Pense nisto quando vir as omnipresentes bandeiras "Antifa", na Catalunha, nos Estados Unidos, em França, em Portugal, em quase todo o Mundo Livre que eles planeiam conquistar pela força, aliados aos jihadistas.


- Lembramos que foi política de Obama apoiar, financiar e armar os jihadistas da Al-Qaeda e a Irmandade Muçulmana.

- Há um novo Presidente nos Estados Unidos, que está a consertar o que seu antecessor islamista sabotou. Demos tempo ao Trump.

- O grupo terrorista Antifa (já é assim considerado por exemplo pelo FBI), está a unir-se a grupos como o Black Lives Matter ou o KKK, para além da sua conhecida e ostensiva ligação aos islamistas.

- Protegidos e promovidos pelos media como "heróis da liberdade", os Antifa são, quase todos,  adultos que ainda vivem com os pais e são incapazes de enfrentar o mundo real.

- Podemos vê-los, nas ruas de todo o Mundo, ao lado dos islamistas, espalhando o caos e a violência. São a nova reencarnação dos idiotas úteis da Revolução vermelha.

- No antepenúltimo vídeo da lista abaixo, podemos ver alguns Antifa a reclamarem o pagamento pelo seu trabalho de destruição a George "O Flagelo das Nações" Soros, o bilionário que foi nazi na juventude e hoje é um ardente extrema-esquerdista, pró-islamista e doentiamente anti-semita e anti-Israel.

- Nos dois últimos vídeos (o segundo legendado) podemos constatar a total ignorância dos protestatários, que nem conseguem ao menos decorar uma ladainha a designar contra o que protestam.






quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Muçulmano apanha táxi e deixa infiel morrer queimada

A lavagem cerebral das massas impede-as de questionarem o Islão e o comportamento islâmico. Sempre que os muçulmanos exibem aspectos da sua cultura que são inaceitáveis em sociedades que respeitam os Direitos Humanos, a mentalidade oficial apressa-se a arranjar desculpas.
Dentre os milhares de notícias que ilustram a  perversidade intrínseca do Islão, trazemos hoje esta à vossa apreciação. Os apologistas islâmicos dirão que "também há muçulmanos que tratam mal as mulheres". Decerto que sim, mas as nossas leis e a nossa mentalidade condenam-no. No Islão, encorajam-no. 
Se não é um zombie, julgue por si e lembre-se de que este caso é uma gota de água num oceano de horror:


Brooklyn: motorista muçulmano apanha táxi e abandona rapariga dentro de carro a arder em plena estrada
Um insensível desprezo pela vida humana. Harleen Grewal é um nome sikh. Na lei islâmica, a vida muçulmana vale explicitamente mais do que a dos não-muçulmanos. O manual  Shafi'i Sharia Confiança do Viajante determina: 
"A indemnização pela morte ou lesão de uma mulher é metade da indemnização paga por um homem. A indemnização paga por um judeu ou cristão é um terço da indemnização paga por um muçulmano. A indemnização paga por um zoroastriano é um décimo quinto da de um muçulmano" (O4.9). 
Os sikhs estão ainda mais baixo, pois não são pessoas do Livro
O Shahi'i madhhab não é a única escola da lei islâmica que ensina isto. O xiita sufí iraniano Sultanhussein Tabandeh explica: 
"Assim, se [o] muçulmano comete adultério, o seu castigo é de 100 chicotadas, rapar da cabeça e um ano de banimento. Mas se o homem não for muçulmano e cometer adultério com uma mulher muçulmana, a pena dele é a execução ... Do mesmo modo, se um muçulmano comete homicídio deliberadamente vitimando outro muçulmano, ele enquadra-se na lei da retaliação e deve ser condenado à morte pelos parentes. Mas se um não-muçulmano for assassinado por um muçulmano, a pena de morte não é válida. Em vez disso, o assassino muçulmano deve pagar uma multa e ser punido com o chicote ....".  
Como o Islão considera os não-muçulmanos como inferiores em crença e convicção, se um muçulmano mata um não muçulmano, então a sua punição não deve ser a pena de morte de retaliação, uma vez que a fé e a convicção que possui é mais elevada que a do homem que foi morto ... 
Também as penas de um culpado não-muçulmano de fornicação com uma mulher muçulmana são aumentadas porque, além do crime contra a moralidade, dever social e religião, ele cometeu sacrilégio, por ter desonrado uma muçulmana, e assim, desprezado os muçulmanos em geral, e por isso deve ser executado. 
"O Islão e os seus povos devem estar acima dos infiéis e nunca devem permitir que os não-muçulmanos adquiram domínio sobre eles" - Sultanhussein Tabandeh, 'Um Comentário Muçulmano sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos'. 
Esse tipo de ensino inculca atitudes. Saeed Ahmad deixou Harleen Grewal morrer porque ela era apenas uma sikh e apenas uma mulher, dois grupos aos quais ele foi ensinado a desprezar como inferiores?
- Robert Spencer/JihadWatch

--------------------------------------------------


A notícia, com fotos, está em diversas publicações, como o New York Daily News:

Karan Singh Dhillon, 28 anos, o namorado enlutado de Harleen Grewal, 25 anos, que morreu esta sexta-feira em Queens.


Saeed Ahmad, 23 anos, embateu com o seu carro de luxo numa barreira de cimento e deixou Grewal, que seguia como passageira, morrer queimada.  



A naturalidade com que o muçulmano apanha o táxi enquanto a infiel morre queimada viva, fala por si:


"VEJA: o motorista apanha um táxi enquanto abandona a passageira morre dentro do carro em chamas na rodovia do Brooklyn" 
Esha Ray, Dale W. Eisinger e Larry McShane, New York Daily News, 14 de Outubro de 2017 
Um homem do Brooklyn deixou a passageira do seu carro presa dentro dos destroços flamejantes do seu carro e subiu friamente para um táxi que passava enquanto a mulher indefesa morria. 
Um arrepiante vídeo de telemóvel obtido pela WABC-TV News captou as imagens do insensível Saeed Ahmad, mandando parar um táxi amarelo no início da noite de sexta-feira depois de escapar das chamas que mataram a passageira Harleen Grewal
"Posso subir?" - o suspeito de homicídio involuntário perguntou calmamente enquanto o incêndio no seu luxuoso Infiniti 35G iluminava o céu na rodovia Brooklyn-Queens. 
Investigadores atordoados encontraram o corpo carbonizado de Grewal no banco do passageiro, quando as chamas se extinguiram. 
"É desprezível. Como pode alguém proceder assim?", perguntou um ultrajado Van Christakos, 69 anos, um vizinho da família da mulher morta. (...)
A família devastada de Grewal, de 25 anos, teve novo choque quando viu o vídeo um dia após sua morte. 
"Eu nem sei o que aconteceu!", gritou a mãe, Raj Grewal, na sua casa de Astoria. "É a minha filha! Ela era um anjo! Ela é um anjo!"
Ahmad disse à Polícia que namorava com Grewal, mas os amigos disseram que ele era apenas um conhecido que lhe deu boleia para casa. 
O namorado de Grewal, Karan Singh Dhillon, ficou em choque com a morte. 
"A minha querida namorada não merecia morrer assim", escreveu Dhillon no Facebook. "Os melhoras deixam-nos muito cedo"
Em entrevista ao Daily News, Dhillon descreveu Grewal como uma alma desinteressada que olhava sempre para os outros. 
"Ela faria qualquer coisa pelas pessoas", disse ele. "Ela era capaz de dar a roupa do corpo. Ela daria comida a alguém e ficaria com fome ".
Ahmad, de 23 anos, encaminhou o taxista para o Centro Médico Maimonides, ignorou a mulher presa dentro do veículo em chamas a poucos metros de distância e fugiu da cena, mostra o vídeo. 
O suspeito, ainda hospitalizado no sábado com queimaduras, foi acusado de homicídio culposo, homicídio criminalmente negligente, deixando a cena de um acidente fatal, e guiava em excesso de velocidade e com uma licença suspensa. 
A acusação do suspeito esteve pendente enquanto os médicos o tratavam por queimaduras no pescoço, braços e pernas. O irmão de Ahmad apontou os ferimentos como prova de que Saeed tentou auxiliar a vítima. 
"Depois de tentar ajudá-la a sair do carro, os seus braços ficaram queimados, o seu pescoço ficou queimado", disse Waheed Ahmad, 21 anos. "Ver uma pessoa morrer à nossa frente causa uma dor inimaginável".
O vídeo "só nos está a causar mais dor", disse Waheed ....

--------------------------------------------


- Mesmo perante o vídeo, o irmão tem a coragem de usar a taqyyia, a mentira sagrada do Islão. Inacreditável!
-  Na hora do aperto, os muçulmanos não boicotam Israel. Este dirigiu-se logo para um hospital judeu. Ai não...
- Sem conhecer a realidade do Islão, acha que nós estamos "cheios de ódio" este foi "apenas um caso isolado e que não teve nada a ver com o Islão"? Então:
Visite a nossa pequena secção


  
Islão - O que o Ocidente Precisa Saber

DIREITOS DAS MULHERES SOB O ISLAMISMO, UMA LISTA DE 4 VÍDEOS ELUCIDATIVOS DO "LEI ISLÂMICA EM AÇÃO":