terça-feira, 20 de agosto de 2013

OBAMA: Temos o Caldo Entornado!


E agora, Irmão Obama? Parece que temos o caldo entornado!

  
Mohammed Badie, um dos instigadores da turba fundamentalista, já foi detido, e o Egipto prepara-se para ilegalizar a Irmandade. Esperar que uma organização fundamentalista e terrorista como esta respeite as regras do jogo democrático é a mesma coisa que esperar que uma laranjeira dê limões.

Como bem observa uma leitora do Público, se os fascistas e os nazis não podem concorrer a eleições democráticas, porque podem os comunistas ou os islamistas?

"Se houver uma tolerância absoluta, mesmo para com os intolerantes, e não defendermos a sociedade tolerante contra o ataque, os tolerantes serão destruídos, e a tolerância com eles."
Karl Popper


 

Aspecto do Mosteiro do século XVI, após a destruição provocada pela Irmandade Muçulmana. Localidade de Nazla, em Fayoum, Egipto. Incendiado, saqueado e totalmente destruído pela Irmandade. Há pessoas que arriscam a vida para nos fazerem chegar imagens como estas. 

Neste post apresentámos a lista das instituições cristãs atacadas saqueadas e destruídas pelos adeptos da Irmandade Muçulmana nos últimos dias.


Alguns aspectos da violência da Irmandade Muçulmana podem ser vistos por exemplo neste post.




No Egipto a situação caminha para que muita coisa escondida se venha a saber. Para começar, a confirmação do que Yossi Beilin anunciou: os resultados das eleições foram falseados pelo Exército, atribuindo a vitória aos Irmãos Muçulmanos por receio de uma revolta popular.

Também se saberá em breve a magnitude do apoio de Barack Husein Obama à Irmandade Muçulmana.

Falando ontem num programa de TV ao vivo, Tahani al-Gebali, vice-presidente do Supremo Tribunal Constitucional do Egipto, disse que estava a chegar o tempo de todas as conspirações contra o Egipto serem expostas, afirmando que a administração Obama terá de explicar o seu tão veemente apoio à Irmandade Muçulmana, cujo terrorismo, entre outras atrocidades, causou a destruição de cerca de 80 igrejas cristãs em menos de uma semana.

Al-Gebali referiu "documentos e provas", que as agências de segurança do Egipto possuem e que "o tempo para estas virem à tona chegou. Esses documentos registam maciças trocas financeiras entre organismos internacionais e a Irmandade Muçulmana. Al-Gebali afirmou: "o irmão de Obama é um dos arquitectos do investimento na organização internacional da Irmandade Muçulmana".

Aqui, o anfitrião, confuso, parou, pedindo-lhe para repetir o que ele disse, o que
Tahani al-Gebali fez, com total confiança, acrescentando: "Já que o assunto o exige, então devemos informar o nosso povo", aparentemente numa referência ao apoio de Obama à Irmandade Muçulmana contra o Estado do Egipto. O caldo está definitivamente entornado, e a verdade começa a vir ao de cima.
Tahani não mencionou a qual dos irmãos do presidente dos EUA é um dos artífices do financiamento da Irmandade, masfoi revelado que o irmão de Obama, Malik Obama, estava numa organização sem fins lucrativos africana intimamente ligada à Irmandade, bem como o terrorista genocida do Sudão, Omar al-Bashir.
 As posições, aliás, definem-se cada vez mais: 
Militares egípcios advertem Obama: "apoio ao terrorismo" no Egipto é "linha vermelha"
[De RaymondIbrahim.com]
De acordo com um relatório publicado no jornal Watan (sábado, 17 de Agosto), o major-general egípcio Muhammad al-Assar acaba de publicar uma carta enérgica dirigida ao Pentágono, em nome do conselho militar egípcio, dizendo, entre outras coisas: "Não vamos recuar da luta contra o terrorismo, os militares não fugiram, a república tem liderança, e a nossa mensagem é clara: não vamos permitir que esta linha vermelha para seja atravessada."

Quanto ao cancelamento dos exercícios militares conjuntos com o Egipto pelos EUA, como crítica à repressão militar da Irmandade, e às ameaças de corte de ajuda dos EUA ao Egipto por parte do presidente dos EUA Barack Obama, o Watan disse: "A decisão norte-americana não vai influenciar a vontade popular" - uma referência ao facto de que a esmagadora maioria dos egípcios rejeitaram Morsi e a Irmandade Muçulmana. E acrescentou que "os militares não aceitam imposições externas e não vão permitir que nenhum país apoie o terrorismo no Egipto", uma referência ao facto de que o apoio dos EUA à Irmandade é apoio ao terrorismo.

Fontes militares também disseram ao jornal Watan que o contacto com a administração norte-americana cessou completamente, embora permaneça aberto com o Pentágono, que informou o lado egípcio de seus receios quanto à proximidade [do Egipto] com a Rússia.

O que não muda No Médio Oriente é o ódio atávico e doentio a Israel. Desta vez foi o PM turco a acusar Israel de orquestrar o "golpe" no Egipto.

Erdogan em Davos, 29.1.2009, insultando e difamando Israel e o seu Presidente da República Shimon Peres: "Israel é a principal ameaça à paz no Médio Oriente!". Porquê? Porque existe! E isso é um ultraje para os supremacistas islamistas como ele!

Momento trágico-cómico do dia:

É um consenso entre sunitas e xiitas: O primeiro-ministro islamista supremacista da Turquia concorda com o iraniano Ayatollah Khamenei, o moderado iraniano: os judeus, os piores inimigos dos muçulmanos, de acordo com o Corão (5:82), devem estar por trás de tudo isto. A fonte é o AGI, de 20 de Agosto:
(AGI) Ancara, 20 deAgosto - Israel está por trás do golpe de Estado que depôs o presidente egípcio Muhammad Morsi, disse o primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan. Documentos provam que eles estão envolvidos, disse Erdogan a líderes do Partido da Justiça e do Desenvolvimento.

E provavelmente estão! Se os malandros dos judeus até inventaram os telemóveis só para distrair os muçulmanos das suas orações, são bem capazes de ter convencido dezenas de milhões de muçulmanos egípcios a contestarem Morsi nas ruas!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.