quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Sherlock, precisa-se!




Duas raparigas britânicas, voluntárias de serviço humanitário, foram atacadas com ácido em Zanzibar. O Público informa-nos que a Polícia está a investigar o que motivou ataque às duas jovens na ilha de Zanzibar. Certamente só o Sherlock Holmes poderá valer aos pobres polícias...

Mas caso o detective esteja ocupado, aqui vai o nosso contributo:
Uma das vítimas foi previamente "assaltada na rua por uma mulher muçulmana, por cantar durante o Ramadão." As duas jovens foram provavelmente atacadas com ácido por se terem aventurado na rua com o rosto descoberto.


O jornalista Fumbuka Ng'wanakilala tem a palavra:

"Duas mulheres britânicas feridos em ataque  com ácido em Zanzibar"

por Fumbuka Ng'wanakilala para a Reuters, 8 de Agosto

    (Reuters) - Homens montados numa moto atiraram ácido em duas adolescentes britânicas na região semi-autônoma de Zanzibar, na Tanzânia, deixando-os com lesões no rosto, peito e costas - informou um alto funcionário da polícia nesta quinta-feira.

    As jovens, ambas de 18 anos e da cidade do norte da Inglaterra de Manchester, foram levados para a capital comercial Dar es Salaam, na Tanzânia.

    Eram voluntárias numa escola local, em Zanzibar, uma ilha que é popular entre os turistas internacionais, mas que sofreu uma onda de protestos violentos no ano passado como partidários de um grupo islâmico a confrontaram-se várias vezes com a polícia.

   A Grã-Bretanha está preocupada com o ataque de quarta-feira e está "em contacto com as autoridades da Tanzânia", disse o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

    A polícia descreveu o ataque como "um incidente isolado", recusando-se a vinculá-lo ao aumento da tensão religiosa na ilha entre a maioria muçulmanos e a sua população cristã.
    "Os agressores aproximaram-se das meninas numa rua por volta das 07:15 e atiraram-lhes ácido" - disse o comandante da polícia Mkadam Khamis Mkadam à Reuters. "O incidente ocorreu quando as ruas estavam desertas, quando a maioria das pessoas estavam a quebrar o jejum do Ramadão."

    Imagens de TV mostraram uma menina, obviamente, com dores, na parte de trás de um carro no aeroporto de Zanzibar.

    "As vítimas sofreram ferimentos faciais, no peito e costas, por causa do ataque com ácido", disse Mkadam.
   (...)
    O ataque ocorreu durante a temporada turística na cidade histórica e depois de um líder muçulmano Zanzibar, o Sheikh Suleiman Fadhil Soraga, ter sido hospitalizado com queimaduras de ácido num ataque em Novembro.

    Dois líderes cristãos foram mortos no início deste ano em ataques separados.
    Um grupo separatista em Zanzibar, Uamsho (Awakening), está a empurrar o arquipélago para fora da  união com a Tanzânia continental, que é governado como um país secular. O Uamsho quer introduzir a lei islâmica Sharia em Zanzibar.
    Os defensores do grupo se envolveram em execução batalhas de rua com a polícia no passado, mas as autoridades não ligaram o grupo com os ataques contra clérigos cristãos.

2 comentários:

  1. Esta gente NÃO ENTENDE que alguém lhes possa fazer o BEM desinteressadamente! Se estudassem Psicologia saberiam que os muçulmanos simplesmente não atingem o grau adulto da consciência moral, ou, em linguagem psicanalítica, não têm super-ego. Desde que queiram uma coisa, o único obstáculo que conhecem é um possível dano que daí advenha. O certo e o errado, deixam por conta da religião. Não o distinguem.

    Rui Alberto Faria Benevides.

    ResponderEliminar
  2. "Esta gente NÃO ENTENDE que alguém lhes possa fazer o BEM desinteressadamente!"

    Quando Israel enviou pessoal médico para o Haiti, após o sismo, agências noticiosas muçulmanas apressaram-se a "complementar" a notícia dizendo que não foram com fins humanitários mas sim com o objetivo de colher os órgãos dos mortos para transplantar em judeus...

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.