sábado, 20 de setembro de 2014

91 chicotadas por se estar feliz


Dançaste? Agora canta!

Todos os dias, os especialistas de tudo e mais alguma coisa nos asseguram na TV e nos media em geral que o terrorismo islâmico «nada tem a ver com o VERDADEIRO Islão», e que se trata de gente ignorante que «não sabe interpretar o Islão».

Será que as autoridades clericais iranianas também «não compreendem bem o Islão» - como aliás TODAS as autoridades islâmicas do Mundo, que pugnam pela mesma causa? Um exemplo:
 

NO ISLÃO, É PROIBIDO SER "FELIZ"!


19.09.2014 
91 chicotadas por dançarem 'Happy' 
Seis jovens que fizeram vídeo foram condenados. 
Por João Fernandes Silva 
Seis jovens iranianos foram condenados a 91 chicotadas e a penas de prisão por causa de um vídeo, onde aparecem a dançar a música "Happy", da autoria de Pharrell Williams.
O vídeo entitulado "Happy we are from Tehran" ("Felizes por sermos de Teerão"), onde os jovens aparecem a dançar junto a um prédio com as cabeças descobertas, inundou a Internet em maio.
O facto de as três raparigas não terem o hijab (véu) é considerado um atentado à lei islâmica. O grupo acabou por ser detido e terá sido obrigado a gravar uma declaração a confessar o crime. Agora, surgiu a sentença: seis meses de cadeia e 91 chicotadas para cinco dos jovens e um outro com o mesmo castigo físico, mas um ano de prisão.
CORREIO DA MANHÃ

O "CRIME":




A MENTALIDADE

Em Maio já tínhamos falado deste caso, no post:

Jornalismo Manso


Mas esta é uma gota de água no oceano, não se iludam!


"Alá não criou o homem para que ele pudesse divertir-se. O objetivo da criação foi a Humanidade a ser posta à prova por meio de sofrimento e oração. Um regime islâmico deve ser sério em todos os campos. Não há piadas no Islão. Não há humor no Islão. Não há diversão no Islão. Não pode haver diversão e alegria no que é grave" -  Aiatolá Khomeini


RESUMINDO...


Inocentes decapitados, crucificados, assassinados à bomba, a tiro ou dentro dos aviões que são atirados contra edifícios, raptos, estupro colectivo, tortura, canibalismo, espancamentos, mutilação de «infiéis», opressão, perseguição, privação total de liberdade e de direitos humanos, abuso sexual de menores, mutilação genital feminina, enterramento e incineração de gente viva - por não ser muçulmana. E etc., etc., etc.:




Expressão da individualidade, da alegria, do prazer, da liberdade, do pensamento. Tudo o que é agradável e humano. Praticar desporto, conviver com o sexo oposto, música, dança, etc., etc..:




É ASSIM QUE QUEREM PREENCHER A "LACUNA"?

Uma outra explicação dos entendidos de tudo e mais alguma coisa é que o Islão «preenche a lacuna de espiritualidade da sociedade ocidental». É assim que a querem preencher? É como querer curar uma dor de cabeça à martelada.

Ora vamos lá todos, de braço dado com o Louçã e com a malta, para mais uma manifestação de apoio ao terrorismo islâmico, e contra Israel, que isso é que é pós modernaço e chiquérrimo! Levem os chicotes, não vá alguém sentir-se feliz...

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Uns bombardeiam, outros plantam




Enquanto os terroristas do  Hamas disparavam milhares de mísseis sobre Israel, os valentes agricultores israelitas, debaixo de fogo, plantavam árvores de fruto. Ao contrário do estereótipo que ainda mora em muitas cabeças, os judeus não são todos banqueiros e industriais riquíssimos (e ainda que o fossem!). Os judeus são pessoas como nós, que têm que trabalhar duro, para viver. Com a diferença de que eles trabalham sob chuvas de mísseis.


A alegria de cultivar
Enquanto o Hamas disparava milhares de mísseis sobre o sul de Israel, no mês passado, os bravos agricultores israelitas plantavam árvores de fruto, antes do próximo ano sabático, conhecido em hebraico como "Shmita".
O Ano Novo judaico começa ao pôr do sol, na próxima quarta-feira à noite, 24 de Setembro. Este Rosh Hashana inaugura um ano sabático na Terra Santa de Israel, como manda a Bíblia:

"... Ao sétimo ano haverá um descanso completo para a Terra"
(Levítico 25: 4)
Assim como o povo de Israel descansa a cada semana no Shabat, a Terra de Israel vai descansar por todo o ano de Shmita. No mês passado - em 11 de Agosto de 2014, correspondente ao dia 15 de Av no calendário judaico - a maioria das formas de plantio de árvores tornou-se proibida, antes do ano sabático.

No meio da Operação Protecção Limite, enquanto os terroristas do Hamas disparvam mísseis sobre as cidades israelitas, os agricultores israelitas faziam o plantio de árvores, tanto quanto possível, antes do prazo - Mesmo sob fogo ...
Agricultores destemidos como Hanan (mostrado no vídeo acima), de Moshav Yavul , perto da Faixa de Gaza e do Egipto, junto à fronteira, plantaram pessegueiros até ao último momento.
Muitos dos pessegueiros de Hanan, e de outros agricultores, foram patrocinados por apoiantes de Israel de todo o mundo (incluindo leitores do nosso blog, que leram posts como este).  Algumas árvores ainda estão disponíveis para dedicatórias antes do início do Ano Novo judaico.


Aqueles que plantaram e dedicaram árvores de fruto foram motivados pela promessa divina de abençoar aqueles que ajudam no cumprimento das leis sabáticas. Muitos agricultores vão sofrer financeiramente por não poderem plantar durante este ano. Aqueles que ajudam os agricultores dedicando árvores, estão a ajudá-los a cumprir o ano sabático.
CLIQUE AQUI para ajudar os agricultores a observar o Ano Sabático
Na Bíblia, Deus prometeu abençoar quem ajuda o próximo na observância da Shmita:

"Vou derramar a minha bênção sobre vós ..."
Levítico 25:20

A próxima oportunidade para esta bênção, ocorrerá daqui a sete anos, durante o próximo ciclo Shmita.


As árvores de fruto podem ser dedicadas em honra ou memória de entes queridos. Muitas foram oferecidas em memória dos três jovens que foram sequestrados e assassinados pelos terroristas do Hamas em Junho passado - Eyal, Naftali e Gilad.  


Quem patrocinar uma árvore receberá um certificados directamente de Israel.

 Ao dedicar uma árvore, estará a:
- Embelezar a Terra de Israel e torná-la mais fecunda.  
- Associar o seu nome a uma árvore, ou uma porção de um pomar, em Israel.
- Honrar a um ente querido com uma significativa  e intemporal dedicatória.
- Ajudar os agricultores de Israel a observar o Ano Sabático  
- Participar numa  observância bíblica muito especial "única em sete anos".

- Fonte: UNITED WITH ISRAEL

 - Mesmo que você não seja uma pessoa religiosa, ou não particularmente simpatizante do Judaísmo ou do Cristianismo, é livre de ajudar Israel. Ao ler este post, já está a ajudar, porque vê com os seus olhos que os judeus não são os maus da fita, como a Imprensa Mundial diz. E a opinião pública, nos nossos dias, é mais poderosa do que um Exército.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Dia Europeu da Cultura Judaica em Portugal

Castelo Branco foi palco, no passado domingo, dia 14, das comemorações do Dia Europeu da Cultura Judaica. Esta é a primeira vez que este dia é comemorado em Portugal.







Os judeus já estavam em Portugal antes da fundação da nossa nacionalidade. São parte integrante da nossa História e da nossa Cultura. Nós, portugueses, somos dos povos com mais ascendência judaica em todo o mundo. Temos Pereiras, Oliveiras, Silvas, Matos, Machados, Serras, e tantos outros apelidos que indiciam antigas conversões forçadas, em tempos em que convivência religiosa era atribulada (Apelidos Judaicos - Confira). Como os israelitas, somos um povo viajante, empreendedor, aventureiro, engenhoso, inventivo, com facilidade de adaptação. Só temos a ganhar em nos aproximarmos do Estado Judaico.



O senhor Oliveira da Figueira, uma das personagens mais divertidas de Hergé (série Tintin), é uma imagem tipo do português: afável, corre-mundos, excelente negociante, e... de evidente origem judaica, desde o nome ao aspecto judaico sefardita.

Mercado 'kosher' de Belmonte

O nosso amigo Sérgio fez-nos chegar esta excelente notícia:


Iniciativa 4ª edição do mercado 'kosher' de Belmonte com 40 expositores


Quarenta expositores portugueses e espanhóis vão participar na quarta edição do mercado "kosher" de Belmonte, que se realiza no domingo, disse hoje à agência Lusa o presidente do município, António Dias Rocha (PS).
"Já termos cerca de 40 expositores e produtores confirmados e consideramos que esta será mais uma iniciativa que vai contribuir fortemente para envolvermos e darmos um sinal de apreço à nossa comunidade judaica", referiu.  

O autarca explicou que a realização do mercado "kosher" também tem como objetivo "promover e dinamizar uma área empresarial que está em crescimento" e que pode revelar-se "uma boa aposta para os empresários da região".
"Temos aqui a matéria-prima e o apoio da comunidade judaica. Portanto, parece-me que esta aposta tem forte exponencial, até porque não se limitará ao panorama nacional", apontou, recordando a oportunidade de exportação para Israel ou para as comunidades judaicas dos Estados Unidos e do Brasil, entre outras espalhadas pelo mundo.
A iniciativa, que é organizada pela Câmara Municipal de Belmonte em parceria com a comunidade judaica de Belmonte, arranca às 10:00 de domingo, numa praça perto da Sinagoga de Belmonte, prolonga-se ao longo do dia e contará com animação musical, a cargo de um grupo de música sefardita. Entre os produtos presentes haverá licores, doces, queijo, azeite, vinho e uma variedade grande de produtos gastronómicos, confecionados de acordo com as regras judaicas. 

A comunidade judaica de Belmonte, constituída atualmente por cerca de 120 pessoas, é uma das mais antigas comunidades judaicas do mundo, que sobreviveu à inquisição. Além da Sinagoga e do cemitério judaico, Belmonte tem ainda o Museu Judaico, que atrai milhares de visitantes por ano, e aguarda a conclusão da construção de um hotel "kosher".

- NOTÍCIAS AO MINUTO 

- O negrito do último parágrafo é nosso. Publicámos noutro dia no nosso facebook as inscrições de "Heil Hitler" e "Morte aos Judeus" que alguns energúmenos fizeram em Belmonte. A perigosíssima "ameaça judaica" em Belmonte consiste em cerca de 120 pessoas, cujas actividades são as de qualquer outro português pacato: trabalhar, conviver, ver a bola, ir ao seu templo, viver a sua vida. Um amigo perguntou-me "porque é que fiquei indignado e incomodado com essas inscrições, visto que não sou judeu". Há hábitos e modos de (não) pensar, que, desgraçadamente, persistem. Mas falemos de coisas alegres:

- Para além de constituírem expressivas iniciativas culturais e de aproximação entre comunidades, estas são também oportunidades de negócio que Portugal (a braços com uma profunda crise) deve aproveitar. Lembramos, a propósito:

Uma Iniciativa de José Ribeiro e Castro

Odiadores de Israel - DO MAL O MENOS!



 Marisa Matias, deputada europeia pelo Bloco de Esquerda, anda numa roda viva a combater Israel e a apoiar os terroristas. O costume.

Enquanto o Estado Islâmico alastra pelo Médio Oriente, deixando um rasto de horror que suplanta o Nazismo e o Comunismo, os deputados da extrema-esquerda do Parlamento Europeu foram a Israel e à «Palestina», e andam numa correria a tentar convencer a União Europeia a boicotar Israel. O objectivo assumido é desarmar Israel. O que é o mesmo que dizer que o objectivo é facilitar o genocídio dos judeus.

Indiferentes ao genocídio que os muçulmanos promovem por todo o mundo, todos os dias. Indiferentes ao Holocausto dos cristãos no Médio Oriente. Indiferentes à barbárie islâmica, às tiranias comunistas, à invasão da Ucrânia pela Rússia. Mas de cabeça perdida porque o micro-Israel, mais uma vez, sobreviveu à ofensiva terrorista do Hamas.

A esquerda AMA o terrorismo. Romantiza-o. Pode não o aprovar publicamente, como faz o Bloco, ou o Boaventura Sousa Santos, mas delira com os feitos do "Che", acha a Coreia do Norte muito "arrumadinha", acha Cuba muito "democrática", e vem para a rua em apoio ao Hamas, ao Hezzbollah e aos terroristas da Al-Qaeda detidos em Guantánamo.

O embargo de armas para Israel, pretendido pelos terroristas do Bloco de Esquerda, é uma tentativa de concretizar a Solução Final. Armados, os judeus defendem-se e sobrevivem. Desarmados, são extintos.

1% do Médio-Oriente, e uma fracção da SUA Terra quadrimilenar, na óptica dos esquerdistas, dos nazis e dos muçulmanos, é demais para os judeus. O bom judeu, para essa gente, é o que marcha para as câmaras de gás, a cantar, como aconteceu na Segunda Grande Guerra.




"Para onde quer que olhemos, na Imprensa, só vemos ódio e propaganda contra Israel. Quando eles dizem "Israel", eles querem dizer "judeus".
NÃO FALAM POR EXEMPLO DO GENOCÍDIO NA SÍRIA, QUE JÁ CONTA COM MAIS DE 170.000 MORTOS, NEM CRITICAM O ISIS, QUE FAZ OUTRO TANTO E JÁ SE APOSSOU DE GRANDE PARTE DO MÉDIO ORIENTE.
Na realidade, esses activistas estão aborrecidos apenas porque Israel e os judeus já têm a capacidade de se defenderem.
É POR ISSO QUE ESPALHAM PROPAGANDA E DESINFORMAÇÃO. A SUA CAMPANHA DE ÓDIO, DIFAMAÇÃO, VULGARIDADE E MENTIRAS RASTEIRAS CONTRA O POVO JUDEU, DEVE-SE À SUA INVEJA, GANÂNCIA E FALTA DE CARÁCTER".

- É por isso que eu cá sempre digo: antes o Louçã e a malta , o Al-Público e os neo nazis, o Boaventura Sousa Santos e o xeque David Munir,  dizerem mal de Israel, do que chorarem as suas lágrimas de crocodilo pela extinção dos judeus. DO MAL O MENOS!

Relembramos:


terça-feira, 16 de setembro de 2014

Gaza - mais um "civil inocente" do dia



 Mais um "civil inocente", o terrorista Ahmed Mohammed al-Majadi

A Imprensa Mundial teve direito a um banquete de ódio a Israel e aos judeus durante a Operação Protecção Limite. Captou imagens que, bem trabalhadas, continuam a render ódio todos os dias, como podemos ver em diversas Televisões, que, a pretexto de anunciarem a estação, mostram  supostos "civis inocentes" atingidos durante a recente operação militar - a SICN tem-se esmerado. Leni Riefenstahl ficaria com inveja se visse alguns clipes que essa TV passa.

Os desavisados espectadores, ouvintes e leitores, foram (e são) brindados com as alegações falsas do costume, as encenações habituais de mortos e feridos, e, quando houve realmente mortos, foi omitido que se tratava de escudos humanos e de FALSOS CIVIS.

Haverá sempre palhaços!


A foto que ilustra esta entrada mostra o notório terrorista Ahmed Mohammed al-Majadi, que foi abatido em combate pelas Forças de Defesa de Israel (IDF), e apresentado como "um civil inocente" pela Imprensa Mundial. 

Relembramos que os terroristas do Hamas actuam à civil e se misturam entre a multidão, abrindo fogo de dentro de escolas, hospitais, igrejas, mesquitas, casas de habitação e ambulâncias. Os garotos que na foto prestam homenagem ao terrorista, são dos tais que o Hamas usa como escudos humanos ou como iscos para apanhar soldados israelitas (os meninos pedem socorro, os soldados acorrem e são abatidos). Quando estes garotos morrem, para o Hamas, tanto melhor! É mais propaganda anti-Israel:

Encontrado manual de combate do Hamas


A Imprensa (em Portugal com o tenebroso Al Público à cabeça), omitiu todos os ataques contra Israel, todos os civis barbaramente assassinados pelos islamistas, a chuva de mísseis que durante 15 dias obrigou Israel a responder. E relatou a resposta de Israel como uma iniciativa desgarrada, sem motivo, uma agressão gratuita.

Os jihadistas das Brigadas dos Mártires de Al Quds (que são iguais aos do ISIS, da Al-Qaeda ou quaisquer outros jihadistas), dedicaram hoje um  longo obituário a Ahmed Mohammed al-Majadi, citando os seus pais, que se orgulham do desejo que o filho sempre teve em morrer na jihad e ir para o paraíso das não sei quantas mil virgens, comer, beber e fazer tudo o que os muçulmanos não podem fazer nesta vida.
  
O irmão foi citado como tendo afirmado que o maior orgulho do Ahmed era "combater contra os inimigos de Alá e da Humanidade, os judeus, esses assassinos de profetas e de crianças, de velhinhos e de mulheres" - meditem bem os nossos leitores no grau de demência dos terroristas, que acusam as suas vítimas do que eles mesmos fazem!

O terrorista Ahmed morreu a 30 de Julho, e a Jihad Islâmica assumiu que se tratava de um combatente nesse mesmo dia. A Imprensa Ocidental e as Relações Públicas do Hamas, com o despudor habitual, relataram tratar-se de um civil.

Ponham-se os nossos leitores no lugar das Forças Armadas de Israel, a operar num território totalmente hostil, em que 98% das pessoas farão de TUDO para os matarem, em que só se vê civis, e o inimigo está à civil, misturado na multidão, a abrir fogo, a montar armadilhas, escondido, camuflado. É miraculoso como o IDF consegue, nestas condições, causar o mínimo de vítimas civis, neutralizar terroristas, e ser o Exército mais moral da História.

Mais impressionante é a hostilidade do Mundo, que exige que os israelitas se deixem massacrar pelo Hamas, mas que já respira de alívio porque o Califado vai ser combatido.

O blog Elder of Zyon continua a compilar a longa lista dos "civis inocentes" - AQUI.

Gaza ataca Israel

Veremos quando é que os jornais portugueses noticiarão este facto: morteiro disparado de Gaza no dia 16 de Setembro de 2014. Estimo que nada será referido até que, e se, Israel retaliar em auto-defesa. Aí sim, haverá choro e ranger de dentes contra Israel e em defesa dos energumenos terroristas de Gaza. Sim, esses energumenos que disseram que nunca aceitarão a desmilitarização de Gaza.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Netanyahu e a Árvore Venenosa



Netanyahu - "Todo o terrorismo está enraizado na mesma árvore venenosa, incluindo o Irão"

O Primeiro-Ministro Netanyahu, discutindo recentes desenvolvimentos regionais, continuou a enfatizar a identidade entre todos os grupos terroristas, enquanto advertia sobre a ameaça nuclear iraniana.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu repetiu domingo o que se tornou oseu axioma em relação ao terrorismo internacional: "O ISIS, o Hamas, a al-Qaeda, a Al-Nusra, o Boko Haram e o Hezbollah (apoiado pelo Irão) - todos eles são ramos da mesma árvore venenosa. É a mesma ideologia com pequenas menores".

"Qual é a diferença entre o grande ISIS (o Estado Islâmico) e o Hamas? A grande diferença, supostamente, entre o ISIS e o Hamas, é que o ISIS corta cabeças e o Hamas dá tiros nas cabeças".

ISIS é Hamas   Hamas é ISIS - IMAGENS CHOCANTES:

Nós, que não estamos presos a imposições diplomáticas, somos mais claros: a diferença entre o ISIS e o Hamas, é que o ISIS mata infiéis em geral - e o Mundo horroriza-se. Ao passo que o Hamas mata judeus (preferência por crianças e mulheres) - e o Mundo boceja. A diferença é que o Mundo se une para atacar o ISIS e se indigna quando Israel se defende do Hamas. Para certa parte do Mundo, o único tipo de judeu admissível é o judeu MORTO.

Falando na 14 ª Conferência Internacional de Combate ao Terrorismo, em Herzliyah, na quinta-feira, Netanyahu reiterou a sua equação de que todos os grupos terroristas, independentemente de quem aterrorizam, "representam uma ameaça clara e presente para a paz e a segurança do mundo e da nossa civilização comum".

"Eu acredito que a batalha contra esses grupos é indivisível, e é importante não permitir que qualquer desses grupos, em qualquer lugar, ganhe terreno, porque se ganharem terreno em algum lugar, eles ganham terreno em todos os lugares", disse Netanyahu.



Objectivo do Islão radical: Regresso ao medievalismo
Netanyahu alertou para o objectivo final dos terroristas: "Se forem bem sucedidos, eles conduzirão a Humanidade aos primórdios do medievalismo. As mulheres serão tratadas como gado, como propriedade, os gays serão lapidados e as minorias serão perseguidas e dificilmente sobreviverão".
Netanyahu apoia a tentativa dos EUA de formar uma ampla coligação contra o terrorismo internacional. "Esses grupos devem ser combatidos, devem ser contidos. E, em última análise, devem ser derrotados. É por isso que Israel apoia plenamente o apelo do Presidente Obama para uma acção unida contra o ISIS. Todos os países civilizados devem estar juntos na luta contra o terrorismo radical que varre todo o Médio Oriente, e varre o mundo. Nós estamos a fazer a nossa parte neste esforço contínuo. Algumas das coisas que fazemos, são conhecidas; outras são menos conhecidas. A nossa luta é para o nosso futuro comum".

Aconselhamos prudência na visualização destas imagens. Ilustram a violência extrema dos islamistas. É duro, mas é a VERDADE. E amanhã, pode ser aqui:

 
Por muito estranho que possa parecer às pessoas normais, este regime de horror apocalíptico atrai muitos ocidentais, cujo ódio ao Ocidente, aos Estados Unidos e a Israel, domina por completo os seus acanhados (e Marxizados) cérebros.

O P.M. acredita que esta nova coligação pode trazer uma mudança de atitude do mundo árabe em relação a Israel: "A luta contra o terrorismo islâmico criou novas alianças no Médio Oriente... como resultado disso, eles reavaliarão a sua relação com Israel e entenderão que Israel não é seu inimigo, mas seu aliado na luta contra o inimigo comum. Acredito que esta será uma oportunidade de cooperação. Talvez de Paz".

Estado Islâmico e Irão: "Duas faces da mesma moeda"

Netanyahu expressou o receio de Israel de que a luta contra a corrida nuclear do Irão seja ofuscada: "Eu acho fundamental que a luta contra o extremismo sunita não nos faça esquecer a ameaça do extremismo xiita. São duas faces da mesma moeda. Não devemos fortalecer um para enfraquecer o outro. A minha política é: Enfraquecer ambos. E, o mais importante, não permitir que qualquer um deles obtenha armas de destruição em massa ... O que acontecerá se o regime terrorista do Irão obtiver armas de destruição em massa, armas nucleares? Eles têm ambições enormes. E essas ambições serão desencadeadas assim que obtiverem armas nucleares. Eles não devem tê-las".


Na recente manifestação de apoio ao bando terrorista Hamas, em Lisboa, esteve o Chico Louçã, alguns homossexuais (que em Gaza seriam imediatamente executados), e mais uns quantos lunáticos comunistas, islamistas e pró terroristas. Ainda não vimos estes pró-terroristas a protestar contra as vítimas curdas, yazidis e cristãs (por se defenderem) e a apoiarem o ISIS nas ruas. Se calhar têm vergonha, sabe-se lá...

Lição histórica final: Autodefesa

Netanyahu declarou o seu apoio à aliança internacional, com a lição histórica final: "Temos que ser capazes de nos protegermos a nós mesmos. Se há uma mudança na História do povo judeu, desde o restabelecimento do Estado judeu, é a nossa capacidade de nos defendermos, sozinhos, contra qualquer inimigo. Essa foi e continua a ser a base da nossa política".

Aryeh Savir

domingo, 14 de setembro de 2014

Gaza - o "civil inocente" do dia

A 24 de Julho, o "Centro Palestino para os Direitos Humanos", disse que o IDF/Forças de Defesa de Israel, mataram Mohammed Barham Abu Draz, a quem chamaram um "civil".
O "civil" Draz era membro das Brigadas Al Qassam, uma das ramificações do bando terrorista Hamas, O terrorista Draz já tem uma página de facebook em sua homenagem.
 (A tecnologia infiel, e esta rede social, inventada por um judeu e Sionista convicto, são bastante apreciados pelos puros islamistas, que odeiam tudo no nosso modo de vida e preferem o século VII muçulmano...).
Este foi um dos terroristas abatidos pelo Exército de Israel na Operação Protecção Limite, que decorreu em Julho e Agosto, na sequência de milhares de mísseis disparados desde Gaza sobre áreas civis israelitas, e de diversos assassinatos de crianças, mulheres e homens, civis e militares.
Aqui temos o terrorista Draz, a debitar a sua profissão de fé no ódio aos judeus e a Israel, o amor à morte, a esperança no paraíso, o desejo de massacrar tantos judeus quanto possível, a cantilena que já conhecemos de gingeira:

 

E aqui, temos o terrorista Draz com o líder dos terroristas do Hamas, o corruptilionário Ismail Haniyeh, e outros assassinos, que vivem refastelados nos seus jactos particulares, nas suas mansões e nas suas fortunas (que os ocidentais alimentam), enquanto mandam os conterrâneos morrer e matar judeus:


No dia a dia envergam o uniforme. Mas durante os confrontos como a operação recente de Israel, andam à civil e misturam-se com a população. Conseguem assim:

a) Passar por civis, enquanto combatem, dificultando extraordinariamente a tarefa do IDF.

b) Contar como vítimas "civis", aos olhos da Imprensa internacional (aliás sempre pronta a alinhar no jogo).

Quem vê nos noticiários estes "civis" mortos, ou as crianças que eles usam como escudos humanos, quem desconhece a realidade e toma como bom tudo o que a TV diz, revolta-se contra Israel. É isso que os terroristas e os media pretendem.

Se é novo aqui, veja ou reveja este post, sff:

Porque morrem os 'palestinos'


No dia em que os media deixem de dar cobertura a esta FARSA, será meio caminho andado para a resolução deste conflito. Os actos terroristas do Hamas e quejandos, destinam-se primeiramente a satisfazer a sede de sangue infiel, e logo a seguir a publicitar a causa da extinção de Israel perante o Ocidente ingénuo.

Este post foi retirado do incansável Elder of Zyon.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

O 9/11 e o Chapéu de Alumínio Colectivo



Um documentário sobre a reacção árabe e iraniana ao 9/11 Incorpora filmagens de várias estações de TV e satélite no Médio Oriente . É  narrado pelo aclamado actor Ron Silver. Este é um excerto.

"Quando as torres gémeas desabaram... os meus pulmões encheram-se de ar e eu respirei de alívio, como nunca tinha respirado nunca antes."
     Ali 'Uqleh 'Ursan,
     Presidente da Associação de Escritores Sírios Árabes.
     Al-USBU 'Al-Adabi (Damasco)
     15 de Setembro de 2001

Desde os ataques de 11 de Setembro de 2001, o Instituto de Pesquisa dos Media do Médio Oriente tem acompanhado, traduzido, e divulgado tudo o que foi dito e escrito na Imprensa árabe e iraniana sobre esse dia. Proeminentes jornalistas, membros da academia, figuras religiosas e até mesmo líderes do governo e funcionários, têm alimentado as teorias da conspiração sobre o que "realmente" aconteceu.A colecção já está disponível em formato PDF e inclui uma compilação de artigos e editoriais da imprensa árabe e persa mainstream, assim como transcrições de programas de televisão.

 - O documentário e os artigos podem ser visualizados e descarregados AQUI.


As teorias da conspiração islâmicas encontram eco na esquerda ocidental, e  entre os antissemitas em geral, que culpam os judeus literalmente por TUDO de mal que acontece no Mundo. Ainda que as filmagens tenham sido divulgadas, que centenas de milhar de pessoas tenham testemunhado o embate dos aviões, que as investigações sejam públicas e conclusivas, e que os próprios terroristas tenham assumido a autoria, há fanáticos e desequilibrados que continuam a negar os atentados de 11 de Setembro.

Osama bin Laden, o cérebro assumido do atentado e líder da Al-Qaeda, é visto por essa gente como uma vítima inocente e um herói.



Este jornalista saudita explica as evidências mais básicas de que Israel não esteve "por detrás" dos atentados. A começar pela reivindicação dos mesmos pela Al-Qaeda. Mas muitos ocidentais sem instrução, hippies esquerdistas new-age e adeptos do chapéu de alumínio anti extra-terrestres, ainda acreditam nessas teorias idiotas, que são um insulto à inteligência humana.

E depois, há aquela sensação voluptuosa de se "saber" o que os outros não sabem. "Toda a gente pensa que a Al-Qaeda fez o atentado, mas eu cá é que 'sei' que não foi". Enfim, quando o doente não colabora, a psiquiatria pouco pode fazer...

Muçulmanos nos Estados Unidos festejam o massacre de 11 de Setembro, apelam à destruição dos Estados Unidos e de Israel. Louvam Osama bin Laden como um herói, que "não fez nada de contrário ao Corão", gritam pela morte à democracia e aos "infiéis", e.. afirmam que "o Islão é a Religião da Paz"!

Uma nota curiosa, e triste, é a limpeza de todos os comentários que condenem o 11 de Setembro, em jornais tão insuspeitos como o CORREIO DA MANHÃ. As pessoas podem dizer onde estavam no 11 de Setembro, mas se se referem aos autores, ou descrevem os festejos (os que estavam em países islâmicos), os comentários "evaporam-se". Ainda há pouco, no artigo hiperligado, um leitor contava os festejos histéricos que presenciou na Turquia. O comentário foi imediatamente retirado.

Em compensação, passam destes comentários:

Esta implosão feita pela a Mossada e da CIA no dia do Yom kupper dia Nacional de israel,para justificar a invasão do Iraque...é a enorme mentira do seculo 21 sobre quem realmente fez o atentado


'abme' sabe TUDO! E o CORREIO DA MANHÃ já se borra todo ao ouvir a voz do dono.


Portanto: Foi uma "implosão", não houve aviões, não houve ataque terrorista, não houve reivindicação dos ataques pelo bin Laden e pela Al-Qaeda, não houve imagens dos terroristas a embarcarem, não houve nada do que o Mundo viu e do que se provou. É tudo uma conspiração "feita pela a Mossada e da Cia do Yom kupper dia Nacional de israel".

Quando os vídeos da Internet sobre os lagartos espaciais judeus substituem a informação, quando não há educação, e quando o cérebro é fraco, o resultado é este.

Hão-de estar a ser decapitados, como o islamista Foley, e a culpar Israel, os judeus, os Estados Unidos, a CIA e a "Mossada".