terça-feira, 21 de outubro de 2014

"Judeus Ilustres de Portugal"

 
"Amanhã, em Ponta Delgada, não perca o lançamento do livro "Judeus Ilustres de Portugal: 14 homens e mulheres que marcaram a história do nosso país", da escritora Miriam Assor, a ter lugar na Biblioteca Municipal Ernesto do Canto, pelas 18h30, e que irá contar com a presença da autora."
Fonte: AMIZADE LUSO-ISRAELITA

Parabéns, Benjamin Netanyahu!

Faz hoje anos o Primeiro-Ministro de Israel. Algumas fotos de Benjamin e da Esposa Sara. Que Deus lhe dê muita saúde para desempenhar o espinhoso cargo que ocupa.

Mazel Tov!






Rindo da Jihad Sexual na Europa - 2

Conclusão de
 


Em grande parte de África persiste a superstição de que estuprando uma criança se cura o S.I.D.A.. A imigração africana na Europa está a vitimar agora as nossas crianças. O politicamente correcto manda ignorar esta REALIDADE. As vítimas, como sempre, podem esperar...


  Continuação da tradução do artigo de The Muslim Issue:

As estatísticas de estupro da Suécia tornaram-se incontroláveis na sequência da persistente importação de muçulmanos por parte do Governo. O nosso relatório de Outubro 2013 revelou que os muçulmanos tinham violentamente estuprado 300 crianças suecas e 700 mulheres suecas, num curto espaço de sete meses, em 2013 O governo não fez nada para resolver o problema. Em resposta à esquerda fascista extrema-socialista exigiu a importação de ainda mais muçulmanos!

A Suécia agora tem o segundo maior número de estupros no Mundo, depois da África do Sul, (...). As estatísticas sugerem agora que 1 em cada 4 mulheres suecas será violada. Este problema nunca teria esta gravidade se o governo sueco não estivesse a importar centenas de milhar de terroristas, espancadores de mulheres, estupradores de crianças e muçulmanos que odeiam mulheres.

Se você já se perguntou como é que um país supostamente educado se pode afundar assim, este é o fruto da mentalidade socialista induzida na psique sueca.


Um leitor sueco enviou-nos este link.




Ouça a ex-comissária da União Europeia, Margot Wallström, rir das mulheres e das crianças suecas que estão a ser brutalmente estupradas por criminosos imigrantes muçulmanos. 
Estes são criminosos que os inúteis burocratas de Bruxelas  importam para a UE e para o país. Nesta entrevista de rádio realizada em 23 de Março de 2014, você pode ouvir Wallström banalizar o estupro do seu povo, ao minuto 10:13  da transmissão. Este é o tipo de pessoas que determinam o cenário político de hoje. Infelizmente não temos uma transcrição da entrevista na íntegra.

"- Ahhh bem, isso é um bocado ... isso parece-me uma loucura completa. Não me parece possível... [risos]. Bem, eu não sei de onde é que esses números [de estupro] vêm ".
É desta forma vergonhosa que Margot Wallström, representante da Suécia na União Europeia e na ONU, reage às estatísticas de estupro muçulmano do Conselho de Prevenção da Criminalidade Nacional da Suécia.


 Margot Wallström acha a onda de estupro islâmico divertida
 
Os dados são do Conselho Nacional de Prevenção da Criminalidade (BRA), relatório de 1996: página 2 de 107. dados mais actuais que são muito mais chocantes,. O que dirá Wallström sobre eles, se ela nem sequer se preocupou em ler as estatísticas de 1996?

Mas, quando se fala de estupro em outros países, Wallström não tem nenhum problema em associar as ondas de estupro muçulmanas na Síria e a Primavera Árabe, como "uma ferramenta para busca de poder e domínio através da difusão do medo". Como é que ela é incapaz de conectar os pontos no seu próprio país, especialmente quando os autores têm o mesmo fundo e usam as mesmas ferramentas sobre o seu próprio povo?



Quando os muçulmanos estupram mulheres e crianças na Suécia, a extrema esquerda culpa os factores sociais e pinta os criminosos brutais como vítimas, às vezes até culpa as vítimas, mesmo que os muçulmanos não sejam mais pobres do que os suecos na mesma classe social, os quais nem por isso passam o seu tempo a estuprar pessoas.
Quão doentes são estes socialistas esquerdistas radicais fascistas ???!


Um cartaz que, em muitos meios, é considerado «racista»: "EU RECUSO-ME A SER ESTUPRADA E MORTA PELOS MUÇULMANOS, SÓ PARA PROVAR O QUÃO TOLERANTE SOU".

- Na opinião da nossa esquerda mais lunática, as nossas crianças e as nossas mulheres devem estar à disposição dos muçulmanos para esses e outros fins. Para o que eles entendam. A lavagem ao cérebro no Marxismo cultural, dita que «nós» somos culpados pelos males todos do mundo, que «nós» somos os únicos que não temos uma «cultura», e que as «culturas» propriamente ditas têm o pleno direito de fazer de nós o que bem lhes apeteça.

Confusas noções históricas sobre colonialismo e etnocentrismo acotovelam-se na acanhada mente esquerdopata, e o resultado é este. TRÁGICO! Pode bem ser o fim da nossa Civilização e dos nossos povos.

Associação de Amizade Portugal-Israel




A AAPI é uma Associação de pessoas livres e independentes sem fins lucrativos e visa o aprofundamento das relações entre Portugal e Israel.
Site:  http://aapi.org.pt/
Facebook: https://www.facebook.com/aaportugalisrael

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Rindo da Jihad Sexual na Europa - 1


O cartaz (comum no Senegal muçulmano) mostra um grupo de muçulmanos a violarem uma rapariga europeia, e a legenda é "ESTUPRO ESTUPRO ESTUPRO; PODES FAZER ISTO NA FINLÂNDIA! OS REFUGIADOS, LÁ, PODEM FAZER TUDO! NÃO SERÁS PUNIDO! CONTACTA A EMBAIXADA DA FINLÂNDIA!"


Lembramos que oportunamente este blog já deu uma pincelada do horror da jihad sexual na Suécia. E na Europa em geral. Cecilia Malmström, deputada sueca de extrema-esquerda e Comissária Europeia, não se preocupa com os números astronómicos dos crimes de estupro muçulmanos na Suécia - contra as crianças e as mulheres do seu próprio país.

Ver, por exemplo:

Recordistas Mundiais de Estupro!

Jihad Sexual - Lá e Cá

'Ela estava a pedi-las'

A Taqiyya e a Jihad Sexual

Aquele Cujo Nome Não Deve Ser Pronunciado

 

Na etiqueta MULHERES, temos abundantes relatos da ideologia (e da prática) islâmica da compra e venda de escravas infiéis, do estupro das mesmas, e de outras maravilhas das 1001 noites, de que a esquerda lunática tanto gosta.

Nas ruas da Suécia, como nas de muitas outras grandes cidades europeias, os muçulmanos têm luz verde para aterrorizar, estuprar, assaltar ou espancar os nativos. Na mentalidade de quem ocupa o Poder, o muçulmano é intrinsecamente bom, e inocente. É o semi-deus da nova religião do Politicamente Correcto. Não pode ser questionado. Em caso de agressão contra os nativos europeus, quem é detido, sob acusação de «racismo» são as vítimas.

No caso dos judeus europeus, o poder tem deixado campo aberto à perseguição antissemita por parte dos muçulmanos - quando não a apoia abertamente. O êxodo de judeus da Europa para Israel já faz lembrar o que antecedeu o Holocausto. Ao mesmo tempo, os mesmos políticos exigem que os judeus ofereçam Israel aos invasores e terroristas árabes.




  

Aqui vai a tradução do artigo de The Muslim Issue:


Ouça Margot Wallström, representante da União Europeia e da ONU, rir-se das suecas vítimas do estupro muçulmano
Os imigrantes muçulmanos africanos na Noruega não vêem nada de errado no estupro. Representantes da UE, como Margot Wallström, negam que o problema exista na Europa, ou até mesmo no seu próprio país, a Suécia, onde o índice de estupro islâmico é o segundo a nível mundial só atrás da Nigéria, devido às políticas de imigração que ela e outros como ela criaram.

Imigrante muçulmano africano:
... porque nós, africanos, não gostamos de falar com os rapazes noruegueses, mas nós gostamos de mulheres norueguesas. Como viemos do Senegal, gostamos das mulheres norueguesas, porque na cultura Africana nós respeitamos as mulheres, mas não os homens.

Jornalista norueguês:
Vocês respeitam as mulheres? Mas alguns noruegueses dizem que os africanos [muçulmanos] atacam [estupram] as mulheres norueguesas!

Africano muçulmano: Ahh ... sim, às vezes isso acontece. Nós atacamos [estupramos] quando bebemos muito. Então nós temos que atacar [estuprar], mas se não bebermos não as atacamos [estupramos]. Nós respeitamos.

Jornalista norueguês: Ok ... mas quando [vocês] as apalpam contra a vontade delas?

Muçulmano africano: Eu sinto-me bem, eu sinto-me bem,
eu sinto-me bem, eu sinto-me bem! (rindo e amigos rindo ao fundo).

- Imigrante muçulmano Africano do Senegal sendo entrevistado por jornalista norueguês.
Ouvir a conversa em Inglês, dos 13: 48 aos 14,32 minutos:

.
Se eles não merecem ser enviados de volta para o Senegal ou ser executados, não sabemos o que é que estes porcos feios merecem (sic). Mais habitação social, talvez? Mais benefícios da previdência social?

- Para quem não sabe o significado da abreviatura "sic", esclarecemos que estamos a CITAR. Este é um artigo do site THE MUSLIM ISSUE que estamos a traduzir. Não nos parece que seja errado chamar «porcos feios» a violadores. Somos, contudo, avessos a insultos, e, sobretudo, não defendemos a pena de morte. Lembramos, ainda assim, que o que aqui mais importa é a sorte dos milhares de crianças e mulheres que pela Europa e pelo mundo são vítimas dos gangues de estupro islâmicos. Ver, por exemplo (um dentre milhares):


A extrema-esquerda profundamente fascista é horrível na Suécia socialista. Se Hitler estivesse vivo correriam a votar nele. Os media e os políticos são partidários profundos da violações dos direitos humanos Não existe nenhum sistema de apoio à vítima para além de uma expressão idiota de que nada têm a ver com o sucedido, e, possivelmente, uma mudança de apartamento de um andar para outro, sem realmente lidarem com o agressor, que é o verdadeiro problema.


Na verdade, o governo sueco vai rapidamente começar a atirar subvenções e verificações de bem-estar para premiar os muçulmanos criminosos brutais e ajudá-los a construir mais mesquitas, para a doutrinação no ódio se expandir ainda mais no país. 
Os políticos europeus defendem enfaticamente os assassinatos de honra muçulmanos, o incesto, os crimes de drogas, o estupro, as burkas, os assassinatos, a tortura de animais, as decapitações - qualquer barbárie é aceitável, desde que venha da "cultura" islâmica. Os muçulmanos que aparecem nos meios de comunicação em casos de crime, diariamente, são rapidamente pixelizados, enquanto o nativo ocasional é imediatamente exposto.  
Os jornalistas suecos fazem tudo ao seu alcance para distorcer os factos perante os seus leitores. Por exemplo, quando um jornalista do segundo maior jornal do país, o Aftonbladet (profundamente socialista de esquerda fascista), foi confrontado com as estatísticas da polícia da Noruega que demonstram que 100 por cento dos estupros e agressões brutais cometidos em Oslo o foram por "imigrantes" (muçulmanos ), o jornalista Martin Aagard chamou aos dados "mentira de extrema-direita", baseada em "números fraudulentos". 
Isto apesar do facto de que as estatísticas vêm directamente da polícia norueguesa.

Cartaz  comum em países africanos com comunidade muçulmana: "ESTÁ A PENSAR EM VIOLAR UMA CRIANÇA HOJE? PENSE NAS CONSEQUÊNCIAS"

Apesar do facto de os imigrantes provirem de sociedades em que o estupro e o assassinato são habituais, a UE, incluindo o próprio governo sueco de Margot Wallström, encorajam a importação de mais e mais pessoas desses países.


(CONTINUA) 

POST-SCRIPTUM: Mas o que é verdadeiramente "engraçado", é que quem denuncia estas realidades, quem traduz e comenta um artigo desta importância, é apelidado de "incitador do ódio". Os violadores, esses, são apenas "pobres vítimas do colonialismo europeu, que expressam assim a sua cultura".

Vamos falar de Islão


De que religião serão estas senhoras?


E de que religião serão estas?


E contra que religião protestam estas (assumidíssimas!) vadias de esquerda ?



VAMOS FALAR DE ISLÃO

Antes de mais, e por estranho que pareça, temos que fazer a seguinte pergunta:

- Existe algum problema com o Islão?

Se nos fiarmos nos meios de comunicação de massas, não existe. Mas, diariamente, e apesar da barreira de desinformação e branqueamento montada pela Rádio, TV e jornais; apesar da barreira montada pelos políticos alinhados com o Islão; apesar da barreira montada pelos islamistas; é já impossível esconder a realidade horrenda do Islão.

Por um lado temos os costumes - submissão das mulheres, mutilação genital feminina, abuso sexual de menores, opressão dos não muçulmanos, ausência total e absoluta de Direitos Humanos nos regimes e sociedades governadas pelo Islão, conversões forçadas, decapitação dos que deixam o Islão, condicionamento da Imprensa e negação de todas as liberdades, antagonismo total em relação à democracia, prevalência das leis religiosas medievais, etc., etc., etc..

Por outro lado temos a jihad, a «guerra santa» que é um dos pilares da doutrina islâmica, e que consiste na perseguição, submissão, exploração, estupro, esclavagismo e extermínio de todos os não muçulmanos. É esse o programa do Islão desde as suas origens, e jamais deixou de o ser.

As vozes discordantes dentro do Islão são muito poucas, e a alegação de que «apenas uma minoria de muçulmanos» é violenta e totalitária não passa de uma farsa. Tudo isto é demonstrado pelo quotidiano de terrorismo em nome da "Religião da Paz". Tudo isto pode ser confirmado pelo estudo efectivo da História - e não da propaganda. 

O que temos aqui mostrado ao longo de quase dois anos de blog; o que mostram diariamente sites especializados em relatar a barbárie muçulmana, são apenas gotas de água no oceano. São os apontamentos breves e possíveis sobre um jugo que pesa sobre 1 bilião e 600 milhões de seres humanos no mundo muçulmano, e cada vez mais sobre o resto do planeta, sujeito ao terrorismo e criminalidade diária cometidos em nome do Islão.

Por estranho que pareça, uma parte considerável das sociedades ocidentais, que goza de todas as liberdades e mais algumas, alinha com o Islão, apoia-o em manifestações de rua, como temos visto em manifestações, por todo o mundo, em apoio dos grupos islamistas ISIS ou do Hamas. Uma doença que não tem cura, a da esquerdopatia infantilóide, que leva seres humanos aparentemente normais a idolatrarem ideologias de terror e opressão.

Sobre essa misteriosa doença, mais difícil de erradicar que o próprio Ébola, continuaremos a falar noutra ocasião. 

ALGUMAS PERGUNTAS, NÚMEROS E FACTOS
 

- Quantos atentados terroristas islâmicos estão contabilizados desde os atentados de 11 de Setembro de 2001?

- Até à hora em que vos escrevemos, exactamente 24141 (ver contador na coluna da direita).

- E quantos foram cometidos em nome de qualquer outra religião?

- Não temos conhecimento de nenhum. 

- Quantos atentados terroristas islâmicos se registaram no passado mês de Setembro?

Vamos ao relatório do site The Religion of Peace (A Religião da Paz):
 
September, 2014
 Jihad Attacks:
234
 Countries:
27
 Allah Akbars:
21
 Dead Bodies:
2931
 Critically Injured:
4539

Portanto, temos, em Setembro: 234 ataques terroristas islâmicos, que atingiram 27 países, 21 dos ataques foram de bombistas suicidas, registaram-se 2931 mortos e 4539 feridos.

 - E quantos foram cometidos em nome de qualquer outra religião?

- Não temos conhecimento de nenhum.

- Quantos atentados terroristas islâmicos estão contabilizados na semana de 10 a 17 do corrente?

 Vamos ao relatório do site The Religion of Peace (A Religião da Paz):

 Weekly Jihad Report
Oct 11 - Oct 17
 Jihad Attacks:
78
 Allah Akbars*:
15
 Dead Bodies:
630
 Critically Injured:
828
 *Suicide Attacks

Temos, portanto, na semana passada:78 ataques terroristas islâmicos, 15 destes por bombistas suicidas, 630 mortos e 828 feridos.

 - E quantos foram cometidos em nome de qualquer outra religião?

- Não temos conhecimento de nenhum.

NÃO HAVERÁ ENTÃO NENHUM PROBLEMA COM O ISLÃO?

Este tema continuará.

domingo, 19 de outubro de 2014

Entenda o terrorismo islâmico (legendado)

Abençoado seja quem traduziu e legendou.


Com este post inauguramos uma série em que vamos dissecar, ponto por ponto, o Islão, no que ao Mundo Livre interessa, e que é, obviamente, o terrorismo e o supremacismo.

sábado, 18 de outubro de 2014

Fascismo de Esquerda

Hilariante, alarmante e ilustrativo do que é a generalidade da esquerda. É esta a esquerda que substituiu o cérebro por slogans. É esta esquerda que apoia os regimes comunistas e islamistas, que apoia a islamização global, que é apaixonada por bandos terroristas como o Hamas, a ETA, as FP-25, o ISIS, a Al-Qaeda, o Hezzbollah, o Boko-Haram, o Sendero Luminoso, a Al-Nushra, a Fatah, as Brigatte Rosse, o Bader-Meinhoff, tudo quanto seja terrorismo comunista ou islamista.

Em Portugal, em 1974-75, tivemos muito disto. Com atentados terroristas, inclusivamente. Esperemos que o nosso país-irmão reaja e não desça a tal ponto!

Na ausência de argumentos ou capacidade de debater e PENSAR, esta gente reage à VERDADE desta forma:


Ver também, por exemplo:

"Ô téu pai dévé xér térrórista! Éxé cá umá bombá!" 

ou 

Os que actualmente ocupam o Poder no Mundo Livre, pouco diferem desta gente, que é a sua base de apoio (vide Brasil e Estados Unidos, por exemplo).

Dilma e os Terroristas

A Ex-terrorista Dilma Roussef (uma espécie de Isabel do Carmo brasileira) tem simpatia pelos terroristas do ISIS. Os nossos irmãos brasileiros, que ainda têm uma qualidade que cá pela Europa já escasseia - DIGNIDADE! - sentiram-se incomodados com a triste figura da sua presidenta. Pobres brasileiros, que ainda conservam a noção de vergonha, que cá pela Europa já se perdeu...

 


A base eleitoral de Dilma e do PT, ou a proverbial intolerância da extrema-esquerda (neste caso potenciada pela religião da senhora em questão):

Islão - Franceses sob ataque




Já há quase 2 anos que o vimos afirmando neste blogue. Mas só agora, com a ascensão militar e mediática do ISIS, começou a ser menos politicamente incorrecto mostrar a realidade europeia sob a invasão muçulmana.

Com mais de 52 milhões de muçulmanos, a Europa está a perder a guerra demográfica que eles lhe declararam, e os europeus estão sob ataque. Por muito que façam para lhes agradar.  

Os europeus ainda não compreenderam que, na cultura islâmica, as tentativas de «apaziguamento» são SEMPRE lidas como SUBMISSÃO. 

Este é um dentre muitos documentários sobre a islamização da Europa. Neste caso de França. A Esquerda que pensa por meio de slogans, ao ver esta realidade, limita-se a ir buscar ao seu reduzido arsenal de chavões o que lhe parece aplicar-se aqui - «XENOFOBIA», por exemplo. É precisamente por causa dessa Esquerda que estamos nesta situação. E cá vamos, cantando e rindo, rumo a uma guerra civil generalizada. 

Mais uma vez sublinhamos que a Segurança cabe às respectivas forças especializadas e autorizadas legalmente a exercê-la. Ao demitirem-se de proteger os cidadãos dos ataques islâmicos, os políticos estão a abrir caminho a algo que há muito prevemos e não desejamos: a legítima defesa, as milícias populares.   

Acordemos, antes que seja tarde. A Frente Nacional, em França, não ganha eleições pelos seus lindos olhos, mas porque é a ÚNICA força que se opõe à islamização.


«O "politicamente correto" e o "multiculturalismo" estão a varrer a Europa e a causar transtornos com as suas políticas de imigração, na maioria das vezes influenciada pela Esquerda nos Governos.
O multiculturalismo e o "politicamente correto" são ideologias de ESQUERDA, que prega que todas as culturas devem ser igualmente valorizadas, promovidas e protegidas PELO ESTADO. Assim, em vez de o imigrante se adaptar à cultura do país que o acolhe, o Estado e os nativos desse país é que devem se desdobrar para assimilar a cultura do imigrante.

Cidadãos nativos franceses estão a sofrer violência por serem BRANCOS e por entrarem em zonas da França controladas  por imigrantes muçulmanos. O antissemitismo também ocorre e vem aumentando, causando um êxodo de judeus a Israel.
A menos que algo seja feito, com uma Política SÉRIA de imigração e controle dos seus territórios, a França corre o risco de ser TOMADA e DOMINADA por povos que NÃO ACEITAM O MODO DE VIDA E ESTILO OCIDENTAL. »