segunda-feira, 30 de maio de 2016

Hoje - Super 'Lua de Sangue' sobre Israel


A Lua desempenha um papel muito especial no Judaísmo. O calendário judaico é baseado no ano lunar, e o povo judeu foi comparado com a Lua, que está constantemente em renovação, a cada mês ... 

Combine-se esta ideia com este belo e raro eclipse da Lua. A "super 'lua de sangue'" ocorre quando a Lua está cheia e no seu ponto mais próximo da Terra. Se o Sol, a Terra e a Lua estão completamente alinhados, a Lua vai aparecer cerca de 13% maior do que o habitual e num um tom de encarnado, daí o nome "lua de sangue". 

A Lua, que parece mudar constantemente a sua forma durante todo o mês, tem agora, para os olhos humanos, a sua cor também modificada. 

Hoje, compreendemos melhor a mecânica celeste que causa esta mudança de cor. No entanto, o fenómeno não é menos fascinante.  

O que nos parece uma realidade, é em essência uma máscara, uma ilusão, e não é realmente o que está lá. O povo judeu tem sofrido muitas mudanças aparentes ao longo dos milhares de anos da sua existência, mas a essência, a luz e forma permaneceram as mesmas. Às vezes, quando as coisas estão mascaradas e obscurecidas, é bom lembrar que a substância e a estrutura da nação de Israel continuam firmes e imutáveis, esperando o dia em que a sua luz vai brilhar sobre o mundo inteiro.

Via ISRAEL VIDEO NETWORK.

Ver também Ha'aretz

Ver também posts anteriores:

"Lua de Sangue" é amanhã

4 Luas de Sangue

Lua de Sangue sobre Israel



Morreu um HERÓI português na Síria

 
O jovem Mário Nunes, um dos poucos portugueses em cujas veias ainda corre sangue de D. Afonso Henriques, recusou-se a ficar encolhido enquanto os diabólicos terroristas islâmicos chacinam inocentes. Juntou-se às Forças curdas para combater o Estado Islâmico, e pagou com a vida o seu heroísmo, soube-se hoje.
 
Tratado pela Imprensa portuguesa como um pária e um louco, o seu glorioso sacrifício não irá decerto ter o reconhecimento que merece.
 
A Imprensa portuguesa (bem como as autoridades, os partidos políticos, os opinadores) estão muito mais interessados em devotar toda a compreensão e carinho a essas pobres vítimas da Sociedade capitalista e opressora que se juntam ao ISIS para matar, torturar e estuprar inocentes. Os Fábios, os Neros, ou as Ângelas da vida, são o objecto do desvelo desta nossa Sociedade em avançado estado de putrefacção moral, por via do Marxismo cultural.
 
Precisamos de um profunda higienização. O Mário Nunes, Herói de Portugal, fez a sua parte.
 
A confirmar-se a triste notícia (bem desejávamos que não), que Deus acolha Mário Nunes na Sua Paz e lhe dê a recompensa devida.
 
Prestamos singela mas muito emocionada homenagem a este nosso compatriota. Saibamos ser dignos do seu exemplo.
 
 

 



domingo, 29 de maio de 2016

Porque é que o piloto do voo 804 lançou o avião no mar?

Quando se deu o 11 de Setembro, a reacção ocidental foi: "Aqueles homens tinham forçosamente que estar desesperados, para terem cometido um crime tão horrendo! Alguém lhes fez mal!". Hoje, algumas pessoas já perceberam que se trata simplesmente da teologia islâmica, que promete o paraíso aos que matam os "infiéis".

Celebrações do 11 de Setembro em Gaza:


Do blog  LEI ISLÂMICA EM AÇÃO:

Os 20 Mandamentos mortais do "diabólico" ("satânico") Maomé, o fundador do Islão

  1. Tu deves estuprar, casar e divorciar meninas na pré-puberdade. Alcorão 65:4, 4:3
  2. Tu deves ter relações sexuais com escravas sexuais e trabalhadoras escravas. Alcorão 4: 3, 4:24, 5:89, 33:50, 58: 3, 70:30
  3. Tu deves bater nas escravas sexuais, nos trabalhadores escravos, e nas esposas. Alcorão 04:34
  4. Tu deves ter quatro testemunhas masculinas muçulmanas para comprovar um estupro. Alcorão 24:13
  5. Tu deves matar aqueles que insultam o Islão ou Maomé. Alcorão 33:57
  6. Tu deves crucificar e amputar não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 47: 4
  7. Tu deves matar os não-muçulmanos para garantir receber as 72 virgens no céu. Alcorão 9: 111
  8. Tu deves matar quem deixar o Islã. Alcorão 2: 217, 4:89
  9. Tu deves decapitar não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 47: 4
  10. Tu deves matar e morrer por Alá. Alcorão 9: 5
  11. Tu deves aterrorizar os não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 8:60
  12. Tu deves roubar e furtar os não-muçulmanos. Alcorão Capítulo 8 (Saque / Espólios de Guerra)
  13. Tu deves mentir para fortalecer o Islã. Alcorão 3:28, 16: 106
  14. Tu deves lutar contra os não-muçulmanos, mesmo que você não queira. Alcorão 2: 216
  15. Tu NÃO deves tomar os não-muçulmanos como amigos. Alcorão 05:51
  16. Tu deves chamar os não-muçulmanos de porcos e macacos. Alcorão 5:60, 7: 166, 16: 106
  17. Tu deves tratar os não-muçulmanos como as criaturas mais vis, que não merecem misericórdia. Alcorão 98: 6
  18. Tu deves tratar os não-muçulmanos como inimigos jurados. Alcorão 4: 101
  19. Tu deves matar os não-muçulmanos por não se converterem ao Islão. Alcorão 09:29
  20. Tu deves extorquir não-muçulmanos para manter o Islão forte. Alcorão 09:29.


Walid Shoebat já foi um terrorista islâmico, e conhece a mentalidade islamista. É um dos analistas que nos podem ajudar a compreender o caso do avião da EgyptAir que vitimou 66 pessoas. 

Ver o nosso post:

O Imã Voador e o "Mistério" do Voo 804


"Tudo o  que precisa saber sobre o piloto islamista suicida do voo 804 da EgyptAir e porque é que ele lançou o avião no mar" - é o título de mais um artigo de Walid Shoebat, ex-terrorista da OLP e hoje cristão e amigo de Israel. Shoebat vive actualmente nos Estados Unidos e dedica-se a salvar cristãos das garras do Islamismo. Relembra incessantemente que, a cada 5 minutos, os jihadistas assassinam um cristão.
Damos-lhe a palavra:
Muitos dos comentários tolos que recebo, vêm principalmente de americanos ingénuos que perguntam "porque é que o piloto iria matar os muçulmanos a bordo"? Esta é uma pergunta estúpida, especialmente quando esses americanos testemunharam o 11 de Setembro.
Os pilotos que fazem despenhar aviões, na visão muçulmana, acham que fazem um favor aos seus passageiros. Que estão a garantir a a sua salvação.


Continuamos a citar Shoebat:
Cada vez surgem mais evidências de que o piloto do voo 804 cometeu suicídio. Mas as pessoas perguntam:
"Se de facto o piloto foi cometeu suicídio ao estilo muçulmano, porquê mergulhar o avião carregado com passageiros na sua maioria muçulmanos no mar, e como é que isso faz algum sentido a partir de uma perspectiva islâmica sobre o martírio Jihadista?".

Resposta: Faz todo o sentido!

Toda a gente ainda se lembra do mistério do voo MH370 que desapareceu sem deixar rasto. Alguns destroços foram encontrados no oceano.
No nosso artigo intitulado "O piloto do Boeing era um muçulmano devoto que massacrou cristãos" relatámos que um ex-piloto de Boeing 777, Simon Hardy, reivindicou que o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines só pode dever-se a sabotagem.

 Dois dos posts que dedicámos ao caso do voo MH370: 

777 Mamutes na Sala!

MH370 - A Hipótese Iraniana


"É uma coincidência que este voo tenha conseguido evitar os radares militares indonésios, tailandeses, indianos, e em seguida mergulhado no mar?", perguntou o piloto.
"O avião entrou e saiu de vários países por oito vezes", continuou, "foi mais um caso de navegação apurada do que coincidência, não ter sido detectado".
Hardy está convencido de que o capitão do voo, Zaharie Shah (um devoto muçulmano) deliberadamente escondeu o avião dos radares e voou milhares de milhas fora da rota, antes de desaparecer no oceano. 
David Learmount, editor de segurança da Flight Global, disse sobre o desaparecimento do MH370: "Só pode ter-se tratado de um acto deliberado de alguém a bordo, provavelmente o piloto".
As autoridades australianas consideraram as suposições do piloto e do especialista em segurança como "credíveis".
"A democracia está morta" - lê-se na t-shirt do piloto do avião desaparecido, um adepto "fanático" da organização terrorista islâmica Irmandade Muçulmana.

Após 6 meses de investigação minuciosa, a polícia da Malásia concluiu que o avião:

    "Intencionalmente pousou no Oceano Índico e afundou-se intacto a 20 milhas náuticas (37 km) fora da área de pesquisa."
"Pousou" e "afundou-se intacto", em vez de "despenhou-se" - é uma pista. Talvez não para um especialista em aviação, mas é-o para um especialista sobre as regras do martírio islâmico. E eu sou-o.
Desde 2014 que aviso que este tipo de casos ocorrerá cada vez mais. Mas, assim como demorou anos até os ocidentais compreenderem porque é que os muçulmanos jihadistas atiraram  aviões contra as Torres Gémeas, levará anos antes de o Ocidente compreender que os muçulmanos e os kamikazes têm muito em comum.
Com uma importante ressalva: no Islão, cair na água é teologia fundamental da Jihad (a "guerra santa" contra os não-muçulmanos).
A parte do avião que foi encontrada não descarta a teoria de Hardy, e até a apoia. Na imagem acima podemos ver uma parte do avião que bateu na água e se soltou. Não importa como se pouse na água, perguntem a qualquer piloto, nunca é uma aterragem suave.

Mas o que Hardy não sabe, é que, no Islão, não é só o guerreiro no campo de batalha que é considerado "mártir". A teoria de Hardy é provavelmente correcta (eu não posso confiar nos especialistas em aviação de nações muçulmanas).
A propósito: o vídeo que expõe mais esta ocultação de provas - Air Crash Investigation - EgyptAir Flight 990 Death and Denial - já foi retirado pelas directivas islamistas do YouTube.
O piloto do voo MH370, Zaharie Shah, bem como Muhammad Shakeer, o piloto egípcio do voo 804, não apenas elaboraram um plano meticuloso para evitarem toda a detecção, como devem ter meticulosamente considerado o seu destino: afogamento.

Zaharie Shah na mesquita.

E é aqui que chegamos à fonte, à mente, à teologia, através da nossa própria experiência como ex-terrorista. É difícil para os ocidentais compreenderem a mentalidade, a menos que tenham estado lá, que tenham praticado o terrorismo e o tenham aprendido, como eu, sentados numa sala de aula em Belém, onde o nosso professor da Irmandade Muçulmana, Sheikh Zacharia, nos ensinava os benefícios de morrer por afogamento.
No Islão, a maioria dos muçulmanos sabem (e a maioria dos ocidentais ignoram), que quando um muçulmano morre por afogamento, ele é automaticamente considerado um "mártir". Talvez por isso Shah, bem  como Shakeer com o voo 804, "aterraram" na água. A morte devido a um impacto contra um edifício rasga o passaporte dos passageiros muçulmanos para o Paraíso. A classificação dos martírios no Islão, afirma claramente:

    "... Aquele que morre de uma doença de estômago é um mártir; e aquele que morre afogado é um mártir."
O que é ponto assente é que o comandante Shah, como o comandante Shakeer do voo 804, eram fundamentalistas islâmicos.

What is also conclusive, is that Captain Shah, like Shakeer of Flight 804, was Muslim fundamentalist.


Acabamos aqui a citação do artigo de Walid Shoebat, que é extenso, interessante e não será o último sobre este caso. Não que isso faça a mínima diferença para os nossos políticos, os nossos comentadores e os nossos jornalistas, que continuarão a coleccionar trivialidades e se recusam a divulgar o que é relevante, que é profusamente conhecido no mundo islâmico mas zelosamente ESCONDIDO do público do Mundo Livre.


 A cobertura jornalística de tudo quanto envolva terrorismo islâmico.

sábado, 28 de maio de 2016

Universitários americanos doam ao "Hamas"


Neste blogue, sem sermos de modo algum exaustivos, temos até agora 65 posts dedicámos ao bando terrorista islâmico HAMAS, que a esquerda adora.

- Texto do canal YouTube Tradutores de Direita:
«Ami Horowitz, cineasta documentarista norte-americano, foi até à sede do BDS nos EUA — a Universidade Estadual de Portland (Oregon) — para saber até que ponto os justiceiros sociais estão dispostos a levar a sua luta contra Israel. Horowitz se apresenta a alunos da Universidade como representante de uma organização fictícia chamada “Amigos do Hamas nos EUA” e pede doações financeiras para a sua causa. Horowitz deixa bem claro que o propósito da organização é ajudar o Hamas a “varrer Israel do mapa”. No vídeo, Horowitz justifica as ações terroristas do Hamas, dizendo que o terrorismo é o “F15 dos pobres” e a única maneira pela qual os palestinos podem lutar pelos seus direitos.

Todas as pessoas abordadas por Horowitz eram universitários de clásse média e com alto nível de escolaridade. Não obstante, vários se comprometem a ajudar a organização terrorista financeiramente, mesmo após serem informados de que seu dinheiro seria usado para matar civis israelenses. O experimento, portanto, refuta o mito de que o terrorismo somente faz adeptos entre os pobres e ignorantes e demonstra como o mundo acadêmico ocidental se tornou um ambiente favorável à disseminação de ideias radicais — uma consequência da ocupação progressista das instituições de ensino.

Confirma-se, uma vez mais, o modus operandi da esquerda “paz e amor” que exalta a suposta nobreza de seus propósitos a despeito da torpeza de seus métodos. O experimento desmascara os travestís da justiça social, cuja mentalidade revolucionária não conhece limites na luta pela implantação de seus ideais e na qual os fins justificam os meios.

O Movimento BDS (Boicote – Desinvestimento - Sanções) é uma campanha global de resistência contra o Estado de Israel. Lançado em 2005, o movimento tem se tornado popular nos campi universitários dos EUA e da Europa e conta com o apoio de centenas de organizações pró-Palestina. O BDS visa enfraquecer a economia israelense atuando em três diferentes níveis:

1) Sociedade civil: promovendo a cultura de boicote a produtos e serviços israelenses pela militância de movimentos sociais e grupos estudantís.
2) Empresas e instituições financeiras: promovendo o abandono de investimentos em Israel.
3) Governos locais e organizações internacionais: promovendo sanções econômicas contra o Estado de Israel.»

SIMPATHY FOR THE DEVIL - A camarada Marisa Matias e o embargo de armas para Israel, pretendido pelos terroristas do Bloco de Esquerda. Mais uma tentativa de concretizar a Solução Final. Armados, os judeus defendem-se e sobrevivem. Desarmados, são extintos.

Porque é que a Esquerda odeia Israel

Porque é que a Esquerda Odeia Israel - BREIBART

Odiadores de Israel - DO MAL O MENOS!

MRPP apoia o Massacre de Paris (estes nem disfarçam)!


A Esquerda, o seu eterno amor aos criminosos e aos terroristas, e o seu ódio à Verdade e ao Bem.


Alguns heróis da Esquerda

O Imã Voador e o "Mistério" do Voo 804



Há muito que não vejo voluntariamente noticiários na TV, por razões de higiene. Por vezes, de passagem, em casa alheia, sou obrigado a isso. 

Sobre o desastre do avião egípcio que vitimou 66 pessoas, o que me tem chegado aos ouvidos e aos olhos são os passageiros os muçulmanos que a TV mostra, em detrimento dos não muçulmanos, e a comovente história do piloto muçulmano, "bom profissional, cuja mãe fez sacrifícios para que seguisse a sua vocação"

Entretanto, nos media alternativos, são divulgadas as informações  que circulam nos media árabes, mas que os media ocidentais ESCONDEM.


A classe profissional de islamo-papagaios que indevidamente ostenta o título de "jornalistas" jamais lhe irá mostrar isto, mas o nosso amigo Walid Shoebat, ex-terrorista da OLP convertido ao Cristianismo, amigo de Israel e herói do Bem, conta tudo, no seu site.

Para que os nossos leitores e amigos entendam, através deste exemplo, o estado PODRE da nossa Imprensa, vamos passar a traduzir, adaptar e resumir, da notícia original

O piloto do voo 804 converteu o avião em mesquita e despediu-se dos familiares e amigos antes de fazer despenhar o avião e matar toda a gente a bordo.
A juntar a tudo o que os media alternativos têm trazido a público nos últimos dias (a inscrição "Haveremos de derrubar este avião", os potenciais cúmplices entre o pessoal do aeroporto, etc., etc.),  mais evidências demonstram que o piloto do voo 804 entrou em modo de frenesim suicida islamista. 
Converteu o avião numa mesquita improvisada, utilizava o equipamento para dizer aos passageiros a direcção de Meca, ofereceu uma última refeição em que se despediu, e telefonou ao seu irmão antes da descolagem dizendo-lhe para "orar por ele", como se se fosse para o martírio. O piloto tinha ligações com um dos pregadores mais radicais e simpatizantes do terrorismo, no Egipto.
O testemunho de Osama Abdel Basset, relações pública da companhia aérea egípcia, diz tudo:
"O capitão Mohammed Shakeer, o piloto daquele voo fatídico, organizou uma 'última ceia', em que revelou que iria morrer".


A agência de notícias islâmica Al-Hurra (não confundir com o Al-Público, que é mais radical) intitulou o seu artigo "Piloto egípcio dá as boas-vindas ao apelo da morte durante sua última ceia".
Mesmo o Telegraph, em Inglês, anotou alguns comportamentos, ainda que ignorando as pistas:


Mohammed Shakir, a.k.a. o Imã Voador!


Estranho sentido de humor para uma hospedeira, mas enfim...




 



O piloto e auto-proclamado "mártir", e o líder terrorista. 
Ahmad Musa, um conhecido jornalista e personalidade da TV, expõe as actividades de Amr Khaled, responsável pelo envio de jovens e material de guerra para terroristas na Líbia e para Benghazi - para a Jihad.

Khaled também é um conhecido pregador televisivo islamista, que dirige um programa de TV chamado "The Makers of Life" usado para recrutar jihadistas. No vídeo, Khaled [traduzido por Shoebat] diz:

"Esta é uma mensagem para os nossos irmãos em Mistrata, Tripoli e Benghazi. Que Alá vos proporcione a vingança contra os malfeitores (o Ocidente). Alá vai dar-vos a vitória. Oramos por vocês dia e noite. Enviamos jovens [do Egipto] para vos ajudar, recrutados através dos nossos programas na TV, aí para Benghazi. Vamos enviar-vos os médicos. Enviei uma equipa que irá comunicar-se com vocês continuamente e com a equipa em Benghazi. Continuaremos a comunicar usando o You Tube. Queremos que a justiça [do Islão] seja estabelecida através das vossas mãos na Líbia".





As evidências são claras. Khaled esteve ligado aos acontecimentos de Benghazi.

Durante o ataque a Benghazi, Shoebat expôs médicos egípcios enviados para assistirem os terroristas. (Leia o relatório aqui).

Então aqui está Khaled (o mesmo indivíduo que aparece na foto com o piloto Shakeer), apelando à vitória dos jihadistas contra o Ocidente, na Líbia, em 2 de Maio de 2011.
A guinada da aeronave sugere algum tipo de luta dentro do cockpit, disse Philip Baum, da Aviation Security International.
Baum disse que os pilotos poderão ter tentando controlar a aeronave desactivada por uma explosão, como em 1976, quando duas bombas explodiram num avião cubano após a descolagem a partir de Barbados, e o piloto tentou manobrar a aeronave para uma praia.

Ou poderão ter lutado com alguém que tentava assumir o controle do avião.

"Pode ter havido uma luta no convés, entre os tripulantes, um suicida e outro não. Ou um sequestrador tentando tomar o controlo", disse Baum.
Um piloto ligado à Jihad, uma 'última ceia', o pedido para ser chamado "mártir", a declaração "Vou morrer em breve", são mais que suficientes para levantar fortes suspeitas no Egipto e em Washington. 
A lista de passageiros e da tripulação devem também ser reanalisadas.



VOAR JÁ NÃO É SEGURO


Fiz cerca de 3.000 voos durante anos, mas decidi suspender completamente. Contrabandear um refrigerante com uma bomba é facílimo. 
Ninguém pode confiar no crescente número de muçulmanos que trabalham na indústria das viagens aéreas. As listas de empregados e trabalhadores estão cheias de suspeitos. 
Posso até dar uma olhadela numa simples lista de passageiros e encontrá-los. Al Mutairi é um nome na lista de passageiros e deveria ser de interesse para os investigadores, pois pode tratar-se de um dos terroristas que Obama tem libertado de Guantánamo e que imediatamente regressam ao terrorismo:


Uma jóia de rapaz...

Temos também o Salaheldin Abu Laban, um "palestino" que consta da a lista de detenções feitas da Síria, de indivíduos que se juntaram ao grupo terrorista Hizbul-Tahrir.
Embora não possamos confirmar se havia desses terroristas a bordo, há que verificá-lo. Se Obama continuar a libertá-los, veremos em breve mais aviões a cair do céu, e para o impedir, os custos de funcionamento das companhias aéreas serão imensos.

Após os atentados de Novembro, as autoridades francesas usaram a ameaça do terrorismo para justificar as revistas nos armários de funcionários do aeroporto Charles de Gaulle, bem como uma revisão sistemática dos cerca de 87.000 funcionários do aeroporto que têm credenciais que dão acesso às áreas de segurança que incluem a pista, as zonas de manuseio de bagagem e de armazenagem de carga. Essas avaliações têm levado as autoridades a revogar dezenas de credenciais por razões de segurança, de acordo com a polícia do aeroporto.

Outros exemplos chegam da Alemanha. Um empregado de limpeza do aeroporto, um turco conhecido das autoridades como islamista radical, teve acesso às áreas de segurança mais sensíveis dos principais aeroportos alemães, quase um ano depois de as autoridades de Berlim terem lançado um programa de segurança nos aeroporto para detectar funcionários com crenças radicais.

Muçulmanos salafistas nos aeroportos alemães. É o progresso...

O funcionário acabou por ser demitido em Outubro de 2015, depois de quatro anos de trabalho. No entanto, a sua demissão foi desencadeada não por preocupações com uma possível ameaça terrorista, mas por um incidente envolvendo uma violação de segurança. Ele havia sido detido por agentes de segurança do aeroporto ao tentar contrabandear uma soqueira para a área de segurança do aeroporto de Schönefeld.

Eu dedico a minha vida a mostrar factos a um mundo que aparentemente está a dormir. Perante a indiferença com que deparo, é como se as fotos e os vídeos que divulgo fossem montagens. Parecem más demais para serem verdadeiros.
Sinto que todo o mundo se tornou uma cidade fantasma, e que toda a gente está surda, muda, cega, morta, ou de algum modo incapaz de ouvir.
Fazemos nossas as palavras de Walid Shoebat, ex-terrorista da OLP. 

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Irão nuclear - Obama compra jornalistas e engana o Mundo

Antes do acordo nuclear, durante o acordo nuclear, após o acordo nuclear: "MORTE À AMÉRICA!" é o mote. Obama apoia.


Quando se trata de destruir a América, Israel ou o Mundo Livre em geral, o terrorista muçulmano da Casa Branca apoia:

Irão aumenta o seu poder destrutivo. Obama apoia.


Mais de uma vez expressámos a nossa relativa perplexidade perante os respeitados comentadores que reiteradamente tecem elogios ao acordo que deu ao Irão a possibilidade de construir bombas atómicas para pulverizar o Mundo não muçulmano. Começam a aparecer as primeiras provas de que essa maralha é PAGA para apoiar Barack Hussein Aldramaba.


O grupo J Street foi pago para ajudar a Administração Obama a promover o acordo nuclear com o Irão

J Street, um grupo americano de extrema-esquerda, que se apresenta como pró-Israel, mas muitas vezes age contra os interesses de Israel, recebeu 576.500 dólares para defender o acordo nuclear com o Irão. Foi um dos vários destinatários do dinheiro do Fundo Ploughshares, que trabalhou com o governo Obama para influenciar a opinião pública a favor do acordo.
 

Grupos de todos os tipos estão cada vez mais a dar dinheiro às agências de notícias para projectos especiais ou cobertura de notícias em geral. A maioria das agências de notícias, incluindo a Associated Press, têm regras rígidas que definem de quem podem aceitar dinheiro, para proteger a independência jornalística.

A actuação do Ploughshares teve um papel proeminente no aceso debate sobre o acordo nuclear com o Irão.

A Universidade de Princeton recebeu 70.000 dólares para apoiar o ex-embaixador iraniano e porta-voz nuclear Seyed Hossein Mousavian.




OS AMIGOS DE OBAMA: "Todos os anos, na última sexta-feira do mês sagrado muçulmano do Ramadão, milhões de iranianos vão para as ruas praticar um ritual bizarro. Incessantemente e ritmicamente cantam 'Morte à América' e 'Morte a Israel' durante a queima de efígies dos líderes e bandeiras desses países. Ocasionalmente, queimam a Union Jack também. Abrilhantam o espectáculo os discursos inflamados dos líderes militares, políticos e religiosos, regurgitando as mesmas banalidades sobre como o 'Grande Satã' e a 'Entidade Sionista', que acabarão por ser destruídos e substituídos pela bandeira do Islão" - Obama Assina Acordo com o Irão Enquanto Rouhani Participa no Evento 'Morte à América'".


O Ploughshares ofereceu dinheiro a diversos grupos de notícias.

No "Relatório de Estratégia Cultural" publicado no seu site, o grupo traçou o objetivo mais amplo de "assegurar a cobertura regular e precisa das questões nucleares em meios de comunicação respeitáveis ​​e estratégicos", como o The Guardian, o Salon, o Huffington Post ou o ProPublica.
(Em linguagem de gente, esta fastidiosa declaração politicamente correcta significa simplesmente "COMPRAR JORNALISTAS").
 

A National Public Radio recebeu 100.000 dólares no ano passado para dar notícias sobre o acordo nuclear e afins, de acordo com o relatório anual do grupo, que também tem financiado repórteres e parcerias com outras agências de notícias.

A Associação de Controle de Armas recebeu 282.500 dólares; a Brookings  Institution recebeu 225.000; o Conselho Atlântico recebeu 182.500 dólares.
Todos receberam o dinheiro para promoverem o acordo nuclear com o Irão, através de proselitismo nos media.
TRANQUILIZADOR:  O "Punho de Ferro"  é um cartaz de propaganda iraniana, com um gigantesco punho feito de bombas nucleares. Khameini posta-o regularmente no twetter, com outros de igual "bom gosto". Em Agosto de 2015 os iranianos  riam-se do acordo nuclear e garantiam que o Irão seria a sepultura dos infiéis.


Mais de 281.000 dólares foram para a National Iranian American Council.

A missão do Fundo Ploughshares é "construir um mundo seguro e protegido, bem como desenvolver e investir em iniciativas para reduzir e finalmente eliminar os arsenais nucleares do mundo", o que encaixa nos esforços de controle de armas do presidente Barack Obama

(Este nobre objectivo é conseguido oferecendo armamento nuclear ao país líder no financiamento do terrorismo global, a teocracia islâmica totalitária do Irão, que jura diariamente destruir-nos!).

Mas o seu papel por detrás do palco,  defendendo o acordo com o Irão, obteve mais atenção este mês depois de Ben Rhodes, um dos principais assessores de política externa do presidente, ter admitido que a administração Obama enganou o Mundo no acordo nuclear.



Ben Rhodes admitiu que a administração Obama enganou o Mundo.

Num artigo do New York Times Magazine, Rhodes explicou como a administração trabalhou com organizações não-governamentais, especialistas em proliferação e com repórteres "de confiança", ​​para construir o apoio para o acordo nuclear com o Irão, que também suavizou as sanções financeiras internacionais sobre Teerão.

"Criámos uma câmara de eco", disse Rhodes, assessor de segurança nacional, acrescentando que "grupos externos como o Ploughshares" ajudaram a fazer passar a agenda do governo de forma eficaz.

A OBRA DO MUÇULMANO DA CASA BRANCA: Na sequência do aclamado "acordo nuclear", o aiatolá Khameini, líder do país que mais patrocina o terrorismo global, anunciou ao Irão a "rendição das superpotências", o "ocaso do poderio norte-americano" e a "ascensão do Irão a superpotência".



O artigo dá razão às críticas do Partido Republicano, que sempre defendeu que a Casa Branca enganou o povo americano no acordo nuclear com o Irão.

Os esforços anteriores não conseguiram gerar uma cobertura favorável suficiente, observou Rhodes. Esses esforços incluíram o "financiamento de repórteres do The Nation e Mother Jones, e uma parceria com o Centro para a Integridade Pública".

Imagem de satélite da instalação nuclear de Parchin, no Irão. (Instituto para Ciência e Segurança Internacional)

Rhodes afirmou que sugeriu o uso de "web vídeos, podcasts, histórias baseadas em fotos" e outros "formatos apelativos de chamam a atenção para criativamente reformular a questão".
 
O Ploughshares gastou pelo menos 700.000 dólares neste tipo de actividades desde 2005.

Todas as descrições de subvenções desde 2010 mencionam especificamente o Irão. 

A Comissão de Supervisão da Câmara, controlada pelos republicanos, tentou convocar Rhodes para uma audiência intitulada "A Casa Branca e a Narrativa sobre o Acordo Nuclear com o Irão", mas ele recusou.


Entre os muitos mísseis disparados em provocação ao Mundo, o Irão disparou recentemente dois mísseis de médio alcance (1.400 km) com a inscrição "ISRAEL DEVE SER APAGADO DO MAPA". A 13 de Março deste ano, a Embaixadora Samantha Power condenou a atitude do Irão. E eles raladíssimos...

AP via UNITED WITH ISRAEL. Traduzido e condensado. 



Para estar a par das notícias sobre Israel, visite o site da UNITED WITH ISRAEL - também em Espanhol:

http://unitedwithisrael.org/es/





Mais aventuras de OBAMA.

Mais aventuras do IRÃO.