segunda-feira, 16 de outubro de 2017

"Estamos de volta!" - Milhares de judeus de todo o Mundo sobem ao Monte do Templo


"Estamos de volta!" - Milhares de judeus de todo o mundo sobem ao Monte do Templo pelo Sukkot 
"Estamos de volta", um activista judeu proclama com paixão enquanto explica a mensagem por detrás do importante aumento das visitas judaicas ao Monte do Templo, o local mais sagrado do Judaísmo. 
Os rabinos Ari Abramowitz e Jeremy Gimpel da Rede da Terra de Israel foram proibidos de entrar no Monte do Templo por terem rezado no complexo, pois é contra as regras da Waqf jordana, ou Fundo Islâmico, que administra o local sagrado, que os não-muçulmanos orem lá. 
Durante o Festival de Sukkot, no entanto, milhares de judeus e outros dentre as nações do mundo visitaram o local todos os dias. Na quarta-feira, mais de 2.100 ascenderam. O feriado terminou na noite de quinta-feira. 
Gimpel e Abramowitz, são aqui vistos na entrada do complexo, a encorajarem os visitantes, e explicam a mensagem por detrás desse profundo desejo de visitar o local sagrado. 
Veja neste vídeo inspirador judeus provenientes da Etiópia, da Rússia e de outros lugares onde o Judaísmo estava praticamente morto há gerações, retornando à eterna capital judaica. Ouça-os proclamar, "Am Yisrael Chai!" - "A nação judaica vive para sempre".



O Festival de Succot, ou festival das Tendas, é conhecido de quem, como nós, teve educação católica:

Edificar com alegria para o Sucot

Quando abandonaram o cativeiro no Egipto para regressarem a Israel, os judeus  viveram em tendas durante 40 anos, no deserto. Volvidos 3800 anos, todos os anos sem falha, continuam a celebrar essa festividade ordenada por Deus, que lhes lembra o valor da Liberdade e a humildade da sua condição.
Milhares de cristãos participaram este ano nas festividades: 
60000 Amigos de Israel de 80 países marcham em Jerusalém
Creia-se ou não, goste-se ou não, as Profecias vão-se cumprindo. Todas.


domingo, 15 de outubro de 2017

Brasil: Pallywood na Rocinha


Na Rocinha, Rio de Janeiro, os criminosos ditam a sua lei de terror. A Polícia e a Tropa brasileira, com a coragem que as imagens abaixo documentam (e mais haveria), cumpre a sua missão de combate ao crime:

 

Veja o que acontece dentro das favelas quando a Polícia chega - e que é exactamente o que acontece em Portugal, na Europa, e em todo o mundo, em certos bairros:

 

"Vc já deve ter visto, alguma entrevista, quando "moradores" falam que a polícia agride, abusa da autoridade etc... Mas vc nunca viu o que acontece antes da chegada da polícia nas comunidades. Eis o exemplo que ocorre na Vila Cruzeiro, comunidade do Rio de Janeiro. Vejam o comportamento dos "menores"... ".

A Polícia brasileira, como as Polícias de todo o mundo, como os seres humanos de todo o mundo, é composta por seres humanos. Falíveis, com fraquezas, com falhas de carácter. Não são perfeitos. Mas estão do lado do Bem. Os criminosos (que, como seres humanos que são, também possuem inevitavelmente algumas qualidades) estão do lado do Mal. Há quem, por pseudo-sofisticação intelectual, insista sempre em inverter as coisas.
Os agentes da Polícia e das Forças Armadas que combatem o império dos narcotraficantes, no Brasil e em todos os países, são filhos do Povo. Do outro lado da barricada estão os jornalistas, geralmente meninos privilegiados com complexos de culpa burguesa e uma mal amanhada cultura política.
Já era assim no famoso Maio de 68 em França, quando os estudantes decidiram que não lhes apetecia fazer exames e resolveram decretar a Revolução Socialista Global e consequentemente desataram a partir tudo. 
Fizeram descer a beleza e a poesia às ruas (sob a forma de cacetada e pedrada em cima do cidadão pacato, por eles descrito como burguês, carneiro, etc.):


O Maio de 68 não foi a primeira vez que os estudantes estróinas de Paris, como desfastio da sua vida de boémia permanente, se amotinaram. Esse foi apenas o motim mais famoso e o primeiro a ter projecção mediática global.
Como sempre acontece nesses motins, os agentes da Polícia (filhos do Povo), eram apedrejados pelos estudantes (filhos das elites), alvo predilecto das suas fúrias, e assim retratados (como monstros nazis) pelos meninos-bem da época, a fina-flor da sociedade, que assim que se formaram passaram directamente para as cadeiras do Poder:


O indivíduo que se vê no cartaz acima, à esquerda, é o famoso extrema-esquerdista Daniel Cohn-Bendit (um idiota que nasceu judeu, e é a prova viva de que os judeus são pessoas normais, não imunes à idiotice). A imagem é retirada da foto icónica abaixo, em que o garotelho faz troça de um agente da Polícia (que ele bem sabe que não lhe pode fazer nada, pois se lhe mandasse uma merecida galheta era capaz de ser despedido, e quando se tem família a sustentar, há que comer e calar):


Coragem esquerdista: fazer troça da cara de um homem que não pode ripostar.


Hoje como ontem, os filhos do Povo dão o corpo às balas, seja na Rocinha combatendo gangsters, seja num buraco qualquer do Médio Oriente, combatendo terroristas. E hoje como ontem são alvo da perseguição e da fúria de meninos de cultura política atamancada, que, onde vêem um agente da Polícia ou um militar das Forças Armadas, vêem um "carrasco do poder capitalista e 'cão de fila' da sociedade machista e patriarcal", blablabla, já conhecemos a ladainha de cor.
Os jornalistas (uma classe profissional quase toda colonizada pela esquerda) estão na Rocinha não para fazer reportagem, não para cumprirem a sua missão e ajudarem a transmitir à população uma sensação de segurança, que sempre provem de se saber que há quem faça cumprir a Lei.
Os jornalistas estão na Rocinha para efeitos de propaganda ideológica. Estão lá para recolher os testemunhos de "residentes" que mais não são do que cúmplices dos narcotraficantes, e que têm muita razão de queixa contra a Polícia (e nenhuma contra os bandidos!). 
Estão lá para filmar e fotografar, na esperança de recolherem qualquer imagem que possa ser distorcida de modo a retratar os polícias como os maus - porque os bandidos, na óptica do jornalistas, são sempre os heróis, valentes vítimas do capitalismo, que só foram para o crime porque a sociedade é injusta!
E tanto porfiaram que conseguiram alguma coisa por onde pegar. Alguns agentes da autoridade usam lenços não regulamentares com desenho de caveira:


Se estes jornalistas modernaços tivessem estado no Norte de África durante a Segunda Grande Guerra, teriam forçado a demissão do General Bernard Montgomery, que lançou a moda de as tropas de Cavalaria usarem uma bóina negra - não regulamentar!!! Outros oficiais usavam coberturas ainda mais exóticas, os malvados!   E os Nazis teriam ganho!


Montgomery: Cobertura de cabeça não regulamentar!

A notícia não é o narcotráfico, não são os gangsters. A notícia (assim decidiram os jornalistas) é o terrível delito dos lenços. Segundo os jornalistas e os "residentes", os lenços assustam a população. O que não assustará (depreende-se então) serão os bandidos, que executam inocentes à luz do dia e que se passeiam armados de metralhadora.

Os jornalistas ganharam. A terrível polémica dos lenços e a ditadura do politicamente correcto acabaram por ditar a retirada dos militares
Para além de serem obrigados a deixar-se matar (polícia que mata bandido é preso, como acontece cá em Portugal), os agentes da Lei têm que se deixar matar com o uniforme regulamentar:


É assim no Brasil, é assim em Portugal, é assim em Israel mais do que em qualquer outro lugar do Mundo. É uma viagem obrigatória para qualquer jornalista menino-bem ir a Israel fotografar os terroristas a apedrejarem a Polícia.

Viste a nossa secção  Pallywood

E o site homónimo, para ver como o enganam.


Devidamente protegidos com capacetes e atrás de barricadas, os jornalistas estrangeiros, cúmplices dos terroristas, vão filmando e fotografando a "prova" de que os colonos árabes são umas vítimas, coitadinhos. É que após muito apedrejarem (quando são pedras e não bombas já é uma sorte), os malvados dos polícias acabam por prendê-los. Não se faz!!!
Mas esta indústria de demonização das democracias e sacralização das ditaduras só existe porque há público para isso. Há uma multidão de consumidores voluntários de MENTIRAS.

Felizmente, os brasileiros não estão ainda no estado de castração em que nós, europeus, estamos: 

ENTENDA PORQUE É QUE A ESQUERDA ODEIA A POLÍCIA E OS PAÍSES DEMOCRÁTICOS:



Roger Soares Nascimento

- Aqui na Europa, até Hino Nacional que não seja quando joga a selecção, é  fassssssssismo:

sábado, 14 de outubro de 2017

Bispo egípcio morto à facada, camião bomba mata mais 20 na Somália, etc..




Ainda agora:

Somália: muçulmanos detonaram camião-bomba em Mogadíscio, pelo menos 20 mortos
"Claramente, os camiões são uma ameaça e precisam ser banidos", escreve Robert Spencer.

"Ataque bombista em Mogadíscio: Pelo menos 20 mortos após uma enorme explosão na capital somali" 
Independent, 14 de Outubro de 2017:

     Uma enorme explosão de um camião-bomba matou pelo menos 20 pessoas na capital da Somália, Mogadíscio, que os habitantes abalados dizem ser a explosão mais poderosa que ouviram nos últimos anos.

     A explosão atingiu um hotel numa rua movimentada no distrito de Hodan e o número de mortos pode subir, disse o chefe da Polícia Mohamed Hussein. As forças de segurança estavam a rebocar o camião depois de este ter levantado suspeitas, disse ...

--------------------------------- 

Pelos vistos, os agentes da Polícia foram outra vez os primeiros a morrer, enquanto cumpriam a sua missão de protegerem os seus concidadãos. E há gente que odeia a Polícia...




Por favor, compartilhe este vídeo para que as pessoas possam saber mais sobre o Islão.
E, por favor, tenha em mente que a palavra “islamofobia” é uma falácia.
Ter uma fobia significa ter um medo irracional.
Temer o Islão, que quer 80% da humanidade escravizada ou exterminada, é totalmente racional, e, deste modo, as críticas não podem ser chamadas de “fobias.”
Este vídeo não está limitado a religião de ninguém, mas o que segue é verdadeiro.

Factos
— O “homem-bomba do sapato” era um muçulmano
— Os franco-atiradores da Beltway eram muçulmanos
— O atirador de Fort Hood  era muçulmano
— O “homem-bomba da cueca” era um muçulmano
— Os homens-bomba do USS Cole eram muçulmanos
— Os homens-bomba do trem em Madrid eram muçulmanos
— Os homens-bomba da discoteca em Bali eram muçulmanos
— Os homens-bomba do metro de Londres eram muçulmanos
— Os homens-bomba do Teatro de Moscou eram muçulmanos
— Os homens-bomba da maratona em Boston eram muçulmanos
— Os homens-bomba do voo 93 da Pan-Am eram muçulmanos
— Os sequestradores do avião da Air France para Entebe eram muçulmanos
— O sequestro e prisão ilegal de 52 pessoas mantidas como reféns por 444 dias na embaixada americana no Irão foi obra de muçulmanos
— Os homens-bomba da embaixada americana em Beirute eram muçulmanos
— A embaixada dos EUA na Líbia foi atacada pelos muçulmanos
— Os homens-bomba suicidas em Buenos Aires eram muçulmanos
— Os atletas olímpicos de Israel foram atacados e mortos por muçulmanos
— Os homens-bomba da embaixada americana no Quénia eram muçulmanos
— Os homens-bomba das torres de Khobar eram muçulmanos
— Os homens-bomba do quartel marinho em Beirute eram muçulmanos
— A escola russa de Beslan foi atacada por muçulmanos
— Os primeiros homens-bomba das Torres Gémeas em Nova Iorque eram muçulmanos (1993)
— Os atentados na cidade de Mumbai na Índia, foram feitos por muçulmanos
Os sequestradores do navio-cruzeiro Achille Lauro eram muçulmanos
— Os assassinos no shoping de Nairóbi, Quénia, eram muçulmanos  
— Os sequestradores dos aviões em 11 de Setembro de 2001 eram muçulmanos
— O sequestrador que fez reféns na cafeteria Martin Place Lindt em Sydney era muçulmano
— Os assassinos das crianças na escola em Peshawar no Paquistão eram muçulmanos
— As 276 meninas sequestradas na Nigéria foram sequestradas por muçulmanos
— A revista Charlie Hebdo e o supermercado kosher em Paris foram atacados por muçulmanos
— O grupo terrorista nigeriano Boko Haram que matou mais de 5 mil civis é muçulmano
Pense nisso:
Hindus morando com judeus = Nenhum problema
Baha’is morando com judeus = Nenhum problema
Judeus morando com ateus = Nenhum problema
Siques morando com hindus = Nenhum problema
Hindus morando com os Baha’is = Nenhum problema
Cristãos morando com os judeus = Nenhum problema
Judeus morando com budistas = Nenhum problema
Xintoístas morando com ateus = Nenhum problema
Budistas morando com siques = Nenhum problema
Baha’is morando com os cristãos = Nenhum problema
Budistas morando com xintoístas = Nenhum problema
Budistas morando com hindus = Nenhum problema
Hindus morando com cristãos = apenas alguns problemas raros
Ateus morando com budistas = Nenhum problema
Confucionistas morando hindus = Nenhum problema
Ateus morando com confucionistas = Nenhum problema
Cristãos morando com xintoístas = Nenhum problema
Xintoístas morando com confucionistas = Nenhum problema
Confucionistas morando com os Baha’is = Nenhum problema
Hindus morando com os Baha’is = Nenhum problema
Muçulmanos morando com judeus =  problema
Muçulmanos morando com siques =  problema
Muçulmanos morando com hindus =  problema
Muçulmanos morando com os Baha’is =  problema
Muçulmanos morando com xintoístas =  problema
Muçulmanos morando com budistas =  problema
Muçulmanos morando com cristãos =  problema
Muçulmanos morando com ateus =  problema
MUÇULMANOS MORANDO COM MUÇULMANOS = PROBLEMA MUITO GRANDE!
Sunitas odeiam xiitas. Xiitas odeiam sunitas. São todos muçulmanos.
***** Então isto leva a… *****
Eles não estão felizes em Gaza
Eles não estão felizes no Egipto
Eles não estão felizes na Líbia
Eles não estão felizes no Irão
Eles não estão felizes no Iraque
Eles não estão felizes no Iémen
Eles não estão felizes no Paquistão
Eles não estão felizes na Síria
Eles não estão felizes no Líbano
Eles não estão felizes na Nigéria
Eles não estão felizes no Quénia
Eles não estão felizes no Sudão
Eles não estão felizes no Marrocos
Eles não estão felizes no Afeganistão
ETC ETC ETC ETC
******** Pois onde eles estão felizes? **********
Eles estão felizes na Austrália e na nova Zelândia
Eles estão felizes na Bélgica
Eles estão felizes na França
Eles estão felizes na Holanda
Eles estão felizes na Itália
Eles estão felizes na Alemanha, na Áustria e na Suíça
Eles estão felizes na Espanha
Eles estão felizes na Suécia
Eles estão felizes na Dinamarca
Eles estão felizes nos Estados Unidos e no Canadá
Eles estão felizes na Noruega e na Índia
Eles estão muito felizes na Inglaterra, com toneladas de serviços sociais
Eles estão felizes na Argentina e no Brasil
Eles estão felizes em quase todos os países que não são islâmicos! E quem eles culpam? Não o Islão… Não os seus governos… Não eles mesmos… ELES CULPAM OS PAÍSES EM QUE ELES ESTÃO FELIZES!! E eles querem mudar os países em que eles estão felizes, para parecerem-se com os países de onde eles vieram e estavam infelizes! *PQP*!
Jihad Islâmica: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
ISIS: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Al-Qaeda: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Talibã: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Boko Haram: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Al-Nusra: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Abu Sayyaf: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Al-Badr: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Irmandade Muçulmana: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Lashkar-e-Taiba: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Ansaru: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Jemaah Islamiyah: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Brigadas de Abdullah Azzam: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Al-Shabab (Somália): UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Hamas: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Hezbollah: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
Frente de Libertaçao da Palestina: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
E isso é apenas a ponta do iceberg do terrorismo islâmico.
Existe mais, muito mais. 
Obrigado, "religião da paz"!
Por favor, compartilhe este vídeo para ajudar a disseminar pelo mundo que virtualmente todo os terrorismo hoje no mundo é ISLÂMICO
E arriscar ser chamado de “intolerante preconceituoso” por dizer a verdade sobre os intolerantes preconceituosos islâmicos.    
Grato ao autor I. Q. Al-Raouli. 
Traduzido com algumas modificações e adendas sobre o original.
Contribuição de Gustavo Bourbon e Laura Laura.


- Nem que estivéssemos aqui 10 de nós, 24 horas por dia, conseguiríamos relatar toda a matança global dos "infiéis" que o Islão leva a cabo.


Visite a nossa secção:

 Veja enquanto não é retirado:

Bispo católico nigeriano: políticos ocidentais prejudicam o Cristianismo africano por "submissão" ao Islão



 Bispo Matthew Kukah 


Bispo católico nigeriano: políticos ocidentais prejudicam o Cristianismo africano por "submissão" ao Islão 

13 de Outubro de 2017 

Por Robert Spencer 

O bispo Kukah está correcto, mas há outro aspecto: o chefe Islamobasbaque não é um político. O chefe Islamobasbaque é o Papa Francisco. E, além dele, a Igreja Católica como um todo comprometeu-se com o Islamobasbaquismo, de modo que há um grande silêncio sobre a perseguição muçulmana aos cristãos, que ocorre tanto na Nigéria como no Médio Oriente.
Jean-Clément Jeanbart, o arcebispo católico grego Melquita de Aleppo, deu uma entrevista a um repórter francês em que criticou os principais meios de comunicação e até mesmo os seus colegas bispos por ignorarem a perseguição muçulmana aos cristãos do Médio Oriente.
"A Imprensa europeia", acusou, "ainda não deixou de esconder as notícias diárias sobre aqueles que sofrem na Síria e eles até divulga informações erradas sobre o que está a acontecer no nosso país, sem se dar ao trabalho de a verificar”.
Quanto aos seus irmãos bispos de França, "a conferência dos bispos franceses deveria ter confiado em nós, teria sido melhor informada. Porque é que os bispos franceses estão silenciosos perante uma ameaça que é sua hoje também? Porque os bispos são como vocês, politicamente correctos. Mas Jesus nunca foi politicamente correcto, ele era politicamente justo!".


Os últimos cristãos de Aleppo.

O arcebispo Jeanbart não foi o primeiro a dizê-lo. "Porquê, perguntamos ao mundo ocidental: porque não elevais a voz perante tanta maldade e injustiça?", interrogou o cardeal Angelo Bagnasco, chefe da Conferência Episcopal Italiana (CEI).
O Patriarca católico siríaco Ignatius Ephrem Joseph III apelou ao Ocidente "para não esquecer os cristãos no Médio Oriente".
O ex-Patriarca católico grego melquita Gregório III também disse: "Não entendo porque é que o mundo faz não levanta a sua voz contra tais actos de brutalidade".
Mas Gregório III deveria ter entendido, já que ele era uma parte importante do problema. Afinal, ele mesmo disse: "Ninguém defende o Islão como os cristãos árabes". É por defenderem o Islão que os clérigos ocidentais não levantam a voz contra tais actos de brutalidade. Insistem em buscar um "diálogo" infrutífero e quimérico com o Islão, ordenam que os bispos nos Estados Unidos e na Europa mantenham silêncio sobre a perseguição muçulmana aos cristãos e que imponham esse silêncio aos outros.
Robert McManus, bispo católico romano de Worcester, Massachusetts, em 8 de Fevereiro de 2013, justificando a supressão de uma conferência católica sobre essa perseguição, disse: "Falar sobre islamistas extremistas e as atrocidades que eles perpetram globalmente pode prejudicar as conquistas positivas que os católicos alcançaram no diálogo inter-religioso com muçulmanos devotos".


Cristãos Siríacos.

Lembrem-se de que Mohamed Atta, no avião que ele havia sequestrado em 11 de Setembro de 2001, disse aos passageiros pelo intercomunicador: "Fiquem quietos e ninguém vos fará mal". A Igreja Católica parece ter adoptado essa declaração como a sua política na perseguição muçulmana aos Cristãos.

"Deixem-nos; eles são guias cegos. E se um cego guiar um cego, ambos cairão num poço."
(Mateus 15:14)


------------------------------


Massacre no Centro Comercial Westgate no Quénia, cometido pela Al-Shabab:


"Bispo: políticos ocidentais prejudicam o Cristianismo africano por se "submeter" ao Islão"
Catholic News Service, 13 de Outubro de 2017:

    
Um bispo nigeriano disse que a Igreja Católica no seu país está a começar a perder a sua influência pública em parte devido ao declínio da fé religiosa no Ocidente.

    
O bispo Matthew Kukah, de Sokoto, acusou políticos e diplomatas europeus e americanos de "promoção" pública do Islão à custa do Cristianismo.
    
O resultado, segundo ele, foi a ascensão do Islamismo e do Cristianismo evangélico na Nigéria e o declínio do Catolicismo.

    
Ele disse ao Catholic News Service numa entrevista em Liverpool que a perda generalizada da fé cristã no Ocidente é  "absolutamente" uma das causas da diminuição da influência da Igreja Católica no seu próprio país.

    
"Da minha própria experiência, considero que o alto comissário britânico, os embaixadores dos países europeus, o embaixador norte-americano - prezam mais o Islamismo do que o Cristianismo, porque a maioria deles virou as costas ao Cristianismo", disse o bispo Kukah.

    
"O mundo árabe está a despejar dinheiro na Nigéria e os pastores pentecostais na América estão a fazer o mesmo, e a Igreja Católica agora está a tornar-se a mais fraca em termos de acesso aos recursos", disse ele.

    
"Para mim, como bispo da Igreja Católica, posso ver muito claramente que a nossa influência no espaço público está a reduzir-se gradualmente, e é em grande parte por falta de capacidade de mobilizar recursos", afirmou.

    
Tornou-se impossível, disse ele, os bispos apelarem às nações historicamente católicas para ajuda financeira a projectos da Igreja.

    
"Não podemos ir ao embaixador irlandês ou ao embaixador espanhol e dizer: Isto é (necessário) para a Igreja Católica", disse o bispo Kukah. "As pessoas não estão interessadas".

    
"No Ramadão, os embaixadores dos países islâmicos estão muito interessados ​​em participar nas celebrações muçulmanas. Os irlandeses ou qualquer um desses embaixadores não são susceptíveis de fazer o mesmo na missa da meia-noite (Natal) ou nas celebrações da Páscoa".

    
Ele disse que, na sua experiência, a maioria dos embaixadores católicos prefere ser visto publicamente numa celebração muçulmana do que assistir a uma cerimónia cristã.

    
"Antes das nossas eleições, John Kerry veio à Nigéria", disse ele. "John Kerry, quando era secretário de Estado, deixou os Estados Unidos e veio directo para ver o sultão de Sokoto. Foi uma visita que ninguém poderia explicar".

    
"John Kerry afirma ser católico. Este é o exemplo perfeito. Ele aterrou em Abuja. A embaixada americana está em Abuja. Há um cardeal em Abuja, e um cardeal muito visível, por acaso, mas não atravessou a mente de John Kerry visitar o cardeal, mesmo por cortesia. Ele apanhou outro avião para Sokoto e foi ao palácio do sultão, o chefe dos muçulmanos", disse ele.

    
"A reacção da comunidade cristã nigeriana foi muito interessante. Eles achavam que Kerry estava  a promover a agenda islâmica", disse o bispo Kukah. "Estávamos em véspera de  eleições, e eles acharam que ele veio cá para promover o candidato muçulmano".

    
"Num país como a Nigéria, a influência é comprada e vendida, e nós não temos lugar a mesa", continuou o bispo, acrescentando: "Não treinámos os nossos fiéis para papéis na vida pública ... ainda somos muito tímidos no espaço público, e não estamos cientes de quanto as coisas mudaram."...

-------------------------------------------------------



O Papa Francisco foi nomeado "Defensor do Islão".