quinta-feira, 24 de julho de 2014

Educando os infiéis...



Muçulmanos na Noruega pagam todo o Bem que receberam, com... mais um atentado à vista. Terrorismo, violações, espancamento dos cidadãos, crimes, desordem pública, exploração do contribuinte, e agora um país paralisado. Os muçulmanos querem à viva força educar o Ocidente no Islamismo.
Aguardamos a todo o momento que a ONU reúna para condenar a Noruega por tentar impedir este atentado, num flagrante desres peito pelas tradições e cultura islâmicas! Desde o 11 de Setembro que foram cometidos, até hoje, 23450 atentados terroristas islâmicos. A Noruega não pode parar o progresso!


ONU, TERRORISTAS e LOUCA FURIOSA!


Existe qualquer precedente na História do Mundo, de uma nação sofrer passivamente um bombardeamento de três semanas sobre a sua população civil, por mais de 2.000 mísseis mortais (fora todos os antecedentes)? E de ser CONDENADA quando finalmente REAGIU?
Só nazis infectos podem estar contra Israel!


(Não ouvimos Navi Pillay  comentar por exemplo as ordens dos clérigos islâmicos para o assassínio de infiéis e a violação das suas mulheres... É normal e é justo, pois faz parte da cultura deles, e quem não se deixar matar e violar é islamofóbico, não é camaradas hippies de sandálias mais a terrorista da «Solidariedade com a Palestina»?...)

A extrema-esquerda, os nazis, os islamistas, e outros antissemitas raivosos, que, por definição, não respeitam qualquer tipo de Direitos Humanos, avançam com os seus habituais jogos de propaganda, baseados, por exemplo, em argumentos de autoridade

A senhora que ficou mundialmente conhecida por acusar Israel de os muçulmanos desancarem as suas mulheres, pôs-se em bicos de pés para acusar Israel de não ter feito o suficiente para salvaguardar vidas humanas, na presente ofensiva contra o bando terrorista Hamas.

A ONU diz, é porque é verdade, n'est-ce pas? Acontece que a ONU é um antro de terroristas, como temos sucessivamente demonstrado - ver etiqueta UN WATCH.





Hoje: Um Debate sobre emergência Gaza Cria Novo Relatório Goldstone, Condena Israel por "violações de direitos humanos Gross"
'Palestinos', Irão e Síria falham na tentativa de silenciar UN Watch

A intervenção, e os incidentes provocados pelos Estados terroristas. Mais lista de reprodução:



GENEBRA, 23 de Julho de 2014 - O embaixador palestino no UNHRC, juntamente com o Irão, Síria, Egipto, Cuba e Venezuela, tentaram, mas não conseguiram, silenciar o Director Executivo da UN Watch, Hillel Neuer
Em sessão de emergência da ONU sobre GazaHilel defendeu o direito de Israel se defender da agressão dos terroristas do Hamas, e denunciou a hipocrisia daqueles que estão a condenar Israel, de forma tendenciosa.
Como esperado, o conselho condenou Israel por "graves violações de direitos humanos internacionais", e criou uma nova comissão de inquérito para produzir um segundo relatório Goldstone. Clique aqui para ver a resolução e a lista das nações grosseiramente parciais que o votaram, ignominiosamente.

- Os que condenam Israel por se defender não têm, nunca, uma palavra para condenar o terrorismo do Hamas, os escudos humanos e todas as atrocidades deste e de outros bandos islamistas, tão perversos como os nazis. Os nossos votos sinceros de que vão todos para o Diabo! Acompanhe os nossos posts sobre  presente guerra:


Discurso proferido hoje, hoje, 23 de Julho de 2014 por Hillel Neuer, Director Executivo da UN Watch, na sessão de emergência do Conselho dos Direitos Humanos da ONU sobre Gaza:

Sr. Presidente, acabo de regressar de uma visita a Israel para contar neste Conselho, e ao Mundo, a grave situação que presenciei e experimentei.

Toda uma nação - cidades, vilas e aldeias - desde o deserto de Negev até a Galileia, das colinas da Judeia e de Jerusalém, até Tel Aviv, continua sob ataque brutal e implacável, com mais de dois mil morteiros, rockets e mísseis de
longo alcance, disparados de Gaza contra civis na Terra Santa.
Nunca antes, na história de sete décadas de existência do moderno Estado de Israel, homens, mulheres e crianças estiveram sob tamanho ataque aéreo. (...)

E nunca antes, na história moderna das nações livres e democráticas, uma Sociedade esteve sob o bombardeio constante de uma organização terrorista, que abertamente se esforça para assassinar civis e celebra o assassinato de civis, e que, como o Mundo sabe, glorifica a morte.


Será que o mundo alguma vez imaginou que a antiga cidade de Jerusalém, sagrada para o Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo, e repleta de lugares sagrados que são reconhecidos pelas Nações Unidas como Património Mundial, seria
deliberadamente destruída  por mísseis?

Durante um ataque aéreo em Jerusalém, eu corri para a cave de um edifício, estive com as criancinhas, chorando, traumatizadas. Durante um ataque aéreo em Tel Aviv, os vizinhos de um prédio de apartamentos mostraram grande força de espírito em desafio ao terrorismo, e acolheram estranhos nos abrigos, enquanto ouviamos as explosões dos mísseis sobre nós.
E, quando eu estava sentado no meu avião, prestes a partir, a sirene de ataque aéreo soou no aeroporto. Tudo o que tínhamos a fazer era que correr para fora do avião e procurar abrigo. Já ouviram as notícias de hoje: as companhias aéreas internacionais estão agora a deixar de voar para Israel, devido a este risco.
- Nota nossa: cancelamento de voos já levantado.

Acredito que o mundo deve saudar esta nação, que não cedeu ao terrorismo, ao cerco e à guerra. Que se recusou a render-se e ceder à desmoralização. Que demonstrou coragem, determinação e força de espírito, para sobreviver e resistir a esta enorme agressão.
PERGUNTO: Existe qualquer precedente na História do Mundo, de uma nação sofrer passivamente um bombardeamento de três semanas sobre a sua população civil, por mais de 2.000 mísseis mortais?
A tentativa do Hamas de encerrar único aeroporto internacional de Israel, num país sitiada por potências hostis, constitui o estrangulamento vital para a vida do povo de Israel e para sua economia.

Estes actos de agressão ofendem também os direitos soberanos das nações cujas companhias de aviação voam para Israel.

Peço a cada um embaixador nesta câmara para tomar um momento e imaginar terroristas deliberadamente a lançarem mísseis mortais sobre os aeroportos de Heathrow, Charles de Gaulle, Frankfurt, Rio de Janeiro, Joanesburgo, Tóquio.

Como é que o seu governo reagiria?

Será que a sua nação esperava tanto como Israel antes de exercer os seus direitos de auto-defesa, sob a lei e a moralidade internacional, para resistir à agressão?

Sr. Presidente,

Volto-me agora para a resolução que Conselho vai votar.
O texto diante de nós nega o direito de Israel à auto-defesa, e desconsidera os crimes de guerra do Hamas.

Perguntamos: Porque é que este Conselho se recusa a dizer o que foi dito há apenas duas semanas pelo próprio embaixador palestino?
Num momento extraordinário de sinceridade, o embaixador palestino Ibrahim Khraishi admitiu, na TV palestina, que "todos e cada um" dos mísseis palestinos lançados contra civis israelitas são "crimes contra a Humanidade".
Por outro lado, a resposta  de Israel em Gaza "seguiu os procedimentos legais", e os próprios porta-vozes do Hamas o admitiram na TV:
"Os israelitas avisam-nos para abandonarmos as nossas casas antes dos bombardeamentos, nós NÃO! Nós nunca avisamos sobre onde os nossos mísseis vão cair ou sobre as operações que realizamos."

- ver o nosso post:  

Pacifistas de trazer por casa


Pode qualquer entidade, ou qualquer indivíduo, negar o que foi dito pelo próprio embaixador palestino?
 
É possível que o verdadeiro objectivo desta sessão seja silenciar as verdadeiras vozes das vítimas e dos direitos humanos em todo o mundo, desviando o foco de piores abusos do mundo?


Perguntamos a todos aqueles que abraçam a hipocrisia e os padrões duplos: no ano passado, os senhores manifestaram-se quando milhares de manifestantes foram mortos e feridos na Turquia, Egipto e Líbia? Quando mais vítimas do que nunca foram enforcadas pelo Irão? Quando mulheres e crianças no Afeganistão foram bombardeados? Quando comunidades inteiras foram massacradas no Sudão do Sul? Quando centenas no Paquistão foram mortos por ataques terroristas jihadistas? Quando 10.000 iraquianos foram mortos por terroristas?

[Egipto interrompe com uma objecção]

Presidente da sessão: Nós temos um ponto de ordem. Egipto, tem a palavra.
Egipto: Sr. Presidente, eu penso que nós estamos reunidos hoje para uma sessão especial para a crise actual e as violações cometidas na crise de Gaza. Por isso, eu não vejo por que razão estamos a falar de situação dos direitos humanos em outros países. 
Estados Unidos da América: Nós pensamos que é relevante para o assunto em discussão e, portanto, devemos permitir que a ONG continue a falar. 
Irão: Nós apoiamos plenamente os pontos de ordem feitos pelo Egipto. 
Canadá: Nós pedimos que permitam que a ONG complete a sua intervenção. Tudo é relevante para a discussão em questão. 
Israel: A sociedade civil tem o direito de participar neste debate, e nós pedimos que permita que a ONG fale.
Venezuela: Apoiamos os pontos de ordem feitos pelo Egipto.
«Palestina»: Esta não é uma questão da ordem de trabalhos. O palestrante vai continuar na mesma linha, se não for mandado parar. Peço que não o deixem falar, para podermos concluir este encontro em tempo útil.
Cuba: é inconcebível que a ONG venha a este Conselho para nos fazer gastar o pouco tempo que temos para debater o problema. O que é de crucial importância é o genocídio cometido contra o povo palestino.  

- Ditaduras comunistas e islamistas: a mesma luta contra a Verdade, a Liberdade e a Democracia. O mesmo ódio a Israel. O mesmo amor ao terrorismo. Autênticas forças do MAL.

Presidente: Eu dou a palavra ao UN Watch, com o pedido que se cinja ao assunto em debate hoje.

UN Watch: Obrigado, Sr. Presidente. O embaixador palestino teve a oportunidade de confirmar se as suas declarações na TV palestina foram genuínas ou não. Ele não as negou. Todos podem confirmar que as proferiu, no registo vídeo.
Para terminar: Aqueles que se recusam a falar dos 1800 palestinos - se não mais - que morreram de fome, ou assassinados, por Assad, na Síria, só gritam quando podem acusar Israel; são pró-direitos humanos, ou apenas anti-Israel?

Síria: Estamos acostumados a ouvir esta ONG a criar divisões entre os palestrantes, e a falar extemporaneamente. É estranho ouvir uma ONG defender a matança de mulheres e crianças, e a destruição de infra-estruturas na Palestina. Espero que o orador seja proibido de  continuar a sua declaração.  
Presidente: Eu dou a palavra ao UN Watch.

Hillel: Obrigado, Sr. Presidente. Deixe ao Mundo esta nota: numa sessão supostamente sobre direitos humanos dos palestinos, o governo da Síria opôs-se a que nós mencionássemos os mais de 1.800 palestinos assassinados e mortos à fome pelo seu governo.

 ---------------------------------------------------

Nota final nossa:

As pessoas são absolutamente livres de não gostar, ou mesmo de odiar, Israel e os judeus.  

As pessoas são absolutamente livres de gostarem do Islamismo, do Nazismo ou do Comunismo, todas elas ideologias de ódio, caos, morte, destruição, opressão, medo, tirania, miséria.

As pessoas são absolutamente livres de preferirem o Mal ao Bem, as Trevas à Luz.

Contudo, quem quiser ser honesto consigo mesmo, terá forçosamente que admitir que essas três ideologias, unidas entre si, contra o Mundo Livre e contra Israel, MENTEM descaradamente.

No caso presente, Israel é um pequeno país, diariamente fustigado com todo o tipo de terrorismo islâmico. Israel está, mais uma vez, a lutar pela sua existência, a exercer o direito de legítima defesa. As vossas MENTIRAS e PROPAGANDA são obscenamente grosseiras. Assumam o ÓDIO, que vos fica bem melhor!

Assim, são apenas reles HIPÓCRITAS. Como quando deitam lágrimas de crocodilo pelo horror do Holocausto, enquanto exultam por dentro. A vossa espécie só gosta dos judeus quando estão bem mortos. De preferência após uma quantidade diabólica de horrores, infligidos a inocentes.

Cada míssil que o Hamas lança, cada míssil que vocês, islamonazis, extrema-esquerdistas e outros desgraçados, lançam pela boca ou vomitam para as páginas de jornais (conspurcando a nobre profissão do Jornalismo) é uma declaração sonora da vossa FRUSTRAÇÃO por não conseguirem o que procuram há 4 milénios: EXTINGUIR A NAÇÃO ETERNA!

Por isso me alegro e proclamo:

AM YISRAEL  CHAI! VIVA ISRAEL!



Está tudo dito (2)

Mais alguns cartoons que expressam na perfeição o que se está a passar no conflito Hamas-Israel. Está tudo dito.
 




 

Angela Merkl apoia Israel





 O muçulmano terrorista Barack Hussein Obama, não, obviamente...

Muçulmanos "moderados" (grupos filiados na Al-Qaeda!) financiados por Obama, nas suas actividades preferidas; aqui estão a destruir o gasoduto que acompanha a estrada Damasco-Qaryatein:




Mas o que eles gostam mesmo é de chacinar, violar e comer cristãos. E mesmo outros muçulmanos que não leiam pela sua cartilha de ódio, canibalismo e barbárie:




A Imprensa - com destaque em Portugal para o antissemita e islamista Al-Público - continua a lançar os seus mísseis de propaganda, desinformação, perseguição e ódio contra Israel. Não relatam as atrocidades islamistas, mas debitam MENTIRAS e MANIPULAÇÃO a cada instante contra a única democracia do Médio Oriente.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Não fossem os escudos humanos...


Para o bando terrorista islâmico Hamas,  violar as leis internacionais é a rotina. Quanto mais civis morrerem em Gaza e em Israel, melhor para eles. Tudo é ganho!

Os terroristas do Hamas transformaram o  Hospital Wafa em base terrorista. Atacaram o IDF a partir do hospital. O IDF fez avisos repetidos para evacuarem os civis. Os fanáticos suicidas do Hamas continuaram a disparar. O IDF alvejou locais específicos do hospital onde estavam armazenadas armas e munições. As explosões secundárias, que podem ser vistas no vídeo, confirmam-no.


 

Os media intoxicam a população, dizendo que «Israel bombardeou um hospital» e outras barbaridades profundamente cínicas, debitadas por certos répteis extrema-esquerdistas amantes da Coreia do Norte, do Irão, do Hamas, da Al-Qaeda, do Arafat, de tudo quanto é terrorismo, tirania e barbárie...

Não fossem os escudos humanos, e  o IDF, o Exército mais moral do Mundo, não teria baixas e resolveria esta situação em horas. Poucas. O site HONEST REPORTING dá conta de que até jornalistas ocidentais estão a ser usados como escudos humanos.

 

A 21 de Julho, terroristas do Hamas infiltraram-se em Israel a partir de um túnel de Gaza (existem duas Gazas, uma à superfície e outra, uma cidade terrorista subterrânea). Os assassinos islamistas vinham completamente equipados com uniformes do IDF, e explosivos à volta do corpo. O IDF detectou-os e abateu-os:



 

Apesar da difamação global e do terrorismo que não pára de vir de Gaza, Israel continua a fornecer-lhes tudo, como sempre:

 


Personalidades como Bill Clinton continuam a condenar a estratégia dos terroristaas do Hamas em usarem escudos humanos:



Ron Dermer, embaixador de Israel nos Estados Unidos, comenta a estratégia dos escudos humanos:




Fazemos votos de que Israel reintegre Gaza no seu minúsculo território, neutralize quantos terroristas puder, expulse ou prenda todos os terroristas dentro das suas fronteiras, e nunca mais cometa o erro de dar território aos islamistas. O objectivo da guerra é aniquilar o inimigo. Israel é o único Exército do Mundo que prefere sacrificar os seus soldados a ceder 1 milímetro aos mais elevados padrões éticos. Não pode ser! Há que ganhar esta guerra e o mais depressa possível!

A des-informação do Al-Público

Num outro exemplo absolutamente execrável e reprovável de parcialidade, o Al-Público diz que Navi Pillay, Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos (órgão da ONU, já de si na mão dos países da Organização da Conferência Islâmica que sempre votam em bloco, que tem como membros actuais países exemplares no que concerne aos direitos humanos como  Argélia, China, Cuba, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, QatarIrão, Líbano, e Turquia) que no passado nada fez para proteger os civis israelitas, «os ataques israelitas na Faixa de Gaza podem constituir “crimes de guerra”», mas não refere, nem insinua, que a mesma, também condenou o «disparo indiscriminado pelo Hamas e outros grupos armados de mais de 2,900 rockets, bem como obuses de morteiro, a partir de Gaza [que] continuam a colocar em perigo a vida de civis em Israel» (o que, estranhe-se que não tenha sido dito pela senhora Pillay, constitui, explicitamente, crimes de guerra).
 
 
a senhora Pillay, com o seu tilaca na testa a disfarçar o zebibah que está por baixo
 
Melhor: a senhora Pillay, mesmo com toda a sua reconhecida parcialidade, diz que a possibilidade de haver crimes de guerra cometidos em Gaza versa tanto sobre Israel, como sobre o Hamas, mas isso não é minimamente sugerido pelo artigo do Al-Público: «É imperativo que Israel, o Hamas e todos os grupos armados palestinianos respeitem estritamente as normas aplicáveis ​​do direito internacional humanitário e o direito internacional dos direitos humanos. Isto implica a aplicação dos princípios da distinção entre civis e combatentes e entre alvos civis e militares; da proporcionalidade; e precauções no ataque. O respeito ao direito à vida de civis, incluindo crianças, deve ser uma consideração principalO não respeito destes princípios pode constituir crimes de guerra e crimes contra a humanidade» (sublinhado meu).
 
Mais: o Al-Público diz, na mesma peça de desinformação, que tal possibilidade de "crimes de guerra" se deveu ao facto de Israel «nada [ter feito] para poupar a vida dos civis». Isto é falso: é falso no terreno (Israel, pondo em cheque o elemento de surpresa, telefona e lança panfletos) e no confronto com as próprias palavras da senhora Pillay, que refere que «Israel afirma que alertou os moradores de Gaza antes de realizar ataques, inclusive usando telefones, mensagens de texto e avisos de fogo usando munições relativamente leves» (nota: Israel não apenas diz que avisou: os links que coloquei, respectivamente do Washigton Post e da NBC que não são nada pró-Israel, demonstram isso).
 
Mais uma vez: o Al-Público pode ter a politica editorial que quiser e é por isso que o seu verdadeiro símbolo anda a circular na NET, mas com tamanha parcialidade, já não pode ser tido como um jornal (muito menos de referência), mas um mero órgão de desinformação filiado ao Hamas.
 
 
Se acharem bem, enviam este post aos vossos contactos, e, sempre com a cortesia que norteia quem sabe estar do lado da verdade e do bem, escrevam ao Provedor do Leitor do PÚBLICO, perguntando o motivo para tão flagrante dualidade de critérios que, na prática, assume que os não-muçulmanos são cidadãos de segunda.
 
 
Talvez também se possa escrever às empresas que noticiam no PÚBLICO, perguntando se querem estar associadas a tamanha dualidade de critérios, falsidades e hipocrisia.

É DISTO que o meu Público gosta!!!



O meu Público não gosta que Israel se defenda dos terroristas do Hamas, e até conta os terroristas abatidos como «crianças». Mas A-DO-RA belos costumes islãmicos como estes, que muito têm animado o presente Ramadão.




Ao 26º dia do Ramadão, assim vai a chacina; os media calam-se bem caladinhos:


Dia 26
Em nome da 'Religião da Paz'
Em nome de QUALQUER
outra religião
Crimes 
anti-islão
Ataques Terroristas
203
0
2*
Bombistas Suicidas
26 
0
0
Mortos
1857
0
2*
Feridos
1500
0
0

* 2014.07.03 - Um muçulmano de Myanmar foi morto por um budista por alegadamente ter estuprado uma mulher. (um budista foi também linchado por muçulmanos no mesmo embate).

* 2014.07.02 - Um jovem árabe foi morto por três adolescentes israelitas, em "resposta" ao rapto e assassínio de três jovens judeus - triplo rapto e assassínio muito festejado pela Extrema-Esquerda e pelos Muçulmanos.


Esta sexta-feira,  mais de 100 inocentes foram chacinados na Nigéria, por islamistas que incendiaram as suas casas e os iam alvejando à medida que estes saiam para a rua. É assim que o Boko-Haram tem abatido, queimado vivos e mutilado à catanada, milhares de «infiéis», desde que, em 2009, começou a sua valente luta pela causa do deus Alá! Notícia AQUI.


 

No Irão, esse belíssimo país que o povo de Esquerda tanto reclama que é um paraíso, e que deve ter a bomba atómica (para erradicar Israel do mapa, como eles anunciam), um cristão foi condenado a ter os lábios queimados com cigarros, por não ter jejuado no Ramadão. E outros três homens, muçulmanos, a serem chicoteados, por não terem feito o jejum como deve ser. São asim , os tribunais desse belo país. A notícia está AQUI

Mas isto são trocos; no Irão enforca-se homossexuais, mulheres violadas (acusam-nas de adultério), os não muçulmanos pagam o imposto de «infiel» e são tratados abaixo de judeus, etc., etc.. etc., etc.. Ninguém se indigna.



Na Líbia, os terroristas islâmicos assaltaram e tomaram o aeroporto internacional, e os voos estão cancelados. Com o Mundo Livre decapitado e substituído pelo islamista terrorista, financiador da Al-Qaeda e Irmandade Muçulmana, Barack Hussein Obama, a jihad global avança. Notícia AQUI. Quem se atreva a contestar a jihad global, é qualificado como «fascista de merda», como debitou ontem aqui um comunista islamonazi.




Na Síria prossegue o genocídio, o roubo da propriedade, a profanação de templos, a onda de estupros e o êxodo dos cristãos. Notícia AQUI. A Imprensa publicana NEM PIA! Lembramos que há no novel califado Global, que por enquanto é só Síria e Iraque, matadouros de cristãos. Os islamistas praticam os sacrifícios humanos e o canibalismo. A conhecida odiadora de Israel, a «jornalista» Sofia Lorena, do Al-Público, esteve na Síria e só cantou louvores aos canibais do ISIS...



A religião do ódio e do crime só começou a sua sanha destruidora no século VII. Esta igreja em Mosul tinha mais de 1800 anos. Os cristãos de Mosul foram mandados fugir, ou seriam mortos (nem a jyziia, o abjecto imposto de «infiel», já lhes interessa). Queimaram a igreja toda. Mais um de muitos templos (cristãos, judaicos, budistas, hindus), que são profanados e destruídos pelos seguidores do Mafoma. Noticia AQUI.



No Afeganistão, um mullah violou uma menina de 10 anos, na mesquita. A família, consequentemente, pretende... MATAR A MENINA!

Ah não sabia?... Mas é assim que a cabeça desta gente bárbara funciona! A criança fugiu, para não ser alvo de mais um «assassínio de honra», comum no Islão. Mas a Polícia afegã estava a postos! Recolheu a menina e DEVOLVEU-A À FAMÍLIA!!! Notícia AQUI.

Percebe porque é que o Islão não é uma religião e é uma ideologia totalmente incompatível com os Direitos Humanos e com a sanidade mental? Tão certo como haver gente que é capaz de se ofender - não com o mullah, com a família, com a polícia e com o Islão - mas com quem dá a notícia, com quem conta a VERDADE!


Mas graças a Deus que existe a ONU, e a UNESCO, e essas coisas todas, não é verdade?

Não. Essas coisas todas estão na submissão ao Islão e a outras formas de tirania. Noticiámos que numa escola de Gaza gerida pela United Nations Relief and Works Agency foram encontrados mísseis dos terroristas do Hamas, há uns dias. Noticiámos que a UNRWA os devolveu aos seus amigos terroristas. Agora segure-se bem: Foram encontrados lá OUTROS mísseis! Não é giro???

Notícia AQUI.


E por falar em Gaza;
veja como os terroristas do Hamas, sabendo que Israel não ataca civis (ao contrário deles, assassinos de crianças!), abrem fogo de dentro de uma casa de habitação, com civis como escudos humanos:



AH, AH, AH!!! Não é divertido? O Tio Adolfo, lá no Inferno, deve estar a rebolar-se de gozo, bem como a Sofiazinha do Grão de Areia, a Margaridinha da Paz, a Ritocas, a Aninhas da  Intifada, a outra terrorista da "intifada de votos", e os comunistas hippies de sandálias todos! Todos ali, numa alegre e hippie «constelação familiar»!

O vídeo foi postado pelo Hamas no Facebook. Violam a Convenção de Genebra e gabam-se disso, através da tecnologia ocidental, mazona, e numa rede social criada por um judeu e Sionista! São uns amores, estes Cheguevaras das Arábias!!! As «gajas» adoram-nos- como diria o Nelo da Idália.




O jovem Reyaad Khan, de 20 anos, sonhou em tempos vir a ser o primeiro Primeiro-Ministro asiático do Reino Unido. Era um rapaz estudioso e bem comportado. Agora está na Síria, nas fileiras do ISIS, ao serviço do Califado Global e comunica, feliz, que já matou 5 infiéis. 

Onde aprendeu este jovem essa versão distorcida da Religião da Paz? Por quanto tempo mais os ocidentais vão continuar a acreditar nas TRETAS dos xeques que afirmam que o Islão é pacífico e que os terroristas é que não o entendem bem? Notícia AQUI.


O bando terrorista ISIS, filiado na Al Qaeda e ao serviço do califado Global, já tem brigada feminina. 

Tal como os seus camaradas masculinos, esta brigada aponta a metralhadora ás mulheres e faz questionário islâmico sunita. Um erro? Um tiro na cabeça!

(Alô Nuno Crato... Aqui tens a receita para o sucesso escolar!)

Notícia AQUI. Indignação ocidental? Não há! A Imprensa ESCONDE!



É Ramadão, e há que festejar. E com festeja o bom muçulmano? Não o muçulmano corrompido, ocidentalizado, macio, que quer essas coisas absurdas da liberdade e da democracia, mas o VERDADEIRO muçulmano? À bomba, claro! Mais 26 pessoas foram pelos ares em Bagdad.

Notícia AQUI.



Cumprindo a que manda o livrinho - Alcorão 5:82 e 3:112, um jornal turco declarou: DEUS ABENÇOE HITLER. Mas esse foi apenas um caso. Nestes últimos dias, clérigos islâmicos e outros adeptos, mesmo aqui no Ocidente, têm apelado incessantemente ao Holocausto. 



E como já se faz tarde, vamos terminar esta minúscula amostra de supremacismo islâmico de que o povão tanto gosta, com uma pequena ida à escola. 

Sabedores de que de pequenino é que se islamiza o menino, um grupo de islamistas (sobretudo paquistaneses), infiltraram já muitas escolas no Reino Unido), impondo as suas leis bárbaras. Em artigo do The Guardiam, descreve-se como o receio de acusações de «islamofobia» levou à presente situação.

O caso Cavalo de Tróia (ver este post), que está ser investigado pelas autoridades, já demonstrou que os professores que não se renderam ao Islão foram despedidos, que as direcções passaram a contratar apenas professores islamistas, e que os alunos, ainda crianças, têm sido doutrinados em cousas tão lindas como «todos os cristão são mentirosos» ou «as mulheres que se recusarem a fazer sexo sempre que o marido queira, vão para o Inferno»!

Mas há muito mais. Por exemplo: 


Os professores (islamistas, claro!) das escolas tomadas pelo Islão, afirmam que os atentados da maratona de Boston e a decapitação do soldado Lee Rigby, nunca existiram, que são montagens. 

Notícia AQUI.

Isto foi apenas uma breve amostra desta semana, ao correr da tecla. Os números dos assassínios e dos estropiados falam por si mesmos. No lado direito da nossa página temos um contador de ataques terroristas islâmicos. Mas há outros aspectos que demonstram como as nossas sociedades se estão a islamizar, como o mundo islâmico está regressar à idade das Trevas, como os jornaleiros de todo o mundo diabolizam Israel por resistir a estes bárbaros, e como os políticos do Mundo Livre se ajoelham
 perante os bárbaros!

Continuação de Bom Ramadão, preparem a jyziia e sejam infelizes, como manda o Islão! 



P.S. - As nossas visitas hoje vão assim (uns tipos quaisquer, com muito boa vontade e pouco vagar, conseguem ter milhares de visitantes; apenas graças ao vosso amor pela VERDADE! OBRIGADO!):

Estados Unidos
2434
Portugal
2290
Brasil
2231
Alemanha
220
Israel
116
França
57
China
51
Reino Unido
44
Macau
44
Ucrânia
42

3 terroristas, 3 pontos de vista


Osama bin Laden dispensa apresentações. Foi ele quem, no quatrocentésimo aniversário da derrota muçulmana na Batalha de Viena, orquestrou e ordenou os atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001, que deram início à actual jihad (guerra santa islâmica) global.

Mesmo os adolescentes inadaptados que passam a vida a postar teorias da conspiração em sites manhosos, não se atrevem a aprovar os discursos e as acções deste homem.  Osama bin Laden foi o responsável máximo pelos atentados de Nova Iorque, Londres, Bali e Madrid, e ameaçou fazer mais.

As pessoas, aqui na Europa, nas Américas, na Austrália, em todo o mundo, tiveram MEDO de que a Al-Qaeda os matasse, ou aos seus familiares. Bin Laden foi globalmente odiado. Pensa-se que esteja morto. Ninguém, à excepção dos seus discípulos,  o lamenta.


 

Este é Abubakar Sheka, líder do bando terrorista islâmico Boko-Haram, responsável por milhares de mortos, em chacinas de «infiéis» na Nigéria. Neste vídeo, o terrorista ri-se e afirma que vai vender as meninas que raptou, porque Alá manda. Falámos do caso neste post. O catálogo de horrores do Boko-haram (filiado na Al-Qaeda) é atroz. Os governos ocidentais (bem como o de Israel), estão empenhados no combate a este grupo. Ninguém se opôs!

Mas a verdade é que ninguém está particularmente preocupado com o Boko-Haram, porque é lá longe, e as vítimas são «apenas» pobres cidadãos de um país africano.   





Este é Ismail Haniyeh, o líder do grupo terrorista Hamas, que foi eleito para governar Gaza: exorta o seu povo a fazer-se explodir para matar judeus, a degolar, raptar e alvejar judeus. Diariamente castiga Israel com bombardeamentos sobre áreas residenciais, escolas, infantários, hospitais, etc., enquanto leva vida milionária (ele e sua pandilha), com os milhões que o Ocidente despeja sobre o grupo terrorista Hamas.

Neste vídeo, pode ver-se a massa humana que acorre ao comício em Gaza, e que, em delírio, aplaude o seu discurso NAZI. Ismail, como todos os islamistas e seus apoiantes, é também um nazi, um admirador de Hitler, um odiador de judeus, antes de qualquer outra prioridade na vida. 

Mesmo que o amigo leitor não perceba Inglês, para ler as legendas, vale a pena assistir ao vídeo e constar a semelhança com os comícios de Hitler. No site Jihad Watch pode encontrar inúmeros apelos a novo Holocausto por parte de líderes muçulmanos, clérigos, "doutores" e outros.

O que dizem dele os media, que por sua vez moldam a opinião pública (ainda com milénios de ódio antissemita no subconsciente)? Que é um herói da resistência, que é um santo, que é um deus! 

O PÚBLICO assim declara, numa campanha pró-terrorismo islâmico jamais vista em Portugal. O público, obedece.

-------------------------------------------------

Hoje, o Primeiro-Ministro de Israel (a famosa "potência imperialista" de 20.770 km²), declarou que o Hamas é igual ao ISIS, à al Qaeda, Hamas ao Hezbollah, Hamas ou ao Boko Haram.

O que Benjamin Netanyahu não sabe, na sua proverbial ingenuidade judaica, é que  o Mundo está perfeitamente ciente disso! Só que, como o Hamas «só mata judeus», o Mundo aguarda, a babar-se de gozo, que o Hamas acabe o que Hitler e os seus amigos muçulmanos quase conseguiram.




Apoie a luta do BEM contra o MAL! Apoie Israel! Derrote a Jihad!