segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Obama decidiu, está decidido!




Após dois anos de massacres na Síria, as armas químicas finalmente indignaram Obama e Cameron... Os massacres cometidos pelos "rebeldes" não têm provocado reacções visíveis, mas a suspeita de que  foi o tirano Assad a usar as armas químicas, parece ter sido o tiro de partida para uma aventura de final muito incerto.

Os EUA e o Reino Unido planeiam lançar uma acção militar para ajudar a al-Qaeda na Síria nos próximos dias. E irão desencadear uma catástrofe de proporções que nem eles nem ninguém poderão imaginar. 

A opinião pública tem sido poupada ao espectáculo atroz dos massacres cometidos pelos "rebeldes", mas após a notícia de 1 milhão de crianças refugiadas e das armas químicas supostamente de Assad, está madura. Obama - já o sabemos - é inquestionável, e o veredicto do bem-pensantismo é certo:

É importante aguardar com serenidade o relatório dos inspectores. Há que reconhecer que Obama tem tido um comportamento ponderado, e claramente não tem uma agenda neste processo. Felizmente, longe vão os tempos de George Bush. Se Obama decidir intervir, que sirva ao menos para acelerar o fim deste genocídio dum povo às mãos dos seus opressores.
Leitor-comentador do Público

"Em nenhum lugar na Síria controlado pelos rebeldes há uma força de combate secular para falar"
- New York Times, 28 de Abril de 2013


"Síria - rebeldes
juram lealdade à Al-Qaeda" - USA TODAY, 11 de Abril de 2013

"Marinha pronta para lançar o primeiro ataque à Síria
", Tim Ross e Ben Farmer no Telegraph, 25 de Agosto:

     A Grã-Bretanha está a planear unir forças com os Estados Unidos e lançar uma acção militar contra a Síria dentro de dias, em resposta ao ataque com gás que se acredita ter sido realizado por forças do presidente Bashar al-Assad contra o seu próprio povo.

     Navios da Marinha estão preparadas para participar numa possível série de ataques com mísseis de cruzeiro, ao lado dos Estados Unidos, logo que os comandantes militares finalizem a lista de alvos potenciais.

     Fontes do Governo disseram que as negociações entre o primeiro-ministro e os líderes internacionais, incluindo Barack Obama, iriam continuar, mas que a acção militar que foi acordada poderia começar na próxima semana.

     Com os preparativos a decorrem, William Hague, Ministro das Relações Exteriores, advertiu que o mundo não poderia ficar neutro e permitir que o regime de Assad use armas químicas contra o povo sírio "com impunidade".

     "A Grã-Bretanha, os EUA e os seus aliados devem mostrar a Assad que perpetrar tal atrocidade é cruzar a última linha, e que o mundo vai reagir quando essa linha é cortada", disse Hague.

     As forças britânicas vão ser arrastadas para uma intervenção na crise síria, depois de meses de deliberação e desacordo internacional sobre como responder à sangrenta guerra civil de dois anos...
Instantâneos da acção dos terroristas sírios, afectos à Al-Qaeda: 

- Aqui são três camionistas assassinados, por não serem muçulmanos sunitas: - Aqui é um padre e seus colaboradores, decapitados por não serem muçulmanos:  
 - Aqui são soldados a serem enterrados vivos por serem soldados:  
 - Aqui é um homem torturado, possivelmente por não ser suficientemente muçulmano:  
-E há muito mais; desde os rebeldes a obrigarem crianças a decapitarem inocentes, até às raparigas menores que vão para a Síria prostituir-se em nome da "guerra santa".

Numa coisa temos de dar crédito a Obama. Bush acreditava ingenuamente que era possível eliminar as ameaças terroristas ao Mundo Livre levando a Democracia aos países do Eixo do Mal. Obama acredita pragmaticamente que se ajudar a Al-Qaeda, vai ter elevado apoio popular, a Ocidente e a Oriente.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.