quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Gene Wilder

Morreu o actor norte-americano Gene Wilder. Tinha 83 anos. Agora com a Internet, qualquer pessoa pode descobrir ou redescobrir a sua obra, e de caminho a de cúmplices como Mel Brooks ou Marty Feldman. Nós só queremos agradecer-lhe pela alegria e pela Arte.
Nascido Jerome Silberman, filho de emigrantes russos, Wilder definia-se em termos religiosos como judeu-budista-ateísta. Foi um de muitos filhos de migrantes judeus que fugiram da Europa de Leste comunista ou da Alemanha nazi e que fizeram carreira em Hollywood. 
A sua obra é extensa e os êxitos são muitos. Escolhemos alguns momentos de "A Mulher de Vermelho", uma comédia sobre infidelidade conjugal, que dirigiu e protagonizou, e que dizem melhor que nós do seu talento.

A filha da sua personagem Teddy Pierce anuncia que vai ver um espectáculo de David Bowie com o namorado, o inquietante Shelly:

Um telefonema combinado com um amigo para facilitar uma "escapadela" chega na altura em que Esposa acaba de fazer um discurso sobre lealdade no casamento. Teddy entra em pânico:

Teddy consegue um encontro com a misteriosa Mulher de Vermelho, e prepara-se a rigor:



Um lamentável mal-entendido leva Teddy a encontrar-se com uma mulher que não a de vermelho:

Uma festa surpresa preparada pela família surpreende Ted bem acompanhado:



Finalmente, o encontro (não viria a correr muito bem):

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Brigitte Gabriel Sobre o Anti-Semitismo e o Islão Radical

Para concluir a nossa série de postst por ocasião do segundo do segundo aniversário da OPERAÇÃO PROTECÇÃO-LIMITE, aquando da ofensiva do Hamas a partir de Gaza:


Brigitte Gabriel é cristã e é libanesa. O ex-terrorista islâmico "palestino" Walid Shoebat (hoje cristão), o cristão egípcio Raymond Ibrahim, o ateu Pat Condell, a muçulmana (realmente!) moderada Raheel Reza, e tantas outras pessoas que defendem Israel (até este vosso humilde bloguista) não o fazem por "serem pagos", como alguns sugerem, não o fazem por professarem a fé judaica, não o fazem na esperança de alguma recompensa material ou espiritual.
Fazem-no porque tiveram coragem de questionar o paradigma islamista, comunista e nazi, de que "toda a gente sabe que Israel o os judeus são maus". O argumento do "toda a gente sabe" não é digno de quem se preza de ter alguma dignidade.
Fazem-no porque descobriram que, ao contrário do que lhes ensinaram, Israel é vítima do mesmo terrorismo islâmico que nós aqui na Europa voltamos a enfrentar, 400 anos após a derrota dos jihadistas às Portas de Viena.
A Europa, a América, a Austrália, o Mundo inteiro, têm o direito de se defenderem dos terroristas islâmicos. A Israel, micro-país situado no meio do vasto império islâmico (que há 1,400 anos tenta exterminar os judeus) é negado esse direito:


Toda a gente é livre de não gostar de Israel, dos israelitas ou dos judeus, como de não gostar do que e de quem lhe aprouver. A questão é posta muitas vezes em termos de "eu sou livre de não gostar".
Não é disso que se trata, obviamente. O problema é que boa parte do Mundo continua injustamente a perseguir e difamar os judeus (quando não os ataca e assassina) e o seu Estado.
Ponha a mão na Consciência. Se a tiver, claro.

Caso esteja interessado em ver os posts anteriores:

Israel: O Exército Mais Íntegro do Mundo

A HIPOCRISIA anti-Israel e pró-terroristas

"Daniel está todos os dias connosco"

 

 SEMPRE COM ISRAEL!

 


segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Israel: O Exército Mais Íntegro do Mundo

Mais um post por ocasião do segundo aniversário da OPERAÇÃO PROTECÇÃO-LIMITE, aquando da ofensiva do Hamas a partir de Gaza:

Israel deu Gaza aos colonos árabes em 2005, em mais um esforço para obter a paz com os vizinhos muçulmanos. Desde então, tem sido alvo de raptos, assassínios, bombistas suicidas e do disparo de dezenas de milhar de mísseis a partir desse território convertido em base terrorista.
A manipulação jornalística, o ódio anti-semita e a hipocrisia dos políticos que cuidam de agradar ao mundo islâmico, continuam a fazer com que o Mundo ache que é Israel quem ataca os árabes: 

A HIPOCRISIA anti-Israel e pró-terroristas 

O testemunho deste alto responsável militar não é um mero argumento de autoridade. Pode ser confirmado por qualquer pessoa que se digne estudar:

Comparar baixas é MANIPULAÇÃO

O Exército Mais Moral na História da Guerra

Porque morrem os 'palestinos'


Mas estudar e pensar dá trabalho. É mais simples odiar, apenas porque os outros odeiam. Quando o terrorismo toca aos europeus, e a outros críticos de Israel, pagam na mesma moeda.



Vídeo J Clóvis Cruz:
Nesse dia 11 de maio, foi observado em Israel o Yom Hazikaron ou Dia da Memória, em que são lembrados os soldados mortos em batalha e vítimas de terrorismo. A data precede as comemorações do dia da Independência, de forma estratégica, para que todo povo se lembre que o Estado de Israel só existe por causa do sacrifício de muitos bravos soldados.
No entanto a campanha de calúnia e difamação de Israel por organismos internacionais, intelectuais de extrema-esquerda e pela mídia é uma das narrativas mais frequentes no nosso cotidiano. Estes grupos produzem os mais inacreditáveis malabarismos mentais para construir uma narrativa que coloque Israel como vilão, um praticante ativo de crimes de guerra.
Até onde vai a indignação seletiva para apontar Israel como o vilão? Qual a razão para esta inversão de valores na qual jogam nas costas da real vítima a culpa de todos os males? O que está por trás deste jogo, quando se busca impedir Israel de realizar qualquer tipo de defesa, enquanto se vende a narrativa do Islã "religião da paz", ao se referirem a pessoas e grupos declaradamente decididos a reeditar o extermínio de judeus?
Não conhece um grupo como esse? Aqui segue um trecho retirado do estatuto do Hamas, partido que governa a Faixa de Gaza: "Israel existirá e continuará existindo até que o Islã o faça desaparecer, como fez desaparecer todos aqueles que existiram antes dele (segundo palavras do mártir, Iman Hasan al-Banna, com a graça de Alá)."
Israel vem sendo, ao longo de décadas, alvo de variados tipos de inimigos. Dentre eles está o Hamas, que não esconde seu fascínio pela morte e sabe muito bem o valor que Israel atribui à vida, usando assim, a morte em seu favor.
O exército israelense é pequeno e formado por cidadãos comuns. É um exército que empenha-se como nenhum outro em evitar guerras e proteger vítimas. Israel não ataca. Israel se defende.
Em mais uma colaboração com a PragerU, os Tradutores de Direita apresentam o Coronel Richard Kemp, que foi comandante das Forças Britânicas no Afeganistão e monitorou todo o conflito em Gaza em 2014 para a ONG UN Watch (ONG que tem por missão vigiar a ONU pelos seus próprios padrões).
Vejamos o que ele tem a dizer.
[*] http://veja.abril.com.br/…/do…/integra-do-estatuto-do-hamas/
Tradução: Patricia Maragoni
Revisão: cpac
Vídeo traduzido no YouTube: https://youtu.be/MXVxqveFJMY
Vídeo original: https://youtu.be/tN1MkAGuVyY
Agradecimentos à Prager University - www.prageru.com


domingo, 28 de agosto de 2016

A HIPOCRISIA anti-Israel e pró-terroristas

Por ocasião do segundo aniversário da OPERAÇÃO PROTECÇÃO-LIMITE, e na sequência do post de ontem, sobre as vítimas inocentes da ofensiva do Hamas a partir de Gaza, há dois anos:

"Daniel está todos os dias connosco"

O vídeo refere-se no título à esquerda hipócrita, mas esta hipocrisia não é exclusiva de sectores da esquerda e da extrema-esquerda. O ódio aos judeus não escolhe ideologias, profissões, graus de escolaridade, cultura ou Q.I.. O anti-semitismo não é uma ideologia, é uma doença mental:


O famigerado 9 de Av do calendário judaico voltou a ser pouco auspicioso em 2005, quando o governo de Israel resolveu ceder à pressão anti-semita da comunidade internacional e dos islamistas, e oferecer Gaza de mão beijada aos árabes.
Mais de 8.500 moradores judeus foram forçados a abandonar as suas casas em 25 cidades na Faixa de Gaza. Exumaram até os seus mortos, pois era certo que haveria profanação de sepulturas, e partiram, com a roupa que tinham no corpo.
Ainda os últimos soldados israelitas (que forçaram os habitantes judeus a sair) não tinham abandonado o território, e já a turba muçulmana saqueava e destruía as infra-estruturas que os israelitas deixaram para trás. As sinagogas foram profanadas e queimadas.
Os árabes apressaram-se a eleger o bando terrorista Hamas, que, desde então, usa o território como base de lançamento de ataques contra Israel (preferencialmente contra infantários, escolas e hospitais).
Num permanente esforço para destruir Israel e os judeus, a comunidade internacional financia o Hamas e  despeja milhões em Gaza, para a compra de material de guerra destinado a matar crianças israelitas, e para engordar a elite bilionária das chefias terroristas.
A queda do Comunismo e do Nazismo não mudaram a determinação dos odiadores dos judeus. Tornaram-se apenas mais hipócritas, usando os muçulmanos como ferramentas para o trabalho em que já não querem sujar as mãos directamente. Entre um governo que opera campos de extermínio de judeus, e um que financia o Hamas ou a "Autoridade 'Palestina'",  a diferença é que o primeiro, pelo menos, assume o seu ódio demente.
---------------------------
A opinião pública mantém-se intoxicada pelos políticos e pelos jornalistas avençados. Continua a apoiar o Hamas, e de  Gaza tem a ideia de que se trata de um campo de concentração onde os judeus encerram os "palestinos". Sobre a OPERAÇÃO PROTECÇÃO-LIMITE, pensam que se tratou de uma diversão de Verão, em que os judeus resolveram fazer tiro ao árabe.
Nenhum outro país no Mundo alguma vez deu território aos seus inimigos (Israel deu mais de 2/3 do seu, apenas para tentar a Paz com os islamistas). Nenhum outro país do Mundo  permitiu alguma vez que um grupo terrorista alvejasse diariamente as suas crianças.
Enquanto Israel der tais facilidades aos terroristas, a comunidade internacional continuará a esfregar as mãos e a fomentar a destruição do Estado Judaico. Os terroristas e o Mundo, por enquanto, só entendem a linguagem da Força.

 FORÇA, ISRAEL!


sábado, 27 de agosto de 2016

"Daniel está todos os dias connosco"


Daniel Tragerman, assassinado pelo grupo terrorista terrorista islâmico conhecido como a "Palestina".

Dois anos após a morte de Daniel Tragerman, vítima de um míssil lançado pelo Hamas, a Rádio Jai falou com Marcelo, seu avô, que compartilhou os seus pensamentos. 
"Vivemos com a memória de Daniel todos os dias. Faz hoje dois anos que ele nos deixou, mas continua connosco", disse Marcelo, ainda afligido pela morte do seu neto.
Daniel, que na época tinha 4 anos, foi atingido por um míssil disparado a partir da Faixa de Gaza para a cidade de Negev onde vivia.
Marcelo contou à Rádio Jai como a família seguiu em frente após a tragédia: "Nestes dois anos nasceu uma irmã de Daniel, chamada Romi, que tem agora oito meses, e mais dois primos, mas o lugar de Daniel ninguém preenche".
Não foi a primeira vez que a família foi afectada pelo conflito. Em 2011, a casa de Marcelo e sua Esposa foi destruída quando um míssil caiu sobre ela.
"Viemos para Israel pelo nosso sentido do Sionismo, pois se não cuidarmos da nossa terra, ela vai passar para as mãos dos nossos inimigos", respondeu, quando questionado sobre porque escolheram continuar a viver na zona de conflito.
Marcelo e sua esposa Pauline foram educados em movimentos de juventude na Argentina e fizeram aliá em 1967, após a Guerra dos Seis, motivados pelos seus sentimentos Sionistas. Viveram por uma década num kibbutz antes de se mudarem para a área onde hoje vivem, perto da Faixa de Gaza.
Fonte: Rádio Jai via UNITED WITH ISRAEL, 23 de Agosto de 2016.


https://unitedwithisrael.org/es/

Fez este Verão dois anos, os terroristas de Gaza voltaram a atacar massivamente Israel (porque mísseis, disparam-nos quase todos os dias, preferencialmente contra jardins infantis, escolas e hospitais). 
O Estado Judaico ficou paralisado durante duas semanas, com toda a população encerrada nos abrigos anti-míssil. Nunca na História da Humanidade um país tinha sido atacado durante duas semanas sem responder.
O Mundo não ligou nenhuma. Até Israel ter respondido.
Israel lançou a OPERAÇÃO PROTECÇÃO-LIMITE, e aí, choveram condenações internacionais e manipulação jornalística. Os judeus deveriam ter-se deixado massacrar. O costume.
A operação militar em Gaza foi a acção mais limpa da História da Guerra, pelo Exército mais moral da História.
Israel foi até condenado internacionalmente por usar de padrões morais que mais nenhum Exército do Mundo consegue atingir!!!!!!
Escudos humanos para maximizar baixas: Se os soldados israelitas errarem o atirador do Hamas e matarem uma criança, é ganho! É mais PROPAGANDA!

Os terroristas fizeram todo o possível para terem baixas, e Israel para as evitar. (CONFIRA O ARTIGO DE DANIEL PIPES).
Soldados israelitas foram mortos por terem acorrido a falsos pedidos de ajuda de crianças, usadas como iscos humanos.
Matan Gotlib foi desses soldados:

Um morto e 16 soldados feridos enquanto tentavam ajudar as crianças numa clínica da ONU. As crianças, usadas pelos terroristas como isco, pediam ajuda. Maton Gotlib pôs de imediato a sua vida em risco para resgatar as crianças, filhas dos seus inimigos mortais. Foi assassinado.

Para além da nossa etiqueta OPERAÇÃO PROTECÇÃO-LIMITE, pode também dar uma vista de olhos em Gaza e Hamas.
Dois anos volvidos, e graças a JORNALISTAS bem pagos para difamar Israel e promover o Islamismo, a percepção do Mundo sobre a Guerra de Gaza é que Israel atacou sem provocação, "para matar crianças árabes".
E que os "heróis" do Hamas se defenderam, coitadinhos.
Daniel Tragerman, Matan Gotlib, e tantas outros, foram vítimas inocentes de um inimigo que declara com orgulho "amar a morte como os outros amam a vida".
Israel não só tem o direito, como tem o dever, de suprimir quantos terroristas possa.
Quem é tolera os maus, acaba por sacrificar os bons, os inocentes. Israel, e o resto do Mundo Livre, não podem continuar a deixar-se chacinar impunemente.


 Com este post, vão as nossas orações por todas as vítimas do Islamismo.

FUNDAMENTAL - Breve História do Islão

Você é pessoa de bem e ainda defende o Islão? Dispõe de 15 minutos, que podem ajudar a salvar a nossa Civilização, o futuro dos nossos filhos, a Liberdade pela qual os nosso pais lutaram? Tem coragem para encarar os FACTOS? Então assista:

Brigitte Gabriel,  jornalista, escritora e activista anti-Jihad, cristã libanesa-americana, fundadora do American Congress For Truth, conta o essencial da História e dos princípios do Islão.
Não há "Islão moderado", como estamos cansados de demonstrar: 
No Islão, os "moderados" são mortos, ou vivem uma vida a tentar não ser mortos.
Se duvida, porque não estuda a História, porque não verifica que o Islão se mantém igual, a matar, torturar, mutilar, estuprar, perseguir, hoje como há 1,400 anos?
Não se justifica, hoje em dia,  com o acesso que há a tanta informação fiável, e com a matança diária que o Islão leva aos quatro cantos do Mundo, haver quem continue a enfiar a cabeça na areia.
Como dizia um comentador do YouTube, "Quem ainda defende o Islão, ou é muito burro, ou muito filho da puta". Se você viu o vídeo e ainda defende o Islão, é o quê?
Vídeo do canal YouTube de Luigi B. Silvi

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Polícia belga abate terrorista muçulmana. E se fosse em Israel?

Em cima, as autoridades belgas abatem uma terrorista. Em baixo, as autoridades israelitas abatem uma terrorista. Os belgas agiram bem. Os israelitas são "assassinos". O terrorismo é o mesmo.

22 de Agosto, Uccle, Bélgica. Uma muçulmana desata aos gritos de "Allahu Akbar" e a atacar pessoas à facada (o "Islão nosso de cada dia"...).
A Polícia belga abateu-a. É o que a Polícia deve fazer quando terroristas se lançam sobre cidadãos inocentes.
Mas se tivesse sido em Israel, esta aplicação correcta do protocolo policial e do senso-comum, levaria o nome de "execução arbitrária":

Dois vídeos do mesmo ataque:

 

Vai fazer um ano que as lideranças islâmicas apelaram à intensificação da matança de judeus. Demos a essa campanha genocida neo-nazi a designação de INTIFACADA

Como sempre, a Comunidade Internacional regozija-se com a matança de judeus:

'Autoridade Palestina' manda degolar judeus e o Mundo aplaude

Por isso, porque o Nazismo continua vivo e recomenda-se, quando a Polícia de Israel faz exactamente o mesmo que a Policia da Bélgica, chove o ódio: 

Dia do Ódio a Israel na ONU - 1

Dia do Ódio a Israel na ONU - 2

Dia do Ódio a Israel na ONU - 3

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Síndrome de Jihad Súbita

Numa manhã deste quente Agosto, em Paris, um muçulmano teve um pitoresco episódio de jihad súbita e desatou aos gritos de Allahu Akbar, com a coreografia que o vídeo documenta. A Polícia tratou de o prender imediatamente. O que foi um acto de racismo e xenofobia, pois ele apenas estava  enriquecer-nos culturalmente!
A Síndrome de Jihad Súbita pode atacar qualquer muçulmano, desde que este se lembre das ordens do Alcorão para assassinar, estuprar, torturar, mutilar e escravizar quantos "infiéis" possa.
Todos os dias, em todo o Mundo, simpáticos muçulmanos são tomados pela  Síndrome de Jihad Súbita.
Dentre as centenas de sortudos que têm a honra de serem diariamente sacrificados ao deus Alá, calhou a vez, por exemplo, a esta rapariga inglesa de férias na Austrália, executada por um muçulmano. Aos gritos de Allahu Akbar:


 Mia Ayliffe-Chung, de 21 anos.

Um cão também foi morto durante o ataque - conta o DN. É que os muçulmanos também odeiam cães. Mas o que é que eles não odeiam?...
A Imprensa esconde estas notícias o quanto pode. Há casos de jornalistas pagos para mentir e omitir, mas estamos em crer, dada a matriz ideológica da classe, que a maior parte deles ama mesmo o Islamismo.

-----------------------

No Mundo Livre, os muçulmanos ainda matam relativamente pouco. Nos países muçulmanos o enriquecimento cultural salda-se actualmente em 11 cristãos mortos a cada hora.
Têm mesmo matadouros para cristãos, onde praticam os sacrifícios rituais, e o canibalismo. Sempre aos gritos de Allahu Akbar: “MATADOUROS ISLÂMICOS HUMANOS” PARA CRISTÃOS.
Walid Shoebat, que já foi muçulmano e terrorista, e hoje é cristão e amigo de Israel, mostra regularmente os matadouros de cristãos e os  sacrifícios humanos.
Nós aqui vamos passando modestamente a palavra, repetindo e repetindo e repetindo, na esperança de sermos cada vez mais ouvidos - por exemplo na nossa secção: Islão - O que o Ocidente Precisa Saber
Mas há hoje milhares de sites que se dedicam a mostrar as delícias do Islão, e bem melhor que nós. Por exemplo, estes que são em Português: Lei Islâmica em Ação, Ex-Muçulmanos, Islão a Nu, De Olho na Jihad. Veja a nossa barra lateral  "O TERRORISMO GLOBAL".

    É claro, que ESTUDAR dá um certo trabalho e cansa a cabeça e assim. É mais simples repetir que o Islão é pacífico e que quem mata "infiéis" são só uns escassos milhõezitos de muçulmanos, dentre o bilião e 600 milhões deles. Os outros só aplaudem).

    Cientistas israelitas combatem o câncer da pele




    Numa descoberta notável, pesquisadores da Universidade de Tel Aviv (TAU) terão desvendado o mecanismo metastático do melanoma, o mais agressivo de todos os cancros da pele, e podem, portanto, ter encontrado uma maneira de o prevenir.

    Cientistas da Universidade de Tel Aviv (TAU) descobriram que, antes de se espalhar para outros órgãos, o tumor melanoma envia vesículas minúsculas contendo moléculas de microRNA. Estas induzem mudanças morfológicas na derme (pele) - em preparação para receber e transportar as células cancerosas.

    Os pesquisadores também descobriram substâncias químicas que podem parar o processo e estão a testar drogas.

    Os resultados promissores foram publicados na segunda-feira na proeminente revista científica Nature Cell Biology.
    O melanoma, o tipo mais agressivo e letal de câncer de pele, causa a morte de uma pessoa a cada 52 minutos, de acordo com dados da Skin Cancer Foundation, e o número de casos diagnosticados tem vindo a aumentar nos últimos três décadas. 
    Apesar da variedade de terapias desenvolvidas ao longo dos anos, ainda não existe um remédio completo para esta doença. O estudo da TAU propõe novos e eficazes métodos para diagnosticar e prevenir o mais mortal câncer de pele.

    "A ameaça de melanoma não está no tumor inicial que aparece na pele, mas sim nas suas metástases - células cancerosas enviados para colonizar órgãos vitais, como o cérebro, pulmões, fígado e ossos", disse a líder da pesquisa, Dr.a Carmit Levy, do Departamento de Genética Molecular Humana e Bioquímica da Faculdade de Medicina Sackler da TAU. "Nós descobrimos como o câncer se espalha para órgãos distantes, e encontramos maneiras de parar o processo antes da fase metastática".

    Dr.a Carmit Levy. (TAU)

    Parando o câncer nos seus estágios iniciais


    Os pesquisadores começaram a examinar amostras retiradas de pacientes de melanoma, e os resultados foram "impressionantes, de facto", segundo Carmit Levy.

    "Estudámos as amostras de melanoma cedo, antes da fase invasiva", disse Levy. "Para nossa surpresa, encontrámos mudanças que nunca antes tinham sido relatadas, na morfologia da derme - a camada interna da pele. A nossa tarefa seguinte foi descobrir como é que estas mudanças ocorrem, e como se relacionam com o melanoma".

    No estudo longo e complexo que se seguiu, o grupo foi capaz de descobrir - e também bloquear - um mecanismo central na metástase do melanoma.

    De acordo com a Dr.a Levy, os cientistas já conheciam há anos as formas de melanoma na camada exterior da pele, a epiderme. Nesta fase inicial o câncer não é capaz de colonizar células cancerosas colonizadoras, porque não tem acesso aos vasos sanguíneos - as estradas que levam as células a outras partes do corpo. Sem vasos sanguíneos presentes na epiderme, o tumor precisa primeiro entrar em contacto com os vasos sanguíneos abundantes da derme. Mas como é a conexão feita?
    "Descobrimos que, mesmo antes de o próprio câncer invadir a derme, ele envia vesículas minúsculas contendo moléculas de microRNA. Estas induzem as mudanças morfológicas na derme, em preparação para receber e transportar as células cancerosas. Tornou-se agora claro para nós, que, bloqueando as vesículas, podemos parar completamente a doença".

    Transformando o Melanoma numa doença não-ameaçadora

    Tendo descoberto o mecanismo, os pesquisadores passaram a procurar substâncias que podem intervir e bloquear o processo nos seus estágios iniciais. E encontraram dois desses produtos químicos: o primeiro inibe a entrega das vesículas a partir do tumor de melanoma para a derme; e o outro impede as alterações morfológicas na derme mesmo após a chegada das vesículas.
    Ambas as substâncias foram testadas com sucesso em laboratório, e pode servir como candidatos promissores para futuros medicamentos. Além disso, as alterações na derme, bem como as próprias vesículas, podem ser utilizados como indicadores poderosos para o diagnóstico precoce do melanoma.
    "O nosso estudo é um passo importante no caminho para um remédio completo para o mais mortal câncer de pele", disse a pesquisadora. "Esperamos que os nossos resultados venham ajudar a transformar o melanoma numa doença não-ameaçadora, facilmente curável".

    Max Gelber, United with Israel

    - Tradução nossa; pedimos desculpa por qualquer barbárie médico-científica que tenhamos eventualmente escrito por má tradução, dada a nossa ignorância neste campo (que, aliás, nos fascina).

    Para muitas notícias sobre Israel, em Espanhol, clique no logo abaixo:

    https://unitedwithisrael.org/es/

    Apoie Israel, o país do Mundo que salva mais vidas (através da Medicina, da ajuda humanitária, da colaboração na agricultura, abastecimento de água, etc.).

    quarta-feira, 24 de agosto de 2016

    Islamofobia - Rúben agride carro e botas à cabeçada!


    Islamofobia: os desafortunados gémeos Haider e Ridha viram os pneus do seu carro e os seus sapatos serem barbaramente agredidos pela cabeça do jovem Rúben. O pai dos dois ofendidos já apresentou queixa.
     
    No dia 18 deste mês, em Ponte de Sôr, Portugal, os dois filhos do Embaixador do Iraque, gémeos com 17 anos, montaram uma emboscada a Rúben, de 15 anos. Atropelaram-no (já conduzem, com 17 anos, e aparentemente não são incomodados) e agrediram-no a soco e pontapé, deixando-o desfigurado e à beira da morte. Mesmo inconsciente, continuaram a bater-lhe. Fugiram do local e deixaram o jovem português a morrer sozinho.
    Fonte: CORREIO DA MANHÃ

    ADEUS TRIBUNAIS!
    Os dois gémeos iraquianos têm imunidade diplomática e, até ao dia de ontem, tanto quanto nos foi dado saber pelas notícias, o Estado Português não tomou nenhuma medida oficial para os levar à Justiça ou evitar que fujam.
    A Al-SIC, em mais um dos seus tradicionais exercícios de dhimmitude, acorreu a inocentar os dois jovens.
    Numa entrevista de antologia, Haider e Ridha conseguiram demonstrar que têm um brilhante futuro na diplomacia, e que os Tribunais passaram à História, porque afinal de contas, "foi assim como poderia ter sido ao contrário, e portanto não há culpados nem inocentes":


    Os dois jovens árabes muçulmanos estão em Ponte de Sôr a tirar o 'brevet' de pilotagem de aviões...

    DEU-LHES TANTAS QUE FICOU EM COMA!

    A Brigada dos Mártires da Mesquita do Al-Público, irmã-gémea da Al-SIC, tomou também a defesa dos dois encantadores manos. Surpresa seria se não o fizesse.
    O advogado de Rúben falou na CM-TV ontem à noite, visivelmente aterrorizado, num registo totalmente oposto ao de há dias. Porque será?... 
    Entretanto, o senhor Embaixador do Iraque apresentou queixa contra Rúben e mais 6 jovens, referindo que o comportamento dos seus dois filhos foi legítima defesa, e que estes foram "insultados e espancados por serem árabes e muçulmanos".


     PORTUGAL, ISRAEL, EUROPA, MUNDO...
    É sempre assim. Por exemplo, aquando do ataque ao Bataclan, a comunidade muçulmana, pela voz do Grande Muffin da Austrália (a única personalidade muçulmana a pronunciar-se sobre o massacre sem ser para festejar), também referiu que se tratou de legítima defesa em relação à islamofobia.
      Confira:


    Quando há dois anos os adolescentes israelitas e judeus Naftali Frenkel, Gilad Shaar e Eyal Yifrach foram raptados e assassinados por terroristas do Hamas, a deputada Hanin Zoabi, membro do Parlamento de Israel,  afirmou que "os raptores tinham tentado dar boleia àqueles jovens, e que, tendo sido atacados por eles, tiveram que se defender".
    Confira:

    O Hamas e Naftali, Gilad e Eyal

    A senhora Zoabi admitiria depois que ter-se tratado de assassínio, mas "em legítima defesa", claro:

    SHELLY DADON X MUHAMMAD ABU KHDEIR


    EM RESUMO:
    Todo e qualquer ataque de muçulmanos contra "infiéis":
    a) Nunca existiu, não existe e jamais existirá.

    b) É SEMPRE culpa dos agredidos.

    Razão tinha a tia de Rúben Cavaco, quando disse, logo a seguir ao ataque, que isto ficaria tudo em águas de bacalhau. E vai ficar.

     ETC..