terça-feira, 3 de setembro de 2013

Síria - a razão da "intervenção"

Ministro sírio diz que ataque ao país beneficiaria Al-Qaeda - Público

Então porque é que o Nobel da Paz insiste na guerra e no apoio aos terroristas? Este artigo explica.



A verdadeira razão para a intervenção na Síria não é a utilização de armas químicas

 

 © Guy Millière para www.Dreuz.info
Deve ficar claro que Bashar al- Assad é um ditador desprezível .Se estivesse na casa Branca um presidente dos EUA digno desse nome, Bashar Al Assad provavelmente há muito teria caído (...)
Bashar al-Assad não caiu em 2011 porque Obama não ousou ofender o Irão e não considerou a oposição síria moderada como uma opção.
Trinta meses e cem mil mortes depois, Bashar Al Assad ainda está lá. A oposição síria moderada tem sido submersa pela Irmandade Muçulmana e grupos filiados da Al Qaeda, sendo o principal deles o Jabhat al Nusra. Aparentemente, os homens são treinados na Jordânia sob os auspícios da Arábia Saudita, mas ainda não têm os meios para assumir o controle do país. 
Trinta meses e cem mil mortes mais tarde, Barack Obama parece ter decidido tomar medidas contra o regime de Assad, porque, segundo ele, o regime usou armas químicas, que mataram trezentas pessoas. E esse ataque é apresentado como uma "abominação" por Barack Obama e toda a sua administração. França e Reino Unido, através de François Hollande e David Cameron, seguiram o exemplo da administração Obama, mas numa atitude mais prudente asseguraram que o grosso da acção militar virá dos Estados Unidos.
(...) Trinta meses e cem mil mortos: esta é a "abominação" real, se quisermos falar em termos humanitários.
Eu também observei que a acção proposta foi , sem dúvida, insuficiente. Fiz notar que os ataques aéreos serão inúteis e provavelmente contraproducentes, somando até desastre ao desastre. E mantenho.
Se se trata de destruir armas químicas e bases aéreas do regime, que ficará enfraquecido mas vai sobreviver, e afirmará ter resistido os Estados Unidos, que perderam o pouco de credibilidade que tinham, será pouco. (...) Adicionar à lista de alvos departamentos ou o palácio presidencial não vai mudar o que eu disse .
Afirmei que promover uma mudança de regime sem tropas terrestres era impensável, e acrescentei que o envio de tropas terrestres também era inconcebível. E vamos adicionando desastre ao desastre .
A verdadeira razão para a acção decidida por Barack Obama não é o uso de armas químicas.
A verdadeira razão é que a Irmandade Muçulmana na Síria e os seus aliados conheceram ultimamente contratempos e que, embora ele diga que não quer uma mudança de regime, Barack Obama ainda está na esperança de que, mais cedo ou mais tarde, a Irmandade Muçulmana prevaleça na Síria e em outros lugares.
Não pode, é claro, declarar explicitamente essa esperança. Porque ele ainda não tem a intenção de ofender a Rússia, e não quer ofender especialmente o Irão. Presumivelmente, François Hollande e David Cameron compartilham essa esperança.
O resultado é a perda da pouca credibilidade que resta aos Estados Unidos. A credibilidade de François Hollande e David Cameron já é zero, eles não a podem perder.
O resultado, se Assad permanecer no poder, é que ele pode orgulhar-se de ter resistido aos Estados Unidos, e vai levar a um regime ainda mais perigoso.
O resultado pode ser, também, se o regime de Assad estiver enfraquecido, oferecer um amplo campo de actuação à Irmandade Muçulmana na Síria e noutros lugares.
O raciocínio de que é "punir Assad" é grotesco. Nós não estamos num parque infantil.
Obama não será capaz de vender a sua intervenção militar ao Congresso dos EUA, onde até mesmo os democratas temem o que Obama fará, e ele não vai pedir ao Congresso para declarar guerra, como a Constituição dos EUA exige. Nem dizer que não é uma guerra, como aconteceu durante a intervenção na Líbia .
Menos de dez por cento dos americanos aprovam a intenção de Obama. Se a operação fosse para reconquistar a opinião pública, esta estaria perdida - mas não é uma operação para reconquistar opinião pública.
O público britânico dificilmente é mais favorável ao envio das tropas britânicas. Eu não vi as sondagens sobre a França, mas duvido que os franceses estão prontos para aprovar a espada de papelão encharcado erguida por Hollande.
Alguns jornalistas e alguns analistas franceses nos últimos dias afirmaram de forma relevante os riscos e o aventureirismo insensato inerentes à operação iminente.
Stéphane Juffa publicou no site da Agência de Notícias Metula ( menapress.org ) um artigo recordando algumas regras básicas. Cito: "A guerra tem as suas regras, e há um grande perigo em não as conhecer: um conflito deve ser iniciado apenas quando os principais interesses do país estão sujeito a uma ameaça iminente, e só se se puder através da intervenção armada melhorar decisivamente posições de liderança em áreas críticas".
O regime sírio não é um risco para os Estados Unidos. O grande interesse dos Estados Unidos não são afectados por ele. (...) Os principais interesses dos Estados Unidos não são uma vitória dos islamitas .
Interesses geopolíticos dos Estados Unidos ou sugerir que atacar o regime Assad enfraquece o Irão e o Hezbollah, ou a Irmandade Muçulmana da Síria e os seus aliados, são teses que não colhem. Todas essas forças continuam a destruir-se mutuamente, como explicou recentemente Edward Luttwak em "Na Síria, a América perde se um dos lados ganha".
Num artigo que acaba de ser publicado ("Iminente derrota dos Estados Unidos na Síria"), Barry Rubin fala dos danos que podem advir para a América. Ele está certo. Eu apenas acrescentaria que Barack Obama quer derrotar a América. Para ele  a América é o problema e islamismo radical uma parte importante da solução.
Putin é autoritário, cínico e desconsidera os direitos do homem, mas tem a vantagem sobre Obama não apoiar o Islão radical e ser racional.
Mesmo nos meus piores pesadelos, eu não poderia ter imaginado que neste momento Obama poderia degradar os Estados Unidos internacionalmente. E eu escrevi dois livros como Obama-pessimista.
Alguns jornalistas e alguns analistas franceses nos últimos dias, têm afirmado de uma forma e os riscos inerentes ao actual aventureirismo operação relevante, escrevi.Isso está longe de ser o caso de todos os jornalistas .
Um jornalista fez nos últimos dias uma comparação insuportável com a guerra do Iraque - a favor da política de Obama, é claro.
No Iraque, não havia armas de destruição em massa, e até poucas semanas antes da operação, Chirac e Villepin deram tempo para Saddam para se livrar do que o poderia comprometer. (...)
No Iraque, George W. Bush tinha objectivos definidos. Os grandes interesses dos Estados Unidos estavam em jogo porque Saddam tinha ligações com a Al Qaeda, como mostrado Stephen Hayes, no seu livro A Conexão, que demonstra como a colaboração da Al Qaeda com Saddam Hussein colocou em perigo a América, e muitos artigos que deliberadamente os cegos não querem ler.
George Walker Bush tinha uma estratégia clara que eu expus em vários livros. Não era um agente do islamismo radical e, em vez disso, desencadeou uma guerra global que se levada até ao fim, poderia ter dado frutos.
Na Síria, há armas de destruição em massa, mas Barack Obama não tem metas definidas (ou, mais precisamente, tem objectivos inconfessáveis​​). Ele não tem uma estratégia clara e é o agente do islamismo radical.
George Walker Bush formou uma coaligação de trinta e nove países, sem a aprovação da ONU, e foi acusado de "unilateralismo". Barack Obama fez uma coligação de três países, sem a aprovação da ONU, e não é acusado de unilateralismo: um aliado do islamismo radical não pode ser acusado de unilateralismo, especialmente na França, uma vez que a França é parte da coligação .
George Walker Bush tinha obtido a aprovação prévia do Congresso. Barack Obama não esperrou um segundo para obter a aprovação prévia do Congresso.
George Walker Bush mobilizou tropas terrestres. Barack Obama é parte dos Estados Unidos que protestou contra a guerra no Iraque, demonizou Bush, e transformou uma vitória numa derrota. Ele não pode enviar tropas terrestres no contexto actual, depois das críticas que fez no caso do Iraque.
Os idiotas dizem que é o que faz a "superioridade" de Obama. E eles ousam mencionar a Líbia como um exemplo! Que exemplo maravilhoso de facto! Os franceses vêem Bernard Henri Levy na televisão, mas eles não vêem a bandeira negra da al Qaeda a flutuar em Benghazi. Eles viram as operações francesas no Mali , mas pouco lhes foi explicado sobre de onde vêm as armas dos islamistas no Mali. (...)
O país que está na linha de frente das operações de Obama é Israel. O interesse de Israel é que as armas químicas do regime Assad sejam destruídas e não caiam nas mãos do Hezbollah ou da Al Qaeda. Preocupações, infelizmente, não faltam a Israel: o regime de Assad, o Irão, o Hezbollah, a Irmandade Muçulmana da Síria e seus aliados, etc.. Se a credibilidade dos Estados Unidos na região ficar destruída, o Hezbollah e o Irão ficam reforçados, bem como a Irmandade Muçulmana da Síria e seus aliados.
É o dispositivo nuclear iraniano que deveria ser considerado um perigo para os Estados Unidos, mas Obama não considera o dispositivo nuclear iraniano como uma ameaça para os Estados Unidos. Ele vê o dispositivo nuclear iraniano como um perigo para Israel. Mas, atendendo aos poucos casos em que ele se preocupa com a existência de Israel, este não é o tipo de coisa que vá impedi-lo de jogar golfe.
 
PS: Quando terminava este artigo soube que David Cameron decidiu que era melhor esperar, reduzindo a coligação a dois sócios: Obama e Hollande. Obama disse que ainda não decidiu quando intervir, mesmo que isso signifique que mente. (...). Agora vou ver os principais canais de televisão franceses e tudo ficará claro em breve: vão explicar que Obama é um bom rapaz, firme, um santo e um anjo. Com os principais canais de televisão franceses decerto tal ficará claro.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.