domingo, 1 de setembro de 2013

A Decepção dos Jihadistas

Kerry indica que Administração pode agir na Síria mesmo sem autorização do Congresso

Público
 
Aparentemente, Obama decidiu que não pode avançar sozinho, e tenta angariar apoio para ajudar os jihadistas na Síria.

Obama mantém guerra à Síria em espera, os jihadistas   dizem-se "desapontados".
 AFP , 01 de Setembro :

   
A Oposição da Síria expressou desapontamento neste domingo porque o presidente Barack Obama colocou em espera a acção militar contra o regime de Damasco, mas disse que estava confiante de que os parlamentares norte-americanos aprovariam o ataque.
    Para surpresa geral, o líder dos EUA anunciou no sábado que iria pedir a aprovação do Congresso para a acção contra o suposto uso de armas químicas na Síria.

  
O que fará esperar a acção militar pelo menos até 9 de Setembro, quando os legisladores americanos voltarem das férias de Verão.
    Obama insistiu que se reserva o direito de atacar, independentemente da decisão do Congresso, e um funcionário da Casa Branca disse que a pausa seria também iria dar-lhe  tempo para angariar apoio internacional.

    
"Nós tivemos um sentimento de decepção. Estávamos à espera que as coisas fossem mais rápidas, que um ataque estaria iminente... Mas acreditamos que o Congresso vai aprovar o ataque", disse Samir Nashar, um alto funcionário da Coligação Nacional Síria.

    
Nashar disse que a coligação estava confiante de que Ministros dos Negócios Estrangeiros Árabes que se reúnem domingo no Cairo dariam um "apoio muito forte" a uma acção militar liderada pelos EUA.

    
"A coligação vai entrar em contacto com os países árabes e
com a Turquia para que eles cooperem, tanto quanto possível, com os Estados Unidos", disse.

    
"Vamos tentar pressionar esses países para participarem na operação militar, o que vai aliviar bastante o sofrimento de sírios."

    
Obama viaja até à Rússia na próxima semana para a Cimeira do G20 que vai agora ser ofuscada pela crise.

    
Autoridades disseram que Obama iria pressionar as potências mundiais à margem da cimeira de São Petersburgo, enquanto a Casa Branca pressionaria os legisladores .

    
Mas a batalha mais difícil, e talvez a mais perigosa para a credibilidade de Obama, ainda pode vir dos seus próprios ex-colegas no Congresso, onde o apoio ao ataque está longe de ser assegurado.

   
Os Democratas controlam o Senado, mas a Câmara dos Deputados está nas mãos de Republicanos, e ambos os lados estão divididos sobre a questão, fazendo com que o resultado seja incerto .

    
Na verdade, observadores alertaram que Obama pode enfrentar o mesmo destino que o primeiro-ministro David Cameron, que na quinta-feira perdeu o apoio para uma acção militar no Parlamento Britânico.

   
"As chefias militares informaram-me de que estamos preparados para atacar quando eu quiser", advertiu Obama durante um discurso na Casa Branca.

    
"A nossa capacidade de executar essa missão não depende de prazos. Será eficaz amanhã, na próxima semana ou daqui a um mês .

1 comentário:

  1. "O ódio é um mau conselheiro"

    É um dos meus lemas. MAs quando leio as noticias destes loucos de Alah, torna-se muito dificil seguir o meu lema.
    Que gente alucinada. Porra, e temos que os aturar...

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.