terça-feira, 17 de setembro de 2013

'Exército reconhece pedofilia como parte do Islão'


via Ventos da Jihad
Perdemos essa guerra no momento em que permitimos que o  Afeganistão (e os iraquianos) escrevessem uma Constituição que fez da sharia a lei. Ganhar os corações e AS mentes dos afegãos não é o trabalho de um soldado dos EUA. Esse é o trabalho dos afegãos. Nem é nosso trabalho ajudar a construir nenhuma nação islâmica. Vai-se para a guerra para destruir o inimigo, e não para ajudar e estimular a jihad global.
'Exército reconhece pedofilia como parte do Islão'
 Jack Minor/WND
Um novo manual do exército avisa os soldados americanos no Afeganistão para evitarem falar sobre determinados temas ligados aos valores ocidentais, tais como a pedofilia, que são uma parte inerente da cultura islâmica.
"Ao mencionar a pedofilia e os direitos das mulheres, e dizer que os soldados não devem mencionar essas coisas, estão tacitamente a admitir que essas coisas são de facto parte do Islão", disse Robert Spencer , fundador da Jihad Watch.

Novos manuais contêm ordens aos soldados para não não criticarem os Taliban, pedofilia, ou o Islão, ou defenderem os direitos das mulheres.

Capitulação total: "Novo manual do exército ordena que os soldados não critiquem os Taliban", do
Judicial Watch, 11 de Dezembro:   
 
Aqui está mais um forte indicador de que a cruzada da Administração Obama para apaziguar Islão foi longe demais ....

De acordo com o Wall Street Journal, um novo manual de 75 páginas do Exército sugere soldados que os norte-americanos são responsáveis ​​por um grande número de ataques mortais contra eles por parte das forças de segurança afegãs. O manual diz que os soldados supostamente podem ter provocado os ataques contra si mesmos por causa da insensibilidade em relação à cultura islâmica.
"Muitos dos confrontos ocorrem por causa da ignorância ou falta de empatia para com as normas culturais muçulmanas, resultando numa reacção violenta das forças de segurança afegãs", refere o projecto de relatório elaborado por pesquisadores do Exército.
Clare Lopez, do Centro de Política de Segurança, disse que a sugestão de que soldados norte-americanos são os culpados pelos ataques sobre eles por parte das forças de segurança afegãs é ultrajante.

"Sugerir que nossas tropas estão de alguma forma a ser assassinados por causa da nossa insensibilidade para com a sua cultura é, essencialmente, dizer que é por culpa própria que os soldados estão a ser assassinados, porque não foram
suficientemente bons para com os seus assassinos", disse Lopez. "A recusa fundamental de reconhecer que o inimigo luta por causa do que ele diz que lutar, que é o Islão, é um fracasso DA nossa liderança, do secretário da Defesa Leon Panetta para baixo. Devido a essa posição, não temos nenhuma estratégia."

Só este ano, mais de três dezenas de ataques mataram 63 soldados da coligação. Numa tentativa de acabar com os ataques, o relatório do Exército emitiu uma lista de "tópicos de conversação tabu".
Os tópicos incluem "fazer comentários depreciativos sobre os taliban", "os direitos das mulheres", "dirigir qualquer crítica aos afegãos" ou falar de "qualquer coisa relacionada com o Islão".
O WND entrou em contacto com o Exército para solicitar uma cópia do manual. O porta-voz do Exército, Ray Harp, respondeu dizendo que não iria dar uma cópia, por razões de segurança. Ele explicou que o Exército queria evitar detalhar as tácticas específicas, técnicas e procedimentos descritos no manual. (...)
"O manual contem informações que não queremos livremente distribuídas pelas mãos dos nossos inimigos, e é apenas para uso oficial" disse Harp. "Embora ainda não classificado oficialmente, exigimos que a informação venha a ser protegida de uma distribuição aberta e não deve ser do conhecimento de ninguém fora daqueles que precisam de acesso a ela para fins oficiais."

Elaine Donnelly, directora do Centro de Preparação Militar, disse que enquanto não vir o documento, não pode entender como será este benéfico para o Exército e para ajudar a ensinar os soldados sobre as diferenças culturais. Infelizmente, disse ela, o Congresso e os líderes militares muitas vezes vão longe demais.
"Há um problema cultural que o militar precisa enfrentar, mas não estou certa de que este manual é a melhor maneira de o fazer", disse Donnelly . "Se a informação é para a protecção dos nossos soldados, de modo a impedir que algo seja tomado como provocação, pode salvar uma vida, mas se como o artigo sugere que os soldados devam ser excessivamente deferentes, não é aceitável."

Donnelly observou o exemplo da tenente
da Marinha Florence Choe, que foi baleada por um guarda afegão em 2009 por estar vestida com calções enquanto fazia jogging ao longo do perímetro da base.


A tenente Florence Choe, aqui com o marido e a filha bebé, foi assassinada por um guarda afegão por estar a fazer jogging de calções dentro da base militar

"Eu não digo que tenha sido culpa dela, mas se seus comandantes tivessem reconhecido que os indivíduos nesta parte do mundo têm uma atitude diferente em relação às mulheres em calções  poderiam ter salvado a vida dela", disse.

No entanto, Donnelly diz que há outros tabus no relatório que parecem ter ido longe demais.
O manual também aconselha soldados do Exército a evitarem "qualquer crítica à pedofilia" ou "mencionarem a homossexualidade e a conduta homossexual". "Naquela parte do mundo a homossexualidade é condenada, e a pedofilia é aceite. Não é como na nossa cultura, e isso precisa ser reconhecido. Mas não temos de ser subservientes para ser cautelosos", continuou.
"Infelizmente, muitas vezes os nossos líderes exageram, acreditando que isso vai ajudar as nossas relações com esses países, mas a verdade é que isso não acontece."
O manual do Exército tem atraído fortes críticas do general da Marinha  John Allen, o principal comandante militar no Afeganistão. Allen supostamente rejeitou uma proposta de prefácio escrito pelo Exército usando o seu nome.

"O General Allen não foi o autor, nem quis fazer o prefácio", disse o coronel Tom Collins, porta-voz da coligação liderada pelos EUA no Afeganistão. "Ele não aprova o conteúdo."

Spencer diz que a proibição de criticar a pedofilia colocou os militares numa posição difícil. Ao tentar mostrar a sensibilidade cultural, é-se forçado a reconhecer que a pedofilia é uma parte inerente do ensinamento islâmico.

"Isso chama a atenção para o facto de que, apesar dos desmentidos do governo e grupos como CAIR-EUA, essas coisas fazem parte do oficial Islão", disse Spencer. "No entanto, eu não espero que eles tenham a honestidade de reconhecer a inconsistência."

Spencer disse que ao proibir-se os soldados de falar contra a pedofilia, os militares e o governo dos EUA estão essencialmente a endossar esse comportamento.
"Nós estamos essencialmente a enviar a mensagem de que os Estados Unidos apoiam a pedofilia, recusando-se a falar contra ela. Eu não vejo nenhuma maneira de contornar isso."

Clare Lopez, também um pesquisadora sénior do Fundo Clarion, disse que o novo manual é um exemplo de como os militares estão a enviar a mensagem de que a cultura e os valores ocidentais são subservientes ao Islão.

"É mais um passo em um processo de submissão ao apaziguamento do Islão, que os Estados Unidos, incluindo a liderança liderança militar, vêm buscando há muito tempo", disse ela. "Todo o programa parece ser orientado para apaziguar os taliban e os jihadistas, rendendo-nos à sua visão do mundo, que diz que o Islão não deve ser ofendido, e deixando-os decidir o que é ofensivo."

Ela disse que o problema não se limita à administração Obama, mas começou no Afeganistão sob o presidente George W. Bush.
"Isto, na verdade, começou em 2004, quando ajudámos a consagrar no Afeganistão a lei islâmica (sharia) na Constituição. Depois disso, já não tínhamos qualquer propósito em estar no país, pois demos ao inimigo tudo o que eles pediram", observou ela.
"É precisamente por isso que eles lutam: a imposição da sharia. Todas as medidas que se seguiram a partir desse ponto foram mais uma tentativa de conquistar os seus corações e mentes. Não funcionou, como é evidente, pelo facto de que eles ainda estão a matar os nossos soldados".

O manual do Exército está de acordo com as políticas da administração Obama para destruir deliberadamente todos os materiais de treino que criticam o Islão. No início deste ano, o FBI destruiu todos os seus materiais sobre o terrorismo islâmico.
 - Nota nossa: daí, por exemplo, os atentados de Boston, de que a administração foi avisada, mas que fez deliberadamente orelhas moucas.
O WND relatou que o Pentágono se recusou a dar garantias de que os soldados que queimaram o Alcorão (Nota nossa: cumprindo ordens) não seriam entregues às autoridades afegãs para julgamento.

O Comandante William Speakes, um porta-voz do Pentágono, disse: "Seria prematuro especular sobre quaisquer resultados potenciais. Qualquer acção disciplinar, se for considerada justificada, será tomada por autoridades norte-americanas após uma revisão completa dos factos e em conformidade com todas as leis e regulamentos militares dos EUA, de acordo com o devido processo legal. Não fizemos nenhum compromisso além disso."
Quando perguntado se isso significava que o único compromisso foi que os soldados não seriam julgados num tribunal afegão, Speakes disse: "Não. O único compromisso que assumimos é que vamos tomar a acção disciplinar considerada apropriada pela investigação. Todas as sugestões de que tenhamos assumido compromissos mais detalhados além do que eu acabei de dizer, são imprecisas".

Spencer disse que o manual do Exército envia a mensagem para o Médio Oriente de que, apesar de declarações do nosso governo, eles não podem esperar qualquer ajuda da América quando se trata de lutar por direitos humanos básicos.

"Qualquer um desses países muçulmanos que queriam ver a liberdade de expressão, a repressão sobre pedofilia, ou os direitos para as mulheres, ficaram desapontados quando foi que aprovada a Constituição afegã, que consagrou os princípios na lei islâmica, a sharia", disse Spencer. "Enviámos a mensagem aos defensores dos direitos humanos e da liberdade, de que os Estados Unidos não estão lá para os ajudar; eles estão por conta própria."

PEDOFILIA NO AFEGANISTÃO; PROIBIDO COMENTAR!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.