quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Londres - capital da mutição genital feminina

A mutilação genital feminina é uma prática hedionda, que existe nas comunidades muçulmanas, seja nos países de origem, seja naqueles para onde emigraram - incluindo Portugal. As leis do Estado têm que ser iguais para todos os cidadãos, ou estaremos a sofrer uma colonização (para já) cultural, e a permitir o crescimento de comunidades de ideologia supremacista, que não respeitam as leis dos países que as hospedam - já para não falar nos mais elementares direitos humanos.


A mutilação genital feminina é praticada em tenra idade, como no caso da pequena  Fay Mohammed, de nove anos de idade
Reino Unido : Mais de 1.500 vítimas de mutilação genital feminina só num hospital
A Grã-Bretanha está na disputa para se tornar a capital mundial das finanças Sharia, mas também  espera tornar-se a capital MGF do mundo. A MGF é justificada na lei islâmica :
" A circuncisão é obrigatória para macho e fêmea, cortando o pedaço de pele na glande do pénis do macho; mas a circuncisão da mulher é cortar o bazr ( clitóris ) [ isto é chamado ' khufaadh ' ou circuncisão feminina '] ). " - Umdat al- Salik E4.3, traduzido por Mark Durie , A Terceira Escolha , p. 64
" Lei islâmica permite a mutilação genital feminina, por definição, por declaração profética e pela prática da circuncisão feminina " - Imã Ali Afroz.

Nota nossa: o "nosso" sheik David Munir, imã da Mesquita de Lisboa, afirma que o Islão não prevê tal coisa. Ou o venerando sheik mente, ou os livros sagrados e os outros sheiks estão errados...

Na mutilação genital feminina usam-se ferramentas rudimentares, como estas encontradas no Quénia


Uma enfermeira do Hospital de St George's disse que algum do pessoal vê a mutilação genital feminina como um assunto de ordem cultural, e não como um abuso

" Mais de 1.500 mulheres vítimas de mutilação genital em estatística chocante compilada por UM hospital; a maioria é da Somália "
Chris Pleasance para o Daily Mail , 18 de Setembro :


    Mais de 1.500 novos casos de mutilação genital feminina foram revelados por um único hospital de Londres, e funcionários admitem que outros casos podem ter passado despercebidos.

    O Hospital de St George, em Tooting, tratou cerca de 200 mulheres por ano, desde que começou a manter registos sobre esta prática violenta.

    Enquanto a maioria das 1.546 vítimas atendidas em unidade especializada do hospital, nasceu na Somália. Dados alarmantes mostram que pelo menos 11 % nasceram no Reino Unido, onde a mutilação genital é considerada um crime desde 1985.

    Outras eram da Nigéria ou da Eritreia, onde a prática é comum em algumas comunidades muçulmanas.

    Activistas descreveram as estatísticas como " horríveis ", enquanto funcionários do hospital disseram que se trata de uma prática tribal relativamente comum.

    Karen Lewis, uma parteira do St George, alertou para que alguns funcionários estão com medo de se envolver, porque vêem estas cirurgias clandestinas como uma questão cultural, e não como um abuso.

    Ela disse: ' As mulheres que foram sujeitas a esta prática passam anos de sofrimento, anos de dor, têm flashbacks da mutilação e outros problemas psicológicos. Algumas delas também têm medo do parto por causa do que aconteceu no passado . '

    " Algumas delas também não percebem que a MGF é errada, e ficam bastante horrorizadas quando lho dizemos. "


    "O que precisamos fazer é uma grande campanha educativa para impedir que isso aconteça com mais meninas no futuro. "

    A deputada Jane Ellison, que preside ao grupo parlamentar de todos os partidos sobre a mutilação genital feminina, disse: " Muitas destas mulheres sofrem de problemas crónicos de saúde associados à MGF. "

    " Há um grande problema ao qual os nossos serviços de saúde e outros serviços públicos devem responder . "


    Apesar do alto número de casos - 80 até agora este ano - ninguém ainda foi processado pela prática .

    O Crown Prosecution Service diz que está a estudar cinco arquivos de casos levantados pela Polícia Metropolitana .

    Keir Starmer, o Director do Ministério Público, disse que é apenas uma questão de tempo antes que alguém seja processado, mas os esforços são comprometidos por falta de vontade das vítimas de irem para a frente.

 -----------------------
MGF - dolorosa, bárbara, e por vezes mortal

A mutilação genital feminina, ou MGF, é uma prática comum entre algumas comunidades muçulmanas em África, incluindo a Somália, a Eritreia, o Sudão do Norte e o Mali.

Também está presente nas comunidades muçulmanas da Indonésia, Omã, Iémen e Emiratos Árabes Unidos, entre outros.

A operação envolve o corte ou a remoção do tecido sexual feminino. Também pode envolver costura com fio de seda.

O processo é supostamente para limpar a mulher da impureza sexual e as vítimas podem passar até 40 dias acorrentadas da cintura para baixo, enquanto a ferida sara.

A operação é executada geralmente em crianças ou meninas antes de entrarem na adolescência, embora as idades variem de comunidade para comunidade.

Dado que a maioria das cirurgias são realizadas por mulheres destreinadas, geralmente tias das meninas ou mães de família da aldeia, os riscos incluem infecção, dor, esterilidade e morte devido à perda de sangue.

Devido à natureza das feridas, podem ocorrer problemas mais tarde durante o parto.

Embora a prática seja ilegal no Reino Unido desde 1985, não houve até agora nenhuma acusação, em parte devido à relutância da vítima em apresentar queixa, e também porque algumas mulheres não reconhecem a MGF como um crime.

A prática também é especificamente proibida na Bélgica, Suécia e alguns estados dos EUA.

Na África, vários países, incluindo a Somália, fizeram declarações contra a prática, mas  em todo o continente a legislação é irregular e difícil de aplicar.

2 comentários:

  1. Sim... já dava para fazer uma antologia ndas mentiras do sheik Munir! Que tal arregaçarmos as mangas para isso?

    FS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando alguém resolver criar uma Liga de Defesa de Portugal, como a English Defence League, o sheik terá quem lhe responda à letra. Até hoje e que eu saiba, a única pessoa que os teve no sítio para o confrontar, foi a execrável Fernanda Câncio, honra lhe seja...

      Abraço,

      I.B.

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.