terça-feira, 1 de julho de 2014

TERRORISMO NO PÚBLICO

ACTUALIZADO 



Roubado ao Lisboa-Jerusalém:

Vergonhoso apelo ao terrorismo


Termina assim o vergonhoso artigo do embaixador da Palestina em Portugal: com um apelo claro e explicito ao terrorismo. O Jornal Público não teve qualquer problema em publicá-lo.
O Governo português devia expulsar imediatamente este "embaixador".



O embaixador do terrorismo 


O embaixador-terrorista já nos tinha suscitado este post, também por apelos ao terrorismo publicados no Público - cada vez mais o jornal do Califado em Portugal:

DA ALDRABICE E DA POUCA VERGONHA!

O Público já não esconde o seu alinhamento terrorista, jihadista, islamista e antissemita!

 

 CONTACTOS PÚBLICO

Provedor do Leitor

Contacte a Honest Reporting.


Entidade reguladora para a Comunicação Social:  info@erc.pt

Procuradoria-Geral da República

 Departamento Central de Investigação e Acção Penal -

Rua Alexandre Herculano, 60 1250-012 Lisboa - Portugal
Tel: 21 384 70 00 * Fax: 21 384 70 48
E-mail: correio.dciap@pgr.pt
 
O Público assumiu-se! Assuma também a sua repulsa ante o terrorismo!
MÃE DE UM DOS ASSASSINOS DOS TRÊS ADOLESCENTES SEQUESTRADOS EM ISRAEL REGOJIZA-SE. EIS O RESULTADO DAS POLÍTICAS TERRORISTAS QUE ENCONTRAM TANTO ECO NO AL PÚBLICO E NA IMPRENSA MUNDIAL EM GERAL:

"O objectivo dos meus filhos é o triunfo do Islão" - diz esta senhora, falando dos jihadistas que sequestraram e assassinaram três adolescentes israelitas. Alguém ainda duvida de que o Islão é violência e supremacismo?

"Mãe de raptor 'piedoso' orgulhosa dele" até o Dia do Julgamento'
 
Ben-Tzvi Gedalyahu, Jewish Press, 01 de Julho de 2014

     A mãe de um dos terroristas do Hamas que sequestraram e assassinaram três adolescentes israelitas diz-se "orgulhosa dele até o Dia do Julgamento", de acordo com o vídeo do YouTube postado pela Palestinian Media Watch e que foi mostrado na televisão israelita.

     "Os meus meninos são todos justos, piedosos e puros. O objectivo dos meus filhos é o triunfo do Islão", acrescentou.

     A Autoridade Palestina nunca esteve interessada em algum "compromisso" com Israel, na Judeia, Samaria, Gaza ou Jerusalém.

     Têm ostensivamente negociado fronteiras por mais de 20 anos, mas nunca concordaram com nada, porque, como a mãe do terrorista disse e os mapas oficiais da Autoridade Palestina demonstram, não há fronteiras para Israel.

     Mahmud Ahmadinejad, do Irão, disse que quer "varrer Israel" do mapa. (...)

     Em última análise, como seus documentos oficiais mostram, não haverá Estado de Israel.

     Quando os "especialistas" internacionais também conhecidos como a União Europeia, as Nações Unidas e o Departamento de Estado dos EUA, dizermque Israel é um "obstáculo para a paz", eles incentivam o problema islâmico camuflado com Israel, que eles vêem como um obstáculo para a império islâmico global.



Os dois raptores e assassinos, de que o povo islamista e anti Israelita tanto se orgulha

Também via Lisboa-Jerusalém:

"Na minha opinião, os dois cidadãos palestinianos que pretendiam, num gesto de bondade, dar boleia aos três rapazes, foram violentamente atacados por eles, dentro do carro, durante a viagem. Quando sentiram que as suas vidas corriam perigo, e sem outra alternativa, optaram pela auto-defesa, e dispararam armas de fogo contra os jovens colonos, que os atacavam pelas costas. Trata-se apenas de um acto de "auto-defesa." Via Inácio Steinhardt.

A autora desta barbaridade é a deputada Hanim Zoabi do Partido árabe Balad que, ao contrário do que se poderia pensar, não é deputada em nenhum país árabe, mas sim na Knesset - o parlamento israelita- para onde foi eleita pela minoria árabe israelita. Zoabi já havia dado nas vistas ao participar na flotilha terrorista humanitária que tentou chegar a Gaza em 2009

Gravações de telemóvel em que um dos jovens adolescentes raptados pede ajuda em voz baixa e se pode ouvir os gritos e as ordens dos terroristas, bem como tiros:




Por favor, Israel: ACABA COM O HAMAS DE UMA VEZ POR TODAS, VARRE OS TERRORISTAS TODOS DO TEU TERRITÓRIO!

3 comentários:

  1. Estou indignado. Infeliz, desprovido de verdade histórica, próprio da linguagem do Hamas e ignóbil a publicação por um jornal a quem atribuia grande credibilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já não é de agora. Eles têm lá um leque de jornaleiras e um comentadeiro que são abertamente pela jihad. Podemos derrotar a jihad do Al Público e todas as jihades. Está na hora!

      Eliminar
  2. Caro amigo "felino" ;)

    Não publicamos o seu comentário, porque não sabemos se se destinava a publicação.

    O que está a fazer é uma tarefa extremamente meritória. No meio daquele congresso de Escória da Humanidade, por entre louvores à Coreia do Norte a Cuba, ao Irão e à Al Qaeda, haver uma voz lúcida é fundamental. É uma missão de sacrifício, bem o sabemos. Não é fácil conviver com todo aquele veneno, toda aquela esquizofrenia, toda aquela maldade. Que Deus lhe dê forças para contribuir para a causa do Bem.

    A publicação de que fala destaca-se pelo ódio anti Israelita e anti Ocidental, e pelo desvelo para com o Islamismo (mesmo nas suas vertentes mais terroristas). É uma fábrica de branquear atrocidades, pura e simples. Se houvesse Lei em Portugal, aquela folha de couve estaria a ser alvo de processo de averiguações e procedimento judicial, por usar o suposto Jornalismo para servir uma ideologia fascista.

    Há muitas maneiras de fazer boas obras, não se preocupe relativamente a outros contributos.

    Abraço,

    J.J.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.