sexta-feira, 18 de julho de 2014

A cronologia da mentira (e da vergonha)


 
No dia 17 de Julho de 2014 o "Telejornal" das 20:00 da RTP1, apresentado por João Adelino Faria, num segmento que começa ao minuto 46:43 de um vídeo para o qual se coloca mais abaixo um link, apresenta a seguinte cronologia de alguns dos últimos eventos do conflito "palestiniano"-israelita (a ordem nestas palavras não é acidental: revela, colocando em primeiro lugar, quem é responsável pelo mesmo):
 
   1) é promulgado um cessar-fogo humanitário "proposto pelas Nações Unidas" que "foi aceite";
   2) tal cessar fogo é "rapidamente desrespeitado" quando, como se diz no início do segmento e mais à frente quando se liga tal "desrespeitar" aos feridos "palestinianos", Israel rompe esse cessar-fogo bombardeando uma praia em Gaza e matando quatro crianças que brincavam numa praia.


  Na realidade:

   1) a trágica, mas pelo Hamas desejada, morte das quatro crianças que estavam, não na praia, mas num edifício (veja-se a 3ª  imagem apresentada) num pontão marítimo de onde o Hamas tinha lançado rockets sobre Israel, aconteceu na Quarta-feira, dia 16 de Julho;
   2) o cessar-fogo começou às 07:00 GMT (10:00 locais) de Quinta-feira , dia 17 de Julho;
   3) quem, ainda durante as cinco horas desse cessar-fogo humanitário, o rompeu, não foi Israel, mas o Hamas, com o envio de diversos rockets sobre áreas civis de Israel, tal como o próprio Al-Público não pôde deixar de noticiar.

  A falta de vergonha e a mentira parecem não ter limites quando se trata de denegrir a imagem de Israel. Se acha que isto é inadmissível, contacte, por favor e com termos honrados e nobres que expressem a honra e nobreza de Israel, a RTP para o seguinte contacto:

2 comentários:

  1. Passo a reproduzir o e-mail que acabei de enviar à RTP: "A RTP tem sido ao longo dos anos uma referência no que concerne à informação e os seus profissionais têm obtido regularmente esse reconhecimento.
    É, por isso, incompreensível que, a partir do início da intervenção militar israelita contra os terroristas do Hamas sediados na Faixa de Gaza, intervenção essa que resulta, não de qualquer tipo de vingança pelo bárbaro assassinato de três jovens israelitas raptados por terroristas palestinianos, mas sim, contra o regular e ultimamente intensificado lançamento de morteiros de Gaza sobre as populações civis da diversas cidades israelitas, se tenha assistido à desinformação veiculada pela RTP nos Telejornais, a qual segue a tendência geral que vemos reproduzida pelos principais órgãos de informação escrita e falada.
    Essa desinformação verifica-se quando são omitidos factos ou transmitidas meias verdades que sempre deixam no espectador menos avisado e conhecedor da problemática do conflito Israelo-Árabe, a sensação de que o agressor é Israel que desrespeita cessar-fogos e ataca populações civis e que o Hamas apenas se defende dos ataques de Israel, quando o que se verifica é precisamente o contrário.
    Essas notícias tendenciosas e enganadoras representam tudo o que é reprovável num jornalismo que se pretende sério, objectivo e rigoroso.
    Exige-se, por isso, à RTP que relate os factos com o rigor e a isenção que se impõem para que os espectadores façam o seu próprio julgamento e que, como serviço público de televisão que é, a sua política de informação respeite os padrões inerentes a esse serviço, também no que concerne às notícias que envolvem o Estado de Israel."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente. E há que escrever também ao Provedor:

      http://www.rtp.pt/wportal/grupo/provedor_tv/enviarmensagem.php

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.