segunda-feira, 21 de julho de 2014

O que o Al-Público silencia

Já não é novidade alguma que o jornal Al-Público é o paradigma consumado de uma publicação tendenciosa e hipócrita em todas as suas formas de cobertura de tudo o que está relacionado com o islão. A influência de Margarida "islão quer dizer paz" Santos "o islão tem má publicidade no ocidente" Lopes no mesmo foi imensa e ainda perdura no presente junto de pessoas como, por exemplo, Sofia "'palestina' é um grão de areia" Lorena. Não é, assim, de admirar que na blogosfera já circule este símbolo para caracterizar tal publicação:
 
 
Mas não se pode deixar de lamentar, com a mais firme veemência, que, ao mesmo tempo que os seus jornalistas choram a morte de civis e supostos civis em Gaza (e se toda a morte é trágica, a de civis é-o mais ainda, mesmo que em cenário de guerra pautado pela vontade do Hamas em que os mesmos pereçam), esta publicação ignore ostensivamente mais um bárbaro ataque dos muçulmanos ortodoxos (saliento isto: são ortodoxos, ortodoxinhos) do Boko Haram que, há dias e como revela esta notícia da Associated Press reproduzida pelo Guardian, matou 100 cristãos na Nigéria, em mais um passo para o completo genocídio dos cristãos (estes sim desarmados, ao contrário dos terroristas do Hamas, que estão armados até aos dentes) no norte desse país.
 
 
Abubakar Shekau, líder religioso, político e militar do Boko Haram, em mais uma pose perfeitamente pacifista
 
Onde está este jornal a noticiar este facto (bem como outros que mostraram, à saciedade, a demente natureza intolerante do islão, como é o caso das recentes intifadas em França)? Já não digo referir o nome dos mortos (tal como o mesmo fez, numa plena desfaçatez de apoio a um grupo terrorista, com uma lista fornecida pelos terroristas do Hamas)...

Se acharem bem, escrevam, sempre com a cortesia que norteia quem sabe estar do lado da verdade e do bem, ao Provedor do Leitor do PÚBLICO, perguntando o motivo para tão flagrante dualidade de critérios que, na prática, assume que os não-muçulmanos são cidadãos de segunda.
 
 

1 comentário:

  1. Enviado ao Provedor do Al.Público:

    Assunto: Vossa contínua propaganda antissemita

    Ex.mo senhor,

    O PÚBLICO é um jornal a sério, ou é um órgão de propaganda islamista, comunista e neo nazi?

    A cobertura da operação que Israel está a levar em Gaza para neutralizar o bando terrorista assassino de crianças Hamas, está a servir de pretexto para uma campanha de desinformação e de ódio, por parte do vosso jornal, com destaque, ultimamente, para jornalista (?) Sofia Lorena.

    Depois de ter difundido o apelo directo e explícito ao terrorismo por parte do embaixador dos «palestinos» em Portugal, depois de ter difundido insultos à embaixadora de Israel, depois de anos de CALÚNIAS, o Público agora atinge um novo patamar:

    Glorifica os terroristas, descreve-os como vítimas inocentes, omite (como sempre fez) os ataque terroristas contra Israel, e MENTE, como sempre fez.

    Alguns exemplos, breves, da campanha de propaganda antissemita do vosso jornal, já conhecido como Al-Público:

    http://amigodeisrael.blogspot.pt/2014/07/o-que-o-al-publico-silencia.html


    http://amigodeisrael.blogspot.pt/2013/06/1933-all-over-again.html

    http://amigodeisrael.blogspot.pt/search/label/Publiwood

    As vossas jornalistas assumidamente islamistas estão a confundir os respectivos ódios pessoais, com a REALIDADE, que, suponho, é o que o Jornalismo se deve esforçar por difundir.

    Sem mais,

    I. Bloom

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.