segunda-feira, 21 de julho de 2014

O que o Hamas quer

Em declarações transmitidas há pouco pela BBC World (e que ainda não consegui encontrar na NET, mas assim que o lograr aqui as colocarei), o máximo responsável do Hamas em Gaza, Ismail Haniyeh, diz que só aceita um cessar-fogo que dê ao Hamas quatro coisas:

  1) todas as fronteiras (logo as para Israel, mas também as para o Egipto) abertas;
  2) uma vida estável e próspera para os habitantes de Gaza;
  3) a agressão de Israel deve parar e nunca mais repetir-se; 
  4) libertação de todos os presos "palestinianos" em prisões israelitas.
Ismail Haniyeh com o seu ghutra elitista
("eu não cher egípcio, mach 'palestiniano'")
Trocando isto "para miúdos", o simpático senhor Ismail Haniyeh, deseja:
  1) que Israel e o Egipto abdiquem das suas soberanias e, ao contrário de todos os demais países do mundo que não prescindem (em regime de acordos internacionais), de controlos fronteiriços (certamente para os terroristas do Hamas irem a um qualquer kibutz comprar caramelos);
  
  2) que os habitantes de Gaza tenham (provavelmente pelo incremento dos chorudos envios de fundos a fundo perdido dos USA, UE e países sunitas do Golfo arábico) o que ninguém pode garantir, em parte alguma do mundo, que se venha a ter;

  3) Israel nunca mais poderá defender-se dos ataques do Hamas, se calhar porque, no fundo e a partir da perspectiva do Hamas e a maior parte da impressa mundial, tais ataques não são "ataques", mas presentes amorosos;

  4) Israel, numa implementação de um apartheid judicial que no presente não vigora neste país, não criminalize os criminosos "palestinianos", antes legalize todas as formas de violência anti-semita que, devido aos textos do corão, pula no coração dos "palestinianos".

1 comentário:

  1. Eu tenho contra-propostas:

    - Os anti-israelitas que DESAPAREÇAM TODOS de Israel. NENHUM país do Mundo tolera terroristas dentro das suas fronteiras (agora o Ocidente já tolera os jihadistas, mas enfim...).

    - Gaza e a Judeia e Samaria são Israel. Israel que assuma sem cedências de qualquer espécie a soberania TOTAL de todo o SEU território.

    - Nos 88% de Israel que foi dado aos Árabes e roubado pela Jordânia, façam o tal Estado Árabe «Palestino». O Médio Oriente é 100 vezes maior que Israel. Há espaço para umas dúzias de «Palestinas». Se os irmãos muçulmanos amam tanto os «palestinos» (que não existem, são jordanos e outros), dêem-lhes o território que o Mandato Britânico lhes destinou. Já para não falar nos 2/3 do seu próprio território que Israel cedeu em troca de Paz.

    - Nem UM terrorista libertado! Prisão - mas com TRABALHO! Alguma coisa hão-de aprender a fazer, além de matar gente.

    - Todos os países que proíbem a entrada de judeus, os seus cidadãos serão proibidos de entrar em Israel.

    - Toda as agressões terroristas respondidas com força TOTAL. baixas civis são culpa dos terroristas, que se escondem atrás da sua população.

    - Continuação das operações de destruição do Hamas, Hezzbollah e afins. Os EUA combatem os terroristas nos antípodas, Israel tem o direito de os combater na sua fronteira.

    JJ

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.