quinta-feira, 17 de julho de 2014

Gasolina no Fogo



"O silêncio em face do mal é o próprio mal. Não falar é falar. Não agir é agir".

Dietrich Bonhoeffer, pastor Luterano alemão, opositor e mártir do Nazismo

"O movimento palestiniano – que se demarcou da proposta de cessar-fogo por não ter sido previamente consultado" - PÚBLICO

Então foi isso!!! Israel aceitou o cessar-fogo, mas os pobres terroristas, tão bonzinhos, só continuaram a disparar centenas de mísseis contra Israel porque gostam de cumprir a as regras. Gente recta é assim...

Agora a sério, e por quem está no terreno:

Há situações certamente difíceis de aceitar para quem compartilha a ideologia do Hamas. E esses vão certamente desmentir estes factos. Nós compreendemos.

Os pilotos israelitas, que participam na campanha contra os lançadores de mísseis, da Faixa de Gaza, recebem de antemão todos os detalhes do alvo que deverão destruir. Eles levantam voo, executam a missão que lhes foi atribuída, e regressam à base.


Em muitos casos os alvos são prédios de habitação, no interior dos quais estão armazenados mísseis, ou lançadores. Usando as informações recebidas dos serviços de inteligência, quase sempre é feito um telefonema para os habitantes, informando que têm 5 minutos para abandonar a casa, antes desta ser bombardeada. Estas instruções poucas vezes são atendidas, porque os habitantes são ameaçados pelo Hamas de que se devem comportar como mártires do Islão e manter-se dentro das casas.
Desde o início das operações, houve já vários casos em que o piloto comunicou para a base que ia regressar sem cumprir a missão, pois estava a ver, por exemplo, crianças a brincar sobre o telhado e ele não iria bombardear o alvo, sabendo que ia matar as crianças. Os mísseis ali escondidos iriam depois ser lançados contra populações civis de Israel, incluindo escolas, hospitais, jardins infantis e habitações de famílias.

Nos últimos dias, como o Hamas e a Jihad Islâmica rejeitaram o cessar-fogo proposto pelo Egipto, e até alargaram a área alvo dos mísseis, que já abrange praticamente todo o território, o Exército de Israel decidiu "limpar" totalmente algumas áreas onde sabe estarem armazenadas quantidades de armas. Então são feitos avisos à população, em língua árabe, quer pela televisão, que espalhando milhares de panfletos no ar, para que abandonem as suas casas. Em alguns casos indicam-lhes qual a direcção mais segura para seguirem.


Isso deu origem a um grande êxodo, famílias inteiras carregaram os seus haveres principais em carroças, puxadas por burros, e procuraram outros destinos.


Hoje o Hamas avisou-os, por vias semelhantes, de que não deveriam de forma alguma abandonar as suas casas, ficando nelas para morrer aí como mártires do Islão, pois, se não o fizessem, assumiriam a responsabilidade por uma morte muito mais terrível do que os bombardeamentos dos agressores.

 - Para ver um vídeo de uma situação em que a Força Aérea de Israel lança rocket de aviso, veja este post, sff.


A Imprensa, se não promove a Paz, pelo menos deveria relatar os FACTOS!

O silêncio cúmplice da Imprensa, a omissão do terrorismo islâmico, são tão graves como a difamação contínua como a que exerce o jornal Público e a Imprensa mainstream de um modo geral. Deitam gasolina no fogo!

Os terroristas não cometeriam metade das atrocidades que cometem se a opinião pública mundial não fosse manipulada a favor deles. Já para não mencionar que seria muito mais fácil neutralizá-los. Israel tem o poderio militar necessário. A dificuldade está em lidar com uma oposição antissemita global. Benjamin Netanyahu sabe disso.

1 comentário:

  1. "Os terroristas não cometeriam metade das atrocidades que cometem se a opinião pública mundial não fosse manipulada a favor deles" Verdade... trata-se para alguns de um síndrome de Estocolmo (ceder ao torturador e violador para se sentir mais confortável numa situação de humilhação) e para outros de abater a liberdade.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.