sábado, 19 de julho de 2014

A vergonha dos nomes

Em mais um panfleto filo-islâmico e anti-Israel, o jornal Al-Público decidiu dar eco aos nomes que, através da Al-Jazeera (que, enquanto sediada num Qatar que é dos maiores financiadores do terrorismo islâmico e tem práticas e políticas laborais degradantes para todos os não-muçulmanos, é conhecida pelas suas mentiras e manipulações e foi banida no Egipto por apoiar a imperialista e intolerante Irmandade Muçulmana, por sinal a progenitora do movimento terrorista Hamas), o porta-voz do ministro da saúde do Hamas, Ashraf al-Qedra, disse serem dos mortos de Gaza.

O mesmo não se verificou com o nome dos mortos israelitas: Eitan Barak, Adar Barsano, Bar Rahav, Bnaya Rubel e, contra as promessas dos sempre credíveis porta-vozes do Hamas, Ouda Lafi al-Waj, talvez por o Al-Público não achar que estes não merecem ser lembrados. Nem se verificou com o nome das vítimas do terrorismo islâmico que, só neste ramadão, já excedem os 1500, talvez por o Al-Público também não achar que estes sejam serem humanos.
Não se coloca em causa o direito do Al-Público ter a sua política editorial. O mesmo é livre de a ter e o reconhecimento da mesma é o que levou à publicitação, na blogosfera, do seu verdadeiro símbolo:
Dar dinheiro a quem dá eco à voz do terrorismo é financiar moralmente esse terrorismo.
Diga "não" à mentira e à vergonha da desinformação filo-islâmica do Al-Público.


1 comentário:

  1. Quando cliquei para publicar e ver este post, reparei que se antecipou. Mas pensámos exactamente na mesma direcção. O Al-Público deve ser boicotado por todas as pessoas de Bem. A 'Sofrida Morena' está completamente descontrolada!

    I.B.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.