segunda-feira, 7 de julho de 2014

SHELLY DADON X MUHAMMAD ABU KHDEIR



O Lisboa Jerusalém resumiu assim a visão internacional da morte do jovem  Muhammad Abu Khdeir:
"'Dois jovens brutalmente assassinados por motivos nacionalistas'
SHELLY DADON E MUHAMMAD ABU KHDEIR
A Polícia de Israel anunciou a detenção dos suspeitos no MESMO dia (6 de Julho).
A história de Muhammad fez manchetes em toda a Imprensa mundial, porque ele era muçulmano, e os suspeitos da sua morte judeus.
A história de Shelly foi ignorada porque ela era judia e os suspeitos da sua morte  são muçulmanos"
 
Um de muitos artigos exaltadores do assassínio dos três jovens adolescentes israelitas:
Ainda é capaz de ganhar o Nobel da paz, o assassino... 

Shelly Dadon, para a Imprensa mundial, nem existe, é uma mosca, que deve ser morta, e mais nada. Já Muhammad Abu Khdeir, nasceu herói e santo, porque nasceu muçulmano. E a manipulação da sua morte, para despertar o ódio antissemita, vai ser praticada na Imprensa daqui a 10, 20, 30, muitos anos.

Um grupo de adolescentes israelitas, habituados a viver sob o terrorismo islâmico e sob a difamação dos media, vingou a morte dos seus três amigos, assassinando um jovem. Absolutamente condenável! Mas para a Imprensa não é condenável assassinar judeus. É louvável!

O tratamento da Imprensa da situação em Israel é este - PARCIAL:


Da organização ARABS FOR ISRAEL

Vimos as declarações de regozijo das autoridades "palestinas", vimos a festa nas ruas árabes, vimos a festa nas redes sociais, feita pelos extrema esquerdistas e pelos islamistas, a propósito do assassínio dos jovens israelitas judeus. Agora vemos a indignação com esta morte.

Judeu não vale nada. Muçulmano vale tudo!



 Ahmed Tibi, membro árabe do parlamento israelita, entrevistado pelo Channel 2, recusou classificar o rapto e assassínio dos três jovens judeus como terrorismo. 

Os deputados árabes no Parlamento de Israel (a única democracia do Médio Oriente), não condenam a morte dos três jovens judeus, nem se ralam com a morte de outros muçulmanos no Iraque, na Síria, em Gaza. A indignação vai toda para este caso. PROPAGANDA DESPUDORADA!

Passa hoje mais um aniversário dos atentados terroristas islâmicos de 7 de Julho. A maior parte da Imprensa nem menciona a efeméride. Como abutres, caem sobre o caso Muhammad.


O terrorista Muhammad Nazal, membro da Comissão Política do grupo terrorista Hamas, congratulou-se com o sequestro. Não passa na TV Ocidental. Passa na TV do Hamas. 
E foi um dentre muitos casos. A celebração do assassínio dos três jovens judeus foi generalizada. Neste post, demos um la-mi-ré da orgia de felicidade das bestas islamistas e extrema esquerdistas:

O Riso da Besta

A propósito de bestas que riem, esta senhora é a terrorista Ammeen Zoabi, que, como outros terroristas árabes muçulmanos, tem assento no Parlamento de Israel. Que outro país do mundo senta terroristas, que o querem destruir, no Parlamento?

 Declarações da senhora Zoabi:

"A Árabe-israelita Haneen Zoabi. membro do Parlamento israelita, disse numa entrevista à rádio Tel Aviv nesta terça-feira que as pessoas que sequestraram os três adolescentes israelitas na semana passada "não são terroristas. São pessoas que não vêem maneira de mudar a realidade, e são forçados a usar estes métodos, para a sociedade israelita sentir empatia com o sofrimento do outro".
E se nós disséssemos o mesmo dos jovens que mataram o Muhammad Abu Khdeir? O que acharia a senhora dona terrorista?


Sem esquecer o apelo aberto, literal, explícito do «embaixador» da «Palestina» ao genocídio dos judeus, no jornal Al Público:

TERRORISMO NO PÚBLICO 

O embaixador do terrorismo em Portugal, 


Olhando para as carinhas dos três miúdos judeus assassinados, do miúdo árabe assassinado, ou para a da rapariga judia assassinada, sinto a mesma compaixão - deles, das famílias, das comunidades a que pertencem. São miúdos como os nossos, que vemos todos os dias pela rua. Iguaizinhos!

Assassinar alguém é sempre condenável - e nem vou atenuar o assassínio do jovem árabe por os assassinos ou assassino serem também garotos.

Mas a Imprensa e a extrema (ou não tão extrema) esquerda, celebram a morte dos judeus! E os políticos, por razões petrolíferas e outras, não condenam o terrorismo sobre israelitas ou judeus.






Poderíamos estar aqui a relatar JORNALISMO ASSASSINO  e PALESTINIANISMO ASSASSINO até ao dia 7 de Julho de 2015.

Hoje passa mais um aniversário do 7 de Julho, dizíamos...

Em Londres, o memorial às vítimas foi vandalizado pelos do costume:

 “'4 Muçulmanos Inocentes': Memorial às vítimas dos atentados de 7/7 em Londres foi vandalizado horas antes de as famílias chegarem para a cerimónia"

Richard Spillett, Daily Mail, Julho 7, 2014


Slogans de ódio  foram pintados sobre o monumento.  A 7 de Julho de 2005, os terroristas islâmicos Hasib Hussain, Mohammad Sidique Khan, Germaine Lindsay e Shehzad Tanweer, fizeram detonar uma bomba no metro de Londres, assassinando 52 pessoas e ferindo centenas de outras. O jornal Daily Mail omite o nome muçulmano de Germaine Lindsay, um convertido ao Islão.



Abu Dugma al-Britani

Este agradabilíssimo jovem cavalheiro, nascido em solo britânico, filho de imigrantes, está na Síria a trabalhar para a expansão do Califado Global. Como forma de gratidão ao país que acolheu a sua família e a sustentou (e a ele), enviou ontem, véspera do aniversário dos atentados, a promessa de que a bandeira negra do Califado há-de tremular no Reino Unido, e que ele, pessoalmente, conduzirá as execuções de infiéis em Trafalgar Square.
“Combatente Britânico do ISIS promete execuções em Trafalgar Square"
 Neil Doyle, Mirror, Julho 6, 2014


Assim vai alastrando o Califado Global. Ontem foi preso um destes "combatentes" aqui em Lisboa.


  
O terrorista britânico  Aseel Muthana, que a paz seja sobre ele


Quem é também positivamente um jovem promissor é o Aseel Muthana, que, com a sua barba salafista, deixou o Reino Unido, país onde a família foi acolhida e sustentada pelo contribuinte, e onde ele nasceu, e voou para o Califado. De lá, usando tecnologia dos "porcos" e "macacos" que são os infiéis, o Muthana apela aos jovens do mundo que se lhe vão juntar. Há virgens que cheguem para todos no Paraíso islâmico!
“Jovem britânico que deixou Cardiff para se juntar ao ISIS na Síria, apela nas redes sociais a que outros jovens britânicos se lhe juntem na Jihad” 
Leon Watson, Daily Mail, Julho 6, 2014


Só para terminar, porque estes novelos não acabam, duas gémeas de Manchester terão ouvido os apelos do grande pequeno Aseel Muthana, e ala para a jihad, que se faz parte! Saíram na calada da noite, apanharam o avião para a Turquia (quem terá pago?...) e a esta hora já deverão estar a cumprir a sua missão - a que o Islão reserva às mulheres em tempo de guerra santa. Perceberam ou querem que vos faça um desenho, meus semelhantes?


“Irmãs gémeas terão fugido de casa dos pais em manchester para se juntarem a redes terroristas na Síria”
Dan Thompson, Manchester Evening News, Julho 6, 2014

Tudo coisinhas que a Imprensa não conta, ocupada que está a difamar Israel.
Para eles e para todos os pró terroristas, a nossa mensagem carinhosa:



 Pensando melhor, uma não chega. Aqui vai uma jihad delas:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.