segunda-feira, 29 de julho de 2013

Win-Win



O Sr. Dr. Yusuf al-Qaradaw, um dos mais influentes clérigos islâmicos do mundo, autor de mais de 100 livros sobre a Doutrina Islâmica, Presidente da União Internacional dos Académicos Islâmicos e líder espiritual da organização terrorista Irmandade Muçulmana, divulgou o vídeo abaixo, em que apela aos muçulmanos de todo o mundo para que vão para o Egipto e dêem as suas vidas pelo que «está certo», ou seja, pelo regresso da Irmandade Muçulmana ao Poder...


De interesse também, mas não divulgado pela Imprensa mainstream  é a notícia de que no Egipto os manifestantes pró-Irmandade Muçulmana estão a alvejar os seus correlegionários para poderem culpar o Exército:
Novas evidências indicam que alguns dos manifestantes pró-Morsi mortos pelo exército egípcio, após a expulsão do presidente da Irmandade Muçulmana, foram realmente mortos por companheiros manifestantes pró-Morsi. Eles fizeram isso, de acordo com o relatório, para culparem os militares, incitarem mais violência islamista, mais inquietação, e angariarem a simpatia da América, que tem sido extremamente crítica dos militares, especialmente no contexto da violência pós-Morsi.

O programa de satélites árabe, Al Dalil ("The Evidence") mostrou recentemente a prova, que consistia principalmente de gravações de vídeo.

Um vídeo regista eventos em 8 de Julho, durante os protestos pró-Morsi em frente ao prédio da Guarda Republicana no Cairo, onde Morsi estava, e onde o derramamento de sangue entre os militares e a Irmandade começou. O vídeo mostra um jovem com a cabeça raspada e barba estilo salafista a aproximar-se da barreira da Guarda Republicana, ele leva um tiro, cai no chão e morre, com outros manifestantes num ataque de fúria contra os militares. Como os jogos de vídeo, parece claro que os militares atiraram nele.
No entanto, vendo o vídeo em câmara lenta e zoom, este indica claramente que alguém por trás dele, a partir da multidão pró-Morsi, o alvejou. (...) quando a câmara faz zoom, o ferimento de bala e sangue são visíveis na parte de trás de sua cabeça, e a frente, de frente para os militares, mesmo depois de ele cair, não parece ter um arranhão. Considerando-se que o militar estava de frente para ele, parece evidente que um sujeito pró-Morsi atirou nele pelas costas.
No mesmo dia em que este homem do vídeo e outros foram mortos, Muhammad Mahsoub, um ex-membro da Irmandade e político, twittou o seguinte: "A Irmandade sacrifica a sua juventude nas ruas, enquanto os filhos dos seus líderes estão nas estâncias balneares ... Allah amaldiçoará os hipócritas [baseado num verso do Alcorão], "Eu repetidamente adverti al-Baltagi contra o seu plano para antagonizar os militares, simulando ataques contra os manifestantes, mas ele insiste no seu plano ... "(...)
Outro vídeo exibido no Al Dalil é ainda mais evidente. Um veículo blindado aparece lentamente a dirigir-se para um grupo de manifestantes pró-Morsi, muitos facilmente discerníveis com as barbas de estilo salafista. Um tiro é ouvido e o homem mais próximo dos veículos que passavam, cai. Mais uma vez, num primeiro momento, parece que os homens no veículo blindado disparam contra o homem.Mais uma vez, em câmara lenta, torna-se evidente que o homem de gilbab (longa túnica ao estilo muçulmano) que está directamente atrás do homem assassinado, é realmente a pessoa que atirou nele, foi até um outro homem perto dele, deu-lhe o arma, e então rapidamente afastou-se da cena. Mesmo o homem no telhado que está a gravar o esta cena é ouvido a perguntar: "Foi o carro [veículo blindado] que disparou?". Alguém responde: "Não, não".
(...)Para muitos muçulmanos, matar um aliado para promover o Islão, é legítimo, especialmente no contexto de duas ideias islâmicas: 1) A jihad [guerra ao serviço do Islão], que em jurisprudência islâmica é considerado o "auge" do Islão; a sua própria função, desde o primeiro dia da missão de Muhammad, é fazer com que o Islão seja supremo e 2) A ideia jurídica abrangente do Islão de que "a necessidade faz com que o proibido seja permitido", o que significa que os fins louváveis, por exemplo, defender o Islão, justificam a utilização de meios proibidos. Tudo o que importa é a intenção da pessoa, ou niyya.
Assim, porque fazer o Islão supremo é a maior prioridade, qualquer coisa e tudo o que é de outra forma proibido, matar outros muçulmanos, mentira, prostituição, sodomia, torna-se permitida, desde que vista como uma forma de promover e fortalecer o Islão.Com base na sua intenção de promover o Islão, aqueles que cometem até mesmo os crimes mais horríveis, são exonerados, enquanto os "sacrificados", tais como os apoiantes de Morsi mortos pela Irmandade, vão supostamente atingir o mais alto nível do paraíso. De um ponto de vista islâmico, que é uma situação win-win.

Daqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.